logo

Capítulo 19 | Brisa – Minha Canção

[CENA 01 – ESTÚDIO BAND NIGHT (ao vivo)/ NOITE]
(Luciana está no centro do palco, ainda observando a ficha com as notas das bandas que se apresentaram. Alguns candidatos a observam, enquanto outros estão de cabeça baixa torcendo)
LUCIANA – Muito bem. Então, vamos ver no telão a somatória das notas que cada banda recebeu nesta noite. (todos olham para o telão, é exibido a lista das bandas, em ordem de apresentação, e apenas Órbita Três conseguiu 70 pontos. Luciana começa a falar o total de pontos por bandas e em ordem que se apresentaram) T’hes Black 69,2 pontos, Os Retirantes 68,9, Órbita Três 70… (assim que ela fala a pontuação da banda de Pedro, os garotos vibram, junto com a plateia. Luciana continua falando a pontuação das demais bandas, assim que encerra, anuncia o ranking parcial) Todas as bandas estão de parabéns, a diferença entre cada pontuação é mínima. Vamos saber agora como ficou o ranking parcial desta segunda noite de apresentações. (todos voltam a olhar para o telão, e alguns segundos de suspense, o novo ranking aparece) E Órbita Três assumi a liderança com 139,7 pontos. (os garotos comemoram, plateia batem palmas) Seguindo por 138,8 e Os Retirantes com 138,5. A diferença é pequena pessoal. Muita coisa pode acontecer ainda. E ficamos por aqui, na próxima semana teremos a última semana de apresentações. Logo começaremos com a fase de eliminação. Ah, e no próximo programa trarei novidades. Aguardem! Boa noite jurados, boa noite plateia. Até o próximo programa pessoal. (programa se encerra)

Amanhecendo…

[CENA 02 – CASA DE ALICE/ CORREDOR – SALA/ DIA]
(Pedro sai de seu quarto, e acaba encontrando Felipe)
PEDRO – Bom dia, Felipe.
FELIPE – Bom dia. Pensei que fosse ficar até tarde em comemoração da banda ter ficado em primeiro lugar ontem.
PEDRO – Não posso. Tenho que resolver alguns assuntos. (os dois caminham em direção a sala)
FELIPE – Sobre seu pai?
PEDRO – Sim. Combinei com Dácio que iriamos até a casa onde ele mora hoje à tarde. Vou me encontrar com ele depois do trabalho.
FELIPE – Você quer que eu vá com você? Tenho uma reunião à tarde, mas posso adiar um pouco.
PEDRO – Não precisa. Não quero atrapalhar seu trabalho. Eu e o Dácio vamos só conhecer onde ele mora, e se tivermos sorte e ele estiver lá, perguntar qual era a relação dele com minha mãe.
FELIPE – Você já vai chegar contando que pode ser filho dele?
PEDRO – Não sei. Dependendo do que eu estiver sentindo na hora. (chegam a sala)
FELIPE – Não vai nem tomar café?
PEDRO – Não. Estou sem fome. Talvez por estar nervoso, sei lá. Mas não se preocupa, qualquer coisa, como algo na pizzaria ou na lanchonete de um amigo.
FELIPE – Se quiser uma carona. Eu posso te deixar no trabalho.
PEDRO – A carona eu vou aceitar sim. Obrigado.
FELIPE – Então vamos. (os dois caminham até a porta)
PEDRO – Você não vai tomar café também?
FELIPE – Não. Não tenho tempo. (os dois saem de casa, Paulo que estava deitado no sofá, senta-se após os dois terem ido embora, pensativo)

[CENA 03 – CASA DO CAIO/ COZINHA/ DIA]
(Cláudio está tomando seu café, quando Caio entra na cozinha, senta-se ao lado do pai)
CLÁUDIO – Bom dia, filho.
CAIO – Bom dia.
CLÁUDIO – Semana que vem, começam as aulas. Ansioso?
CAIO – Não muito.
CLÁUDIO – Como não? Escola nova. Ensino médio. Conhecer gente nova, eu estaria.
CAIO – Sei lá, pai. Talvez sim, talvez não.
CLÁUDIO – Sua mãe também está. (fica um silêncio entre os dois, Caio começa a se servir, Cláudio o observa) O filho da amiga de sua mãe também irá estudar com você. Inclusive, ele está fazendo um grande sucesso com a banda dele. Por que você não o chama pra sair, assim vocês já se aproximam?
CAIO – Eu não tenho o contato dele, pai.
CLÁUDIO – Sua mãe talvez tenha, posso pedir para ela.
CAIO – Pode ser. Depois eu mando uma mensagem pra ele, então. (os dois voltam a ficar em silêncio, Cláudio dessa vez volta a comer)

[CENA 04 – CASA DELLE ROSE/ Q. DE SALETE/ DIA]
(Larissa bate na porta do quarto de Salete, entrando)
LARISSA – Salete, está acordada? (a encontra em pé, em frente ao espelho)
SALETE – Oi, querida. Estou sim.
LARISSA – Bom dia.
SALETE – Bom dia.
LARISSA – Sei que está cedo para tocar nesse assunto, mas, você conseguiu conversar com o seu amigo advogado?
SALETE – Eu iria justamente conversar com você sobre isso hoje. (segura na mão dela, e a duas sentam-se a cama) Como eu disse, ele não é muito de frequentar a casa, mas ele veio ontem.
LARISSA – Conseguiu falar com ele?
SALETE – Consegui. Eu contei para ele a sua situação, de como você foi enganada.
LARISSA – E ele?
SALETE – Ele disse que hoje iria analisar o caso. Ontem, como ele estava aqui para diversão, não poderia dar uma opinião profissional no momento.
LARISSA – Então ele vai vim hoje novamente?
SALETE – Melhor. Ele marcou um encontro com a gente, no escritório dele hoje à tarde. Topa?
LARISSA – Claro! Claro, que topo. É o que eu mais quero.
SALETE – Ótimo.
LARISSA – Muito obrigada, Salete. (a abraça) Você é demais.
SALETE – Não precisa me agradecer. (sorri, Larissa levanta e sai do quarto apressada. Salete levanta e volta a ficar de frente para o espelho)

Mais Tarde…

[CENA 05 – CASA DE ANDRÉA/ RUA – SALA/ TARDE]
(Dácio e Pedro estão caminhando na rua da casa de Andréa, próximos a casa dela)
PEDRO – Estranho!
DÁCIO – O que?
PEDRO – Eu conheço está rua.
DÁCIO – Sério?
PEDRO – Sim. Você tem certeza que essa é a rua certa?
DÁCIO – Sim. (pega o celular, verificando) Sim. Essa é a rua.
PEDRO – Se não me engano, é aqui onde a Andréa mora.
DÁCIO – Sério?
PEDRO – Mas deve ser só coincidência. Qual é o número da casa?
DÁCIO – Na verdade, parece que chegamos já. A casa é aquela ali. (aponta para uma casa, do outro lado da rua, que por coincidência para Pedro, é a mesma casa de Andréa)
PEDRO – (ri) Não pode ser.
DÁCIO – Bem, tem o mesmo número. 1125.
PEDRO – Acho que estamos na pista errada, Dácio. Aquela casa ali é onde a Andréa mora. Não tem como meu pai morar ali.
DÁCIO – Bem, talvez ele morou sei lá. Mas esse foi o único endereço que eu encontrei. Tudo indica que ele não mudou de casa.
PEDRO – Não, não pode ser. Tem algo errado, Dácio.
DÁCIO – Custa nada irmos lá, e verificar.
PEDRO – (pensativo por alguns segundos) Tá. Qualquer coisa a gente aproveita e conversa com a Andréa. Não tive a oportunidade de conversar com ela, desde que cheguei.
DÁCIO – Então vamos lá. (os dois atravessam a rua, ficam de frente para a porta da casa dela, tocam a campainha, em poucos segundos, Andréa abre a porta)
ANDRÉA – (surpresa) Pedro?! Mas que surpresa boa! (o abraça) Finalmente lembrou de mim. Oi, Dácio.
DÁCIO – Oi.
PEDRO – Oi, Andréa. Na verdade, desde que cheguei, tenho mantido o foco em outro assunto. Tive pouco tempo para rever os amigos.
ANDRÉA – Sei. Mas, entrem. Minhas férias têm sido um tédio. (Pedro e Dácio entram, ambos caminham até o sofá, sentam-se) Tenho acompanhado você no programa. Aliás, banda no geral. Parabéns. Ramon deve está super feliz.
PEDRO – Está sim. Ele me contou que vocês pararam de se falar.
ANDRÉA – Ramon é muito egoísta. Na reta final do programa Sua Canção, ele não queria me ajudar com os trabalhos da escola. Por pouco eu não reprovei. Eu precisava focar no programa.
DÁCIO – E no final das contas, você acabou nem chegando à final.
ANDRÉA – É. Mas fiz minha inscrição novamente. Dessa vez, eu vou até a final.
DÁCIO – (olha para Pedro) É melhor perguntar pra ela sobre aquilo, Pedro!
ANDRÉA – Sobre o que?
PEDRO – Na verdade, o motivo da gente está aqui é porque estamos atrás do meu pai.
ANDRÉA – Seu pai não morreu?
PEDRO – Não. Antes da minha mãe morrer, ela me revelou que ele está vivo.
ANDRÉA – Uau.
PEDRO – Eu pedi ajuda para o Dácio, porque ele é fera nesse assunto de tecnologia, internet e poderia me ajudar a encontrar alguma pista, a partir de uma foto que foi encontrada nas coisas da minha mãe.
DÁCIO – De acordo com a pesquisa que eu fiz, o atual endereço do possível pai do Pedro é este.
ANDRÉA – Aqui?
PEDRO – Sim. Eu acho que o endereço deve tá errado, sei lá. Não tem condição do meu pai está morando aqui.
ANDRÉA – Eu posso ver a foto?
PEDRO – Claro. (retira a foto do seu bolso, e entrega para Andréa. Assim que recebe, Andréa logo reconhece o rapaz que está ao lado de Carla)
ANDRÉA – Esse é o meu tio.
PEDRO – Seu tio?
ANDRÉA – Sim. Mauro o nome dele!
PEDRO – (levanta-se do sofá, surpreso) O nome do cara que o Dácio encontrou também se chama Mauro. (Andréa também levanta, logo em seguida Dácio)
DÁCIO – Seu tio é professor universitário?
ANDRÉA – Sim.
PEDRO – Não pode ser.
ANDRÉA – Você tem certeza que esse cara pode ser seu pai, Pedro?
PEDRO – Sim. Quer dizer, não. Por isso viemos aqui. Queremos mostrar essa foto para ele e saber qual era a relação dele com minha mãe.
ANDRÉA – (entregando a foto para Pedro) Infelizmente, vocês não poderão tirar essa dúvida hoje.
PEDRO – Por que não?
ANDRÉA – Porque ele está viajando, por causa do pós-doutorado que ele tá fazendo.
DÁCIO – Pós-doutorado? O cara deve ser inteligente então.
ANDRÉA – Muito.
PEDRO – Mas, quando ele volta?
ANDRÉA – Geralmente, quando ele viaja para isso, duas semanas no máximo.
PEDRO – Eu não posso esperar duas semanas sem essa resposta. Será que você não tem nenhum telefone para que eu possa entrar em contato com ele.
ANDRÉA – Ter tem, só que não acho uma boa ideia resolver isso a distância.
DÁCIO – Ela tem razão, Pedro. Duas semanas passam voando. Assim que ele chegar, a gente volta e conversamos com ele.
ANDRÉA – E se essa história realmente for verdade, você será meu primo, Pedro! (sorri)
PEDRO – Que coisa louca, não!
ANDRÉA – Muito. Gostei dessa ideia. De ganhar mais um primo.
PEDRO – Quer dizer que você tem outro?
ANDRÉA – Sim. Mauro tem um filho. Seu possível irmão. (Pedro sorri)
PEDRO – Um irmão! E onde ele está?
ANDRÉA – Ele deu uma saidinha, mas deve está voltando. Enquanto espera, porque não aproveitamos e cantamos uma música.
PEDRO – Claro… prima! (os dois sorriem)
ANDRÉA – Vamos lá pra cima. (os três sobem para o quarto de Andréa. Chegando lá, ela conecta seu celular no aparelho e solta a música)

[CENA DE MÚSICA – BRISA (IZA)]

[ANDRÉA]
Sente a vibração, que o som chegou 1
Bota o pé na areia e deixa a onda entrar
Tá geral na pilha, então, demorou
Vem que é da boa e tu vai gostar

Eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E hoje eu tô de boa, eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E assim eu canto

[PEDRO E ANDRÉA]
Iê, iê, iê, iê 2
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer
Iê, iê, iê, iê
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer

Então passa lá em casa, tô fazendo vários nadas 3
Traz o isopor porque hoje à tarde vai dar praia
Presta atenção, que hoje a missão
É ficar suave, numa boa, tranquilão

[ANDRÉA]
Eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E hoje eu tô de boa, eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E assim eu canto

[PEDRO]
Iê, iê, iê, iê 4
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer
Iê, iê, iê, iê
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer

[ANDRÉA E PEDRO]
Eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E hoje eu tô de boa, eu tô na brisa
E nada me abala, que delícia
E assim eu canto

Iê, iê, iê, iê 5
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer
Iê, iê, iê, iê
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer

Iê, iê, iê, iê
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer
Iê, iê, iê, iê
Iê, iê, iê, iê
Se joga nessa brisa até o dia amanhecer

Eu tô na brisa

1. Andréa começa a andar pelo palco, dança no ritmo da música. Pedro faz o mesmo do outro lado. Dácio, decide caminhar até a cama, por não saber dançar e os observa.
2. Andréa caminha em direção a Pedro, os dois começam a cantar e dançar um de frente para o outro.
3. Os dois se separam, cada um vai para um canto. Andréa foca-se em Dácio, que continuava sentado na cama, curtindo a música da mesma forma.
4. Andréa foca-se em Pedro, os dois voltam a ficar juntos, cantando e dançando.
5. Os dois se separam mais um vez, e encerram a música cada num canto, felizes.

[CENA 06 – ADVOGACIA/ SALA/ TARDE]
(Salete e Larissa estão de frente para o advogado, que é amigo de Salete)
SALETE – Essa é a Larissa, Josué.
JOSUÉ – A garota que canta igual um rouxinol. Eu lembro de você abrindo a casa algumas noites. Eu analisei sua situação por tudo que a Salete me contou. Mas, quero ouvir de você a versão completa da história.
LARISSA – Pode deixar, vou contar tudo para o senhor.
JOSUÉ – Quanto mais detalhes que tiver, melhor. (atenta-se para Larissa, que começa a contar sua história com Júlio)

[CENA 07 – CASA DE ALICE/ Q. DE ALICE/ TARDE]
(Alice acaba de acordar, e já pega seu celular. Entra em suas redes sociais, site de notícias, ficando por dentro do que as pessoas estão comentando do seu primeiro show. Pelo o sorriso que aparece em seu rosto, ela está lendo coisas boas)

[CENA 08 – CASA DE MANUELA/ SALA/ TARDE]
(Manuela está sentada no sofá, vendo alguns vídeos na internet, e acaba encontrando alguns trechos do show de Alice. Começa a assisti-los)

[CENA 09 – PENSÃO DE EDUARDO/ PÁTIO/ TARDE]
(Daniel está lavando algumas roupas suas. Graças à Dácio, que lembrou que Eduardo mora sozinho em uma pensão, acabou pedindo ajuda para o amigo, que topou receber Daniel. Após lavar algumas camisas, ele estende no varal, volta para a pia, e de repente pensa na música que cantou no palco na Casa Delle Rose. Sua lembrança encerra assim que uma vizinha aparece, para lavar algumas roupas também)
VIZINHA – Bom dia!
DANIEL – Bom dia. (volta a esfregar outra camisa, enquanto a vizinha fica de frente para ele, com um leve sorriso)

[CENA 10 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ TARDE]
(Ione chega ao salão, com algumas sacolas de compras nas mãos. Assim que Nathaniel a ver, a ajuda)
IONE – (entregando algumas sacolas para ele) Você não vai acreditar em quem acabei de esbarrar ali fora.
NATHANIEL – Deixa eu adivinhar. Aquele mesmo cara estranho que fica rodando a casa
IONE – Ele mesmo. Você acha mesmo que esse cara tem relação com o pai do Daniel?
NATHANIEL – Eu tenho é certeza. (coloca as sacolas em cima de uma mesa) Aquele cara é controlador, maluco. Tenho certeza que contratou alguém para espionar a gente, para assim que Daniel pisar aqui, avisa-lo.
IONE – Devíamos é chamar a polícia, isso sim.
NATHANIEL – Deixa quieto, Ione. Melhor não mexer nessa história. Logo ele vai cansar, vai ver que o Daniel não vai voltar mais pra cá.

[CENA 11 – RUA/ TARDE]
(após a reunião que tiveram com Josué, Salete e Larissa estão voltando para o cabaré, as duas estão caminhando em direção ao ponto de ônibus)
LARISSA – Estou otimista, Salete. O que o Josué contou me deixou confiante.
SALETE – Josué é um excelente advogado. Ele vai conseguir encontrar uma forma de resolver essa situação. (chegam ao ponto)
LARISSA – Eu não vou dá nenhum tostão para o Júlio. Já basta o dinheiro que ele ganhou vendendo a minha música. (o ônibus delas está chegando, as duas se aproximam do ponto. Do outro lado da rua, Eduardo estaciona sua moto em frente a uma casa. Ele desce, retira o capacete, coloca sua mochila em cima da moto e tira uma caixa de pizza. Nesse momento, ele olha para o lado do ponto de ônibus, diretamente para Larissa. A aparência dela com Letícia o surpreende, fazendo-o acreditar que seja a mesma)
EDUARDO – Letícia?! (grita, chamando-a) Letícia! (deixa a mochila de entregas na moto e caminha um pouco em direção ao ponto de ônibus. No entanto, o ônibus dela havia chegando. Ela junto com Salete, entram. Eduardo ver que não dava tempo, para no meio do caminho) Letícia, sou eu! Letícia! (o ônibus parte, Eduardo continua parado)

[CENA 12 – CASA DE ANDRÉA/ SALA/ TARDE]
(Andréa, Pedro e Dácio retornam para a sala, Douglas chega em casa nesse momento)
DOUGLAS – Oi, oi. Recebendo visitas, prima.
ANDRÉA – (levanta-se, assim como os garotos) É, esses são meus amigos. Os dois estudam comigo.
DOUGLAS – Bacana.
ANDRÉA – Pessoal, esse é o Douglas, meu primo. (olha para Pedro, que parece feliz ao ver seu possível irmão)
DOUGLAS – Beleza?!
ANDRÉA – Douglas, esse é o Dácio. E esse, ao lado dele, é o seu irmão, o Pedro!
DOUGLAS – Beleza, Pedro… (surpreso) Espera, meu o que?

Contínua no Capítulo 20…

padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr