Capítulo 39 | Bola de Demolição – Minha Canção

[CENA 01 – EMPRESA DE FELIPE/ SALA DA PRESIDÊNCIA/ DIA]
(Felipe continua olhando para Pedro, que desvia a atenção para outra coisa)
FELIPE – Acontecendo alguma coisa?
PEDRO – Como é trabalhar aqui? (Felipe não esperava por essa pergunta) Tipo, como é ser o dono de um império desse?
FELIPE – (solta um leve sorriso) Bem, essa empresa acabou fazendo parte da minha vida. Ela era do meu avô, passou para o meu pai, agora é minha…
PEDRO – Você gosta daqui?
FELIPE – Embora vez ou outra apareçam problemas que te tiram do sério, aqui é onde eu me livro de todos os problemas lá fora. (os dois ficam em silêncio, Pedro observa com detalhe a sala) Mas porque essa curiosidade toda?
PEDRO – Talvez eu precise começar a escolher os meus próprios caminhos.
FELIPE – Essa empresa passou em tantas gerações, creio que ela aguenta passar por mais uma.
PEDRO – Não, não… Eu não pretendo isso… só estou curioso mesmo.
FELIPE – Não precisa se preocupar. Diferente de mim, você tem o livre arbítrio para escolher o que quiser. Sem contar, que eu já te vi cantando. E você leva muito jeito para isso.
PEDRO – A música também não é pra mim.
FELIPE – Como não? Você estava mandando bem na banda com seus amigos. Pena que saiu.
PEDRO – Eu não tinha cabeça para ficar com o pessoal. E também não pretendo falar nisso. (os dois voltam a ficar em silêncio por alguns segundos)
FELIPE – E o que você gosta? Tipo… essa é a primeira conversa que estamos tendo depois que descobrimos a verdade.
PEDRO – Precisarei de mais um tempo para poder te chamar de,,,
FELIPE – Sem problema. Bem, quer conhecer a empresa melhor?
PEDRO – Você deve está cheio de trabalho, não quero incomodar.
FELIPE – Você não incomoda, Pedro. (levanta-se) Vem, vou te apresentar a empresa. Quem sabe depois que você conhece-la melhor, você decida que rumo seguir. (Pedro não diz mais nada, sorri de leve, levanta e acompanha Felipe)

[CENA 02 – COLÉGIO ESTADUAL OLIVEIRA SANTOS/ PÁTIO/ DIA]
(Ana e Alan estão conversando sozinhos em um banco, os demais estão um pouco mais na frente se divertindo)
ALAN – (repara que Ana está preocupada) O que foi, Ana? Percebi que durante a música, mesmo te puxando para dançar, você não estava tão animada.
ANA – Só estou incomodada com uma coisa, não é nada.
ALAN – O que é? Divide o que você está sentindo comigo.
ANA – Bem que eu gostaria. Mas, não posso Alan. Vamos mudar de assunto, por favor. Te chamei para podermos conversar sobre o curso de dança. Fez sua inscrição.
ALAN – Fiz. Estou aguardando em encaminharem a data e o local para fazer o teste.
ANA – Sabe que se precisar de local para ensaiar, minha casa está a disposição.
ALAN – Eu sei. (se aproxima dela) Certeza que não quer me contar o que está te incomodando?
ANA – Não é nada demais, não se preocupa. (solta um leve sorriso, que tranquiliza Alan)

Mais Tarde…

[CENA 03 – CASA DE PEDRO/ SALA/ TARDE]
(Pedro chega em casa, o que tranquiliza Paula que estava na sala andando de um lado para o outro)
PAULA – Onde você estava, Pedro? Tenho ligado para o seu celular e só tem caído na caixa postal.
PEDRO – Desculpa. É que a bateria do meu celular descarregou.
PAULA – E onde você estava?
PEDRO – Fui visitar a empresa do Felipe.
PAULA – O que você foi fazer lá?
PEDRO – Fui conhecer onde ele trabalha, o que ele faz. Enfim…
PAULA – Gostou?
PEDRO – Não muito. Na verdade, eu esperava criar alguma relação se eu conhecesse o trabalho dele, mas não me conectei com essa vida.
PAULA – Então você está indo atrás de um sonho?
PEDRO – Estou. Bem, vou para o meu quarto tomar um banho. (sobe para o quarto, Paula caminha até o sofá, senta-se e sorri)

[CENA 04 – CASA DE ALICE/ SALA – ESTÚDIO/ TARDE]
(Felipe chega em casa, e encontra seu irmão vendo TV)
PAULO – Chegou cedo!
FELIPE – Sim. Irei fazer uma viagem de negócios hoje a noite, preciso tomar banho, pegar alguns papeis, enfim.
PAULO – E essa cara de felicidade?! Você realmente irá fazer uma viagem de negócios ou será uma viagem de prazer? Porque se for a ultima, você não é mais casado para ficar inventando desculpas.
FELIPE – (sorri, senta-se no outro sofá) Não, não é isso. Realmente será uma viagem para negócios. Estou feliz porque o Pedro foi visitar a empresa hoje.
PAULO – (desliga a TV, foca em Felipe) Sério?
FELIPE – Sério. Ele foi lá conhecer meu trabalho, eu apresentei a empresa, e ele me pareceu bem interessado.
PAULO – Será que ele vai querer seguir a carreira do pai?!
FELIPE – Não sei. Eu ficarei feliz, em preparar meu filho para ficar no meu lugar.
PAULO – Nossa, você falou igual o papai agora.
FELIPE – Porém o papai não diria isto: Pedro tem o livre arbítrio que escolher o que ele quiser.
PAULO – E o que te fez pensar que ele quer trabalhar assim na empresa?
FELIPE – Não tenho total certeza de que ele realmente quer isso, mesmo assim, fiquei feliz ao vê-lo interessado. (levanta-se) E a Alice?
PAULO – No quarto. Não, ela disse que iria ensaiar algumas músicas no estúdio.
FELIPE – Eu vou lá falar com ela, antes deu ir.
PAULO – Ela realmente quer falar com você. Acho que é sobre a transferência de escola.
FELIPE – Estou indo lá. (Felipe pega sua pasta e sobe para o estúdio. Ao entrar nele, Alice estava na sala de som, preparando-se para cantar)

[CENA DE MÚSICA – WRECKING BALL (MILEY CYRUS)]

We clawed 1
We chained our hearts in vain
We jumped never asking why
We kissed, I fell under your spell
A love no one could deny

Don’t you ever say I just walked away
I will always want you
I can’t live a lie
Running for my life
I will always want you

I came in like a wrecking ball 2
I never hit so hard in love
All I wanted was to break your walls
All you ever did was wreck me
Yeah, you, you wreck me

I put you high up in the sky
And now you’re not coming down
It slowly turned, you let me burn
And now we’re ashes on the ground

Don’t you ever say I just walked away
I will always want you
I can’t live a lie
Running for my life
I will always want you

I came in like a wrecking ball 3
I never hit so hard in love
All I wanted was to break your walls
All you ever did was wreck me

I came in like a wrecking ball
Yeah, I just closed my eyes and swung
Left me crashing in a blazing fall
All you ever did was wreck me
Yeah, you, you wreck me

I never meant to start a war 4
I just wanted you to let me in
And instead of using force
I guess I should’ve let you win

I never meant to start a war
I just wanted you to let me in
I guess I should’ve let you win

Don’t you ever say I just walked away
I will always want you

I came in like a wrecking ball 5
I never hit so hard in love
All I wanted was to break your walls
All you ever did was wreck me

I came in like a wrecking ball
Yeah, I just closed my eyes and swung
Left me crashing in a blazing fall
All you ever did was wreck me
Yeah, you, you wreck me
Yeah, you, you wreck me

1. Felipe entra no estúdio, e observa sua filha. Ela ainda não o percebeu.
2. Felipe senta-se a mesa em frente ao painel de som, Alice o percebe.
3. Alice começa a cantar focando-se em seu pai, ele a observa e solta um leve sorriso.
4. Alice foca-se para o espelho que divide as salas, não olhando mais para Felipe.
5. Felipe faz alguns ajustes no som. Alice volta a focar no pai. Ela encerra a música, sai da sala e fica de frente para Felipe, que havia levantado.

FELIPE – (em pé, batendo palmas) Parabéns, filha.
ALICE – Obrigada, pai.
FELIPE – O seu tio disse que você gostaria de falar comigo?
ALICE – Sim. Quero ver com o senhor duas coisas. A primeira é sobre a minha transferência.
FELIPE – Eu já solicitei ela. Preciso apenas que você me confirme qual colégio você quer ir.
ALICE – Pode ser qualquer um, o que o senhor escolher para mim tá bom.
FELIPE – Está bem. Irei fazer uma viagem agora, mas assim que eu retornar, irei resolver isso.
ALICE – O senhor vai viajar para onde?
FELIPE – Será uma viagem a negócios, filha. Serão apenas dois dias, logo eu estarei de volta.
ALICE – Ah.
FELIPE – E qual seria a segunda coisa que você quer ver comigo?
ALICE – A segunda coisa é sobre minha turnê pelo o país. Meus últimos shows na cidade serão nesse final de semana, e a partir da semana que vem começarei a viajar pelo os estados.
FELIPE – Nesse caso, terei que verificar sua a agenda na nova escola. Não quero que você perda aula, devido seus shows.
ALICE – Serão viagens curtas, pai. O senhor mesmo que criou a agenda junto com meu empresário, justamente para não me atrapalhar nas aulas.
FELIPE – Mesmo assim, pretendo saber se as datas destes shows não irão entrar em conflito com sua nova escola.
ALICE – E quando o senhor vai poder ver isso?
FELIPE – Quando eu chegar.
ALICE – Mas vai ficar bem próximo da viagem para outro estado!
FELIPE – Não se preocupa, que vou conseguir resolver isso com calma, filha. Agora, preciso tomar banho que tenho que estar no aeroporto em algumas horas. (caminha até sua filha, beija a testa dela) Talvez eu não passe aqui novamente, então até breve, filha.
ALICE – Até, pai. Faça uma boa viagem.
FELIPE – Obrigado. Tenha bons shows. (sai do estúdio, Alice senta-se em frente ao painel, pensativo)

Anoitecendo…

[CENA 05 – CASA DELLE ROSE/ Q. DE LARISSA/ NOITE]
(Larissa está sentada na cama, vendo o vídeo que Nathaniel e ela gravaram para a inscrição do programa, sorri)
NATHANIEL – (entrando no quarto) Gostou mesmo do vídeo, hein?!
LARISSA – Eu adorei o resultado final, Nathan. Realmente você leva jeito para isso.
NATHANIEL – Que é isso. A intenção é fazer o pessoal que vai analisar gostar também, e você entrar para o programa. Você vai entrar, eu tenho certeza.
LARISSA – Conseguiu anexar o arquivo?
NATHANIEL – Consegui. Agora só aguardar a produção entrar em contato.
LARISSSA – Estou tão ansiosa já.
NATHANIEL – Relaxa que vai dá tudo certo. Agora vamos, vim te chamar para abrir a casa.
LARISSA – (guarda o celular, levanta-se e caminha até o espelho) Como estou?
NATHANIEL – Linda, como sempre. (Larissa vira-se para Nathaniel, sorri)
LARISSA – Então vamos. (segura na mão dele, e saem do quarto)

[CENA 06 – CASA DE CAIO/ COZINHA/ NOITE]
(Caio está na cozinha jantando com sua família, em silêncio. Cláudio e Camila se entreolham preocupados)
CLÁUDIO – Tudo bem, filho?
CAIO – Que?
CAMILA – É que você está comendo aí tão quentinho. Está acontecendo alguma coisa?
CAIO – Não, não é nada. Só estou pensando em um trabalho para fazer ali, só isso.
CLÁUDIO – Se estiver precisando de ajuda, é só me chamar filho.
CAIO – Não é tão difícil assim, consigo resolver sozinho. (ambos voltam a ficar em silêncio, Cláudio e Camila se entreolham)
CAMILA – E como está indo na escola? Ficou amigo do Pedro já?
CAIO – Eu quase não vejo esse Pedro aí. Praticamente ele fica com o grupinho da turma dele.
CAMILA – Pena. Pensei que vocês fossem ficar amigos estudando no mesmo colégio.
CAIO – Mãe, o convívio adolescente é os grupinhos que são formados. Ele tem o dele, e não faço parte.
CLÁUDIO – E seu grupo? Se os adolescente convivem em grupo, certamente você está inserido em algum!
CAIO – (demora para responder) Estou. Mas, não tenho tantos amigos assim.
CLÁUDIO – As aulas começaram agora, filho. Logo você terá vários. Duvido até alguns estarão vindo aqui fazer trabalhos.
CAMILA – Cuidado apenas com os amigos que você faz, filho. Olhe lá quem você irá chamar para vim aqui em casa. Hoje, muito dizem ser amigo, só para fazer coisa errada.
CAIO – Eu se me cuidar, mãe. Não precisa ficar me tratando como alguém incapaz de ao menos escolher os próprios amigos. (levanta-se) Estou indo fazer meu trabalho. (sai da cozinha)
CAMILA – Ué, o que será que deu nele?
CLÁUDIO – Deixa o garoto viver, amor. Está na hora dele começar a tomar as próprias decisões dele.
CAMILA – Mas eu não falei nada demais. Disse apenas para ele ter cuidado com as amizades que ele escolhe, só isso.

Amanhecendo…

[CENA 07 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(Ramon e o pessoal estão no palco, organizando os equipamentos para o ensaio. Ivo está no balcão, Rita está ao lado dele limpando)
RITA – (olha para os garotos) Seus garotos irão ganhar semana que vem?
IVO – Tendo eu como empresário, sem dúvida que sim.
RITA – Confiante demais, não acha!
IVO – Temos que ser. Se não, vamos para onde sem a nossa confiança?!
RITA – E o outro garota lá, o tal de Pedro?
IVO – Ele não soube mais. Acho que vou perguntar para os garotos daqui a pouco como ele está. Depois do que aconteceu, creio que ele ainda esteja se recuperando.
RITA – E o que aconteceu com ele?
IVO – Ele acabou descobrindo que estava apaixonado pela a própria irmã.
RITA – (surpresa) Uau, sério?
IVO – Sim. E você não acreditar quem é.
RITA – Quem é?
IVO – A Alice!
RITA – A Alice?! A Alice que ganhou aquele outro programa de música? A filha do Felipe?
IVO – Ela mesma.
RITA – Ué, mas… como assim os dois são irmãos? Pelo que eu saiba Felipe só teve um filho.
IVO – Eu não sei muito bem a história, mas tudo indica que é verdade. Os dois realmente são irmãos.
RITA – Nossa. Estou chocada.
IVO – Se você ficou assim, imagina esses garotos. (sai do balcão, em direção ao palco)

[CENA 08 – CASA DE PEDRO/ SALA/ DIA]
(Pedro vem descendo as escadas apressado, Paula estava varrendo a casa e o ver animado)
PAULA – Vai sair novamente?
PEDRO – Sim. Estou indo atrás dos meus sonhos.
PAULA – Olha, posso sabe onde esses seus sonhos estão?
PEDRO – Logo, agora tenho que ir. (sai de casa animado, Paula o observa indo, sorri)

[CENA 09 – CASA DE ALICE/ SALA/ DIA]
(Alice vem descendo as escadas apressada)
PAULO – (vindo da cozinha) Bom dia, Alice. Vai sair?
ALICE – Bom dia, tio. Vou ao shopping, comprar algumas roupas para o show de hoje à noite.
PAULO – Tão cedo assim?!
ALICE – Sim. Vou visitar várias lojas, ou seja, não irei comprar poucas coisas.
PAULO – Ok. Quer companhia?
ALICE – Não tio, obrigado. Tenho que ir agora. (sai da sala, Paulo a observa)
PAULO – Tchau, então!

[CENA 10 – CASA DE CAIO/ SALA/ DIA]
(Caio entra na sala apressado, sai de casa. Cláudio que estava na cozinha, ouve a porta bater apenas, mas não ver o filho saindo)
CLÁUDIO – Caio? (caminha um pouco pela sala, retorna para cozinha em seguida)

[CENA 11 – CASA DE MANUELA/ SALA/ DIA]
(Marcelo está sentado no sofá, preparando seu equipamento para o ensaio com Manuela. Ela está ao lado dele o observando)
MARCELO – (repara em Manuela) Tem alguma coisa no meu rosto?
MANUELA – Não, nada. Por que teria?!
MARCELO – Sei lá. Você não para de olhar para mim.
MANUELA – Estou te admirando apenas.
MARCELO – (ri) Me admirando?! (os dois voltam a ficar em silêncio. Marcelo foca-se em seu notebook, Manuela continua olhando para ele) Estou começando a ficar… (antes de encerrar a frase, Manuela o surpreende e o beija)

Continua no Capítulo 40…

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr
Rolar para o topo