logo

Anti-Herói – Episódio 02

CONTINUAÇÃO DO EPISÓDIO ANTERIOR

SEGUNDO ATO

NILO
(V.O)
A glória dura tempo necessário para os outros descobrirem o seu ponto fraco. 

FADE IN

CENA 21 EXT. – CAMPO DE SANTANA / SET DE FILMAGENS – DIA

Muitos cliques em cima do ator, ensanguentado no chão. Local cercado por fitas amarelas, jornalistas fotografando e anotando tudo. Jack está diante de um jornalista.

JACK
Foi um acidente. Aconteceu isso com o Brandon Lee.

Nilo e Roger por ali, chocados.

NILO
Esse Jack tá aproveitando pra transformar o filme em um novo ‘O Corvo’?

Ele nem saca, mas Thales já se aproximou dele, olhando-o de cima a baixo, esnobe.

THALES
Mais um protagonista que morre em cena, hen? (Nilo espia, fecha a cara) Também, você não ia querer outro ator pagando de herói. Já basta você, né?

Nilo, firme, coloca-se diante dele, mas Thales sai rindo sem dar a chance de ser retrucado.

ROGER
Relaxa, irmão, é só o recalque do Thales tentando ofuscar a cena do crime.

NILO
Crime? Você não acha que foi um acidente?

ROGER
O primeiro podia ser, mas o segundo?

Roger dá um tapinha em seu ombro e embrenha-se no meio dos curiosos, deixando Nilo pensativo.

Delegado Moreira, de roupas sociais, magro, no alto dos 50 anos, bigode e cabelos desgrenhados anota algo em seu caderninho, diante de Jack.

DELEGADO
Vou precisar da arma usada, senhor Jack, e também dos nomes de todas as pessoas que entram e saem do estúdio, que têm acesso as armas, ao figurino, etc…

JACK
(faz segredo)
Tudo bem, mas…isso vai atrasar as gravações?

O delegado encara-o, sem acreditar.

DELEGADO
O protagonista morreu. Acho que encontrar outro que tope o desafio de entrar e não sair vivo, será difícil, não? (Jack fica paralisado com a ousadia) Sabe se Víthor tinha inimigos?

JACK
Ahn…Seu delegado, Víthor estava deslanchando na carreira, óbvio que tivesse inimigos, mas isso tá parecendo macumba de quem não quer que esse filme seja rodado. Parece que estão contra mim.

O delegado anota, indiferente.

DELEGADO
Aham, mas quem tá morrendo são os outros.

O delegado sai da cena. Em Jack, chocadíssimo.

CENA 22 INT. – CARIOCA NEWS / SALA DE REDAÇÃO – DIA

Buchichos, pessoas em volta de um computador; no rosto deles, alguns pasmados e outros achando graça. Nilo aponta da porta e Lila vai até ele, tensa.

NILO
Cê acredita que o Jack tá promovendo ainda mais o filme? (nota a balburdia) O que tá havendo aqui?

LILA
Nilo…Ahn…(olha o relógio) Já passa de meio-dia. Você não devia tá de folga?

NILO
E eu consigo? Fala, o que tá pegando aqui?

LILA
A Novo Dia tá considerando que o ator foi assassinado. E eles já têm um suspeito.

Nilo mal deixa ela terminar de falar e vai até o aglomerado de pessoas, quase empurrando, até deparar-se com a tela do site NOVO DIA:

NILO RODRIGUES HUMILHA ATOR DE ‘ANTI-HERÓI’ E ESTE ACABA MORTO NAS GRAVAÇÕES

O jornalista ficou furioso ao ser abordado por Víthor Oliveira: ‘Pule fora antes que eu faça você pular’”

NILO
Eu sei que esse jornal não vai com a nossa cara, mas eles passaram dos limites. Isso é difamação!

REDATOR #1
Isso não é tudo, Nilo. Veja: “Víthor Oliveira, sucesso na minissérie Gato Preto, estava no auge da fama, mas sofria pressão para dar vida ao ‘herói’ no cinema. Porém, Nilo Rodrigues não tem muita paciência com os seus fãs e não quis colaborar com o rapaz com a sua interpretação. Nilo chegou a ameaçá-lo de morte, horas antes da gravação fatal”.

LILA
É uma acusação grave. O que você disse é ambíguo /

NILO
Mas ele preferiu o pior sentido da palavra.

REDATOR #1
Tem gente apoiando você, mas /

O redator abre o Facebook e exibe mais de 500 curtidas e 200 comentários. Nilo espia.

Ele tava certo em dar um fora nesse ator. Inconveniente. Eu faria a mesma coisa, cacete”

Matéria tendenciosa. ‘Pule fora antes que eu faça você pular’ era pro Víthor pular fora do filme. Esse jornal caga pelos dedos!”

Em resposta ao comentário anterior: “Brasileiros e seus ‘ídolos’, ok”

Ele não permitiu que a história dele virasse livro e filme? Então que aguente, devia ser mais educado sim”

Já já tá na WebTV, uma série inspirada na vida sofrida do herói Nilo. Desgraça é pouca. Bando de petista!”

Em resposta ao comentário anterior: “Tomara! Não gosta? Mude de canal”

NILO
Isso não vai ficar assim não.

Nilo fecha a cara e SAI.

LILA
Nilo! Nilo, não faça besteira!

Em seu olhar preocupado.

CENA 23 EXT. – CARIOCA NEWS – DIA

Nilo desce as escadas, furioso, avança sobre a calçada, quando é ABORDADO rispidamente por Vince.

VINCE
Precisamos conversar.

NILO
Você de novo? Não tenho nada pra falar contigo.

Nilo tenta desvencilhar-se, mas Vince, discretamente, segura em seu braço, intimidando-o.

VINCE
Eu não to perguntando se você quer. Entra no carro agora.

Nilo bem que tenta sair, mas Vince mostra que não está sozinho: há um homem moreno, forte e mal encarado no banco do carona. Nilo não tem alternativa, e entra.

Vince espia ao redor, contorna o carro preto e entra também. O carro acelera, CAM BUSCA Rafael ao volante de sua viatura, curioso.

CENA 24 EXT. – ESTRADA – DIA

O carro preto em alta velocidade, dá uma guinada numa área desmatada e estaciona.

Corta para o seu INTERIOR, diretamente na cara assustada de Nilo.

NILO
(sarcástico)
Não achei nada romântico me raptar. Você não faz o meu tipo.

VINCE
Cê sabe muito bem por que tá aqui.

NILO
Não deve ser pra pedir ajuda. Você deixou bem claro que não acredita no meu caráter.

VINCE
Eu to pouco me lixando pro teu caráter. Ninguém liga, aliás. Eu só preciso da sua boa reputação pra eu fazer justiça.

NILO
A minha reputação já tá indo pro buraco com a morte do ator. Meu nome tá na roda, pra polícia associar o meu nome ao crime pouco custa.

VINCE
Então, aproveite que o seu nome tá na roda e faça uma matéria relembrando o meu caso. Povo adora fazer um drama quando um famoso morre, e a gente de periferia ninguém liga.

NILO
Eu não posso voltar a falar desse assunto!

Vince abre o porta-luvas e puxa uma pistola, assustando Nilo.

VINCE
Eu não to pra brincadeira, cara! Não te chamei pra perguntar se você pode ou não alguma coisa. (encosta a pistola no rosto de Nilo) Ou você lança algo sobre mim amanhã ou eu faço picadinho de Lila. Agora SAI!

Nilo mescla medo e raiva, mas ainda encarando-o corajosamente.

VINCE
SAI!

Nilo desce do carro, e se vê distante de tudo. O carro vai embora. Em Nilo, passado com a ameaça.

CENA 25 EXT. – MANDRAKE PUB / FUNDOS – DIA

Homens fazem o descarregamento de bebidas; William anota tudo em seu smartphone, enquanto Vinnie observa, de sorriso malicioso para os engradados. O celular TOCA. Vinnie saca do bolso do paletó e sorri ao olhar para a tela.

VINNIE
(ao tel. / discreto)
Fala, meu amor, quais as novidades? (T) Hmmm, sei (T). Que interessante. Já estou indo.

Vinnie desliga o celular e dirige-se a William.

VINNIE
William, meu querido, você cuida de tudo?

WILLIAM
Claro, alguma emergência?

VINNIE
Acho que finalmente darei os meus parabéns ao Nilo. (dá um tapinha em seu ombro / William sorri) Cuide da mercadoria.

Vinnie deixa a cena. William coordena os homens.

TAKES da cidade ao entardecer.

CENA 26 EXT. – ESTRADA – DIA

Nilo tenta fazer uma ligação, mas é inútil.

INSERIR ÁUDIO

Esse telefone está fora da área de cobertura ou desligado…”

FIM DO ÁUDIO

Nilo faz sinal para uma van de transporte público, porém, o motorista gesticula avisando que está lotada. Nilo se chateia.

Uma PICKUP preta aproxima-se até parar próximo a ele. Nilo reconhece de imediato, sorri de alívio. A janela é aberta e Vinnie, ao volante, retira os óculos escuros.

VINNIE
Parece que você está perdido, meu querido.

NILO
(disfarça) Um contratempo. Acontece.

VINNIE
Vamos, entra aí. Não vou deixar um amigo meu a pé.

Nilo hesita, mas acaba entrando no carro. Vinnie sorri, põe os óculos novamente, fecha a janela. A PICKUP segue pela estrada.

CENA 27 INT. – BAR 94 / BAIRRO VALQUÍRIA – DIA

Um cara sem camisa, todo trabalhado nos músculos e tatuagens, limpando as mesas. Ao fundo, CAM vai buscar alguns homens, dentre eles, Butuca e Branco, todos apoiados à mesa de sinuca, consumindo drogas e álcool. Uma mulher branca, de roupas curtas e provocantes, está sentada no colo de Branco.

BUTUCA
Tá ligado na visão que te passei, né, cumpadi? Não ‘podemo’ vacilar não.

BRANCO
Meu sonho sempre foi meter o louco naquela merda de banco. Já fiquei preso naquela porta; quase fiquei nu.

RISADA nojenta, quase cuspindo a cerveja.

BUTUCA
Cê tá misturando o bagulho com a loirinha, rapá! Tu não tá em condições pra essa noite diabólica, não.

MONI
(O.S)
Deixa o menino, Butuca. (Moni aparece, segurando uma pistola) Ele curte fazer as desgraças e depois esquecer. (para Branco) Bate um sentimento, né?

TODOS RIEM, inclusive Branco, com os olhos vermelhos.

MONI
Já tá anoitecendo. Quero money, bicho. Moni Vasco tem pressa.

Butuca assente. Branco bebe a cerveja da mão da garota, molha a roupa. Moni faz a negativa, mas ri.

TAKES da cidade anoitecendo, a Candelária iluminada, a Presidente Vargas lotada na hora do rush /

CENA 28 EXT. – RUA DA CIDADE – NOITE

A PICKUP de Vinnie estaciona. No INTERIOR do carro, Vinnie, discretamente, apoia o braço na poltrona onde está Nilo, que se incomoda.

VINNIE
São e salvo.

NILO
Ainda bem que eu to em horário de folga. Senão eu teria que preparar o meu discurso pra explicar o atraso.

VINNIE
(sorri, sedutor)
Peço desculpas por ter dado tantas voltas. Foi proposital, admito. (Nilo tenta não cruzar os olhos) Notei que você estava tenso. Foi bom ter conversado, não?

