Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Capítulo 26 | Algum Dia – A Nossa Canção

Daqui seis meses…

[CENA 01 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIO/ TARDE]
(Pedro entra no auditório meio que escondido, com receio de ser visto por alguém. Caminha em direção ao palco, observa as poltronas vazias e imagina como seria cantar com o auditório lotado. Para de andar, fecha os olhos e querendo aproveitar talvez o seu último momento ali, pensa em cantar sua última música. Como estava sozinho mesmo e sentia a música crescendo em seu coração, abre seus olhos e começou a cantar)

[CENA DE MÚSICA – SOMEDAY (TRILHA SONORA DE RAGS)]

I’ll follow my dreams. 1
You’d think they we’re nightmares the way they scream.
I’ll make them believe.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing.

I never doubt my dreams. 2
Always live ‘em out.
‘imma tell the world.
They gotta hear me out.
Just give me one mic so i can scream it loud.
And i just need someone that i can make proud.
‘cause i can’t wait for that someday.
And that someday, it is coming.
I wanna share my life with someone who loves me just for me.
I wanna wish up to the stars, i can.
I wanna see the lights & the crowd in the stands.
See myself there like a dream in the past.
And everything i want, ‘imma get it at last, okay.
And i know that there’s no limit.
We’re perusing all our dreams and we gon’ make it.
And tell the world that the best is yet to come, can you hear me? oh.

I’ll follow my dreams. 3
You’d think they we’re nightmares the way they scream.
I’ll make them believe.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing.

Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing.

Now that i’m older, i think about it. 4
I was really having fun, too cool about it.
I guess mom’s was predicting the future.
She knew that one day i was gon’ move ya’.
But now i see everything a little different.
The world looks bigger and the sky is the limit.
I’m always looking out for myself and family.
They gonna be surprised, shouting out “owhooeeeeeei got it.
Everything my momma wanted from me, i got it.
Anybody come and take it from me, i got it.
‘cause it’s all, i’m so close, i can dream about it.
I can feel i got it, music i’m all about it.
I’m here to make a change, ‘imma be about it.
I didn’t come this far to stop now.
And i can’t rest ‘till i get my dreams found out.

I’ll follow my dreams. 5
You’d think they we’re nightmares the way they scream.
I’ll make them believe.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing.

Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing.

One day i’m gon’ be king of the palace. 6
When i reign, there will be an imbalance.
Everything will be okay.
Every single day all day.
You can follow me if you wanna go.
‘imma take the lead, i got the star role.
Twinkle in the night like the star goes.
When you see us you know.

The next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday, i’ll be the next big thing.
Someday.
Someday.
I’m gonna be the next big thing

1. Pedro volta caminhar em direção ao palco. Sobe as escadinhas ao lado animado, corre até o centro do palco. Os holofotes acendem para ele.
2. Embora o auditório estivesse vazio, ele continua catando como se tivesse uma multidão ali, o observando. Anda pelo o palco, se sentindo a vontade. Elizabeth entra no auditório, fica um pouco escondida e começa a observá-lo.
3. Pedro corre e dança em cima do palco, sentindo-se livre naquele lugar. Volta para o centro do palco, olha para os holofotes, fecha os olhos por alguns segundos.
4. Elizabeth continuava observando-o. Caminha pelas últimas fileiras do auditório, indo em direção a outra porta de entrada/saída. Pedro está tão focado no palco cantando e dançando, que não repara nela.
5. Um pouco cansado e aliviado por colocar o que estava sentindo para fora, Pedro se posiciona bem no centro do palco. Os holofotes continuam o iluminando, onde quer que ele vá.
6. Caminha até a borda do palco, com medo de ser vista, Elizabeth saí do auditório. Os holofotes se apaga com término da música. Pedro olha para o vazio ao redor, ficando apenas um silêncio no local.

Mais Tarde…

[CENA 02 – TIMES SQUARE (NOVA YORK)/ TARDE]
(após cantar no auditório, Pedro decidiu dar uma volta pela cidade. Chega até a Times Square, observa as pessoas indo e vindo, um grupo de pessoas tirando foto, sorri. Caminha até um banquinho, senta-se e observa os grandes prédios ao seu redor. Volta a prestar atenção nas pessoas indo e vindo. E de longe, avista alguém conhecido vindo em sua direção)
GASPAR – (parando em frente ao Pedro) Que surpresa te encontrar por aqui. (estende a mão para cumprimentá-lo)
PEDRO – (levanta e o cumprimenta) Eu que o diga. Estava aqui, admirando um pouco a cidade. (senta-se novamente, Gaspar se senta ao seu lado)
GASPAR – Nova York realmente é uma cidade admirável.
PEDRO – É. Irei sentir falta dela.
GASPAR – Como assim? Tá pensando em viajar, é?
PEDRO – Eu não estou mais na universidade. Então não tenho mais o que fazer aqui.
GASPAR – O que aconteceu?
PEDRO – Digamos que foi uma saída involuntária. Mas tudo bem. Estou bem comigo mesmo, isso é o que importa. E talvez não era pra ser mesmo.
GASPAR – Relaxa, que nada acontece por acaso. Você vai ver, uma nova oportunidade vai aparecer na sua porta, quando menos você imaginar.
PEDRO – Tomara, Gaspar. (observa um grupo tirando foto) Agora, voltar para o Rio de Janeiro e me preparar para o próximo semestre.
GASPAR – Ué, então você pensa em voltar?
PEDRO – Não sei. Talvez eu procure uma universidade de música no Brasil mesmo, sei lá. (olha para Gaspar) O futuro pra mim agora virou um mistério!

Agora…

[CENA 03 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(todos se entreolham, e o clima alegre de segundos atrás, dá lugar para um clima de ansiedade e receio do futuro)
DÁCIO – (repara que todos ficaram preocupados) Se eu soubesse que vocês iriam ficar assim, nem tinha tocado nesse assunto.
PEDRO – Só que o Dácio está certo. Realmente faltam três meses para o ano acabar. É hora de planejarmos o que faremos daqui em frente.
ANDRÉA – Você diz isso por que está tranquilo, já que vai para Nova York ano que vem. A gente que ficar aqui parado, isso se a maioria não entrar para universidade.
DÁCIO – Eu pretendo entrar em uma universidade usando a nota do Enem. Em duas semanas, meu foco será apenas em revisões, simulados e exercícios.
RAMON – Confesso que não estou tão preocupado assim. Ano que vem promete ser um bom ano para a Órbita Três. Na verdade, eu não vejo a hora desse ano acabar. Que venha logo 2021!
ANDRÉA – Eu queria estar assim tranquila, igual vocês. Mas realmente meu futuro parece tenebroso. (Ramon e Pedro riem)
RAMON – Não exagera, boba.
PEDRO – Até por que, essa Andréa “medrosa” não faz muito o seu estilo.
DÁCIO – Não faz mesmo. Me lembro muito bem daquela Andréa que andava de cabeça erguida, se achando melhor que todo mundo, que me ignorava completamente no fundo da sala. (percebe que ela ficou desconcertada)
ANDRÉA – Muitas decepções apareceram no caminho dessa antiga Andréa.
RAMON – Mas… (segura na mão dela) …você continua aqui. Embora todos os tropeços e quedas! (sorri, Ivo aparece na mesa)
IVO – (entregando copos de sorvete para cada um) Olha a sobremesa.
RAMON – Opa, valeu meu empresário!
PEDRO – Valeu, Ivo.
DÁCIO – Obrigada.
IVO – Então, sobre o que vocês conversavam?
DÁCIO – Sobre o futuro!
IVO – Todo mundo terminando o Ensino Médio, chegou a hora de pensar na vida adulta, não é mesmo!
ANDRÉA – E a minha é ficar em casa, imaginando como seria minha vida de famosa.
IVO – (ri) Olha, agora que eu virei empresário dos garotos, meus contatos aumentaram. Se quiser, posso te indicar para alguma gravadora, algum produtor.
ANDRÉA – (se anima) Você faria isso, Ivo?
IVO – Claro. (repara uma mesa o chamando) Só preciso que você me mande uma música sua, está bem. Licença, pessoal! (se afasta da mesa)
RAMON – E o Ivo ainda é um mal empresário, né Andréa?! (ri)
ANDRÉA – Não começa, Ramon. (levanta-se) Agora preciso ir. Preciso gravar uma música rápido. (saí apressada da mesa, saindo da lanchonete. Os garotos riem)
PEDRO – Essa Andréa é uma comédia, gente.
RAMON – E você acha que eu não sei?!

[CENA 04 – CASA DE MANUELA/ Q. DE MANUELA/ DIA]
(sozinha em seu quarto, Manuela está mexendo no computador e vendo algumas postagens dos seus colegas na festa da Alice ontem à noite. Ela ver Alice cantando no palco uma canção original e isso lhe dar uma ideia)
MANUELA – É isso! Eu preciso ter a minha canção. (levanta-se, pega seu caderno e vai direto para a cama. O abre e começa a pensar em alguns versos)

Alguns dias depois…

[CENA 05 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ PÁTIO/ DIA]
(Alan está praticando alguns passos de dança no meio do pátio. Alguns alunos estão ao redor dele, vendo sua apresentação. Ana se aproxima e o observa. Após alguns minutos de dança, ele encerra sua apresentação de frente para Ana, fica sério ao vê-la)
ANA – (sorri) Ótimos passos. Você quem criou?
ALAN – (sério) Sim! (se afasta dela, caminha até o banco logo atrás, pega sua mochila, coloca em seu ombro e caminha até o colégio. Os demais alunos se dispersam)
ANA – (o seguindo) Eu sei que as audições de dança serão mês vem.
ALAN – Agora você se importa com isso?!
ANA – Eu sempre me importei, Alan. Será que você poderia parar um pouco, pra gente conversar?
ALAN – (para de andar, fica de frente dela) O que você quer?
ANA – Como você estar? Tem um tempo que a gente não se fala. E a competição de dança está chegando, pensei que talvez você precisasse de ajuda com alguma coisa.
ALAN – Eu estou bem. Estou focado, tenho praticado todos os dias. Então não precisa se preocupar. (vira-se novamente para o colégio, caminha mais apressado dessa vez. Ana não o segue, o observa, triste)

[CENA 06 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ DIA]
(Larissa está ajudando Nathaniel a arrumar as mesas. Enquanto passava o pano, cantarolava uma música)
NATHANIEL – Tô reparando que alguém acordou bem feliz hoje, hein.
LARISSA – Acordei confiante com o programa de hoje.
NATHANIEL – Verdade. Estava nem lembrando. Aposto como você quem abrirá o programa hoje.
LARISSA – Não ligo se eu for a primeira ou a última. Só quero que chegue logo a minha vez. (caminha pelas mesas) Eu só quero cantar! (começa a cantarolar um pouco mais alto, Nathaniel a acompanha)

[CENA 07 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ REFEITÓRIO/ DIA]
(Manuela entra no refeitório junto com suas amigas, caminham até uma mesa, sentam-se)
MANUELA – Nunca pensei que fosse tão difícil compor uma música. Não sei como ela (Alice) consegue!
ÉSTER – É um saco admitir isso, mas aquela lá tem um talento para compor músicas.
THALITA – Ela já compôs duas músicas num dia só. E ambas em inglês.
MANUELA – Eu já estou sofrendo para compor uma única em português, nem imagino o trabalho de compor duas estrangeiras. (diz baixinho) Parece que nunca vou conseguir acompanhá-la.
ÉSTER – Por que não nos mostra o que você fez até agora. Talvez possamos te ajudar.
MANUELA – Eu não sei, meninas. Eu tenho vergonha.
ÉSTER – Qual é. Vergonha de que? Somos suas amigas ou não?
MANUELA – Quando vocês forem ver o programa hoje à noite lá em casa, eu mostro. Pode ser?
ÉSTER – Está bem.

[CENA 08 – LANCHONETE/ DIA]
(Ivo está arrumando uma mesa, quando recebe um email em seu celular. Coloca o pano em seu ombro, pega o celular do avental, ler o email)
IVO – Andréa me enviou o vídeo! Ótimo. Agora, encaminhar ele para um amigo. (encaminha o vídeo para um de seus amigos, guarda o celular, volta a arrumar a mesa)

[CENA 09 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ REFEITÓRIO/ DIA]
(Andréa e seu grupo estão sentados em uma das mesas do refeitório. Enquanto terminam seus lanches, ela fica na expectativa de um retorno de Ivo)
ANDRÉA – Será que ele não recebeu meu email?
RAMON – Talvez ele esteja atendendo alguém. Espera um pouco.
ANDRÉA – Acho que vou lá, depois daqui.
RAMON – Se aquieta, que as coisas não funcionam assim tão rápido. Quando o Ivo receber seu vídeo, ele vai enviar para alguns amigos, esses amigos irão analisar teu material e talvez um ou outro irá entrar em contato.
ANDRÉA – Uau, obrigado por dizer que sou uma péssima cantora. (Ramon e Pedro riem)
RAMON – Estou brincando com você. Mas é sério. Acho que vai demorar um tempinho, até você ter uma resposta.
ANDRÉA – Não tem problema. Depois da aula, eu vou mesmo assim até a lanchonete.
PEDRO – (repara em Caio calado) Tá calado hoje, Caio! Aconteceu alguma coisa?
CAIO – Minha mãe quer que eu assista uma audiência hoje.
ANDRÉA – Ih, deve ser chatas essas audiências.
CAIO – Até que não. Quer dizer, eu nunca participei de uma. Mas, minha mãe acha que eu vou aprender mais, presenciando na prática. (Pedro percebe que ele não está tão animado com isso, o sinal do fim do intervalo toca, os alunos levantam-se em direção as salas)

Daqui seis meses…

[CENA 10 – CASA DE ALICE/ Q. DE ALICE/ NOITE]
(Alice está em frente ao espelho, observando sua cadeira de roda. Olha para as suas pernas, se esforça para movê-las. O celular que estava em cima da cama, toca nesse momento. Ela empurra sua cadeira até lá, pega o celular, mas não reconhece o número)
ALICE – Estanho. Não conheço este número. Deve ser alguém querendo que eu faça algum show. (joga o celular na cama, volta a tentar mover suas pernas. O mesmo número liga novamente. Alice continua evitando, focada em suas pernas. Na terceira tentativa e chateada por não conseguir mover nada, Alice pega o celular e atende irritada) Alô! Quem fala? (ouve a voz de uma moça serena do outro lado da linha. Após se acalmar, fica surpresa com o convite que recebeu) Desculpa. Acho que não ouvi direito. Estão me convidando para participar de qual programa?!

[CENA 11 – APARTAMENTO DE ARTHUR (NOVA YORK)/ Q. DE PEDRO/ NOITE]
(Pedro está sentado na cama, falando com sua tia ao celular)
PEDRO – Amanhã possivelmente vou assinar a ficha de trancamento e acabou. Talvez semana que vem, eu volte para o Brasil.
PAULA (por telefone) – Ah mas essa tal reitora tá precisando de uma conversa. Você não vai fazer nada, querido. Eu vou pegar o primeiro avião para Nova York, e eu mesma irei resolver isso.
PEDRO – (sorri) Não é necessário, tia. O que está feito, tá feito. Vou falar com o pessoal aqui. Me despedir deles e voltar para casa.
PAULA (por telefone) – Oh, querido. Sua voz me parece tão tristinha. Se você quiser, eu posso ir aí e conversar com essa tal Elizabeth.
PEDRO – Não precisa, de verdade. Bem, tenho que desligar agora. Boa noite, tia. Também te amo. Tchau. (desliga, mexe no celular, quando recebe uma mensagem de Caio)
CAIO (por mensagem) – “Boa noite, Pedro. Imagino que você esteja em casa agora. Então, queria compartilhar com você uma notícia. Amanhã vou participar da primeira fase do concurso de desenho. Queria que você fosse o primeiro a saber disso. Afinal, se não fosse por sua ajuda, talvez este momento nem estaria acontecendo agora. E eu estaria ainda rumo a carreira de advogado. Sou grato a você meu amigo. Estou indo atrás do meu sonho. Espero que você também esteja feliz atrás do seu em Nova York. Me deseje sorte!”
PEDRO – (sorri ao término da mensagem) Boa sorte, amigo! (digita uma resposta e envia. Levanta da cama, caminha até a parede a sua frente e observa o desenho que Caio fez antes dele vim para Nova York. Recebe uma chamada de vídeo de Ramon) Que é isso? (atende) Tudo bem, Ramon?! (volta para a cama)
RAMON – Ainda bem que você atendeu rápido, cara. Estou bem sim. Muitos shows e viagens pelo país, graças a Deus. E você? Fazendo muito sucesso aí em Nova York?
PEDRO – Mais ou menos. (repara ele ansioso do outro lado) É impressão minha ou você quer me contar alguma coisa?
RAMON – (sorri) Tenho um convite irrecusável para você! (Pedro o observa, curioso)

Contínua no capítulo 27…

POSTADO POR

Anderson Silva

Anderson Silva

Um carinha qualquer apaixonado por música e contador de histórias. Atualmente é autor de A Nossa Canção.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo