logo

Além da porteira: Capítulo 38 (últimas semanas)

 

Capítulo escrito por: Luiz Lisboa

Classificação indicativa: 

 

EMOÇÕES DAS ÚLTIMAS SEMANAS

 

NA    FAZENDA

 

Jamais passa na cabeça de Promessa que Raul,está magoado com ela.Com o seu pensamento puro e inocente,ela e carlos vão cavalgar  mais uma vez pelas bandas da casa do jovem.E a caminho os dois vão conversando sobre tudo.

PROMESSA: Você não tem noção do quanto está me ajudando.

CARLOS: Ajudando ?Como assim?

PROMESSA: Antes de você chegar,papai quase não deixava eu cavalgar.Agora liberou geral.Estou  até pensando em te ajudar a conseguir uma garota por aqui.

CARLOS: Opa ! E tem ?

PROMESSA: Tem sim.Se chama Lídia e mora naquele sítio logo ali naquela encosta.

CARLOS: Me interessei pelo assunto.Vamos aprofundar nele.

PROMESSA: Depois agente fala mais em Lídia,por que agora já estamos chegando perto da casa do meu amado.

 

NO  SÍTIO  DE  RAUL

CARLOS: Vou ficar por aqui.

PROMESSA: Pode vir,ele já te viu outro dia,se está comigo é gente boa.Ele vai pensar assim.

Raul que estava na varanda,de longe avistou Promessa com o seu noivo,como ele está movido pela raiva,chamou o seu cão Barão,falou aos ouvidos dele.E quando a moça chegou enfrente  a porteira,parou junto a Carlos,Raul soltou o Barão,que pulou a porteira e atacou os cavalos em que os dois estavam montados.Os animais se assustaram com o ataque do cão,saíram em desparada,Promessa perdeu o controle e o equilíbrio e acabou caindo de seu cavalo.

Raul vendo o que havia acontecido,chamou pelo seu cão que voltou para o  quintal.Num primeiro instante em que tudo aconteceu Raul se assustou e até pensou em socorrer a jovem,mas num estalo de recordações,lembrou da  dor da traição causada por Promessa à sua confiança ,que foi maior que o sentimento puro que havia começado a brotar em seu coração.

E só depois de já estar longe ,Carlos conseguiu parar o cavalo em que estava montado para voltar e ajudar Promessa,alguns trabalhadores  que passavam no momento também ajudaram  a socorrer a filha do fazendeiro.Que ao cair desmaiou.Após muitas tentaivas,a jovem acordou, porém estava sentindo fortes dores em seu pé e tinha alguns arranhões pelo corpo afora.

Promessa se levantou e olhou se Raul estava por ali,ou até mesmo se ele havia saído para socorrê-la.mas o que ela conseguiu, foi ouvir o barulho de porta se fechando.E não teve nenhuma atenção da parte de seu amado.

PROMESSA: Se eu estivesse só,Raul teria vindo me socorrer.

CARLOS: Acabei sobrando nesta.

PROMESSA: Vamos embora.Meu cavalo já deve ter chegado na fazenda faz tempo.

CARLOS: Só tô pensando no que vamos dizer ao seu pai.

 

NA  FAZENDA

Da varanda ,seu Dorico avista o cavalo de Promessa chegando em disparada no curral.Então se preocupa.Mas no mesmo instante avista a filha chegando a pé  e  Carlos do seu lado puxando o seu cavalo.mas o pai percebe que a filha está com dificuldades pra andar.

DORICO: Promessa o que aconteceu?

ZENAIDE: Minha filha você caiu do cavalo?

PROMESSA: Foi isso mesmo que aconteceu.O cavalo se assustou com alguma coisa,eu descontrolei e cabei caindo. Mas estou bem não se preocupe.

Promessa pra não colocar seu pai ainda mais contra  Raul,preferiu não falar a verdade.Mas como seu Dorico é esperto,logo desconfiou do que de fato aconteceu.

Promessa ao entrar pra se lavar,Carlos é questionado por seu Dorico.

DORICO: Isso foi coisa do cachorro daquele sujeitinho ali do sítio.Não foi?

CARLOS: Foi não seu Dorico.A gente ainda estava longe da casa dele.

DORICO: Vou fazer que acredito,por que é você que está dizendo.

CARLOS: Foi tão rápido que nem deu tempo pra ver o que causou susto ao cavalo.

Carlos sabendo da ira de seu Dorico contra Raul,omitiu-lhe a verdade também ,pra não causar aborrecimentos a Promessa e nem qualquer atitude do pai dela contra o rapaz.Após Carlos se retirar…

DORICO: Essa história está mal contada.Mas eu vou descobrir a verdade.Esse cavalo é manso até demais pra assustar atoa assim.

 

NO  SÍTIO  DE  GLÓRIA

Glória de uns tempos pra cá,bateu-lhe a vontade de reencontrar o seu irmão mais velho.Está tentando de todas as formas encontrar alguma coisa do passado que possa servir de pista para ir atrás  do irmão.

GLÓRIA: Sabe Severino,se ao menos tivesse algum morador  por aqui daquela época,pra me dar alguma pista sobre  a família pra quem  meu irmão foi dado,eu ía atrás.

SEVERINO: Mas já se passaram tantos anos.É difícil pra lembrar de algum morador daquela época.Os antigos que moravam aqui ,se mudaram todos.

GLÓRIA: Mas há de ter uma luz no meio dessa escuridão.

SEVERINO: Quando eu tava campinando ali na beirada da estrada,os trabalhadores da roçada,passaram e me falaram que o cachorro de Raul atacou o cavalo em que a filha do  seu Dorico estava montada.

GLÓRIA: Não é possível.Agora que Raul se complicou.Mais o que aconteceu?

SEVERINO: A moça caiu,se aranhou e machucou o pé.

GLÓRIA: Pronto.Era a gota d’água que faltava,pra atiçar mais ainda essa guerra.

 

NA  FAZENDA

Seu Dorico,mais uma vez clama a falta de Tibúrcio.

DORICO: Se Tibúrcio tivesse aqui,ele já tinha dado cabo nessa situação do sítio desse moleque.Ele já teria despachado o rapaz pra onde tá a família dele.Mas sumiu,já podia ter voltado.Ninguém nem lembra mais daquele jipe queimado.

 

NO  SÍTIO  DE  RAUL

Apesar do ódio que ele carrega em seu coração,Raul mesmo não querendo mais,às vezes ele se pega pensando em Promessa.O amor que brotou em seu coração está querendo espaço entre o ódio para crescer e ocupar todo o  lugar  que lhe cabe,o seu coração.

RAUL: Meu amigo Barão,era só pra dar um pequeno susto.Não era pra ter derrubado ela.E agora será que  ela está ferida,…..Droga,ela é filha do maldito,ela é igual a ele,não merece minha compaixão.Você fez bem meu amigo.Muito bem.Agora ela não volta mais.

Glória tem razão quando diz que esse acontecimento foi a gota d’água que faltava nessa história entre Raul e seu Dorico.

Raul,não volta atrás em seus sentimentos,luta com as forças do coração,mesmo sendo com o ódio,ele vai adiante,não se importando com as consequências.

Seu Dorico,além de teimoso,é poderoso.Só que ele luta com armas que ferem o corpo e o mata,ferindo a alma das pessoas que ficam de fora.

Mas sendo o amor, o poder mais forte,esse fará nascer a paz em uma das partes.Deiaxando apenas a ambição direcionar os  passos de quem  não é capaz de amar conduzindo-o ao seu fim.

 

CONTINUA   ….-” ”>-‘.’ ”>

padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr