Capítulo 20 | Erga Seu Corpo – Minha Canção

[CENA 01 – RUA/ TARDE]
(Eduardo continua parado na calçada, observando o ônibus virando em sua direção. Larissa senta-se na janela, junto com Salete. As duas continuam conversando, e mesmo com o rosto oposto para janela, assim que o ônibus passa por Eduardo, o mesmo reconhece Larissa. Mais perto dessa vez, ele teve a certeza da semelhança que ela tem com Letícia, o que o faz acreditar mais ainda ser a mesma)
EDUARDO – (olhando para o ônibus indo embora) Letícia! Você voltou. Você está viva.

[CENA 02 – CASA DE ANDRÉA/ SALA/ TARDE]
(Douglas se afasta um pouco da prima, surpreso)
DOUGLAS – Que história é essa, Andréa?
ANDRÉA – Pedro pode ser filho do tio Mauro. Ou seja, ele pode ser seu irmão.
DOUGLAS – Sério isso?
PEDRO – Eu também fiquei surpreso com está notícia. Mas se realmente for verdade, podemos ser irmãos sim.
DOUGLAS – O papai nunca contou que teve outro filho!
PEDRO – Talvez por que ele não sabia. Minha mãe parece que escondeu essa história de todo mundo.
DOUGLAS – Você tem alguma prova do que possa está falando?
PEDRO – A única prova que eu tenho no momento, é essa foto dele ao lado da minha mãe. (retira a foto do bolso, entrega para Douglas) A mulher que está ao lado do seu pai é a minha mãe.
DOUGLAS – Gente isso é sério mesmo? (olha para Andréa, que confirma com a cabeça, sorrindo) Um irmão, pessoal?!
DÁCIO – Gente, é bom não criar muitas expectativas, porque infelizmente ainda tem a possibilidade de vocês não serem irmãos.
PEDRO – (caminha até Douglas) Nós somos sim, Dácio. Eu meio que, sinto isso.
DOUGLAS – Meu pai precisa saber dessa história. Quer dizer, nosso pai né. (os dois riem, e se abraçam) Cara, que louco isso. Um irmão. Sempre quis ter um irmão.
PEDRO – Dois.

Anoitecendo…

[CENA 03 – CASA DE ALICE/ Q. DE PEDRO/ NOITE]
(Pedro está terminando de se arrumar para descer para jantar. Senta-se na cama, pega seu celular e começa a mexer, Paulo entra no quarto)
PAULO – Opa, posso entrar, Pedro?
PEDRO – Claro.
PAULO – Vim ver se estava pronto para jantar?!
PEDRO – Estou sim. Já ia descer.
PAULO – (senta-se ao lado dele na cama) Eu meio que sem querer ouvi você conversando com o Felipe hoje pela manhã. Onde você iria atrás do seu pai.
PEDRO – É. Eu fui com um amigo, até o endereço onde ele mora. Mas, infelizmente acabei não o encontrando lá.
PAULO – Como assim?
PEDRO – Ele está fazendo uma viagem para o pós-doutorado dele. Vai retornar na cidade daqui duas semanas. Em compensação, conheci meu irmão.
PAULO – Mas você acha que ele realmente seja seu pai?
PEDRO – Algo dentro de mim, diz que sim.
PAULO – (pensativo por alguns segundos, levanta da cama em seguida) Bem, que bom então, né. Espero que dê tudo certo. Vamos descer?
PEDRO – Vamos. (Pedro levanta e os dois saem do quarto)

[CENA 04 – PENSÃO DE EDUARDO/ QUARTO/ NOITE]
(Daniel está fritando algo, Eduardo chega em seu quarto)
DANIEL – Opa, boa noite, Eduardo. Estou preparando um hambúrguer, quer um?
EDUARDO – Você não vai acreditar no que acabou de acontecer comigo hoje à tarde.
DANIEL – O que?
EDUARDO – Eu acabei de ver a Letícia em um ônibus.
DANIEL – E quem seria Letícia?
EDUARDO – A Letícia é a prima do Dácio, lembra? A que participou de Sua Canção.
DANIEL – Aaah, sim. Ué, mas a Letícia não morreu?
EDUARDO – É, mas parece que ela voltou. Ela voltou para gente ficar juntos novamente.
DANIEL – Calma. Você não deve ter se confundido e viu uma pessoa muito parecida com ela?
EDUARDO – Não. Eu não me confundi. Eu vi a Letícia. Ela está viva, preciso saber onde ela está morando. Será que ela está morando com o Dácio? (pega seu celular, procurando o número de Dácio)
DANIEL – (desliga o fogo e vai até Eduardo) Olha, essa história de mortos voltando ao mundo dos vivos, nunca vi. Não sei se é bom você comentar isso com ele. Até pouco tempo, ele estava em luto pela perca da prima.
EDUARDO – Só que ela voltou, Daniel. Dácio vai me entender assim que ele souber. Você vai ver. (liga, em poucos segundos Dácio atende) Oi, Dácio. Será que podemos conversar. A Letícia está viva, cara!

[CENA 05 – CASA DE ALICE/ COZINHA – ESTÚDIO/ NOITE]
(todos estão jantando e ouvindo Alice falar do seu show)
ALICE – Foi incrível. Não vejo a hora de fazer o outro amanhã. Sentir a energia do pessoal, eles cantando a música junto comigo. E faço questão que o senhor esteja comigo, pai. Só aceitei o senhor não está do meu lado no meu primeiro show, porque estaria acompanhando o Pedro no programa dele.
FELIPE – Pode deixar que irei sim, filha.
ALICE – Por falar nisso, se você quiser ir amanhã também, Pedro. Quiser, pode até cantar uma música comigo. Imagina o quão bom pegará para a sua banda, ao ver um dueto junto comigo.
PEDRO – Obrigado, mas Ramon está cuidando da divulgação da banda.
FELIPE – Mas seria uma boa ideia, se você aceitasse Pedro. Logo entra na fase que o público irá votar, melhor garantir o máximo possível.
PEDRO – Eu sei, mesmo assim creio que amanhã à noite não vai dá pra mim. Quem sabe em uma outra oportunidade.
PAULO – Nunca vi os dois cantarem juntos. Será que vocês poderiam cantar uma depois do jantar?
ALICE – Se o Pedro topar, por mim tudo bem.
PEDRO – Eu…
PAULO – Qual é Pedro? É só uma música, rapidinho. (Pedro pensa em não aceitar, mas não querendo fazer uma outra desfeita na frente da família de Alice, acaba aceitando)
PEDRO – Está bem. (Alice comemora)
[ESTÚDIO]
(após o jantar, Pedro e Alice foram para o estúdio. Apenas Paulo e Felipe estão na sala de controle, prontos para ouvi-los cantar)
ALICE – (se aproxima de Pedro) Espero que você curta a música que escolhi. (pisca para ele, e se afasta. Dá sinal para seu pai soltar a música)

[CENA DE MÚSICA – RAISE YOUR GLASS (PINK)]

[ALICE]
Right right, turn off the lights 1
We gonna lose our minds tonight
What’s the deal, yo?

I love when it’s all too much
Five a.m. Turn the radio up
Where’s the rock and roll?

Party crasher 2
Panty snatcher
Call me up if you want a gangsta
Don’t be fancy, just get dancy
Why so serious?

So raise your glass if you are wrong 3
In all the right ways
All my underdogs
We will never be never be, anything but loud
And nitty gritty, dirty little freaks
Won’t you come on and come on and raise your glass
Just come on and come on and raise your glass

[PEDRO]
Slam slam, oh hot damn 4
What part of party don’t you understand?
Wish you’d just freak out (freak out already)
Can’t stop, comin’ in hot
I should be locked up right on the spot
It’s so on right now (so fuckin’ on right now)

Party crasher
Panty snatcher
Call me up if you want a gangsta
Don’t be fancy, just get dancy
Why so serious?

[ALICE E PEDRO]
So raise your glass if you are wrong 5
In all the right ways
All my underdogs
We will never be never be anything but loud
And nitty gritty, dirty little freaks
Won’t you come on and come on and raise your glass
Just come on and come on and raise your glass
Won’t you come on and come on and raise your glass
Just come on and come on and raise your glass

[ALICE]
(Oh shit my glass is empty, that sucks)
So if you’re too school for cool
And you’re treated like a fool
(Treated like a fool)
You can choose to let it go
We can always, we can always
Party on our own

[PEDRO]
(So raise your, ah fuck)

[ALICE E PEDRO]
So raise your glass if you are wrong 6
In all the right ways
All my underdogs
We will never be never be, anything but loud
And nitty gritty, dirty little freaks
So raise your glass if you are wrong
In all the right ways

All my underdogs
We will never be never be, anything but loud
And nitty gritty, dirty little freaks
Won’t you come on and come on and raise your glass
Just come on and come on and raise your glass
Won’t you come on and come on and raise your glass (for me)
Just come on and come on and raise your glass (for me)

1. Alice começa a cantar, olhando para Pedro. Ele, um pouco chateado, tenta evitá-la. Mesmo sendo ignorada por Pedro, Alice começa a música animada.
2. Alice começa a andar pelo a sala de som, dança em frente ao Pedro, que olha para ela, dar um leve sorriso.
3. Ela se afasta e começa a pular dentro do estúdio, feliz. Aos poucos Pedro começa a entrar no ritmo da música, e começa a se soltar.
4. Pedro também começa a andar pela a sala de som, dessa vez vai em direção à Alice. Na sala de controle, os dois são observados por Paulo e Felipe. Felipe está curtindo a apresentação dos garotos, enquanto Paulo, aos vê-los juntos, tão parecidos, uma grande dúvida começa a ser gerada em sua cabeça.
5. Alice e Pedro começa a cantar em sintonias, ambos se divertindo. Naquele momento, Pedro estava vendo uma Alice diferente, que até então ele pensava que não existia.
6. Os dois cantam e dançam um de frente para o outro. Paulo e Felipe curtem a música inteira. Ao encerrarem, Alice automaticamente abraça Pedro, que o faz ficar sério novamente.

PEDRO – (encerrando o abraço) Desculpa, tenho que enviar uma música para o pessoal da banda. Foi a ótima a música. (sai da sala de som, em direção a saída do estúdio. Mesmo assim, Alice não some com seu sorriso ao ter cantando com Pedro)

[CENA 06 – PENSÃO DE EDUARDO/ QUARTO/ NOITE]
(assim que Eduardo contou para Dácio sobre Letícia está viva, ele veio o mais rápido possível até a pensão do amigo)
EDUARDO – (de frente para Dácio) Ela está viva, Dácio. Eu a vi entrando em um ônibus hoje à tarde.
DÁCIO – Não brinca com isso, Eduardo. Letícia está morta, vocês mais do que ninguém sabe o quanto isso nos machucou.
EDUARDO – Eu sei. Por isso, que eu jamais iria brincar com um assunto sério assim.
DÁCIO – Não pode ser. Ninguém volta dos mortos. Isso é impossível.
EDUARDO – Mas a Letícia voltou. Voltou pra ficar com a gente.
DÁCIO – Tá, se ela voltou mesmo, onde ela está? Por que não veio nos procurar?
EDUARDO – Não sei. Talvez não se lembre da gente. Talvez foi até a casa onde vocês moravam, mas como vocês se mudaram, teve que ir para outro lugar.
DÁCIO – Sim, mas ela poderia ter ligado pra nós, entrando em contato com a gente de alguma forma.
EDUARDO – A Letícia ficou presa dentro de casa a maior parte da vida dela, Dácio. Ela não deve conhecer muitos lugares, certamente ela deve está perdida por aí.
DÁCIO – Desculpa, mas está difícil acreditar nisso. Você deve ter se confundido. Deve ter visto alguém parecido, sei lá. Não tem condição da Letícia está viva. Ela morreu, estivemos no velório dela. Enterramos o caixão com o corpo dela.
DANIEL – Eu também acho meio impossível isso.
EDUARDO – Vocês não acreditam em milagres?
DANIEL – Sim. Mas um milagre igual este? Precisa de muita fé.
DÁCIO – Eduardo, eu sei que você talvez ainda esteja sentindo a perda da Letícia, e talvez por sentir a falta dela, esteja projetando em outra pessoa a imagem dela.
EDUARDO – Letícia está viva. E eu vou provar a vocês que eu não me confundi. Eu vou trazer ela aqui, vocês vão ver. (Daniel e Dácio se entreolham, preocupados)

Amanhecendo…

[CENA 07 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(Ramon e sua banda chegam à lanchonete do Ivo, direto para o palco. Ivo os ver e caminha até eles)
IVO – E aí, pessoal? Como estão a minha banda favorita que chegou ao primeiro lugar.
RAMON – Beleza, Ivo! Estamos com muita energia. Após aquela sequência de 10, ficamos mais animados ainda para o próximo programa.
IVO – É assim que se fala. Cadê o Pedro? Ele não veio com vocês?
RAMON – Ele vai poder vim só mais tarde. Quando sair do emprego dele.
IVO – Ele está trabalhando?
RAMON – Sim, numa pizzaria poucas quadras daqui.
IVO – Bem, eu não quero atrapalhar o ensaio de vocês. Quero ver essa banda arrebentando na próxima semana, e disparando na liderança.
RAMON – O foco é esse. (volta a ajudar seus amigos, Ivo vai para o balcão)

[CENA 08 – EMPRESA DE FELIPE/ SALA DA PRESIDÊNCIA/ DIA]
(Felipe está digitando algo em seu computador, quando Paulo entra em sua sala)
PAULO – Olha só, meu irmãozinho todo focado.
FELIPE – Surpreso estou eu, por você ter vindo aqui. O que foi que houve?
PAULO – Não, não é nada demais. Só não tinha o que fazer, então decidi dá uma passadinha aqui. (senta-se) Ocupado?
FELIPE – Não muito. Só analisando aqui algumas planilhas.
PAULO – Hum, bem… na verdade, também eu vim para conversar algo contigo.
FELIPE – O que seria?
PAULO – Estava querendo conversar isso em casa, mas achei melhor vim aqui, pois certamente ninguém iria nos incomodar.
FELIPE – É sério?
PAULO – Depende.
FELIPE – Fala logo o que é, Paulo.
PAULO – É sobre o Pedro.
FELIPE – O que tem ele?
PAULO – Você já parou pra pensar na possibilidade do Pedro ser seu filho? (Felipe para de digitar, focando-se no irmão)

[CENA 09 – CASA DELLE ROSE/ Q. DE SALETE – SALÃO/ DIA]
(Salete está ao telefone, conversando com seu amigo advogado)
SALETE – Sim, ela não está do meu lado no momento, mas é claro que podemos ir aí hoje à tarde. Sem problema algum. Tá bem. Obrigada, querido. (desliga, sai do quarto em direção ao salão, onde está Letícia, Nathaniel e algumas outras meninas) O advogado ligou, Larissa. Ele quer conversar com a gente hoje à tarde.
LARISSA – Claro, mas ele deu alguma pista de que vai conseguir resolver o meu caso?
SALETE – Não. Ele infelizmente não disse nada. Só pediu que fossemos até o escritório dele.
NATHANIEL – Não se preocupa, Larissa. Vai dá tudo certo, tenho certeza que essa reunião é para trazer boas notícias.
LARISSA – Assim espero. (celular de Salete toca novamente)
SALETE – Alô? Dácio! (sorri) Oi, meu filho. Claro, claro que posso me encontrar com você. Hoje à tarde vou resolver um assunto com uma amiga, a gente pode se encontrar depois, pode ser? Claro, onde você quiser. Acho que conheço sim. Pode deixar que eu vou saber onde é, não se preocupa. Estou tão feliz por ouvir sua voz, filho. Até mais. (desliga sorrindo)
NATHANIEL – Dácio combinou um encontro com você?
SALETE – Combinou. Ele disse que já deu tempo demais para a nossa conversa.
LARISSA – Quer que eu acompanhe você, Salete?
SALETE – Você ficaria comigo?
LARISSA – Claro. Também estou curiosa pra conhecer o famoso Dácio!

[CENA 10 – PIZZARIA/ DIA]
(Pedro está terminando de fechar a conta de uma mesa, Eduardo entra na lanchonete, direto para o balcão, pensativo)
PEDRO – (repara no jeito estranho de Eduardo) Tudo bem?
EDUARDO – Passei o dia procurando uma pessoa e não a encontrei.
PEDRO – Quem você está procurando?
EDUARDO – Uma pessoa que eu pensei que tinha voltado dos mortos.
PEDRO – Como?
EDUARDO – Não é nada, Pedro. Melhor esquecer isso, talvez o Dácio tenha razão, e eu tenha me enganado.
LAILA – (saindo da cozinha, com algumas caixas) Mais entregas, Eduardo. Ah, depois quero falar com você pelo o atraso da pizza de ontem à tarde. Eu não esqueci.
EDUARDO – Beleza. (guarda as caixas de pizza dentro da mochila e sai da pizzaria de cabeça baixa)
LAILA – Algum problema com ele?
PEDRO – Aparentemente sim. Porém, ele não me disse. (Laila volta para a cozinha)

[CENA 11 – CASA DE ALICE/ ESTÚDIO/ DIA]
(Alice está em seu estúdio, terminando de compor uma nova música. Lembra-se da música que cantou na noite anterior com Pedro, sorri e isso a inspira)

[CENA 12 – CASA DA ANDRÉA/ COZINHA/ DIA]
(Andréa entra na cozinha, e encontra seu primo tomando café e mexendo no celular)
ANDRÉA – Mandou bom dia para seu novo irmão?
DOUGLAS – Ainda não. Na verdade, estou criando coragem para enviar está mensagem para o papai. (entrega o celular para Andréa, que ler a mensagem)
ANDRÉA – Você não acha que se enviar isso, o Mauro virá para cá na mesma hora? Isso pode atrapalhar o pós-doutorado dele!
DOUGLAS – Eu sei. Por isso ainda não enviei. Devo enviar ou não? (Andréa olha para o primo sem saber o que dizer)

Contínua no Capítulo 21…

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr
Rolar para o topo