NILO
Pelo menos, tem quem acredite em mim. Acho que passei de herói pra vilão em um único dia.

VINNIE
Pra mim, você sempre será um herói. Sabe que se as portas fecharem pra você, a minha sempre estará aberta, não é?

Nilo assente com a cabeça, incomodado. Vinnie leva o braço para a parte de trás e apanha uma garrafa de vodca com um laço vermelho no topo.

VINNIE
Meus parabéns, meu amigo mais querido. Espero que essa garrafa não tão cara quanto aquela do ano passado possa ser aceita.

NILO
Obrigado, Vinnie, mas/

VINNIE
Vai recusar o presente? De novo?

Nilo mal tem tempo de responder; seu celular TOCA. PELO VISOR, aparece a mensagem de Emília: “Preciso de ajuda. É urgente!”

VINNIE
Algum problema?

NILO
Não, é que /

Nilo avista algo que o faz mudar a expressão. Do outro lado, Murilo acaba de descer de uma VAN, munido de sua bolsa a tiracolo. Nilo se apressa.

NILO
Valeu pela carona!

Nilo abre a porta e sai rapidamente.

VINNIE
Nilo! A vodca!

Vinnie espia Nilo atravessar a rua correndo.

CENA 29 EXT. – RUA DA CIDADE – NOITE

Murilo caminha pela calçada pouco iluminada. Ele franze a testa; percebe algo. CAM segue pelas suas costas, quando

SUBITAMENTE, ele se volta e joga um sujeito contra a parede. Surpreende-se.

MURILO
Nilo?

Nilo, mantendo a pose de durão, desvencilha-se e prensa-o na parede.

NILO
Eu quero ver você me difamar agora!

No embate.

FADE OUT

FIM DO SEGUNDO ATO

ATO FINAL

FADE IN

CENA 30 EXT. – RUA DA CIDADE – NOITE

Murilo se afasta de Nilo, bruscamente.

MURILO
(raiva)
Me solta! Deu pra atacar as pessoas agora?

NILO
Não foi você que me acusou de assassinato naquele jornaleco? Então devia ter mais cuidado ao andar nas ruas sozinho.

MURILO
Cê tá me ameaçando, cara?

NILO
Ninguém ameaça mais a cidade do que a mídia, essa mídia que deturpa as notícias como o teu jornal.

MURILO
(cínico) O que tem de mais na frase: “Nilo chegou a ameaçá-lo de morte, horas antes da gravação fatal”? Hen? É isso que tá te doendo? Cê devia ter mais cuidado ao falar as coisas por aí. A Novo Dia não fica de mimimi pra entregar uma notícia.

NILO
Você me caluniou e me difamou. Cê tá sabendo que eu posso te processar, né?

MURILO
Me processar, por quê? Porque eu interpretei uma frase de duplo sentido sua? Ah, me poupe! Você se acha tão autossuficiente que esquece ser uma figura pública, uma criação artística que até hoje se vale de uma trajetória infeliz pra posar de herói.

Nilo agarra-o pelo colarinho, quase espumando de ódio.

NILO
Não fale do que você não faz questão de saber. Ninguém sabe a guerra que cada um trava dentro de si.

MURILO
(trinca os dentes)
Bonita frase, mas pra mim você é só um personagem de livro. Cê sabia que todo assassino em potencial se enconde por trás da fachada de herói?

Nilo não aguenta e dá um SOCO em Murilo. Este cai no chão e olha para Nilo, revoltado.

CENA 31 EXT. – BANCO – NOITE

A gangue de Moni quebrando os caixas eletrônicos, fazendo baderna.

CENA 32 INT. – BANCO – NOITE

Branco saca a grana, rindo, dopado pela droga. Butuca faz a limpa do outro lado e outro comparsa prepara a bomba.

CENA 33 EXT. – RUAS DA CIDADE – NOITE

Murilo avança em Nilo, ambos alterados, trocam socos. Derrubam-se no chão.

MURILO
Tu não tem moral pra falar de mim. Perde a cabeça quando vê que tá perdendo a reputação, né? É só isso que importa!

NILO
Você não conhece a minha história, não sabe tudo que passei e tive que ouvir. (ofegante / olho no olho) Cê não deve saber o que é perder as pessoas que ama, lutar por justiça e ainda ser condenado por isso.

Cara a cara. As palavras de Nilo mexem com Murilo, que responde com o silêncio. Até que um celular TOCA, quebrando o clima pesado.

Nilo sai de cima do jornalista e atende o celular.

NILO
(ao tel. / cansado) Emília, desculpa eu /

EMÍLIA
(V.O)
Pelo amor de Deus, Nilo! Corre aqui!

A ligação é interrompida.

NILO
Emília! Emília!

Nilo olha para o outro lado. As janelas do LABORATÓRIO Crachá Verde refletem uma sombra, uma movimentação estranha. Nilo corre até lá, desesperado. Murilo vai atrás.

CENA 34 INT. – CRACHÁ VERDE / LABORATÓRIO – NOITE

Nilo arreganha a porta dos fundos, destemido. Murilo atrás, já munido com a sua câmera. Tudo na penumbra.

NILO
Emília!

MURILO
Essa garota não tem um irmão policial? Ah, entendi, polícia não é herói.

Uma sombra derruba Murilo, e Nilo se posiciona, tenso. Trata-se de Vince, atordoado.

VINCE
Você veio, Nilo.

NILO
(anda para trás)
Vince? Como entrou aqui? Cadê Emília?

Vince apanha um balão volumétrico e quebra-o na mesa. Ação rápida. Vince vai pra cima de Nilo, empunhando o caco de vidro. Nilo desvia, consegue chutar sua mão, só que Vince se mostra forte demais e acerta um SOCO em Nilo,

que CAI sobre a mesa e derruba os equipamentos de Emília. As substâncias se espalham e PEGAM FOGO. Nilo apanha um tubo de ensaio, mas não tem tempo de devolver a agressão; Vince soca-o mais uma vez.

NILO
Murilo! Murilo! Faça alguma coisa!

A essa altura, Murilo bem que tenta se defender, mas Vince o cerca. Murilo puxa uma mesa para servir de obstáculo, Vince retira-o. Murilo não tem para onde correr e é agarrado pelo pescoço.

Nilo se recupera e acerta uma vasilha na nuca do inimigo. Vince larga o jornalista, pega Nilo pelo pescoço e bate sua cabeça contra a mesa DUAS vezes, apertando-a sobre cacos de vidro.

Nilo tateia a mesa até pegar um tubo de ensaio quebrado. Une forças e volta-se com uma só tacada. Vince é ATINGIDO na jugular.

O sangue espirra, todos em pânico. Vince vai pra trás, derruba uma mesa e cai sobre o fogo. Debate-se, mas não há tempo de nada; seu corpo acaba consumido pelas chamas.

MURILO
Nilo! O que você fez?!

Nilo, mãos na cabeça, aflito, sem saber o que fazer.

O SOM de uma EXPLOSÃO próxima assusta ambos.

MURILO
Vamos sair daqui, rápido!

CENA 35 EXT. – CRACHÁ VERDE– NOITE

Nilo e Murilo correm, até que escoram em uma parede.

NILO
Eu não devia fugir. Eu não sou um criminoso. Eu tenho que voltar lá /

MURILO
(segura-o firme) Cê tá maluco? Tu provocou um incêndio, matou um homem fora de si. (T) A hora de bancar o herói passou; você agora é um assassino! Um assassino!

Fecha em Nilo, sem reação.

SOBE A MÚSICA: Hero – Skillet

FADE TO BLACK

A música termina nos créditos

padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr