Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

ANJOS DE METAL – Grimório 3: Capitulo 16 Contra o tempo

Zaon nao poderia estar tao confiante assim, nao com todos os seus planos indo pelo ralo naquele exato momento, afinal de contas seus amigos tinham conseguido deter as feras reis e restaurar o equilibrio em Ezius, como ditava a profecia. Era uma questao de tempo ate tudo voltar ao normal.

Por que Zaon ainda estava feliz com um largo sorriso no rosto. Sua mente trabalhava nas inumeras possibilidades possiveis, ele estava esquecendo algum detalhe importante, mas o que?

— Não esta esquecendo de nada Anjo?

— Estou?

Zaon continuava frente a frente com ele, a aura negativa empregada naquele lugar causava nele a sensação de dessespero, angustia e morte. Mesmo com todos os problemas Lucca nunca tinha se sentido assim: era como se a felicidade não existisse. Sua propria energia estava sendo consumida pelas sombras, o garoto estava ficando sem forças.

— Como isso é possivel?

— Eu sou mais forte, estiu mais forte a cada minuto. A energia negra continua crescendo neste plano e no seu plano. Percebe agora…

— Voce nunca quis a energia elementar nao é? Seu objetivo era alimentar a energia negativa no coração dos homens.

— Por causa dele, — Zaon voltou-se para o corpo de Sam — eu me sacrifiquei pelo bem maior sendo consumido pela energia das sombras, vi meus amigos morrerem, perdi o amor de uma vida. e TUDO isso por causa de um plano infalivel dele.

— Voce se deixou consumir pela energia das sombras de proposito, voce escolheu isso.

— Eu fui manipulado por ele garoto, assim como voce e seus amigos, todos nos fomos idiotas em acreditar nele, so voce não percebeu ainda.

— Voce esta errado!

— Estou Anjo? Ou sera que voce se recusa a acreditar que aceitar essa missao foi o maior erro da sua triste vida patetica. Pense bem Lucca no que voce perdeu por acreditar nele e embarcar nessa aventura. Se é que se pode chamar isso de aventura.

Mesmo sem perceber Lucca estava fazendo um mapa mental em sua cabeça, revisitando todos os fatos ate aquele momento, estudando meticulosamente cada ação feita por ele e pelos amigos.

— Se eu nao tivesse embarcado nessa aventura furada como voce diz, eu nao teria conhecido nenhum deles, nem os Anjos, nem o Az ou minha irmã.

Ele olhava com ternura para ela ainda em choque pelas duas mortes que acabara de presenciar. Ao ouvir as palavras dele Alice voltou a encara-los com odio nos olhos.

— Voce é um monstro. — Disse enquanto se abraçava ao corpo frio do antigo guardiao.

— Somos todos monstros menina. Eu apenas abracei meu monstro interior ao invez de renega-lo como todos voces fizeram e fazem. Não se render a sede de sangue nao te faz menos monstro sabia?

— Todos temos luz e sombra dentro de nos, o importante é saber qual dos sentimentos alimentamos Zaon.

— Filosofia barata de biscoito chines… — Rebateu ele estalando os dedos fazendo o tempo parar para eles. — Tic… tac…

A sala do trono havia se tornado cinza e fria, Alice estava de pé atras dele pronta para avançar contra Zaon e cravar-lhe os dentes e dilacerar sua jugular em poucos segundos.

— O que…

— Nao me adimira que eles tenham escolhido voce, minha doce Alice — Zaon lhe acariciava a face em um sorriso amoroso. – Voce tem todas as caracteristicas que ela tinha.

A lembrança de Helena vinha a mente dekle em uma caricia caricia, mesmo com sua pele fria Zaon estava se deliciando com aqueke pequeno momento.

— AFASTE-SE DELA! — ucca estava em posição de luta, suas maos emanavam energia destrutiva capaz de liquidar qualquer um que se atrevesse a se por em seu caminho.

— Nao seja tolo, se eu quisesse todos voces ja estariam mortos, fiz tudo isso como uma lembrança. Sendo apenas uma sombra, imagine agora com meu proorio corpo.

— Quem é o tolo aqui Zaon! Voce acredita mesmo nisso? Eu sei o que esta acontecendo com voce!

Lucca abaixara as maos mostrando-se disposto a uma conversa sincera com aquele que lhe causara tanto sofrimento

—Sabe?

— Voce precisa de nos dois para recuperar seu corpo definitivo, este corpo, o meu pai esta rejeitando voce e a arvore do conhecimento esta impedindo voce de recupera-.lo, afinal de contas voce nao é digno dela.

Um olhar, foi tudo o que lhe denunciara naquele momento. Zaon deixara escapar uma informação crucial para ele. Lucca sabia a verdade.

— Seu tempo esta se esgotando!

 

***

 

— Não adianta esconder nada de você, nao é! — Zaon tentava ganhar algum tempo. – Como esperado do guardião dos homens, o mais inteligente e racional de todos. Tenho uma proposta para voce.

Zaon estava sofrendo, de alguma forma sua energia megativa estava sendo rejeitada pelo hospedeiro, seu pai ainda estava lutando contra ele.

— Meu pai ainda esta lutando contra voce, nao é… — ele sorriu. — E esta ganhando pelo que vejo.

— Isso mesmo! Tenho uma proposta para acabar com tudo isso e a sua garantia de que essa sera a ultima vez que os guardiões nao vao mais interferir em meus planos se eu vencer!

— Eu não tenho o tempo todo! — Lucca foi categorico.

— Eu tambem nao, como voce bem lembrou. — Zaon ironizou — Chegue a arvore da vida antes deste corpo me expulsar, ou talvez…

— … Morrer! — Lucca completou sem animo.

— Sim, seu pai tem resistido bem ate agora, mas sua mente esta em frangalhos, a morte da sua mae pelas maos dele o fez desistir de tudo.

— Isso possibilitou voce tomar o controle nao foi?

— Sim, ele é um homem formidavel mas, nao é imortal, prolongou sua vida e sua juventude como pode ate agora, para reencontrar a filha e a mulher que ama.

— Qual a sua proposta?

— Quanto tempo voces ainda tem?

— porque isso agora… no que isso importa?

— Quanto tempo?

—Duas, tres horas talvez.

— Encontre a arvore do conhecimento e redirecione a energia elemental antes que eu encontre meu corpo nessas tres horas restantes, aprisione meu espirito novamente ou me mate, a decis ao é sua mas, se eu retomar meu verdadeiro corpo antes que voce faça isso o ciclo dos guardioes acabara com voces, caso consigam essa proesa eu devolvo a vida do seu pai, ou o que restar dela.

— Um tudo ou nada!

— Tudo ou nada. E se eu me recusar.

— Recuse-se a isso e acabo com tudo aqui e agora.

Lucca estava encurralado, quase sem forças. mesmo morrendo Zaon ainda era forte demais, o anjo ainda nao tinha forças suficientes para enfrenta-lo sozinho.

Ele ainda precisava de mais tempo.

Um clarão fez seus olhos doerem, o cenario havia mudado mais uma vez, o cinza do plano etereo deu lugar a todas as cores novamente. Diante deles estava Zaon com um sorriso zombeteiro nos labios estendendo a mao para que Lucca selasse o acordo.

— Temos um acordo.

— Temos! — Lucca apertara sua mao.

— Lembre-se bem são apenas mais tres horas!

Diante de seus olhos Zaon virou uma cortina de fumaça e se esvaiu, desaparecendo em uma fração de segundos.

— Só mais tres horas.

Lucca tinha nas maos um novo mapa e uma nova aposta a cumprir, poderia ser tarde demais.

 

***

 

Eles nao tinham muito tempo, mais aquele era um momento necessaruo, precisavam chorar pelas perdas sofridas ate aquele momento. Reunidos nos fundos do castelo Os quatro sobreviventes acabavam de prestar as ultimas homenagens aos seus mortos.

– O que fazemos agora? – Perguntou Aredhel para Lucca.

– Precisamos dos outros, e temos menos de tres horas para isso.

– Eles estao a milhares de quilometros daqui! – Respondeu Milla – é impossivel.

– Talvez nao seja. – Icaro apressou-se em dizer.

– No que voce esta pensando Icaro. – Aredhel parecia ja saber a resposta para aquela pergunta.

– Os portais elementais Dell, nao é obvio.

Ouvir aquele apelido novamente trouxera a ela a senssação nostaugica de estar entre a familia, Dell era como seu avo a chamava quando pequena e que ela fizara questao de abandonar quando se tornou regente de Ezius. A forma doce como ele a tratara trouxera de volta sentimentos que ela jurava nunca existir.

– É só uma lenda. – Ela respondeu num sorriso.

– Não, eles sao reais. E são a nossa unica chance se ele tiver um plano.

– Mas as lendas contam que eles foram lacrados ha muito tempo para evitar que os monstros usassem para atacare os humanos…

– O que nao deu muito certo… – interrompeu Lucca sorrindo e vendo todos seguirem seu exemplo.

POSTADO POR

Apollo Souza

Apollo Souza

Hélio Soares de Souza, desenhista e escritor, sob o pseudônimo de Apollo Souza, nasceu em 09 de dezembro de 1986 na cidade de Natal— RN. Formou— se em pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú no ano de 2012 na cidade de Santo Antônio do Salto da Onça, onde mora desde os 09 anos de idade. Leitor assíduo prefere temas que envolvam mitologia, magia e desenhos animados, sempre gostou de criar suas próprias histórias e desenhar os personagens que fizeram parte de sua infância. Decidiu escrever seu primeiro romance/ ficção após ler A arma Escarlate de Renata Ventura e se apaixonar por muitos de seus personagens cativantes e incertos.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo