Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

ANJOS DE METAL – Grimório 3: Capitulo 18 Reencontro

La estava ele, analisando mais uma vez a pequena pedra flutuante dentro do templo erguido nos fundos do castelo, um lugat calmo, cheio de tranquilodade e paz. Mesmo com toda aquela guerra acontecendo la fora, o lugar continuava sereno.

— A magia deste lugar continua tao forte quanto antes. — Aredhel olhava com ternura para aquelas paredes. 

— O lugar foi construido para a nossa proteção, pena que nao chegou a cumprir seu papel. — Emendou Icaro.

— Todos fomos pegos de surpresa.

— Vai funcionar — Lucca chamou a atenção dos dois, tirando-os de seus devaneios.

— Em teoria sim . — Aredhel respondeu, voltando a nostaugia de outros tempos — Se este portao estiver aberto, os outros quatro vao reagir a ele…

— Tornando possivel uma viagem mais rapida e segura. — Icaro completou.

— Tem de servir. — Lucca fechou os olhos e visualizou em sua mente a imagem de seus quatro amigos transmitindo a eles uma mensagem

 

***

 

Adam encontra-se em meio a uma festa de comemoração pela prisao definitiva da fera rei, pessoas dançam, bebem, riem e comem despreocupadas. O garoto esta se divertindo junto com priscila, ela vislumbra o povo feliz. Um pouco afastados da multidao juto a uma fogueira Adam e Priscila conversam.

Eles estao felizes nao é. — Adam diz olhando o povo festajar

 — E tudo graças a voce! —Ela sorri, aconchegando-se junto a ele.

— Tudo graças a voce! Eu parei aqui por acidente, se nao fosse por você nada disso seria possivel — Ele fica desconfortavel com a atitude dela, mas retribue mesmo assim.

— Fiz o que precisava ser feito, como regente deste povo é meu dever lutar por ele. Sua ajuda foi necessaria.

— Voce tem feito um belo trabalho.

PRISCILA — Voce poderia me ajudar — Ela se aninha nos braços dele. — Voce ainda é necesssario aqui

— O que?

— Fique aqui e me ajude a reerguer este povo, leva-los de volta a superficie.

—  Eu nao sou deste mundo, eles vao me olhar diferente, pois eu sou diferente.

 — Veja,  em dois dias  voce fez mais por este povo do que qualquer outro, eles o amam, — ela faz uma pausa enquanto olha diretamente em seus olhos — Eu o amo!

Sem pensar duas vezes Adam aproxima sua boca da dele e se entrega ao desejo incontrolavel de beija-la, Priscila nao oferece resistencia, com ainda mais fervor devolve o beijo. — O brilho do medalhao em seu peito faz o momento ser quebrado. Em sua mente surge a voz de Lucca.

— Preciso de voce aqui agora!

— O que? — Ele pergunta confuso!

— O que houve — Ela rebate num susto

— Va ao cristal da terra mentalize o castelo de Ezius e entre nele, temos pouco tempo. — Lucca ordena apressado..

— Estou indo — O guardiao da terra diz mentalmente, voltando sua atenção para Priscila. —  Eu preciso ir. 

— Pra onde? — Ela rebate sem entender.

Em poucos minutos Adam reune todo o necessario e parte para as ruinas do templo da terra.

— Para onde voce vai? — Priscila pergunta correndo atras dele

—  Meus amigos precisam de mim. — Mais uma vez ele volta sua atemção para ele dando-lhe um beijo demorado, e trazendo seu corpo para junto do dele. —Eu vou voltar!

— É bom mesmo que volte!

Adam e Priscila caminham juntos ate o templo de terra aproveitando os ultimos minutos antes da seperação, entre risos, toques, caricias e beijos

 

***

 

Adam esta diante da pedra elemental da terra dentro do templo a cima da cidade esmeralda, Priscila a seu lado, tenta convence-lo a desistir da ideia.

 — Acha que vai funcionar? — Ela diz vendo-o segurar o medalhao em seu peito.

— Ele disse que funcionaria, isso para mim ja basta!

— Estou com medo. — Ela segura sua mao com força, aninhando-se em seu peito.

— Nao tenha medo, logo tudo estara terminado. 

— Voce acredita demais nesse Lucca, nao tem medo de se maxucar ou que algo pior possa acontecer.

—  Eles sao minha famila, se eu nao confiasse neles em quem eu confiaria.

Ela sabia o peso que aquelas palavras significavam, o jovem guerreiro estava irredutivel em sua decisao, e ela o respeitaria por isso, o chamado a batalha era mais forte do que qualquer outra cois. e ela entendia isso melhor do que qualquer outro.

— Apenas volte vivo, esta bem — Ela disse abraçando—lhe com mais força.

 —  porque voce nao vem comigo e ve com seus proprios olhos

 — Acha mesmo que eu me daria bem com eles?

— Os Amjos de Metal sao os melhores.

— Eu sei que são. — Priscila puxou-o para perto para um ultimo beijo. — Volte para mim esta bem.

— É uma promessa

Adam estende a mao sorrindo, temerosa priscila segura sua mao e sorri de volta, os dois encaram o cristal por um segundo antes de atravessa-lo. Um clarao de luz os consome, ambos sentem uma energia quente invadir seus corpos, em menos de um milesimo de segundo Adam reencontra seus amigos no castelo de Ezius.

POSTADO POR

Apollo Souza

Apollo Souza

Hélio Soares de Souza, desenhista e escritor, sob o pseudônimo de Apollo Souza, nasceu em 09 de dezembro de 1986 na cidade de Natal— RN. Formou— se em pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú no ano de 2012 na cidade de Santo Antônio do Salto da Onça, onde mora desde os 09 anos de idade. Leitor assíduo prefere temas que envolvam mitologia, magia e desenhos animados, sempre gostou de criar suas próprias histórias e desenhar os personagens que fizeram parte de sua infância. Decidiu escrever seu primeiro romance/ ficção após ler A arma Escarlate de Renata Ventura e se apaixonar por muitos de seus personagens cativantes e incertos.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo