Além da porteira: Capítulo 35

 

Capítulo escrito por: Luiz Lisboa

Classificação indicativa: 

 

SÍTIO  DE  GLÓRIA

Logo ao amanhecer,Glória após preparar o café da manhã em seu fogão a lenha,saiu  para ir visitar o seu sobrinho Raul.

Chegando lá,Glória já avista Raul no quintal,cuidando de seus animais…

GLÓRIA:Bom dia meu sobrinho!como tem passado?

RAUL:Oi tia.Bom dia.Tenho passado bem.

GLÓRIA:Parece um pouco abatido,triste , preocupado.

RAUL:Nada não,é cisma da senhora.

GLÓRIA:Da outra vez em que estive aqui,estava tão animado,parecia feliz.

RAUL:Escuta tia.Quem aquele rapaz que estava com a filha do maldito ontem cavalgando pela estrada?

GLÓRIA:Você tá falando da filha de seu Dorico?

RAUL:Isso tia,desse aí mesmo.

GLÒRIA:Uai,Raul,você não sabia?É o noivo dela,em poucos dias ela irá se casar com ele e vai embora pro Pantanal.

RAUL:Noivo?Eu não sabia não tia.Então ela  irá  se casar  ?

GLÓRIA:Vai sim .E vai ter a maior festança lá na fazenda.Por falar em festança,você gostou da serenata que Lídia fez pra você.

RAUL:Ela canta bonito,mas não quero namorar com ela não tia.Gosto dela como minha prima,como uma irmã.Fala pra ela não fazer isso mais não,pra  não    sofrer mais.

GLÓRIA:Hoje tô te achando muito estranho.Tô indo embora ,porém  preocupada.

RAUL:Preocupa não tia,eu sempre fico bem.

Mais uma vez a vida desapontou Raul.Seu coração estava abrindo-se ao amor,mas por ele não saber da verdadeira história do casamento de Promessa,sente que tudo que sonhou e planejou junto a ela caiu por terra.E no seu íntimo a julga mal, por ter rondado várias vezes a sua casa dando ele, a entender que ela estava afim de algo com ele.

RAUL:Filha do maldito,tem que ser igual a ele mesmo.Maldita,querendo abusar da minha confiança.Essa aproximação dela deve ser truque dela com o pai pra   arrancar o meu sítio,Pagarão  por tudo de ruim que fizeram a mim .

Até que as coisas se esclareçam para Raul,ele alimentará uma raiva momentânea por Promessa.Seu coração que havia amaciado com o amor que sentiu por ela,voltou a endurecer com a falta da verdade sobre a mesma.

 

NA  FAZENDA

 

Enquanto Dorico está vistoriando alguns serviços na fazenda,Promessa e Carlos estão sentados na varanda e conversando.

PROMESSA:Me diz se está gostando daqui.

CARLOS:Aqui é bom demais.Lugar melhor é impossível.Será que eu não consigo uma pretendente por aqui?

PROMESSA:Vamos trabalhar em cima disso amigo.O casamento de Tiãozinho e Flor será aqui na fazenda dentro de mais alguns dias,e virá muitas mocinhas da região.E quem sabe você consegui agradar de uma e ela por você.

CARLOS:Temos qu ter muita cautela.Se o seu pai descobrir tudo vai se complicar pra nós.

PROMESSA:Coloque uma coisa na sua cabeça Carlos:nosso casamento é fato descartado,não acontecerá de forma alguma.Nem que eu tenha que morrer mas me casar  forçadamente,jamais.

Enquanto Promessa afirma que não se casará à força,que não terá casamento .Seu Dorico está no curral dando algumas ordens para Renato e Dico.

DORICO:Eu quero que vocês dois ,separem três  novilhas gordas pra morrer.Uma no casamento de Tiãozinho e Flor,e  as outras duas pro casamento de minha filha com o filho do meu compadre Francisco, esse que é o genro que todo sogro gostaria de ter.

DICO:Pode deixar patrão,eu e o peão Renato  vamos fazer isso agora mesmo.

Seu Dorico se retira e volta pra casa.E…

RENATO:Carlos é o genro que todo sogro gostaria de ter.Ele disse isso só porque o rapaz é filho de fazendeiro.

DICO:Se aquieta peão ,você tá é com dor de cotovelos.Tava doido pra conquistar a filha do patrão.

RENATO:Tava mesmo,mas agora vou partir pra outra.Quem sabe no casamento do moleque Tiãozinho,eu consigo uma.

DICO:Isso aí.Vai ter muitas garotas aqui,parte pra cima.Eu não posso,já tô arranjado, tenho a minha Margarida.Vou ficar na torcida por você.

 

NO  SÍTIO  DE  GLÓRIA

 

Glória ao ver Raul naquela solidão e angustia,de alguns dias pra cá começou a pensar em seu irmão que foi dado pra outra família pelo seu pai,quando ainda criança,deixando a sua verdadeira pra traz.

GLÓRIA:Vendo Raul nessa situação me fez lembrar de meu irmão .Cicio,era assim que minha mãe me disse que o chamava.Será que ainda é vivo?Ou como vive?Será que ainda lembra de mim e Manuel.Sabe Severino,eu faria de tudo para encontrar meu meio irmão.

SEVERINO:Se for pra ser Glória,será.Mais cedo ou mais tarde isso acontecerá,e pode ser quando você menos esperar,numa situação que parece ser impossível,ali ele poderá estar.

GLÓRIA:Era tudo o que eu queria ,seja em qual situação fosse,mas eu queria encontrar o meu irmão.

 

NA  FAZENDA

 

Ceição tanto brigou  com Tiãozinho por causa de Flor que agora terá que entrega-la a ele em casamento.

CEIÇÃO:Sabe filha,tem hora que me da um aperto no coração,saber que você vai casar e vai me deixar.

FLOR:Eu não vou te deixar mãe,vou morar aqui mesmo pertinho da senhora.E além do mais vou continuar trablhando aqui com a senhora.

CEIÇÃ:Você filha é a única pessoa que eu tenho na vida.E ainda vou ter que te dividir com esse traste do Tiãozinho.

FLOR:Esse traste,como você chama o Tiãozinho,vai ser mais um na sua vida.Ao invés de duas,passaremos a ser três.Ele tem bom coração,não vai te abandonar jamais ,onde nóss formos ele vai levar a senhora junto.

CEIÇÃO:Vem  cá minha Florzinha,me da um abraço.Você é tudo pra mim,minha filha.

FLOR:Eu sei disso mãe,a senhora também é tudo pra mim.Pensa na minha felicidade, que tudo vai dar certo e a senhora vai ser feliz também.

Ceição como toda mãe, está muito preocupada em perder sua filha para o casamento.Mas bem sabe ela que isso faz parte da vida do ser humano,faz parte de toda família.

 

CONTINUA  …-” ”>-‘.’ ”>

clique na imagem para comprar
clique na imagem para comprar
padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr

LEIA TAMBÉM

Marcelo Delpkin

Observatório da Escrita – 49

* programa criado e dirigido por WELLYNGTON VIANNA apresentação de MARCELO DELPKIN * Olá, querido(a) leitor(a)! O Observatório da Escrita de hoje traz um pouco

LEIA JÁ »