Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

A Descoberta – Capítulo 14

Na manhã seguinte, os resultados dos exames complementares estavam nas mãos do médico, e ele bem na minha frente. Os indicadores pioraram. A recomendação foi convocar os membros da família para uma análise de compatibilidade medular, com vistas à realização de um transplante. Sob o aspecto clínico, a última alternativa. Sabendo do prognóstico, Lara conteve as lágrimas e procurou me animar.

O intrigante de tudo isso é que, apesar de ser comigo, não me sentia como um terminal. Uma força estranha me empurrava para a vida. Talvez o experimento direcionasse minha atenção para fora de mim. De certa forma, manter a mente ocupada seria melhor do que curtir a depressão de saber que eu estava tão mal.

À tarde, já em casa, aguardava André para auxiliar nos registros. Estava sentado na poltrona, com o tabuleiro de xadrez e as peças arrumadas bem à minha frente. Sentia que a vida assemelhava-se àquele jogo. No começo, achamos que estamos no controle. A esperança de ganhar sempre nos motiva. De repente, os ventos mudam e ficamos ao sabor dos acontecimentos. Só nos resta aguardar uma chance. Até que a sensação de impotência sobrevém, permanece e subtrai os sonhos. O passado, as lembranças emergem como tábuas de salvação tentando nos dar um sopro a mais de vida. No entanto, sabemos que são apenas lembranças.

As conquistas, o amor e o sonho de fazer algo importante diminuíam de importância diante da situação que representava meu fim. Tinha tanto ainda para descobrir e explorar! Apesar de tudo, senti necessidade de ter mais um contato com meu filho.

Em meio ao fluxo de pensamentos, via Lara cochilar. Mais uma vez, contemplei o ambiente tomado por aquela atmosfera de paz. A temperatura cálida, agradável, o aroma de rosas e aquele fino feixe de luz penetrando pela janela a matizar a superfície da mesa, exatamente onde o equipamento estava instalado.

De repente, o contemplativo foi quebrado pelo som estridente da campainha. André. Estava ofegante. Parecia nervoso. Entrou. Com passadas firmes depositou a mochila de equipamentos no chão. Omiti qualquer comentário. Esperei. Quebramos o silêncio conversando sobre os registros. Lara desceu a escada com cara sonolenta.

— Querida, você está bem? — perguntei, tentando ajudá-la a despertar mais rapidamente.

— Sim, mas com um tremendo sono. Coisa de mulher grávida.

— Vamos colocar o eletrodo, então. — Sugeri, segurando o dispositivo na mão, pronto para adaptá-lo.

Instalado o eletrodo, iniciamos a captação de sinais. O embrião acordara. Aquela típica explosão de luz dourada na tela marcou o início de sua manifestação.

— Senti falta de vocês — disse ele. Sua voz, porém, não era a mesma. Agora era possível percebê-la mais infantil, de menino mesmo:

— Sua voz está diferente — observei.

— O tempo avança, os neurônios passam a captar o padrão de diferenciação do novo corpo.

Tive o ímpeto de perguntar algo importante. Lara e André estavam concentrados em mim. E eu  transpirava receoso de conhecer a resposta à pergunta que estava prestes a fazer. Deveria perguntar isso a uma criança? Será que ele sabia da minha condição?

— Professor! Professor! O senhor está bem? — perguntou André, preocupado.

— Querido, o que houve? Acha que devemos parar? — Indagou Lara, aflita.

— Não, não, estou bem. Só tenho  dúvidas quanto a uma pergunta. Não sei se devo fazê-la.

Naquele momento o embrião produziu uma tela escura com um túnel prateado bem no centro.

— Pai, tenho ciência de sua pergunta: Como é a morte?

Meus olhos afoguearam.

— O medo do desconhecido — continuou — é mais um conceito errôneo que aprendemos ao longo de milênios. A morte é apenas uma pausa.

Enquanto o embrião (meu filho) falava, notei Lara empalidecer.

— Querida, o que está havendo?

— Medo.

Procurei acalmá-la, dizendo que estava tudo bem. O mesmo que chover no molhado. Ela continuou:

— É estranho. Sinto o que ele sente. Vejo em minha mente as coisas que ele vê. Compartilhamos os mesmos sentimentos.

Imediatamente perguntei ao meu filho o porquê daquilo. Ele respondeu com precisão:

— Estamos unidos por vários fatores. O que ela sente, também sinto. Às vezes, mamãe sonha os meus sonhos.

 — E por que ela sente medo?

Houve um silêncio perturbador. O monitor escureceu. Nenhum sinal. De repente, a tela ficou azul e o embrião decidiu falar:

— Gostaria de propor um experimento.

— De que tipo? – perguntei, curioso.

— Coloque o eletrodo em você e segure a mão dela.

— Mas, nós perderemos contato…

— Simplesmente faça.

Apreensivo, retirei o eletrodo de Lara e o posicionei em mim. O monitor agora captava os meus sinais. Porém, ao segurar a mão de Lara, três sinais surgiram na tela. Surpreendentemente tive visões mentais, assim como Lara havia descrito anteriormente. Ouvi o embrião pedindo que me recostasse no sofá e relaxasse. Fiz exatamente o que ele sugeriu. Fechei os olhos. E as imagens mentais ficaram nítidas. Tive a visão do túnel. Eu estava lá! Posicionei-me diante daquele turbilhão. Era enorme e girava rapidamente. Uma força incrível me atraía em sua direção. Novamente, ouvi a voz do embrião pedindo para que eu atravessasse o túnel. Hesitei, até que finalmente me arremessei. Entorpeci instantaneamente. Fui engolido por uma luz branca. Silêncio. A claridade ofuscante diminuiu aos poucos. Olhei em torno e percebi que estava numa casa parecida com a minha. Lara  cozinhava, feliz. Parecia ambientada e falava com alguém que eu não via:

— Venha ver quem chegou! Você ficará surpreso — disse ela.

Olhei para a porta e vi uma bola de praia azul rolando para mim vagarosamente. De repente, surge um menino sorridente de aproximadamente seis anos, cabelo encaracolado, castanho, pele alva. As linhas do rosto o tornavam bastante familiar.

— Você é…

— Sim, papai. Sou eu.

— Onde estamos? Que lugar é esse?

— Vocês estão na minha mente.

Imediatamente teorizei que o cérebro, mesmo o de um embrião, cria um modelo de realidade a partir das impressões que capta através da mãe.

— É assim que você imagina nossa casa?

— Sim, é dessa forma que seremos um dia.

— E Lara… Desculpe… Sua mãe sabe que estamos aqui?

— Claro que sim.

— Por que você nos trouxe aqui?

— Preciso falar uma coisa  importante.

Naquele instante, o ambiente, antes claro e acolhedor, tornou-se sombrio. Uma brisa fria soprou. Então, eu disse:

— Olha, prefiro não saber de nada. Já sei o que me espera. Por favor, não antecipe minha angústia.

O menino se aproximou, sempre a me  olhar com atenção.

— Não é sobre a sua morte, mas sobre a minha.

Nesse momento, Lara virou-se rapidamente. A faca caiu da mão. Precipitou em direção ao garoto e segurou-o pelos ombros:

— Mas do que é que está falando?

Tentei segurá-la, mas fui afastado. O menino a olhou calmamente e, explicou:

— Desde o começo dos experimentos, disse que o sinal estava fraco e instável. Na verdade, me referia ao meu próprio sinal.

— E por quê? – Perguntei

— O objetivo de minha existência é salvá-lo.

— Impossível. Trata-se de uma doença fatal… Não há como evitá-la, a menos que seja com, sei lá, com um transplante de medula. Mesmo assim, na minha idade, tal procedimento não é garantido. — O menino disse suavemente:

— Minhas células poderão ajudá-lo.

Olhei para Lara completamente confuso,

— Um transplante das minhas células para a sua medula e tudo estará resolvido.

— Não tenho o direito de tirar a sua oportunidade de viver. Já vivi o suficiente! Além disso, tal procedimento é proibido.

— Sei disso, mas seus colegas de equipe o auxiliarão. Tudo dará certo. Não se preocupe. Você, papai, deverá ficar para contar aos outros sobre esta nossa experiência. Mostre que a vida é ampla e deve ser respeitada.

— Isso é o mesmo que cometer canibalismo — rebati.

— Células são unidades promotoras de vida. Nelas há o substrato da vida. O transplante apenas lhe dará o potencial de melhora.

Lara, furiosa, me agarrou pelo colarinho:

— E eu, como fico nessa? Eu sou mãe e ao mesmo tempo não sou! Estou na iminência de perder um filho e um marido. Por que Deus tiraria os dois de mim? Fui enganada. Deus me enganou.  Como fico sem vocês? Preferiria não saber de nada! — e rompeu em lágrimas.

O menino se aproximou, deslizou seus dedinhos por entre os cabelos de Lara, que o abraçou fortemente.

Este não é um momento de conflito, mas de paz. A vida não cessa da forma como se imagina. Lembre que a vida só vale a pena se — tivermos amor. Mãe, se nos ama, esqueça de si mesma. Só se encontrará Naquele cujos planos desconhecemos. Deve ser assim.

Lara ergueu a cabeça, afrouxou os braços, deixou-os pender. Nossas missões (destinos, talvez?) já estavam traçadas. Mas e ele? Estaria  encerrado para sempre o nosso contato?

— Pai, o processo de desligamento começou. — Seus olhinhos, antes brilhantes, tornaram-se esbranquiçados. Então, completou: — As células devem ser coletadas o mais rápido possível.

Naquele instante, Lara sentiu uma forte cólica. Ouvi a voz de André como um eco distante a me chamar. Abri os olhos e notei que havia sangue no local onde Lara estava sentada.

— Vamos rapidamente para o hospital universitário. Farei a coleta das células.

— Professor, o que foi?

— Depois explico. Ligue para Carolina. Peça a ela para convocar rapidamente a equipe de pesquisas de células embrionárias. Procedimento sigiloso.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Geraldo Medeiros Jr.

Geraldo Medeiros Jr.

Geraldo Medeiros Jr. Roteirista, contista, dramaturgo e romancista. Ganhador do terceiro prêmio literário SFX - 2015, promovido pelo Governo do Estado de São Paulo em conjunto com a Secretária da Cultura de São José dos Campos. Especializado em ficção e fantasia pela Universidade de Michigan.

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>