Capítulo 16 | Cara! Eu Me Sinto Uma Mulher – Minha Canção

[CENA 01 – CASA DE PEDRO/ SALA/ DIA]
(Karina continua sorrindo, mas ao ver o irmão sério, seu sorriso se desfaz)
KARINA – Não nego que estou feliz com essa sua escolha, mas e o Pedro?
MIGUEL – Pedro ficará bem. Eu que não estou bem! (caminha até o sofá, senta-se) Pedro sai por aí todos os dias, vivendo a vida dele, enquanto eu fico sozinho nesta casa. Apenas com as lembranças da Carla.
KARINA – (caminha até o sofá, senta-se ao lado dele) Oh, meu irmão.
MIGUEL – Eu tenho que seguir em frente. E ficar aqui não vai me ajudar. Essa casa, esses móveis, as roupas dela guardado lá em cima, tudo me faz lembrar dela.
KARINA – Imaginei que você estivesse assim.
MIGUEL – Eu pensei que quando Pedro fosse atrás do pai dele, ele fosse precisar de mim. Que com isso eu poderia ocupar minha mente, mas Pedro não quer minha ajuda. Ele disse que vai atrás do pai sozinho. Então, não tenho mais serventia aqui.
KARINA – Mas você não prometeu a mãe dele que cuidaria do filho dela?
MIGUEL – Infelizmente terei que quebrar esta promessa. Pedro é muito parecido com a mãe. Quando coloca uma coisa na cabeça, não a nada que o faça mudar de ideia. E até isso me faz lembrar dela.
KARINA – Eu entendo, meu irmão. Parece que mesmo após alguns meses da morte dela, está difícil para você esquecê-la. Mesmo assim, Pedro é menor de idade. Ele não pode morar sozinho.
MIGUEL – Enquanto a isso, creio que ele deve voltar para Minas e morar com o avô, não sei.
KARINA – Mas ele não está participando de um programa de música?
MIGUEL – Está, mas ficar nessa casa sozinho está me atormentando.
KARINA – Eu sei. Eu sei, irmão. Eu quero que você volte pra casa comigo, mas não desse jeito. Assim, como se estivesse fugindo. Você conversou ao menos com ele sobre essa sua decisão?
MIGUEL – Não. Na verdade, acabei tomando essa decisão hoje. Você é a primeira pessoa que está sabendo.
KARINA – Então eu acho melhor você conversar com ele. Querendo ou não, esta decisão tem a ver com vocês.
MIGUEL – A única conversa que eu vou ter com ele, é avisá-lo da minha decisão.
KARINA – Tá, mas ao menos conversa com ele. Eu quero ter você perto de mim, mas com tudo resolvido.

[CENA 02 – CASA DE DÁCIO/ SALA/ DIA]
(Dácio deixa Daniel entrar, os dois estão na sala)
DÁCIO – Como assim você vai fugir novamente?
DANIEL – Meu pai descobriu onde eu estava, e você sabe como ele é. Não ficou feliz por saber que eu estava em um bordel. Tenho certeza que era só questão de tempo, que ele viria atrás de mim. Por isso que eu precisava sair de lá. Não quero dar problema para sua mãe, que só me ajudou.
DÁCIO – Ela sabe que você veio pra cá?
DANIEL – Não. Ninguém sabe que eu estou aqui. Sai cedo, antes de todos acordarem.
DÁCIO – E pra onde você vai?
DANIEL – Eu não sei. Eu vou voltar para as ruas, sei lá. Mas pra casa eu não volto.
DÁCIO – E você vai ficar sempre assim, Daniel? Fugindo?
DANIEL – Enquanto eu puder, sim. Meu pai fixou na cabeça que eu estou com alguma doença. Ele acha que pode me curar.
DÁCIO – Seu pai é louco!
DANIEL – Eu não posso voltar pra casa. Você vai me ajudar a fugir?
DÁCIO – Vou. Da última vez eu não te ajudei, e quase perdi você. Eu não vou deixar isso acontecer novamente. (Daniel sorri, com o que ouve)
DANIEL – (se aproxima dele) Quer dizer que você não quer me perder?
DÁCIO – Não. (sorri) Quero você perto de mim.
DANIEL – Eu também não quero ficar longe de você. Por isso, quero refazer aquele convite que te fiz dias atrás. (os dois estão próximos um do outro, cara a cara) Foge comigo, Dácio?

[CENA 03 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ DIA]
(Samuel e Nathaniel continuam se encarando)
SAMUEL – Onde está meu filho?
NATHANIEL – Ele não está aqui.
SAMUEL – Não adianta vocês esconderem ele de mim. Eu o vi ontem, portanto eu sei que ela está aqui.
NATHANIEL – Ele não está. Depois que você foi embora ontem, ele acabou fugindo.
SAMUEL – Você está mentindo.
NATHANIEL – Não estou. Mas, se não acredita, pode pedir para os policiais que você trouxe fazerem uma revista no local.
ADVOGADO – Aqui está o mandato de busca. (leva o envelope que trazia até Nathaniel, mas ele não faz questão de pegar)
IONE – Você tem certeza, Nathan? A Salete ainda está dormindo. Ela pode se assustar com esses policiais entrando no quarto dela.
NATHANIEL – Eu sei, Ione. Eu vou está com ela nesse momento. Só quero mostrar para esse senhor, de que o filho dele não está aqui. E de que ele não quer voltar para casa.
SAMUEL – (se afasta dele, em direção aos quartos) Filho? Daniel, eu vim de levar para casa. Filho? (alguns policiais o segue, ficando no salão apenas o advogado)
IONE – Será que ele deixou alguma pista de onde poderia ter ido?
SAMUEL – Eu procurei pelo quarto inteiro, e não encontrei nenhum bilhete. Então eu acho que não. Daniel fugiu e não quis deixar nenhuma pista de onde estaria.

[CENA 04 – CASA DE DÁCIO/ SALA/ DIA]
(Dácio se afasta de Daniel, caminha até o outro lado do sofá)
DÁCIO – Fugir!
DANIEL – Eu sei que é pedir muito, mas, você comigo seria mais fácil. Eu não quero ir embora sozinho. (caminha até ele) Quero que você esteja ao meu lado dessa vez.
DÁCIO – Eu não sei. Estou ajudando um amigo a encontrar o pai dele, não posso deixá-lo. Tem minha família também…
DANIEL – (decepcionado) Eu sei que é pedir muito, desculpa. Você tem um lar, não pode deixá-lo.
DÁCIO – (incomodado com o jeito que Daniel falou) Eu quero ir com você, de verdade. Mas, tem coisas que eu não posso deixar pra trás, entende?
DANIEL – Entendo sim, Dácio. Não se preocupa. Mas, você vai me ajudar ao menos a fugir?
DÁCIO – Vou sim. Pode deixar, que dessa vez você não estará sozinho. (sorri, se aproxima dele)
DANIEL – (sorrindo, quando Dácio fica bem em frente dele) Alguma ideia para onde vamos?
DÁCIO – Bem, por enquanto não. Mas, não se preocupa, que irei pensar em um local para você ficar. (o ajuda a tirar a mochila das costas) Por enquanto, como estamos sozinhos, e minha família vai demorar para voltar pra casa. Por que a gente não aproveita, e matamos um pouco a saudade.
DANIEL – (colocando a mochila ao lado do sofá) Olha, gostei deste outro plano.
DÁCIO – Casa nova, quarto novo, preciso estreá-lo, não é verdade?! (os dois sorriem)
DANIEL – Estamos esperando o que para fazer isso? (o beija. Os dois ficam se beijando por alguns segundos na sala, depois caminha em direção ao quarto de Dácio, ainda se beijando)

[CENA 05 – PIZZARIA/ DIA]
(Eduardo continua no palco, comemorando com os garotos)
PEDRO – Você canta muito, não imaginava.
EDUARDO – Ás vezes gosto de tocar umas músicas ou outras nas horas vagas.
RAMON – (levanta da bateria e caminha até eles) Realmente, o Pedro tem razão. Se você quiser, podemos abrir uma vaga para você na banda.
PEDRO – Isso, Órbita Três é igual coração de mãe, sempre cabe mais um.
EDUARDO – Eu agradeço garotos, mas acho que a banda tem gente demais já. E mesmo assim, eu não pretendo levar a sério essa carreira de música, levo como hobby mesmo.
PEDRO – Deveria levar, você manda muito bem.
RAMON – Então, vamos mais uma?
LAILA – (aparecendo em frente ao palco) O Eduardo não vai poder, porque ele tem algumas entregas para fazer, né Eduardo?
EDUARDO – É pessoal. Em um outro momento, irei adorar cantar com vocês novamente. Só que agora tenho que trabalhar. (coloca o microfone no suporte, desce do palco e recebe a mochila de entrega das mãos de Laila)
PEDRO – Se mudar de ideia.
EDUARDO – Pode deixar. (sorri e sai da lanchonete. Laila o observa indo, assim que Eduardo sai da pizzaria, encara a banda)
LAILA – Parece que você estava certo, Pedro. O pessoal realmente gostou da música de vocês. Fiquem a vontade para cantar quantas quiserem. (volta para a cozinha)
PEDRO – Vamos então?
RAMON – Vamos. (volta para a bateria, Pedro se prepara e a banda começa a tocar)

[CENA 06 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ DIA]
(Samuel retorna para o salão, logo atrás dele os policiais)
NATHANIEL – Satisfeito agora?
SAMUEL – Vocês o esconderam. Anda, onde está meu filho?
NATHANIEL – Eu já disse a você que ele fugiu ontem assim que você o encontrou.
SAMUEL – Está mentindo.
NATHANIEL – Você o procurou, viu que ele não está aqui.
SAMUEL – Para onde ele iria?
NATHANIEL – Isso eu não sei. Mas, só para deixar como informação, antes dele chegar aqui, ele foi encontrado desnutrido, sujo e morrendo de fome. Aqui ele estava sendo cuidado, agora lá fora, talvez ele volte a ser como antes. E sabe quem é o responsável por isso? (encarando Samuel)
SAMUEL – Eu vou ficar de olho em vocês. Tenho certeza que meu filho irá voltar, e assim que ele voltar, eu o levarei para casa. (caminha até a saída, logo atrás os policiais e o advogado)

Mais Tarde…

[CENA 07 – CASA DE ALICE/ SALA/ TARDE]
(Miguel, Paulo e Karina estão na sala conversando)
PAULO – Que história, hein Miguel. Essa tal Carla, eu lembro de tê-la visto algumas vezes, mas foi em uma outra situação.
KARINA – Você tomou alguma decisão?
MIGUEL – Não. Eu não vejo outro jeito a não chamar o Frederico, e o levá-lo para Minas. (Alice chega em casa nesse momento, com algumas sacolas nas mãos)
PAULO – Foi fazer algumas comprinhas, Alice?!
ALICE – Fui, tio. Comprei umas roupas novas, para usar em meus shows. (percebe um clima tenso na sala) Algum problema? Você parece sério, Miguel? Está tudo bem com o Pedro?
MIGUEL – Está sim.
PAULO – É que o Miguel vai voltar com a Karina para São Paulo. Vai ajudá-la a administrar a nova filial que abriu. E Miguel não sabe com quem deixar Pedro, já que ele é de menor.
ALICE – Ué, Pedro pode vim morar aqui! Afinal, meu pai é tio dele. Pedro é da família também.
PAULO – Olha, até que não é uma má ideia.
KARINA – Será que o Felipe iria gostar do Pedro passar um tempo aqui?
ALICE – Creio que sim. Meu pai gostou muito do Pedro da última vez que ele e a mãe vieram aqui. Sem contar, que a mãe de Pedro é irmã do papai, ele não deixaria o filho da irmã dele na rua.
KARINA – O que você acha, irmão?
MIGUEL – É uma boa ideia. Mas, não sei se o Pedro toparia. Não sei se ele deixaria a casa da mãe dele, para vim morar aqui.
ALICE – Se você o trazer para jantar com a gente, creio que teria como convencê-lo.
KARINA – É uma alternativa que temos, Miguel. E particularmente, é melhor do que o levar para outro estado.
PAULO – Concordo.
KARINA – Cabe a você decidir. (Miguel continua pensativo, enquanto todos olhavam para ele)

Anoitecendo…

[CENA 08 – CASA DELLE ROSE/ Q. DE SALETE/ NOITE]
(Larissa está em frente ao espelho, terminando de se aprontar para abrir a noite. Salete entra no quarto)
SALETE – Agora sim. Gosto de te ver assim, com esse brilho no olhar.
LARISSA – Talvez seja por estar em casa novamente. Alguma notícia do garoto que fugiu?
SALETE – Não, nenhuma. Mas, o Daniel é esperto. Ele vai saber conseguir fugir do pai preconceituoso.
LARISSA – Se a senhora tá dizendo.
SALETE – Bem, estou indo receber os clientes. Estaremos te esperando assim que você estiver pronta.
LARISSA – Eu já vou para o palco.
SALETE – Estaremos te esperando, nossa estrela! (sorri e sai do quarto em seguida, Larissa volta a ficar de frente ao espelho)

[CENA 09 – CASA DE PEDRO/ SALA/ NOITE]
(Miguel está na sala, esperando Pedro descer para os dois jantarem. Na verdade, ele está esperando Pedro descer, para os dois conversarem sobre aquele assunto)
PEDRO – (descendo as escadas) Estou pronto, Miguel. Podemos jantar agora.
MIGUEL – Eu não fiz o jantar.
PEDRO – Vamos pedir comida então?
MIGUEL – Não. Na verdade, iremos jantar fora. Iremos comer na casa da minha tia.
PEDRO – Desculpa, Miguel, mas…
MIGUEL – Pode ser sensação minha, mas parece que toda vez que eu toco no assunto de jantar na casa da minha tia, você fica incomodado com algo. O que está acontecendo, Pedro? O que você tem contra a minha família?
PEDRO – Eu não tenho nada contra a sua família, Miguel. Na verdade, eu só não quero olhar para a Alice.
MIGUEL – A Alice te fez alguma coisa?
PEDRO – Comigo nada, mas, ela não é a garota que eu imaginava que fosse.
MIGUEL – Bem, eu não sei o que houve entre vocês, mas acho melhor que vocês consigam resolver logo. Porque em pouco tempo, vocês irão conviver um com o outro, juntos.
PEDRO – Como assim conviver juntos? Do que você está falando, Miguel?
MIGUEL – (pensativo, fica alguns segundos em silêncio) Eu vou embora para São Paulo, Pedro.
PEDRO – (surpreso) Como assim?
MIGUEL – E, como o Felipe é seu tio. Eu pensei que você talvez pudesse passar um tempo na casa dele. (Pedro encara Miguel, surpreso)

[CENA 10 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(Larissa está no meio do palco, a cortina se abre, os clientes batem palmas ao ver que é ela. Larissa caminha um pouco para frente, sorri e olha para Salete próxima ao palco, que está sorrindo também. Começa a cantar)

[CENA DE MÚSICA – MAN! I FEEL LIKE A WOMAN (SHANIA TWAIN)]

Let’s go, girls! Come on! 1

I’m going out tonight
I’m feelin’ alright
Gonna let it all hang out
Wanna make some noise, really raise my voice
Yeah, I wanna scream and shout

No inhibitions, make no conditions 2
Get a little outta line
I ain’t gonna act politically correct
I only wanna have a good time

The best thing about being a woman
Is the prerogative to have a little fun and

Oh, oh, oh, go totally crazy, forget I’m a lady
Men’s shirts, short skirts
Oh, oh, oh, really go wild, yeah, doin’ it in style
Oh, oh, oh, get in the action, feel the attraction
Color my hair, do what I dare
Oh, oh, oh, I wanna be free, yeah, to feel the way I feel
Man! I feel like a woman

The girls need a break 3
Tonight we’re gonna take
The chance to get out on the town
We don’t need romance
We only wanna dance
We’re gonna let our hair hang down

The best thing about being a woman
Is the prerogative to have a little fun and

Oh, oh, oh, go totally crazy, forget I’m a lady
Men’s shirts, short skirts
Oh, oh, oh, really go wild, yeah, doin’ it in style
Oh, oh, oh, get in the action, feel the attraction
Color my hair, do what I dare
Oh, oh, oh, I wanna be free, yeah, to feel the way I feel
Man! I feel like a woman

The best thing about being a woman 4
Is the prerogative to have a little fun and

Oh, oh, oh, go totally crazy, forget I’m a lady
Men’s shirts, short skirts
Oh, oh, oh, really go wild, yeah, doin’ it in style
Oh, oh, oh, get in the action, feel the attraction
Color my hair, do what I dare
Oh, oh, oh, I wanna be free, yeah, to feel the way I feel
Man! I feel like a woman

I get totally crazy
Can you feel it
Come, come, come on, baby
I feel like a woman

1. Larissa começa a cantar e a andar pelo palco. Algumas garotas estão dançando ao fundo.
2. Os clientes prestam atenção em Larissa, assim como Salete e Nathaniel, que está batendo palmas.
3. Larissa caminha até as meninas e dança com elas. Um cliente se aproxima de Salete, cochicha algo no ouvido dela.
4. Larissa retorna novamente para o meio do palco, olha para Nathaniel, sorri. Começa a andar pelo palco.
5. O mesmo cliente que segundos atrás estava conversando com Salete, está bem em frente ao palco. Assim que Larissa termina, todos a aplaudem, e ela já notou seu novo cliente a observando, tanto que sorri para ele.

[CENA 11 – CASA DE DÁCIO/ Q. DE DÁCIO/ NOITE]
(Daniel e Dácio continuam se pegando, Horácio parte na porta)
HORÁCIO – Filho? Por que a porta tá trancada? (rapidamente, Dácio e Daniel levantam da cama, Dácio procura um local para esconder Daniel, e acaba o colocando debaixo da cama. Escondido, Dácio caminha até a porta e a abre)
DÁCIO – Já vai, pai. Estava trocando de roupa. Estou indo.
HORÁCIO – E agora você tranca a porta do quarto para trocar de roupa?
DÁCIO – Eu não sou mais nenhum bebê, né pai? Preciso de privacidade agora.
HORÁCIO – (ri) Está certo. Bem, vamos jantar. Sua tia preparou a mesa já.
DÁCIO – Tá. Logo eu vou para cozinha.
HORÁCIO – Ok. (ri, observa o filho por alguns segundos e vai embora em seguida. Dácio entra no quarto, volta a trancar a porta, Daniel sai debaixo da cama)
DANIEL – Quando todos estiverem dormindo, irei embora, está bem.
DÁCIO – Nem pensar que irei deixar você ir embora de madrugada daqui.
DANIEL – Está me convidando para dormir aqui com você?
DÁCIO – Exatamente. (se aproxima dele) Amanhã de manhã, pensaremos em um lugar que você pode ficar. Enquanto isso, vamos aproveitar. (o beija, os dois caem na cama novamente)

[CENA 12 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(Larissa está sentada nas pernas de um cliente, se divertindo. Júlio aparece no salão a procurando. Após andar um pouco, a observa sentada nas pernas desse cliente. Logo fica sério e caminha até ela)
JÚLIO – Será que atrapalho alguma coisa? (Larissa se assusta ao vê-lo, sua felicidade logo se encerra)

Continua no Capítulo 17…

padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr