Capítulo 25 | Me Deixa Cantar – A Nossa Canção

ATENÇÃO: A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Daqui seis meses…

[CENA 01 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ REITORIA/ DIA]
(Pedro embora estivesse tremendo por dentro, por fora ele tentava se mantém firme em sua decisão)
ELIZABETH – (séria) Então se eu não der o papel para o Arthur, você também irá sair do musical. É isso mesmo, Pedro?
PEDRO – (firme) Sim.
ELIZABETH – (foca-se no computador) Que pena. Eu não esperava que você fosse igual os demais.
PEDRO – Eu só quero que as coisas sejam justas.
ELIZABETH – Você tem talento, garoto. Arrisco dizer que é o melhor cantor que está universidade tem atualmente. (foca-se nele) Uma voz como a sua não se encontra em qualquer lugar. São raras. São uma em um milhão. Eu vejo em você um grande potencial de crescer mais ainda. Só que lhe falta foco. Quando olho em seus olhos, não consigo encontrar nenhum objetivo que deseja ser almejado. (olha para o seu computador) Qualquer calouro estaria comemorando por ter conseguido o papel principal. (fica um curto silêncio na sala, Pedro começa a refletir o que ouviu dela) Qual é o seu sonho, Pedro?
PEDRO – Meu sonho?!
ELIZABETH – Sim. Por que você quis vir para a nossa universidade?
PEDRO – Eu vim para aprender música. Foi para isso que eu vim.
ELIZABETH – Então porque você não agarra essa oportunidade que estamos lhe dando. Um musical é perfeito para você aprender.
PEDRO – (fica pensativo por um tempo, refletindo sobre tudo que Elizabeth disse. Um lado dele quer aceitar o papel, mas se lembra de seu amigo Arthur) Não. Porque eu não acho isso justo. Não acho justo tirarem de alguém, que se preparou muito para conseguir esse papel. (Elizabeth volta observá-lo) Me darem o papel pode estar me ajudado, mas estragará o sonho de uma outra pessoa. E isso eu não posso aceitar. Sinto muito, Elizabeth, mas se o Arthur não interpretar David, eu também não vou interpretá-lo.
ELIZABETH – (o observa, no fundo está orgulhosa por ver um Pedro corajoso em sua frente, no entanto, ele é apenas um calouro e deveria mostrar que quem manda ali é ela) Você tem certeza disso? (foca-se em seu computador)
PEDRO – (sem hesitar) Sim!
ELIZABETH – Muito bem. Procuraremos um outro aluno para o papel. (um curto em silêncio fica na sala, acreditando que a conversa tenha terminado ali, Pedro caminha em direção a saída) Antes de ir para a sala, passe na secretária para pegar a solicitação de trancamento de sua bolsa.
PEDRO – Trancamento?
ELIZABETH – Sim. Você não disse que quer sair do musical?
PEDRO – (se aproxima dela novamente) Sim, do musical, não da universidade.
ELIZABETH – Lamento, mas na nossa comunidade acadêmica, não tem espaço para medrosos.
PEDRO – Medroso?
ELIZABETH – (irrita-se, soca a mesa) Sim, garoto! Você é medroso. (olha para ele, Pedro se assusta) Todos que estão aqui, estão sendo preparados para o mercado duro e competitivo que é lá fora. Quando eles saírem, só terão uma única oportunidade para se tornarem famosos. (se acalma) Todos que estão nessa comunidade, dariam a vida para conseguir um grande papel. Seriam capazes de passar por cima de um amigo, se fosse necessário. Isso aqui é apenas uma pequena extensão do que lhes esperam lá… (aponta para a janela) …no mundo real. Você acha mesmo que se fosse o contrário, o Arthur estaria fazendo o mesmo com você? E se fosse lá fora? Se vocês dois estivessem concorrendo para uma única vaga em algum musical na Broadway, e você a tivesse conseguido. Você desistiria dela para dar para o Arthur? (Pedro fica sem saber o que responder) Formamos mais do que artistas aqui, garoto. Se você não é capaz de entender isso, não merece fazer parte deste grupo. (foca-se no computador)
PEDRO – Talvez eu não entenda mesmo como as coisas funcionam por aqui, e nem quero. Mas de uma coisa eu sei, e nada me fará mudar sobre isso. Eu valorizo os meus amigos!  E se você pensa que eu vou voltar atrás, com essa chantagem barata, eu não vou.
ELIZABETH – Chantagem?
PEDRO – Já que eu sou tão talentoso assim, será fácil encontrar uma outra universidade, não é mesmo?! (caminha até a saída, com a cabeça erguida. Elizabeth observa, irritada)

