Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

A Candidata: O começo do fim (chamada)

Escrever A Candidata foi uma longa imersão. Talvez isso seja um clichê, mas, depois de finalizada a primeira parte da história, eu conseguia facilmente imaginar que todos os personagens – dos protagonistas aos coadjuvantes – realmente existiram. Ou existem. Foi uma experiência incrível tecer o passado, o presente e divagar sobre o futuro de pessoas que, para além de tudo, me contaram a sua história. Sim! Não pensem que eu estou lhes contando a história de Timbaúba e da família Pinheiro: eles próprios a contam. Eu sei que não conseguirei ficar muito tempo longe deles, então, aguardemos surpresas!

Ontem à noite foi ao ar o sexto episódio (que você pode ler clicando aqui). Nele, a tensão se acirrou dentro e fora da família Pinheiro: Jurema e Laurinda se distanciaram ainda mais, Antônia está sendo quase sugada pelo passado da família. Por fim, tivemos a visão de um plano combinado entre Camila e Álvaro. Utilizando Antônia como peça. Como a pobre moça irá reagir?

Na próxima terça-feira (25), irá ao ar o penúltimo episódio da temporada. Eu nem me arriscarei a tentar resumir o que acontecerá neste episódio, pois, ele é um dos – se não o – mais densos, mais profundos, da temporada. Assim como eu, com certeza vocês ficarão chocados com tudo o que irá acontecer. Então, vamos de

Conferir um sneak peek do sétimo episódio de A Candidata:

“– Sabe, Álvaro, eu acredito em karma – Antônia lhe estendeu o copo para que ele o enchesse novamente. – Não sou uma pessoa muito espiritualizada, odeio seguir ritos e regras que me dizem como devo falar, me vestir, como eu devo ser. Acima de tudo, aliás, sempre questionei o fato de o grande salvador ser sempre um homem – ela pegou o copo de volta e bebeu a dose, novamente, em um só gole. – Enfim, eu não acredito nessas coisas, mas acredito naquele axioma: aqui se faz, aqui se paga. O meu avô já fez muita coisa ruim nessa vida e o maior castigo para ele é viver. Por isso que ele está aí, vivo até hoje, porque precisa conviver com tudo de mal, de monstruoso que fez.

Antônia parou de falar abruptamente e sorriu.”

Por mais que pareça simples, essa fala de Antônia é uma das mais fortes e reveladoras de toda a trama. No mais, eu desejo de todo coração que vocês estejam ansiosos para ler o penúltimo episódio, mais ansiosos ainda pela continuação, e ainda mais ansiosos para saber que segredos Timbaúba ainda nos reserva. Detalhe: nem eu mesma sei!

Não deixem de acompanhar as emoções do penúltimo episódio de A Candidata na próxima terça-feira, 25, às 23h, aqui na Cyber TV! Para não esquecer, ativem o alarme no celular, eu garanto que ninguém vai se arrepender!

POSTADO POR

Luna Araújo

Luna Araújo

Luna Araújo é um pseudônimo para escrever histórias que misturam mistério e ação, cujo objetivo é - tendo como pano de fundo algum acontecimento marcante - fazer um estudo da condição humana e da existência ou não de limites para nossos atos. É a autora de A CANDIDATA, minissérie exibida aqui na Cyber TV.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo