Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Capítulo 11 | Clareza – A Nossa Canção

Daqui seis meses…

[CENA 01 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ DIA]
(Elizabeth está no centro do auditório, alguns alunos ainda estão procurando um lugar para sentar-se. Elizabeth começa seu pronunciamento)
ELIZABETH Hello everyone! Good Morning. Well, most of us here already know why we’re meeting here today. For freshmen, at the beginning of the semester, a friendly competition takes place internally among students. This was initially taken as a joke among students. However, in recent years, it started as a ritual for the university. As we are always open to new things and we try to integrate our students, we ended up making this game official. So, during this week, you are likely to encounter continuous presentations by the university. Be it in the cafeteria, between the corridors, the patio, even in the bathrooms. (ri) Seriously, this has already happened. (alguns alunos riem também) But, regardless of location, students who want to participate in this small competition, feel free. I want to make it clear here that regardless of the result or position you occupy, you are all talented. This is just a competition between students, so don’t take it too seriously. For freshmen, you can also participate. Feel free. I confess that, in a way, creates a slight competition between my students. In the industry that you, if there is no competition, there is no evolution and you will continue to stagnate where you are. I believe that most did not come here, if they did not want to evolve, both as a person and as an artist. So, participate. Show that you came here to be great artists. (todos batem palmas) Without further ado, the 9th veteran competition at the New York Academy of Performing Music is open! (todos batem palmas) Let the show begin! (todos continuam batendo palmas, aos poucos os alunos vão se levantando, caminham em direção a saída)
PEDRO – (reparando o pessoal saído) Ué, já acabou? E as apresentações?
MÔNICA – Elas não irão acontecer aqui.
SAMUKA – As apresentações ocorreram durante a semana em diversos pontos da universidade. Assim todos tem tempo para votar e também criam coragem para se apresentar. (olhando para Mônica)
MÔNICA – Eu já disse que não irei me apresentar este ano. (Pedro levanta-se, começa a seguir seus amigos em direção à saída)
SAMUKA – Ainda não desisti de você mocinha. (todos saem do auditório, caminham pelos corredores, uma música começa a ser tocada)
MÔNICA – Olha só… eles já começaram!
SAMUKA – Quem será?! (os alunos que estavam logo atrás dele, para e focam-se na música. Elisa aparece cantando no meio do corredor, logo atrás dela alguns alunos)

[CENA DE MÚSICA – CLARITY (ZEDD feat. FOXES)]

High dive into frozen waves 1
Where the past comes back to life
Fight fear for the selfish pain
And it’s worth it every time
Hold still right before we crash
Cause we both know how this ends
Our clock ticks ‘till it breaks your glass
And I drown in you again

Cause you are the piece of me 2
I wish I didn’t need
Chasing relentlessly
Still fight, and I don’t know why

If our love is tragedy, why are you my remedy?
If our love’s insanity, why are you my clarity?

If our love is tragedy, why are you my remedy?
If our love’s insanity, why are you my clarity?

Walk on through a red parade 3
And refuse to make amends
It cuts deep through our ground
And makes us forget all common sense
Don’t speak as I try to leave
Cause we both know what we’ll choose
If you pull, then I’ll push too deep
And I’ll fall right back to you

Cause you are the piece of me 4
I wish I didn’t need
Chasing relentlessly
Still fight, and I don’t know why

If our love is tragedy, why are you my remedy?
If our love’s insanity, why are you my clarity?

Why are you my clarity?
Why are you my remedy?
Why are you my clarity?
Why are you my remedy?

If our love is tragedy, why are you my remedy?
If our love’s insanity, why are you my clarity?

1. Elisa caminha pelos corredores calmamente, olha para alunos, feliz. Três pares de alunos estão dançando logo atrás dela. Os demais alunos a observam, alguns começam a gravar em seus celular.
2. Elisa continua caminhando pelos corredores, em direção ao refeitório, todos a seguem. Aos poucos um aglomerado de alunos começa a segui-la. Arthur não apareceu ainda, Mônica está atenta esperando ele aparecer em algum momento. Ao chegarem no refeitório, Elisa começa a dançar junto com as três duplas.
3. Pedro observa tudo com vontade de dançar também. Porém, não decide entrar no meio para não pensarem que está participando da competição também. Elisa dança em diversos lugares do refeitório, sobe na mesa e se diverte. Olha em direção a Pedro, desce da mesa e caminha até ele. Chegando bem próximo, segura em sua mão e o puxa até o meio do refeitório. Mesmo um pouco envergonhado, Pedro acaba dançando com ela.
4. Arthur ainda não apareceu, porém Mônica continua esperando a aparição dele a qualquer momento. Elisa se separa de Pedro, encerra sua música dançando em cima de umas das mesas, com três casas de alunos logo abaixo. Ao termino, todos batem palmas. Pedro continua a sua frente. No entanto, uma segunda música começa a ser tocada. Nesse instante, Arthur aparece!

 

[CENA DE MÚSICA – I WANT TO BREAK FREE (QUEEN)]

I want to break free 1
I want to break free
I want to break free from your lies
You’re so self satisfied, I don’t need you
I’ve got to break free
God knows, God knows I want to break free

I’ve fallen in love 2
I’ve fallen in love for the first time
And this time I know it’s for real
I’ve fallen in love, yeah
God knows, God knows I’ve fallen in love

It’s strange, but it’s true 3
I can’t get over the way you love me like you do
But I have to be sure
When I walk out that door
Oh, how I want to be free, baby
Oh, how I want to be free
Oh, how I want to break free

But life still goes on 4
I can’t get used to living without, living without
Living without you by my side
I don’t want to live alone, hey
God knows, got to make it on my own
So, baby, can’t you see?
I’ve got to break free

I’ve got to break free
I want to break free, yeah
I want, I want, I want, I want to break free

1. Arthur entra dançando no ritmo da música, olha para Elisa em cima da mesa, sorri. Pedro ao vê-lo, se afasta um pouco em direção onde estava na música anterior. Algumas meninas soltam uns gritinhos ao vê-lo caracterizado, começam a elogiá-lo.
2. Animado, começa a andar pelo refeitório. Elisa desce da mesa e começa segui-lo. Os dois ficam um de frente para o outro, andam pelos o meio dos alunos.
3. Pedro continua com vontade de dançar, Maya aparece ao lado dele, filmando toda a apresentação. Elizabath está do outro lado do refeitório, observa a apresentação, contente.
4. Arthur sobe em uma das mesas junto com Elisa, e começa a dançar com ela. Os dois encerram a apresentação e são aplaudidos por todos.

[CENA 02 – CASA DE ALICE/ Q. DE ALICE/ DIA]
(Alice está em sua cadeira de rodas, próxima a janela. Manuela bate na porta do quarto)
MANUELA – Oi! (entra, caminha até ela) Sua avó me deixou subir.
ALICE – O que você quer?
MANUELA – Eu vim deixar essas flores para você.
ALICE – (olha para as flores, olha para janela em seguida) Deixa-as em cima da mesa.
MANUELA – (caminha até a mesinha) Como você está?
ALICE – Eu me pareço bem pra você.
MANUELA – Você estar viva, isso é o que importa. (as duas ficam em silêncio por alguns segundos, Manuela caminha até a cama) Sabe… eu sei que a gente nunca foi amiga uma da outra, mas o que aconteceu com você…
ALICE – Eu não preciso da sua piedade.
MANUELA – Eu sei que não. Você sempre foi uma garota forte, determinada. Mas na atual situação que você se encontra, é bom ter um ombro amigo ao lado.
ALICE – (ri) Você quer ser meu apoio agora?
MANUELA – Se precisar. (se aproxima dela) Sabe onde me encontrar. (vira-se para ir embora, Alice continua em silêncio) É bom colocar as flores em um vaso. Se não elas irão murchar. (saí do quarto, Alice vira-se para a porta, empurra a cadeira até as flores, fica pensativa)

Agora…

[CENA 03 – CASA DE MANUELA/ Q. DE MANUELA/ DIA]
(Tiago está deitado na cama de Manuela, enquanto ela está sentada em frente ao notebook, ao lado dele)
TIAGO – Não me surpreenderia nada, que a Alice negou te ajudar. Aquela ali só pensa nela mesma. Egoísta e egocêntrica desde mesmo antes de namorar comigo.
MANUELA – Mas até que foi bom essa conversa que eu tive com ela. Isso apenas me fortaleceu a continuar no programa. Embora eu não tenha mantido uma boa impressão no primeiro programa, eu vou conseguir ganhar o público nos demais.
TIAGO – (levanta-se, se aproxima dela) É assim que eu gosto. (beija o pescoço dela) Mas… não esqueça dos vestibulares. A gente se inscreveu em um, que a primeira etapa é daqui alguns meses.
MANUELA – Não se preocupa, Tiago. Pode deixar que eu vou me sair bem.
TIAGO – (senta-se ao lado dela) Assim espero. (a ver concentrada no computador) O que está fazendo?
MANUELA – Estou procurando o nosso dueto.
TIAGO – Nosso dueto?
MANUELA – É. O programa ano passado teve uma etapa onde o candidato tinha que cantar um dueto com um convidado. Então você irá cantar comigo.
TIAGO – Você nem perguntou se eu quero participar disso?
MANUELA – (olha para ele, fica séria) Você não quer cantar comigo?
TIAGO – Quero. Eu gosto de cantar com você, mas… ao menos você poderia me avisar.
MANUELA – Eu acabei de te avisar.
TIAGO – Não. Eu perguntei e você me respondeu. Talvez, se eu não tivesse perguntado só saberia no dia do programa.
MANUELA – É claro que não. Lógico que eu iria contar para você.
TIAGO – Quando?
MANUELA – Quando eu tivesse a música selecionada.
TIAGO – (se afasta um pouco dela) E você já imaginou que talvez eu estivesse ocupado quando você me fizesse este convite?
MANUELA – Ocupado com o que? Você não faz nada, Tiago.
TIAGO – (levanta-se da cama um pouco irritado) Não faço nada?!
MANUELA – Estou mentindo? Você passa a maior parte do tempo em casa, jogando lá seus videogames.
TIAGO – Desculpa por eu ser esse desligado pra você. (saí do quarto)
MANUELA – Ah, não. (fecha o notebook, levanta-se da cama em direção a porta) Lá vem ele com essas crises de novo. (saí do quarto)

[CENA 04 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ DIA]
(Larissa contínua de frente para Nathaniel, ansiosa)
LARISSA – Então, Nathan?! Me diz logo o que a produção do programa respondeu?
NATHANIEL – (crescendo um sorriso, conforme ia lendo o email) “Prezada, Larissa. Lamentamos o ocorrido com você durante sua estreia no programa Sua Canção. Analisámos com detalhes o seu caso e em nenhuma regra em nosso regulamento proibi a sua participação do programa por trabalhar em um cabaré. Fizemos uma reunião interna entre nossos produtores e pelo o voto da maioria, você ainda permanece na competição. Reafirmamos que Sua Canção é um programa livre e aberto para todos. Acreditamos seriamente no talento de cada um, e isso é o que importa para gente. Você é uma grande cantora, e iremos adorar vê-la no nosso palco. Boa sorte!” (Larissa comemora, abraça Nathaniel e os dois começam a pular pelo salão de alegria)
LARISSA – Eu continuo participando do programa, Nathan! Eu não fui eliminada. Continuo participando!
NATHANIEL – Eu disse para você não ficar preocupada daquele jeito. Você é uma estrela, querida. É lógico que eles não iriam te eliminar por trabalhar aqui.
LARISSA – (os dois param de pular, se separam) Que emoção, Nathan. É como se eu tivesse sido aceita duas vezes.
NATHANIEL – Eu imagino.
LARISSA – Eu vou mostrar para o Júlio que ele não conseguiu o que ele queria. (confiante) E a próxima música que eu irei cantar, será tão boa, mas tão boa que todos que me criticaram naquele palco, irão estar de pé me aplaudindo.
NATHANIEL – É assim que se fala. (a abraça novamente) Mostre que você não está ali para brincadeiras.

[CENA 05 – CASA DE MANUELA/ SALA/ DIA]
(Tiago caminha direto para a porta, Manuela o alcança a tempo)
MANUELA – Sério que você vai ficar assim por bobagem?
TIAGO – Bobagem? Você acha que é bom ouvir da sua própria namorada que você é um desocupado?!
MANUELA – Eu não disse que você era desocupado.
TIAGO – Mas sugeriu.
MANUELA – (se aproxima dele) Vamos fazer assim. Eu retiro o que eu disse.
TIAGO – Isso não retira da minha mente.
MANUELA – Sim, verdade. Mas… talvez isso ajude a colocá-lo lá no fundo, bem no fundo da sua mente. (o beija, mesmo chateado, Tiago acaba retribuindo o beijo dela)

Mais Tarde…

[CENA 06 – LANCHONETE DO IVO/ TARDE]
(Dácio havia chamado Pedro para lancharem alguma coisa, Pedro acabou chamando Caio para ir junto)
DÁCIO – É meus amigos, as aulas começam em poucos dias.
PEDRO – Nem me fale, Dácio. Tá uma mistura de ansiedade e nervosismo dentro de mim. Estou ansioso para as aulas começarem logo, como também estou nervoso, já que após semestre, eu talvez irei para Nova York ano que vem.
CAIO – Talvez irá? Ué, mas você não passou?
PEDRO – Passei, mas preciso ter o Ensino Médio completo. Coisa que ainda não tenho.
DÁCIO – Mas as tuas notas estão boas, Pedro. Não tem com o que ficar nervoso por causa disso.
CAIO – Além do mais, quem não ficaria feliz em ir para Nova York. Quem dera que ano que vem eu estivesse indo morar em outro país, fazendo aquilo que eu gosto.
PEDRO – Ué, deve ter universidades de desenhos em Nova York também. Se você quiser eu posso pedir para um amigo meu ver isso.
DÁCIO – Você desenha, Caio?
PEDRO – (Caio olha sério para Pedro, por ele ter contado seu segredo) Ih, foi mal. Mas o Dácio é confiável, ele não contará para ninguém. Né, Dácio?
DÁCIO – Se for segredo, é claro que não conto. Pode confiar em mim. Mas por que você não quer que ninguém saiba?
CAIO – Por causa da minha mãe. Ela quer que eu siga os passos dela na carreira de direito.
DÁCIO – Entendo.
PEDRO – Ele desenha muito bem, Dácio. Você precisa ver os desenhos deles.
DÁCIO – Bem que você poderia levá-los para a escola um dia desses.
CAIO – Não, nem pensar. Qual a parte do segredo vocês não entendem, hein?
DÁCIO – Verdade, foi mal.
PEDRO – Mas mudando um pouco de assunto, vocês têm notícias do Ramon?
DÁCIO – Nessas férias não. Ele iria fazer alguns shows, não?
PEDRO – Iria, só que me parece que foram adiadas para o ano que vem. (pega seu celular) Vou mandar uma mensagem aqui pra ele. Vou chamar ele aqui, para comer algo com a gente também. (Pedro continua digitando sua mensagem, os demais focam-se em seus lanches)

[CENA 07 – CASA DE ALICE/ ESTÚDIO/ TARDE]
(Alice está em seu estúdio, organizando suas letras de música. Ao guardá-las em sua pasta, senta-se um pouco mais a vontade na cadeira, lembra-se do beijo que Marcelo deu nela dias atrás. Pega seu celular em seguida, entra no aplicativo de conversa e lhe envia uma mensagem. Coloca o celular em cima da mesa novamente, volta a ficar à vontade na cadeira)

[CENA 08 – LANCHONETE DO IVO/ TARDE]
(os garotos continuam conversando e estão quase terminando seus lanches. Ramon chega à lanchonete neste momento, indo direto na mesa deles)
RAMON – E aê, pessoal?! (cumprimenta todos, senta-se ao lado de Pedro) Turma reunida hoje. Isso tudo é saudade da escola?
PEDRO – Quem dera. É só um lanchezinho com os amigos. Faltava só você aqui.
RAMON – Mas vocês nem me esperaram? Estou vendo aí que estão quase terminando.
PEDRO – É que quando eu te mandei mensagem, o lanche tinha acabado de chegar. Mas não tem problema, a gente pede mais uma rodada, né não?! (todos riem)
DÁCIO – Confesso que aqui ainda cabe mais.
CAIO – Sendo de graça, tô dentro.
RAMON – (olha para Pedro, ri) Não acredito que você ainda esteja usando daquele seu acordo com o Ivo?!
IVO – (aparecendo ao lado dele) E por que não estaria? Promessa é dívida. Pedro pode comer aqui a vontade, sempre que quiser e de graça.
PEDRO – Quase de graça, né. Por que tenho que cantar algumas músicas de vez enquanto por aqui.
RAMON – Está vendo, Ivo? (brinca) O cara nem ficou famoso ainda e já tá assim. Daqui a pouco vai começar a cobrar para cantar aqui.
PEDRO – Não, isso não. É um prazer cantar aqui, Ivo. Sem contar que você já me ajudou muito.
IVO – Eu sei garoto. Eu sei que isso tudo é brincadeira. Eu vi o Ramon se aproximando e imaginei que vocês iriam pedir mais. Trago o mesmo?
PEDRO – Por mim pode ser.
DÁCIO – Por mim também.
CAIO – Também.
RAMON – O meu você sabe, né Ivo?
IVO – Sei sim. (anota os pedidos num bloquinho) Podem deixar que já, já trago o pedido de vocês. (vira-se para ir embora, quando lembra de algo) Ah, Ramon… daqui a pouco eu mando para vocês a data da entrevista, está bem?
RAMON – Beleza. (Ivo se afasta da mesa em seguida)
PEDRO – Entrevista, é? Órbita Três tá ficando famosa mesmo, hein.
RAMON – (ri) Estamos quase lá. Temos que agradecer isso tudo ao Ivo. Ele que conseguiu isso pra gente.
PEDRO – Vocês têm que me lembrar de contratar o Ivo quando eu estiver fazendo sucesso como cantor também. (todos riem, com exceção de Caio)

[CENA 09 – CASA DE ALICE/ SALA – ESTÚDIO/ TARDE]
(Alice está sentada no sofá, mexendo no celular. Campainha toca, ela mesa decide abrir. Imaginando quem seja, sorri ao atender a porta)
ALICE – Oi.
MARCELO – Oi.
ALICE – Entra. (Marcelo entra, os dois caminham até o sofá)
MARCELO – Então? O que você gostaria de falar comigo?
ALICE – Na verdade, eu não queria conversar aqui embaixo. Vamos lá para o estúdio?
MARCELO – Tá. Pode ser. (os dois sobem as escadas, em direção ao estúdio)
[ESTÚDIO]
(Alice entra primeiro no estúdio, Marcelo logo atrás. Ela fecha a porta, ele coloca sua mochila em uma das cadeiras, ficam de frente um para o outro)
MARCELO – Então? (os dois se entreolham por alguns segundos) Sobre o que você quer conversar?
ALICE – Na verdade… (se aproxima dele) … não te chamei aqui para conversarmos. Mas sim para isso. (o surpreende e o beija)

Daqui seis meses…

[CENA 10 – CASA DE ALICE/ Q. DE ALICE/ TARDE]
(Alice está em sua cadeira, ainda olhando pela janela. Marcelo bate na porta do quarto, entra em seguida)
MARCELO – Oi. Sua avó me deixou entrar.
ALICE – Preciso ter uma conversa com a minha avó e impedir a entrada de certas pessoas.
MARCELO – Eu sei que você ainda está chateado comigo, depois da burrada que eu fiz, mas…
ALICE – … (empurrando sua cadeira até ele) Mas você está com pena de mim, por eu nunca mais poder andar.
MARCELO – Não diga isso, Alice.
ALICE – É a verdade. Todos me olham com pena. Eu vejo isso no olhar de todos. Estou vendo isso em você agora.
MARCELO – (desvia dela, caminha até a janela) Eu só vim saber como você estar?!
ALICE – Engraçado que agora você se preocupa comigo, né?! Mas para fazer aquilo que você fez comigo, você não se preocupou como eu iria me sentir. (vira-se de frente para ele)
MARCELO – (fica de frente dela) Eu já pedi desculpas, Alice. Eu me arrependi do que eu fiz, então…
ALICE – Vá embora daqui!
MARCELO – Alice, vamos conversar…
ALICE – Não temos nada para conversar. (empurra sua cadeira até a janela) Vá embora! Some da minha vida. (Marcelo abaixa a cabeça, compreende o motivo dela estar assim, porque ele reconhece o erro que fez. Caminha em direção à porta, sem dizer mais anda. Alice sente vontade de chorar)

[CENA 11 – APARTAMENTO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA/ TARDE]
(Pedro está sentado no sofá, olhando para o teto. Lembra das apresentações de Arthur e Elisa hoje mais cedo)
PEDRO – (pensativo) Não, Pedro! Você não vai fazer isso. Não vai para competir que você veio pra cá! (continua olhando para o teto)

[CENA 12 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ SALA DE MÚSICA/ TARDE]
(Elisa e Arthur estão na sala de música. Elisa está no piano, enquanto Arthur está ajustando as cordas do violão)
ARTHUR – Tenho certeza de que você conseguirá o segundo lugar, amor. Ayla que se cuide, que este lugar já será seu.
ELISA – Eu me contendo com o 5 lugar, igual o ano passado.
ARTHUR – (coloca o violão ao lado, caminha até ela, senta-se no piano) Que é isso, Elisa? Cadê a sua ambição? Estamos no nosso último ano e você não busca nem um pouco de estrelismo para você.
ELISA – Eu não me preocupo muito com isso, Arthur. Você sabe muito bem.
ARTHUR – (se aproxima dela) Sei, mas precisamos ser o casal super star desta universidade.
ELISA – (faz carinho no rosto dele) Eu sei, meu amor. No entanto, não é o que eu quero pra mim.
ARTHUR – Lá vem com sua história de criar uma escola de música.
ELISA – (foca-se nas teclas do piano) Exatamente!
ARTHUR – (levanta-se, volta para os instrumentos) Tudo bem. Eu me conformo com isso.
ELISA – Bem. Você poderia criar uma dupla com o Pedro!
ARTHUR – Com o Pedro?
ELISA – Sim. O garoto canta bem, diria que tão bem quanto você. Creio que vocês dois poderiam ser as estrelas deste semestre.
ARTHUR – (incomoda-se um pouco por querer dividir sua presença com Pedro) Sei não… Pedro é calouro ainda. Acho que não seria bom.
ELISA – Tá com medo de que ele te supere?!
ARTHUR – Isso não vai acontecer, está bem. Eu vou sair daqui sendo o melhor artista que essa universidade já formou. (foca-se na guitarra, por um momento fica preocupado, Elisa não percebe já que está focada no piano)

Contínua no Capítulo 12…

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Anderson Silva

Anderson Silva

Um carinha qualquer apaixonado por música e contador de histórias. Atualmente é autor de A Nossa Canção.
>