Agora…

[CENA 02 – CLUBE/ SALÃO/ NOITE]
(Alice ainda não chegou, os garotos estão tocando a terceira música no palco, sendo desta vez uma autoral. Marcelo continua na mesa do DJ, ansioso por Alice não está respondendo suas mensagens. Observa Pedro próximo ao palco, trocando mensagem com alguém e sorrindo. Acreditando que seja com a Alice, saí irritado de sua mesa, direto até Pedro)
MARCELO – (tocando no ombro de Pedro, praticamente querendo pegar o celular da mão dele) Com quem você está conversando? É com a Alice?
PEDRO – (se afasta dele, guardando o celular) Ei, o que significa isso?
MARCELO – Eu vi você conversando com alguém. É com a Alice, né? Por que ela não está me respondendo? Ela tá me evitando?
PEDRO – Não, eu não estou falando com a Alice. Estou falando com uma amiga.
MARCELO – Deixa eu ver.
PEDRO – Eu não vou te mostrar meu celular, cara. (coloca o celular no bolso) E se isso te conforta, a Alice também não está respondendo as minhas mensagens.
MARCELO – Sério?
PEDRO – Sim. Eu pensei que ela estava conversando com você.
MARCELO – Não. (olha para seu celular) Ela não me responde tem um tempo já.
PEDRO – Você tentou ligar para ela? (pega seu celular do bolso da calça)
MARCELO – Não.
PEDRO – Vou tentar aqui. (no momento que Pedro liga para Alice, o pessoal ao redor vibra de alegria ao vê-la aparecendo no palco. Pedro e Marcelo a observam, sorriem)

[CENA DE MÚSICA – MÚSICA AUTORAL]

(Alice caminha até o centro do palco, cantando sua música mais conhecida pelo público. Todos a aplaudem e vibram por este aparecimento inesperado. Os garotos desceram do palco, porém seus equipamentos continuam ao fundo. Marcelo a observa, e vê-la bem o deixa tranquilo. Pedro está ao lado dele, sorrindo com a apresentação da irmã. Por ser uma música animada e alto astral, todos estão dançando e pulando no salão. Marcelo volta para a sua mesa, irá deixar a playlist pronta. Pedro continua no salão, dançando junto com o pessoal. Alice encerra sua música e no mesmo pique da anterior, inicia uma nova)

[CENA DE MÚSICA – ME TOO (MEGHAN TRAINOR)]

Who’s that sexy thing 1
I see over there?
That’s me
Standin’ in the mirror

What’s that icy thang
Hangin’ ‘round my neck?
That’s gold
Show me some respect, oh

I thank God every day 2
That I woke up feeling this way
And I can’t help loving myself
And I don’t need nobody else, no

If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too

I walk in like a dime piece 3
I go straight to vip
I never pay for my drinks
My entourage behind me

My life’s a movie, tom cruise
So bless me, baby, achoo
And even if they tried to
They can’t do it like I do

I thank God every day (I thank God) 4
That I woke up feeling this way (and I feel good)
And I can’t help loving myself
And I don’t need nobody else, no

If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too

(Turn the bass up)
Turn the bass up
(Turn the bass up)
Let’s go

I thank God every day 5
That I woke up feeling this way
And I can’t help loving myself
And I don’t need nobody else, no

If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too

If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
If I was you, I’d wanna be me too
I’d wanna be me too
I’d wanna be me too

1. Alice caminha pelo palco com um jeito sexy e provocante. Marcelo coloca os efeitos sonoros na música, porém não tira os olhos dela. Algumas pessoas continuam dançando no salão, porém em um ritmo desacelerado. Alguns começam a formar casais.
2. Ela caminha até a o centro do palco, foca-se em Pedro a sua frente. Pedro a observa, sorri e continua dançando sozinho. Alice volta a caminhar pelo palco, ainda provocante.
3. Os garotos da Órbita Três estão se divertido próximo à Pedro, ambos  dançando sozinhos. Um grupo de garotas estão dançando próximo deles. Os dois grupos se esbarram, se desculpam, sorriem e formam pares.
4. Alice fica até o final da música no centro do palco, dessa vez foca-se em Marcelo que está na mesa de som. Das uma piscadinha para ele, Marcelo envergonha-se. Foca em sua mesa de som, dando os efeitos sonoros a música.
5. Pedro repara em seus amigos se divertindo, sorri. Foca-se em Alice novamente e a observa até o final da música. Alice encerra sua apresentação, sendo aplaudida.

[CENA 03 – CASA DE CAIO/ Q. DE CAIO/ NOITE]
(Caio está sentado na cama, mexendo no celular. Sua mãe entra no quarto)
CAMILA – Então, filho? (se aproxima dele) Como foi o simulado?
CAIO – Acho que fui bem.
CAMILA – Posso ver? (caminha até o computador)
CAIO – Sim. (guarda o celular, foca-se em sua mãe, ansioso pela reação dela)
CAMILA – 598 pontos?
CAIO – Não foi bom?
CAMILA – Não. Como você espera ingressar para Direito como uma pontuação dessa?
CAIO – Só foi o primeiro, mamãe. Tem outros 3 pela frente ainda;
CAMILA – (se aproxima dele) Espero que ao menos nos próximos sua nota não seja tão decepcionante assim. (Caio abaixa a cabeça, triste) Você estava mexendo no celular quando eu entrei!
CAIO – Estava vendo os garotos se divertindo, apenas.
CAMILA – Ao invés de ficar aí vendo os outros em festas, você devia estar estudando. Quem sabe melhora suas próximas notas.
CAIO – (levanta-se da cama, caminha até o computador) Eu já ia estudar um pouco.
CAMILA – Bom. (se aproxima dele) Eu sei que posso parecer um pouco rígida com você, filho… (faz um carinho na cabeça dele) …mas tudo isso é por que eu me preocupo com o seu futuro. Eu quero que você tenha um futuro brilhante, caso um tinha eu não esteja mais aqui.
CAIO – Não diga isso, mamãe.
CAMILA – (fica em silêncio por alguns segundos, beija a testa dele) Vou deixar você estudando. (caminha até a porta) Boa noite, filho!
CAIO – Boa noite. (Camila saí do quarto, Caio olha para o lado, pensativo)

[CENA 04 – CLUBE/ SALÃO/ NOITE]
(após a apresentação de Alice, Marcelo soltou algumas músicas para ficar tocando. Ela desceu do palco e foi direto a mesa dele)
ALICE – (o abraçando) Então, gostou da surpresa?
MARCELO – (um pouco sério) Por que não estava respondendo as minhas mensagens?
ALICE – Eu deixei o celular dentro da bolsa, lá no carro. E também não queria estragar a surpresa de que já havia chegado.
MARCELO – Eu fiquei preocupado. Você não me respondia, achei que tinha acontecido alguma coisa.
ALICE – (se aproxima dele, provocante) Você fica tão bonitinho, quando está irritado desse jeito.
MARCELO – Eu estou chateado com você, viu. Não gostei disso que fez.
ALICE – Meu Deus, que bobo você é. (se aproxima mais dele) O que será que eu posso fazer para colocar um sorrisinho nesse rosto, hein?!
MARCELO – Acho meio difícil isso acontecer agora.
ALICE – Será? (o beija, Marcelo retribui e sorri. Lá embaixo, Pedro os observa se beijando. Caminha até seus amigos que estavam voltando para o palco)
PEDRO – (segura o braço de Ramon) Vão cantar mais uma?
RAMON – Vamos. A Alice deixou que cantássemos mais duas.
PEDRO – Será que eu poderia cantar essa com vocês?
RAMON – Sabe que nem precisa pedir, né. (sorri) Vamos lá!
PEDRO – (sorri) Vamos. (os dois sobem para o palco, os garotos se organizam e começam a tocar uma música)

[CENA DE MÚSICA – ME DEIXA CANTAR (SELVA, DI FERRERO)]

[PEDRO]
Oh, oh oh, oh, own 1
Me deixa cantar pro que não tem solução
Para os dias sem perdão
E a noite inteira iluminar

[RAMON]
Me deixa cantar pra calar a solidão
Para o que não tem razão
Tocar a alma de quem vai chegar

[PEDRO]
Me deixar cantar pra quem não tem par 2
Cantar pra quem não sabe o que cantar
Pra quem foi embora e pra quem escolheu ficar

[RAMON]
Me deixar cantar pra esperar o Sol
Me deixa sonhar e alcançar o céu

[PEDRO]
Pra quem quer ouvir e pra quem escolheu voltar 3

Não deixa essa cidade louca te engolir
Não da pra controlar o que tem que fluir
Eu já briguei com o mundo e hoje to aqui
Cada um sabe o que o espelho tem pra refletir

[RAMON]
Tem gente que reclamar mesmo sem ter dor
Mas talvez não saiba demonstrar amor
Cada madrugada tem o seu valor
Meu plano é seguir sendo quem eu sou

[PEDRO]
Sendo quem eu sou 4

Oh, oh oh, oh, own
Me deixa cantar pra calar a solidão
Para o que não tem razão
Tocar a alma de quem vai chegar

[RAMON]
Me deixar cantar pra quem não tem um par
Cantar pra quem não sabe o que cantar
Pra quem foi embora e pra quem escolheu ficar

[RAMON E PEDRO]
Me deixar cantar pra esperar o Sol 5
Me deixa sonhar e alcançar o céu
Pra quem quer ouvir e pra quem escolheu voltar

Eu sei
Eu sei que tudo vai ficar bem
Eu sei que tudo vai ficar bem
Eu sei que tudo vai ficar bem…

Eu sei

1. Os dois estão no centro do palco, um ao lado do outro. Pedro quem começa contando, os alunos se aglomeram. Assim que os garotos começam a cantar, Alice e Marcelo encerram o beijo. Marcelo foca no painel de som, para aplicar os efeitos sonoros a música dos garotos. Alice olha para seu irmão, sorri.
2. Pedro e Ramon alternam de posição durante a música, ambos levantando a galera que estava lá embaixo.
3. Os dois voltam para suas posições iniciais, começam a cantar um de frente para o outro. Alice observa Marcelo aplicando os efeitos sonoros na música, depois repara na multidão abaixo se divertindo. Ela pega seu celular, começa a gravar.
4. Pedro e Ramon voltam a andar pelo palco, trocando de lado frequentemente. Alice se aproxima de Marcelo, começa a se filmar junto com ele. Beija o rosto dele, depois se afasta e volta a dançar sozinha seguindo o ritmo da música.
5. Pedro e Marcelo se aproximam um do outro, encerram a música em suas posições iniciais. São aplaudidos, agradecem e se abraçam.

[CENA 05 – CASA DE ANA/ Q. DE ANA/ NOITE]
(Ana está estudando com seu notebook nas pernas. Tem algumas semanas que ela e Alan não se falam, Junior entra no quarto)
JUNIOR – Oi, filha. Posso entrar?
ANA – Claro, pai.
JUNIOR – (fecha a porta do quarto, caminha até a cama, senta-se de frente para sua filha) Fazendo algum trabalho?
ANA – Sim.
JUNIOR – Entendo. E como está o Alan?
ANA – (deixa de digitar no notebook na mesma hora, se preocupa) O que aconteceu com ele?
JUNIOR – Nada. Pelo menos é o que eu espero. (percebe que ela ficou preocupada) Eu perguntei porque tem um bom tempo que ele não veio mais aqui. E também não tenho te visto mais com um sorriso bobo, mexendo no celular pelo os cantos da casa.
ANA – (foca-se no notebook novamente) É que ultimamente os professores têm passado muitos trabalhos pra gente. Estamos tão acarretados de tarefas, que não tivemos mais tempos de nos ver assim.
JUNIOR – Sei. Eu gosto do Alan. Acho ele um garoto legal, e de verdade, aprovo esse relacionamento de vocês.
ANA – Não estou entendo essa conversa agora, pai?
JUNIOR – Eu pensei que talvez, esse sumiço dele, seja por eu ter passado alguma impressão má, sei lá. Tipo, ele ficou com medo com algo que eu fiz, talvez.
ANA – (ri) Não, não tem nada a ver com o senhor. (fica séria) Na verdade… (responde baixinho) …tem a ver comigo.
JUNIOR – (levanta-se) Já que está tudo bem com vocês, então não vou mais atrapalhar você com o seu trabalho. (beija a cabeça dela, caminha em direção a porta) Boa noite, filha.
ANA – Boa noite, pai. (Junior saí do quarto, Ana para de digitar no computador, pega seu celular que estava ao lado, entra numa rede social e procura pelo o perfil de Alan)

[CENA 06 – CLUBE/ SALÃO/ NOITE]
(Pedro desceu do palco, os garotos continuam e estão cantando uma música autoral. Alice saiu de perto de Marcelo e se aproxima dele)
ALICE – (indo por trás, vedando os olhos de Pedro com as mãos) Você mandou bem naquela música?! (Pedro vira-se, ficando de frente com ela)
PEDRO – Oi, Alice. Seu namorado ali estava preocupado, oh.
ALICE – Ele não é meu namorado. E eu já o acalmei.
PEDRO – É, eu vi. (vira-se para o palco, observa os garotos)
ALICE – É, mesmo não sendo muito fã das músicas brasileiras, tenho que confessar que a música desses garotos é boa.
PEDRO – Sim. Sinto muito orgulho desses caras! (sorri, Alice o observa)
ALICE – (segura na mão dele) Daqui a pouco é a gente, hein. (solta em seguida)
PEDRO – Eu tô pronto.
ALICE – Ok. Vou ver com o Marcelo para deixar a música no ponto. (se afasta dele, em direção a mesa de Marcelo. Pedro continua prestando atenção na música dos garotos. Os garotos encerram sua apresentação, agradecem e saem do palco. Alice e Pedro sobem em seguida, ficam um do lado do outro e começam a cantar)

[CENA DE MÚSICA – LAST FRIDAY NIGHT (KATY PERRY)]

[ALICE]
There’s a stranger in my bed 1
There’s a pounding in my head
Glitter all over the room
Pink flamingos in the pool
I smell like a minibar
DJ’s passed out in the yard
Barbie’s on the barbecue
There’s a hickie or a bruise

[ALICE E PEDRO]
Pictures of last night
Ended up online
I’m screwed
Oh well
It’s a blacked out blur
But I’m pretty sure it ruled
Damn!

[ALICE]
Last friday night 2
Yeah we danced on tabletops
And we took too many shots
Think we kissed but I forgot

[ALICE E PEDRO]
Last friday night
Yeah we maxed our credit cards
And got kicked out of the bar
So we hit the boulevard

[PEDRO]
Last friday night
We went streaking in the park
Skinny dipping in the dark
Then had a ménage à trois

[ALICE E PEDRO]
Last friday night 3
Yeah I think we broke the law
Always say we’re gonna stop-op
Whoa-oh-oah

[ALICE]
This friday night
Do it all again
This friday night
Do it all again

[PEDRO]
Trying to connect the dots 4
Don’t know what to tell my boss
Think the city towed my car
Chandelier is on the floor
Ripped my favorite party dress
Warrant’s out for my arrest
Think I need a ginger ale
That was such an epic fail

[ALICE]
Pictures of last night
Ended up online
I’m screwed
Oh well
It’s a blacked out blur
But I’m pretty sure it ruled
Damn!

[PEDRO]
Last friday night
Yeah we danced on table tops
And we took too many shots
Think we kissed but I forgot

[ALICE]
Last friday night
Yeah we maxed our credits card
And got kicked out of the bar
So we hit the boulevard

[ALICE E PEDRO]
Last friday night 5
We went streaking in the park
Skinny dipping int he dark
Then had a ménage à trois

[PEDRO]
Last friday Night
Yeah I think we broke the law
Always say we’re gonna stop-op
Oh whoa oh

[ALICE]
This friday night
Do it all again
Do it all again
This friday night
Do it all again
Do it all again
This friday night

T.G.I.F.
T.G.I.F.
T.G.I.F.
T.G.I.F.
T.G.I.F.
T.G.I.F.

[ALICE E PEDRO]
Last friday night 6
Yeah we danced on table tops
And we took too many shots
Think we kissed but I forgot

[ALICE]
Last friday night
Yeah we maxed our credit cards
And got kicked out of the bar
So we hit the boulevard

[PEDRO]
Last friday night
We went streaking in the park
Skinny dipping in the dark
Then had a ménage à trois

[ALICE E PEDRO]
Last friday night
Yeah I think we broke the law
Always say we’re gonna stop
Oh, whoa, oh
This Friday night
Do it all again

1. Os dois começam a música um de frente para o outro, ambos já dançando. Alice vai se aproximando do seu irmão, quando chega perto, toca no ombro dele. Nesse momento os dois começam a cantar juntos.
2. Alice se afasta dele, os dois ficam de frente para o pessoal,  dançam e pulam, conforme o ritmo da música. Todos em baixo fazem o mesmo. O pessoal da Órbita Três encontram as mesmas garotas de minutos atrás, voltam a dançar com elas.
3. Os dois voltam a ficar um de frente para o outro, porém distante. Na mesa de som, Marcelo aplicava os efeitos sonoros na música e se diverte, deixando-se contagiar com a energia da música.
4. Pedro dessa vez caminha pelo palco, indo para o outro lado. Alice continua no mesmo lugar, o observando. Assim que começam a cantar juntos, os dois se aproximam um do outro.
5. Ao chegar no refrão, os dois se separam e dançam cada um em um canto do palco. Em baixo, o pessoal continuam dançando e pulado. Todos levantam as mãos, conforme Pedro fazia. E em sincronia, dançavam.
6. Alice e Pedro voltam a ficar um próximo do outro, dessa vez dançam juntos. Encerram a música no centro do palco, com todos eufóricos. Seguram suas mãos, se entreolham e sorriem. Todos embaixo começam a aplaudir e elogiar a festa.

[CENA 07 – CASA DE MANUELA/ Q. DE MANUELA/ NOITE]
(Manuela está cantando o trecho de uma música que Éster encontrou para ela, Thalita está sentada na cama, acompanhando os stories de Alice)
THALITA – (vendo alguns stories da banda Órbita Três tocando na festa) Nossa esses garotos cantam bem demais!
ÉSTER – O que você disse?
THALITA – Eu? (deixa o celular ao lado) Eu disse que essa música é ótima, Manu. Você devia escolher ela para a próxima fase.
ÉSTER – Não, não foi isso que você disse. (se aproxima dela) Você estava vendo os stories da festa da Alice, não estava?
THALITA – Eu só dê uma olhadinha! Os garotos da Órbita Três estavam cantando lá.
ÉSTER – Claro que estariam. O irmãozinho dela participou dessa banda. Duvido que se não fosse isso, ela deixaria esses garotos se apresentarem. Ainda mais cantando músicas em português.
MANUELA – (incomodada) Pensei que vocês tinham combinado que iria parar de falar da Alice. (caminha até a cama)
ÉSTER – Nós tínhamos parado, foi a Thalita aí que voltou com este assunto.
THALITA – Foi mal, meninas. Desculpa. Prometo que vou focar nas músicas agora.
MANUELA – Não é mais necessário. A Thalita está certa. Essa música que você escolheu é ótima, Éster. Vou cantar ela na próxima fase.
ÉSTER – Ela ficou ótima na sua voz mesmo. Ótima escolha.
MANUELA – Acho que podemos encerrar por aqui.
ÉSTER – Você não quer ensaiar mais um pouco?
MANUELA – Não, não é necessário. A música é fácil. E mesmo assim, estou um pouco cansada. Passamos o dia inteiro ouvindo várias músicas.
THALITA – Confesso que também estou.
ÉSTER – É, eu também.
MANUELA – E mesmo assim, vocês passaram o dia aqui comigo. Não quero que levem alguma bronca de seus pais.
ÉSTER – Relaxa, que os meus sabiam que eu passaria o dia na sua casa.
THALITA – (levanta-se da cama) Os meus também. E mesmo assim, eu sei como passar a perna neles.
MANUELA – (caminha até a porta) Eu acompanho vocês até a saída. (as três saem do quarto)

[CENA 08 – CASA DE OTÁVIO/ SALA/ NOITE]
(Otávio continua olhando em direção a voz de Eduardo, que ainda não sabe o que dizer para ele)
OTÁVIO – Edu? Você tá aí?!
EDUARDO – Estou. Estou sim.
OTÁVIO – É que você ficou em silêncio. (brinca) Pensei que você tivesse desmaiado após a proposta que te fiz.
EDUARDO – (ri) Não, não. Na verdade, apenas não sei o que dizer.
OTÁVIO – Você é o único amigo que eu tenho, Edu! É a única pessoa com quem eu posso confiar. (Eduardo o observa) Então, a única pessoa que poderia cuidar da minha casa, é você.
EDUARDO – Eu… eu realmente agradeço, Otávio. Nem sei o que dizer, de verdade.
OTÁVIO – (sorri) Um sim, seria o bastante.
EDUARDO – (fica alguns segundos em silêncio) Está bem. Eu topo. Eu cuido da casa da sua família.
OTÁVIO – Obrigado! (levanta-se) Será que eu posso te dar um abraço?
EDUARDO – Claro. (levanta-se, caminha até ele. Otávio sente a presença dele a sua frente, dar alguns passos e o abraça)
OTÁVIO – Obrigado… irmão! (Eduardo sorri, retribui o abraço também)

[CENA 09 – CASA DE ANA/ Q. DE ANA/ NOITE]
(Ana deixou o trabalho da escola de lado e começou a acompanhar os stories de Alan. Ela se diverte com os passos de dança que ele publica em seu perfil. Pensa em enviar um comentário, mas lembra da última conversa que tiveram. Continua apenas observando as postagens dele)

[CENA 10 – CLUBE/ SALÃO/ NOITE]
(Marcelo está tocando algumas músicas animadas. Pedro está se divertindo com seus amigos, enquanto Alice está ao lado de Marcelo)
MARCELO – (cochichando no ouvido dela) Você não vai cantar mais?
ALICE – Vou cantar uma ou duas daqui a pouco.
MARCELO – Uau, você tá diferente mesmo, hein.
ALICE – Como assim?
MARCELO – Sei lá. Ouvi dizer que as suas festas eram sempre cheias de músicas suas, que você gostava de ser o centro das atenções.
ALICE – Eu ainda gosto, uai. Só que hoje em dia… (olha para Pedro) … eu aprendi a dividir o palco. (Marcelo repara como ela ficou ao olhar para Pedro, um leve ciúme volta aparecer dentro dele)
MARCELO – Ele te ajudou muito, não foi?
ALICE – Sim. Ele encontrou uma Alice em mim que eu pensava que não existia mais.
MARCELO – (incomoda-se como ela falou) Se não fossem parentes, vocês até que formariam um belo casal. (Alice percebe que ele ficou enciumado)
ALICE – (se aproxima dele) Você quer parar com isso?! Eu e o Pedro somos irmãos. Esse seu ciúme além de desnecessário, é nojento.
MARCELO – (caindo na real) Desculpa. (olha Pedro se divertindo) É que às vezes eu percebo uma ligação forte entre vocês dois. Talvez até maior do que eu tenho com você.
ALICE – É obvio que a ligação que eu tenho com ele é diferente da que eu tenho com você. Eu e Pedro somos ligados por nossos talentos, por nosso sangue, por nossa família. E você, somos ligados pelo o que sentimento aqui dentro. (toca o peito dele, Marcelo sorri) Então não quero mais saber de você ficar assim novamente, entendeu?! O Pedro tem um espaço muito especial na minha vida, assim como você também tem. (se aproxima dele, o beija) Ok?
MARCELO – (sorri) Ok! (voltam se beijar)
ALICE – (se afasta um pouco) Agora… que tal deixar umas músicas tocando aí e ir dançar comigo?!
MARCELO – Só se for agora. (prepara uma playlist animada para ficar tocando) Pronto. (segura na mão dela e vão para o salão. Os dois começam a dançar. Não tão distante deles, estão os garotos também se divertindo. Com exceção de Ramon, os demais estão dançando com uma garota)

Amanhecendo…

[CENA 10 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(o pessoal está na lanchonete, conversando sobre a festa de ontem)
RAMON – A festa de ontem foi incrível. Definitivamente, a sua irmã sabe como dar uma festa.
PEDRO – Oh se sabe.
ANDRÉA – Fico feliz que tenham se divertido.
RAMON – Não temos culpa se você não quis ir.
ANDRÉA – Eu precisava resolver uns assuntos aí.
RAMON – Sei. Lamento, mas uma festa igual àquela você não terá novamente.
ANDRÉA – Nem ligo pra isso.
RAMON – (pega seu celular, entra em sua rede social) Olha só… (exibe o celular para o Pedro)
PEDRO – O que?
RAMON – O perfil da banda ganhou 2 mil novos seguidores só de ontem para hoje. Sua irmã é um imã para seguidores.
PEDRO – É, ela realmente tem uns milhões aí.
DÁCIO – A prova disso é que o pessoal ainda está comentando sobre a festa. #FestaVoltaÀsAulas está entre o top 10 desde ontem à noite. Pessoal continuam postando fotos e comentando sobre o que rolou.
RAMON – Foi um festão e tanto. Agora sim, posso dizer que meu último ano do Ensino Médio foi incrível!
ANDRÉA – Não exagera, Ramon.
DÁCIO – Falando em último ano do Ensino Médio. Faltam três meses para o ano acabar, hein! (todos olham para o Dácio) Estamos chegando ao fim, pessoal. Pelo menos o fim de uma etapa. (todos se entreolham) Chegou a hora de planejarmos o nosso futuro, não é mesmo?!

Daqui seis meses…

[CENA 11 – APARTAMENTO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ SALA/ TARDE]
(Samuka chega ao apartamento, preocupado com o sumiço de Pedro. Encontra Arthur sentado no sofá, sério)
SAMUKA – O Pedro chegou, Arthur?
ARTHUR – Eu não vi aquele traidor.
SAMUKA – Traidor? Do que você está falando?
ARTHUR – (levanta-se, fica de frente dele) Traidor sim. Se ele fosse meu amigo como diz, não teria aceitado o papel.
SAMUKA – E quem disse que ele aceitou? Você realmente não ficou sabendo do que ele fez, né?!
ARTHUR – (se afasta, furioso) Eu tô nem aí para o que aquele traidor fez ou deixou de fazer.
SAMUKA – (indo atrás dele) Pois saiba, que esse traidor que você chama, saiu do musical por sua causa.
ARTHUR – Como assim?
SAMUKA – Ele procurou a Elizabeth hoje pela manhã. Disse que não aceitaria o papel do David. Porque quem merece interpretá-lo, é você.
ARTHUR – (surpreso) Ele fez isso?
SAMUKA – Fez.
ARTHUR – Conheço bem a Elizabeth, ela não aceitaria isso por nada.
SAMUKA – E não aceitou. Então, o Pedro saiu do musical. Disse que se você não recebesse o papel do David, ele também não merecia interpretá-lo.
ARTHUR – Tá brincando?
SAMUKA – Não, não estou. E quer saber mais? Elizabeth o chantageou, sabia?
ARTHUR – Como assim?
SAMUKA – Ela disse que suspenderia a bolsa dele, caso ele continuasse com a ideia de sair do musical. E adivinha? Pedro não voltou atrás da decisão dele. Por você novamente!
ARTHUR – Ele perdeu a bolsa?
SAMUKA – Perdeu. Ele assistiu duas aulas de canto, depois saiu da sala. Daí em diante, ninguém mais o viu. Pelo menos foi o que a Maya me disse. (Arthur caminha até o sofá, surpreso com a atitude de Pedro) Ele não apareceu por aqui?
ARTHUR – Não. Ele não veio aqui.
SAMUKA – (pega o celular e tenta ligar novamente para Pedro) Onde esse garoto se meteu?

Contínua no capítulo 26…

POSTADO POR

Anderson Silva

Anderson Silva

Um carinha qualquer apaixonado por música e contador de histórias.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo