Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Anti-Herói – Episódio 13 – Teimoso Demais para Morrer

ATO DE ABERTURA

NILO
(V.O)
Quando caía a tarde, a cidade maravilhosa virava um caos maior,
mesmo ao som de Tom Jobim. Não era nada maravilhoso o que eu viria logo a frente
”.

FADE IN

CENA 1 EXT. – RUAS DA CIDADE – NOITE

= = FLASHFORWARD = =

SIRENES de polícia ecoam pelos quatro cantos da cidade. Um tiroteio se estende pelas principais ruas assustando as pessoas, que tentam se esquivar como podem. GRITOS. CONFUSÃO. No meio deles, Nilo e Thales correm pela calçada, derrubam barracas e latões de lixo. Situação caótica. No meio da troca de tiros, um deles ATINGE as costas de Nilo.

[Efeito câmera lenta] Seu GEMIDO de dor ECOA em um silêncio profundo. Thales, assustadíssimo, tenta apoiá-lo, mas Nilo bate de contra um painel PROMOVENDO A WEBNOVELA TALISMÃ, na WebTV, e CAI sentado. [FIM do efeito câmera lenta]

Nilo cobre o ferimento, se fazendo de forte. Em Thales, sem saber o que fazer.

= = FIM DO FLASHFORWARD = =

FADE OUT

FADE IN

SONOPLASTIA: Jorginho, me empresta a 12 – Mc Carol

CENA 2 EXT. – BAIRRO / MORRO VALQUÍRIA – DIA

CAM AÉREA percorre os locais. Takes próximos apontam para uns moleques se drogando; pessoas descendo o morro para trabalhar; jovens de uniforme da escola; bar cheio de homens bebendo e jogando sinuca.

Encontramos a fachada do BAR 94 /

CENA 3 INT. – BAR 94 / FUNDOS / VALQUÍRIA – DIA

FIM DA SONOPLASTIA

Trouxinhas de drogas e bebidas sobre a mesa. Branco repassa as drogas pros moleques venderem. Uns 5, entre 13 a 17 anos.

BRANCO
Vamo lá, molecada! To cheio de serviço pro cês! Você
(aponta pra um moleque franzino, negro, de cara amarrada)
tá me devendo uma peça, hen. Já falei pra tu não fumar um beck durante o esquema.

O moleque nada diz. Todos pegam as trouxinhas e guardam em seus bolsos.

BRANCO
Fiquem espertos lá no centrão, que tá cheio de samango na área.
Dá bobeira pros cês verem. Agora vazam!

Os moleques saem. Moni, com uma arma sobre o decote, chega junto de um grupo de homens e mulheres, todos armados, e espia a molecada saindo. Butuca próximo da outra porta, munido de duas armas na cintura.

MONI
Fala aí, minha gente! Hoje à tarde a gente terá um compromisso inadiável.
Preparem a área que Nilo Rodrigues vai baixar em Valquíria.

BRANCO
Que parada sinistra é essa agora?

Moni anda por ali, malandra que só.

MONI
Ele quer visitar a casa de Vince Lemos, brow.
To de boas pra ceder os desejos do herói.

Butuca fica ressabiado. Branco dá um gole na cerveja.

BRANCO
Ué, vai entregar o ouro assim pro Batman da capital?

Os caras riem.

MONI
O ouro e o que mais ele quiser. (a mulherada ri, debochada)
O cara vai vir aqui ó, na minha mão. Se é pra acabar com o Vinnie,
que o Nilo descubra a verdade. Vamo mostrar nossa força, parceiros,
porque nós somos?

[CORO]
(erguem o braço)
MAIS FORTE QUE TUDO!

CAM vai buscar Butuca, que dá uma olhada pra um parceiro ao lado.

BUTUCA
Já to por aqui com esse herói de meia tigela. Vo meter o pipoco nessa porra.

PARCEIRO #1
Tu acha que esse carinha pode descobrir tudo?

BUTUCA
Se bobear, descobre até minha vida passada.
Vo dar moleza não, cumpadi. Meto um sapeco nesse herói ainda hoje.

Em Butuca, boladão.

FADE OUT

FIM DO ATO DE ABERTURA

EPISÓDIO 13

TEIMOSO DEMAIS PARA MORRER

 

PRIMEIRO ATO

FADE IN

CENA 4 EXT. – RUAS DA CIDADE – DIA

SONOPLASTIA: Fire Escape – Civil Twilight

Takes pontuados do caos na Capital: a saída do metrô da Carioca, o fluxo intenso e já conhecido da grande cidade; ambulantes se virando para vender suas mercadorias em ruas estreitas; pivetes acabam de arrancar um colar de um cara, e saem correndo em frente a Central do Brasil.

Corta para a fachada de um prédio /

CENA 5 INT. – APTº DE NILO E LILA / SALA – DIA

FIM DA SONOPLASTIA

Na tela do laptop no qual aparece uma matéria antiga do jornal Carioca News:

Nova droga com efeitos devastadores assusta moradores de Valquíria.
A polícia está atrás do chefe do tráfico conhecido como ‘Russo’. A suspeita é de que a droga intitulada como ‘Desejo Proibido’, apreendida pela polícia há 1 ano em embalagens de cosméticos, fora roubada e está sendo comercializada livremente no bairro Valquíria. Há relatos afirmando que ‘Russo’ ajudava todos na comunidade e que ele nunca foi visto portando uma arma, entretanto, mandava matar”.

Lila está diante do laptop, pensativa após a leitura. Nilo chega por trás, receoso.

NILO
Podemos conversar?

LILA
(nem encara) Agora você quer conversar?

NILO
Eu queria muito ter te contado /

Lila fecha o laptop e se volta.

LILA
Você foi covarde.

Nilo emudece. Olho no olho. Lila vacila o olhar, arrependida.

LILA
Eu pensei que esse tempo todo junto fosse suficiente
pra você entender que eu não sou mais aquela jornalista
sem escrúpulos que você conheceu há alguns anos.

NILO
Não, Lila, eu não estaria contigo esse tempo todo se eu desconfiasse de você /

LILA
(por cima) O problema então é a fama de herói que atribuí
a você com os meus livros, né? A fama que você não pediu.

Nilo tenta chegar perto, mas Lila se levanta e se esquiva. Nilo não insiste.

NILO
Eu sou muito grato por tudo que você fez, Lila.
Ter exposto a minha história em um romance literário para ajudar a
elucidar o assassinato de minha esposa, foi genial!
Você conseguiu fazer até a polícia perceber quem eram os vilões,
e colocou o povo a meu favor.

Lila, magoada, nem olha em seus olhos. Nilo se aproxima, sentido por aquele desprezo.

NILO
Você me transformou em herói. Recebi medalha de honra de um presidente
por salvar a vida dele e a do povo. E agora eu não queria que
todo o seu esforço tivesse sido em vão por causa de um erro meu.

LILA
Os heróis também erram, Nilo.

NILO
No cinema isso pode funcionar. Na vida real, não.
Um erro e você nunca mais se ergue.

Lila cruza os braços e fita o namorado, cismada.

LILA
Você se preocupa comigo, com o jornal ou com a sua reputação, Nilo?

Nilo pensa um pouco, baqueado, não esperava por aquilo.

NILO
Você me ofende com essa pergunta. Eu te amo, Lila!
(nela, mais tranquila). Posso perder tudo, menos você.
Só que é muito duro saber que o seu passado será apagado,
porque agora o assassino sou eu!

LILA
Você vive de passado, Nilo. Seus inimigos, agora, são outros.
(firme) Não se esqueça que você não venceu aquela batalha por
querer ser ovacionado pelo povo, muito menos por ser bonzinho demais.
Você é mais do que isso. (T) Você é mais forte que tudo.

Nilo tenta se aproximar mais, mas Lila abaixa a cabeça e sai dalí. Nele.

CENA 6 INT. – IGREJA – DIA

Marcos Jones e um cara de sobretudo negro (Cipriano / ator: Jayme Matarazzo) batem de frente no alto do 2º piso.

CIPRIANO
Percebe que você comprou uma briga que não era sua?

MARCOS
Você tem culpa em metade de tudo que já aconteceu.
Inclusive, na morte da minha tia e a do João.
Ainda acha que esta briga também não é minha?

CIPRIANO
Contribui para tirar da sua vida um pesadelo e o seu rival.
Você perdoou todos os seus inimigos, até o assassino de sua esposa,
mas sou eu o grande pecador da história! Se eu morrer viro santo?

Marcos agarra-o pelo colarinho.

MARCOS
Você é a raiz de todo esse mal! Com a sua morte, a humanidade estará a salvo.

CIPRIANO
A humanidade nunca estará a salvo, porque o mal sempre acaba prevalecendo. SEMPRE!

E empurra Marcos de contra a marquise e medem força novamente. Cipriano segura seu pulso, e Marcos deixa a arma escapar. Ambos rolam por uma marquise fraca, já quase inclinando. Marcos tem uma vantagem e, mesmo de costas ao léu, empurra Cipriano de contra a parede. O vilão lhe acerta um SOCO. Acerta mais um. E quando o empurra violentamente, Marcos segura-o pelo sobretudo.

[efeito câmera lenta]

Marcos se agacha, e Cipriano voa em direção às chamas. Gritos dele. Marcos se desequilibra, parte da marquise despenca e o garoto fica dependurado.
Cipriano CAI de costas sobre o candelabro, caído no chão.

[fim do efeito câmera lenta]

O vilão, morto, de olhos abertos, sendo consumido pelas chamas.

JACK
CORTA!

Jack e todo o pessoal das filmagens batem palmas. Marcos e o outro ator sorriem, satisfeitos. O diretor espia Roger atrás das câmeras, acenando para ele.

CORTE DESCONTÍNUO

Jack e Roger sentados em um dos bancos, enquanto o diretor bebe uma garrafinha de água.

JACK
Você quer que eu mude o final?

ROGER
Eu sei que isso não tava no script, mas você não é famoso
por seguir scripts, né, mesmo?

Jack deixa escapar um riso de vanglória.

JACK
Faz parte do meu show, garoto. Mas…Nilo não tá metido em coisa errada, não, né?

ROGER
Tá preocupado se o Nilo é anti-herói? (Jack dá um sorriso sem graça)
Ele é um cara do bem, mas um jornalista investigativo sempre terá algum inimigo, não?

JACK
Ele tá sabendo disso? Porque, até onde eu lembre,
ele odiou a Lila transformando a história dele em livro.

ROGER
Passado, Jack. Tenho certeza que ele vai adorar a referência.
Ainda mais que eu e a Lila sofremos aquele atentado.
Precisamos alertar o povo sobre um novo e devastador inimigo.

MARCOS
(O.S)
E quem é esse novo inimigo, Roger?

Roger e Jack se entreolham.

JACK
(para Marcos / toca seu ombro) Garoto, você precisa
decorar algumas novas falas.

Marcos não entende. Roger faz sinal com a cabeça em agradecimento ao diretor.

CENA 7 EXT. – RUAS DA CIDADE – DIA

Takes rápidos de algumas ruas e esquinas. Grande movimento. Corta para a fachada da Carioca News /

CENA 8 INT. – REDAÇÃO CARIOCA NEWS / ESTACIONAMENTO – DIA

Lila e Nilo acabam de descer do carro, calados. Nilo se incomoda, mas Lila bate a porta e segue em direção ao elevador. É quando são interceptados por Murilo e Paulinha, afoitos.

MURILO
Nilo, eu preciso falar contigo.

Em Lila e Nilo, preocupados.

Corta IMEDIATAMENTE para um carro preto quase morrendo na pista.

CENA 9 INT. – CARRO DE ROGER – DIA

No rádio toca a música “Not Gonna Die – Skillet”. Roger gira a chave na ignição, mas o carro não pega.

ROGER
Que droga! Eu devia ter pego o carro da Lila de novo.

Roger insiste, quando finalmente o carro funciona. Ele vibra, mas vê algo fora da tela que o deixa cismado. Pelo seu PONTO DE VISTA, Rafael adentra, a pé, uma ruela simpática, cara de vila.

ROGER
Ah, agora que eu te pego, malandro!

Roger abre a porta do carro e desce, decidido.

CORTE DESCONTÍNUO

Rafael disfarça, compra alguma coisa em uma banca de jornal, olha ao redor e ENTRA pelos fundos da MANDRAKE PUB.

Em Roger, espiando a cena de dentro de um BAR. Por trás dele, a TV exibe uma matéria sobre o atentado que ele sofreu.

NOTICIÁRIO
A polícia está investigando a relação entre o fake news e o atentado sofrido pelos jornalistas Lila Machado e Roger Ribeiro, ambos da Carioca News. Segundo a publicação, Nilo Rodrigues teria sido responsável pela morte do líder comunitário de Valquíria, Vince Lemos, causando revolta nas redes sociais.

Em Roger, percebendo que os clientes estão vidrados na TV, SAI de fininho dali.

CENA 10 INT. – REDAÇÃO CARIOCA NEWS / ESTACIONAMENTO – DIA

Na cara estupefata de Nilo, com as mãos na cintura e de olhar fulminante.

NILO
O que você disse?!

MURILO
Cara, ele invadiu meu apartamento, agiu como um marginal /

NILO
(corta / irado) Você guardou aquele vídeo pensando em um jeito
de me denunciar sem sujar pro teu lado, e agora a culpa é do Thales?

MURILO
(nervosão) NÃO! Quer dizer, sim, admito, pronto!

Nilo se inquieta, mãos na cintura, sabe nem como fica.

MURILO
(cont.) Olha, eu tenho certeza que no meu lugar /

Nilo avança sobre Murilo e segura na gola de sua camisa. Lila e Paulinha se assustam.

NILO
No teu lugar eu não ferraria alguém por causa da droga de uma promoção!

MURILO
Não foi por causa de uma promoção, foi por medo de ser preso!

E se desvencilha de Nilo. Os dois se encarando com raiva.

MURILO
Eu já fui preso, Nilo, mas ao contrário de você, branquinho do olho azul, eu posso me ferrar bem mais que o heroizinho aí.

PAULINHA
Essa discussão não vai levar ninguém a nada.
Murilo tá aqui porque realmente tá desesperado, Nilo.
Thales não para de pressionar!

NILO
Ele só tá pensando nele, Paula. Esse tempo todo tramando
um jeito de me atacar pelas costas. E eu achando que podia contar contigo hoje.

MURILO
Mas é claro que to pensando em mim. Cê queria que eu estivesse
pensando em você? Tu já tem uma fanbase pra te idolatrar. Eu não!

LILA
Chega dessa palhaçada, Murilo! Você e o seu jornal compactuam
para derrubar o Nilo e esta redação, e agora tá com medo de ser o
maior prejudicado nesse caso? Nilo é o assassino, e isso é tudo
que jornais lixos como a Novo Dia precisam.

Nilo engole a verdade duramente. Paulinha e Murilo sacam e, por um momento, o jornalista rival se mostra vencido. Porém, não dá o braço a torcer.

MURILO
Ele podia ter falado a verdade antes, Lila. Agora fica difícil me defender.

NILO
Devia ter pensado nisso antes de guardar aquele vídeo.
Eu ter falado antes ou agora não mudará o fato d’eu ser um criminoso.
Como a Lila mesmo disse: eu sou o assassino. Ninguém pode mudar isso.

Nilo encara cada um, enraivecido e, ao mesmo tempo, triste. Murilo tenta dizer algo, mas perde a coragem.

PAULINHA
Acho que você pegou pesado, Lila.

Lila lhe dá uma olhada seca.

LILA
Eu sei como tratar meu namorado. Cuide do seu amigo e
da autoestima dele já decadente.

Murilo se espanta, mas Lila já deu as costas. Em Paulinha e Murilo, estacados no meio do estacionamento.

CENA 11 INT. – MANDRAKE PUB / ESCRITÓRIO – DIA

Vinnie está em posse de um tablet, lendo alguma coisa. Rafael anda de um lado para o outro, esfrega a mão no rosto, impaciente.

RAFAEL
A essa altura o Nilo deve tá tramando alguma coisa.
Não sei como aqueles jornalistas escaparam. Devem ter pacto.
(percebe Vinnie distraído) Cê não diz nada?

Vinnie lhe dá uma olhada. Deixa o tablet sobre a mesa.

VINNIE
Preciso adiantar as coisas. Por enquanto,
ainda temos algo que prende Nilo a mim.

Vinnie senta, cruza as pernas sob o olhar desconfiado de Rafael. O investigador se aproxima, apoia as mãos sobre a mesa, incisivo.

RAFAEL
Como assim “temos algo que prende Nilo a você”? (Vinnie o olha de soslaio)
Vinnie, eu sinto que sei metade do seu plano. Entendo que você
quis afastar a Carioca das investigações da droga DP, que foi
importante estremecer a reputação do falso herói para que ele
fosse desacreditado, caso descobrisse alguma coisa, enfim.
Mas não sei o porquê essa insistência em manter o Nilo por perto.
Tudo bem, precisamos ser amigos de jornalistas, mas /

VINNIE
(por cima) Vejo que você mesmo sanou suas próprias dúvidas, Rafael.
Parabéns! (Rafael se chateia) Porém, Nilo não é só um jornalista;
ele é um justiceiro esquecido e injustiçado. Um homem sem rumo.

RAFAEL
Mas ele tá assim porque você ajudou, né? Mandou dar cabo daqueles atores,
fez muita gente odiar o filme e o protagonista, agora tá preocupado
com o justiceiro injustiçado? Não entendo.

VINNIE
Você nunca ouviu falar da jornada do herói?

RAFAEL
Oi?

Vinnie abre os braços, olhar envaidecido, como a iniciar um relato dramático.

VINNIE
Ninguém se torna herói se não for impulsionado a lutar contra uma guerra.
Ninguém se mexe enquanto tudo está indo a seu favor. E o que mexe com o
Nilo é a injustiça, foi isso que o levou a ser reconhecido como justiceiro.

Rafael dá de ombros, sem entender nada.

RAFAEL
Tá, e daí? Tá querendo tirar o posto da Lila ou do Jack? (ri).

VINNIE
Estou te dando a oportunidade de entender que Nilo jamais se
tornará nosso aliado se continuar com o estigma de herói bonzinho,
que luta contra os opressores, sem um passado que o condene. (toca na mão de Rafael)
Ninguém é bom o tempo todo.

RAFAEL
Legal, Vinnie, mas você teve interesse em dar cabo do diretor.
Desistiu? Pensei que o filme te incomodasse também /

VINNIE
(corta) Eu já consegui despertar no Nilo o heroísmo de outrora.
Ele tá pronto para voltar a ser o herói de antes, mas desta vez,
do meu jeito. (dá uma olhada no tablet) Agora é melhor você ir.

Rafael ainda reluta, Vinnie encara-o, e o investigador bufa, dando as costas. Em Vinnie lendo algo no tablet.

Corta para a fachada da Carioca News /

CENA 12 INT. – REDAÇÃO CARIOCA NEWS / SALA DE REDAÇÃO – DIA

Roger atravessa o corredor, eufórico, procura por todos os lados alguém. Encontra Nilo sentado, pés sobre a mesa, girando uma caneta nas mãos. Pensamento longe.

ROGER
Nilo, Nilo! Preciso te contar, brother /

NILO
(corta) Agora, não, Roger. Não to bem. (olhar vago) Era melhor
eu ter tirado as tais férias que a Lila sugeriu. To sem cabeça pra nada.

Roger senta ao seu lado, preocupado.

ROGER
Que isso, cara? Que aconteceu?

NILO
Aconteceu que eu sou um assassino. Um covarde. Isso que aconteceu.
(finalmente olha para Roger, que não se convence) Foi isso que Lila
me falou: que eu sou um assassino e covarde.

ROGER
(toca seu ombro, consolador) Cara, ela deve ter
falado isso no momento de raiva /

NILO
Ela me chamou de assassino na frente do Murilo, Roger.
E sabe o que o Murilo fez? (Roger aguarda) Guardou aquele
vídeo que me incrimina, e agora ele tá nas mãos do Thales!

ROGER
Quê?!

NILO
Ele pensava em um jeito de me ferrar sem ferrar com ele.
Falta muito pouco pra eu estampar os jornais, Roger. Muito pouco.

Roger toca na perna de Nilo e sacode, eufórico.

ROGER
É agora que temos que agir, irmão! Você disse que conversou
com a Moni e ela liberou a entrada em Valquíria. Alguma coisa me diz
que as respostas estão na casa do Vince. Se anime!

Nilo retira as pernas de cima da mesa e volta-se para o amigo.

NILO
O que adiantará isso, Roger? Eu matei e pronto. O que adianta
descobrir se o Vince foi dopado e induzido a me matar, se
eu o matei porque quis!

ROGER
Você não matou porque quis, Nilo. Ninguém com o seu caráter mata
um suposto inocente porque quis. Há mais gente envolvida nesse esquema,
(segura seu rosto com as duas mãos) e você não pode ser o grande culpado
porque tava no lugar e na hora errada. Não deixe que te derrubem, amigo.

Em Nilo, pensativo. CAM BUSCA Lila logo atrás, escondida, tendo escutado tudo.

FADE OUT

FIM DO PRIMEIRO ATO

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Cristina Ravela

Cristina Ravela

>