Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Capítulo 52 | Comportamento Geral – A Nossa Canção

Daqui seis meses…

[CENA 01 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ AUDITÓRIA/ NOITE]
(Elizabeth está fazendo suspense para revelar quem fica com a primeira bolsa. Os quatros candidatos estão com os dedos cruzados, cada um torcendo por si)
ELIZABETH – Well… enough of the suspense, isn’t it. Welcome Saimon Rodrigues! (Saimon salta da poltrona de euforia, uma garota que estava ao seu lado o abraça. Todos que estão no auditório o parabeniza) Congratulations, Saimon. Welcome to our community! We are waiting for you! (todos ficam de pé, batem palmas. Pedro repara ao fundo a cara de decepção de Dylan, por mais uma vez não ter conseguido)

[CENA 02 – CASA DE ALICE/ JARDIM/ DIA]
(após cantarem, Alice e Manuela decidiram comer alguma coisa no jardim. As duas estão conversando, como se fossem amigas desde infância)
MANUELA – Está sendo difícil estudar com aquelas três. Principalmente com a Thalita, você sabe como ela é.
ALICE – (ri) É… eu sei, ainda não acredito que ela conseguiu terminar o Ensino Médio.
MANUELA – Conseguiu. Fiquei no pé dela o terceiro ano inteiro.
ALICE – Que bom. (fica pensativa) Sinto falta delas. (abaixa a cabeça) Se eu não fosse tão orgulhosa, talvez ainda fosse amiga delas.
MANUELA – Ainda dá tempo. Elas nunca pararam de falar de você, na verdade. Acompanhavam seus stories direto, sua agenda de shows… você meio que ainda continuava sendo a referência para elas.
ALICE – (sorri) Ah, aquelas meninas…
MANUELA – Quer que eu chame elas aqui? (pega o celular)
ALICE – Não, hoje não. Eu preciso de um momento só com elas, que não será hoje.
MANUELA – Tudo bem. (guarda o celular)
ALICE – Na verdade, a minha conversa hoje é com você. Eu tenho uma proposta para te fazer, Manu. E eu gostaria que você pensasse com carinho, antes de me dar uma resposta. (Manuela a observa, curiosa)

[CENA 03 – UNIVERSIDADE DE MÚSICA (NOVA YORK)/ CORREDOR/ DIA]
(após ser divulgado o resultado, a primeira seleção de calouros acabou. A segunda será hoje à noite com mais quatros participantes diferentes. Todos estão saindo do auditório, Dylan saí de cabeça baixa, Pedro vem correndo logo atrás dele)
PEDRO – Dylan! Dylan, please wait…
DYLAN – (para de andar, o espera) Pedro?
PEDRO – Hi. I’m sorry you didn’t make it.
DYLAN – It’s all right. I wasn’t even convinced that I was going to make it.
PEDRO – What is it… don’t give up, okay. You can try the next semester.
DYLAN – No, I will not try again.
PEDRO – How not? Isn’t that your dream?
DYLAN – Yes, but that was my third attempt, Pedro. Ever if I try again next semester, I know I will not be able to enter.
PEDRO – Which is? Don’t think like that, you just have to dedicate yourself a little more, do the best you can.
DYLAN – I really appreciate what you’re trying to do for me. You seem like a nice guy, but I don’t belong to this group. Thanks for everything. I really enjoyed singing in that room, for having said that opportunity. But the time has come to pursue other dreams.
PEDRO – (decepcionado) What a pity… anyway, it was nice to meet you! (aperta a mão dele) Good luck and may you achieve your dreams.
DYLAN – Thank you (Pedro o puxa para perto e o abraça, Arthur que está com Elisa e Maya logo atrás, observa aquele momento dos dois, com uma cara emburrada)

Agora…

[CENA 04 – CASA DE PEDRO/ COZINHA/ DIA]
(Carol e Pedro entram na cozinha de mãos dadas, para surpresa de Vanda e Paula)
PAULA – Oi! Bom dia.
PEDRO – Bom dia, tia.
CAROL – Bom dia.
VANDA – Vocês querem nos contar algo? (sorri)
PEDRO – Acho que não… (olha para as mãos dadas, em seguida para Carol) Você tem algo a dizer?
CAROL – Não.
PAULA – Pra gente aqui, tá mais que óbvio o que está acontecendo.
PEDRO – (a sua tia) Nós não vamos tomar café com vocês.
PAULA – Não?
PEDRO – Como hoje é Sábado, planejamos uma rotina diferente.
VANDA – Diferente é?
CAROL – Na verdade o Pedro que planejou, mamãe. Ele acabou de cantar uma música pra mim lá em cima, então não sei o que vem por aí.
PAULA – Que sobrinho romântico que eu tenho.
PEDRO – Não foi nada demais…
CAROL – Se cantar de Janeiro a Janeiro para alguém não é nada demais, eu não sei o que é.
VANDA – E aonde vocês vão?
PEDRO – (a Carol) Tenho um roteiro pronto de alguns lugares que desejo levá-la, mas é surpresa.
VANDA – Se cuidem, hein! Principalmente se forem fazer aquilo.
CAROL – (envergonha-se) Mamãe!
PAULA – A Vanda tem razão. Tá levando camisinha, Pedro? Não sei se você sabe, mas precisou de uma única noite para você e sua irmã serem feito lá em cima daquele quarto.
PEDRO – (ri) Não preciso saber disso, tia.
PAULA – É, mas é bom ficar sabendo. Não que eu esteja reclamando, graças a aquela noite maluca, hoje temos você e sua irmã. Mesmo assim, um bebê é coisa séria. Então, previnam-se os dois!
PEDRO – Ok… a gente vai indo. (puxa Carol da cozinha, ainda de mãos dadas)
PAULA – Escutem o que estou dizendo, hein. Se não tiverem camisinha, passem na farmácia antes e comprem, ouviram? (os dois já haviam saído de casa, Vanda ri de Paula)

[CENA 05 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(Daniel puxa sua mão, pega o cardápio, tenta disfarçar o clima que surgiu ali)
DANIEL – Então… você vai querer pedir alguma coisa?
AMANDA – Vou, mas antes quero que você ouça as músicas que eu salvei. (entrega o celular com o fone de ouvido para ele)
DANIEL – (coloca os fones) 8 músicas?
AMANDA – É… você não sabe como foi difícil escolher apenas estás. Eu tentei limitar somente a estas, pra não ficar uma lista muito longa.
DANIEL – Algumas eu conheço só pelo o título. (ri, entrega o cardápio para ela) Que tal, enquanto eu ouço as músicas aqui, você não faz o pedido pra gente.
AMANDA – (sorri) Claro! (pega o cardápio, o observa por alguns segundos, continua sorrindo que nem boba)

[CENA 06 – GRAVADORA DO JÚLIO/ ESCRITÓRIO/ DIA]
(Júlio pega o contrato, o observa sério)
LARISSA – Estou livre de você. As músicas que eu compor agora serão minhas, e você não tem mais nenhum direito sobre elas.
JÚLIO – Suas músicas nem eram tão boas assim, garota.
LARISSA – Não eram, mas bem que você conseguiu um bom dinheiro, não é mesmo?
JÚLIO – (rasga o contrato) Se era só isso, podem ir embora.
LARISSA – Ah… a gente vai com certeza. Finalmente, estarei totalmente livre de você e o que eu mais quero é nunca mais olhar para a sua cara! (vira-se para ir embora com Nathaniel, lembra-se de mais uma coisa) Ia me esquecendo. Não sei se você anda acompanhando o programa Sua Canção, acredito que sim, mas eu queria agradecer por você ter contado para todo mundo sobre o meu trabalho. De verdade, muito obrigada! Recebi algumas críticas no início? Recebi. Mas hoje, praticamente todos me adoram.
JÚLIO – (furioso, mas se contém) Que bom pra você. Agora alguém precisa trabalhar aqui! (foca em seu computador)
LARISSA – É tão prazeroso ver você com está cara! (sorri, vira-se para ir embora) Até nunca mais! (saem do escritório, sozinho Júlio coloca sua fúria para fora, joga tudo que está em cima da mesa no chão, empurra sua cadeira para o trás, enfurecido)

[CENA 07 – CASA DE CAIO/ Q. DE CAIO/ DIA]
(Caio passa a mão em seu rosto, no lugar que recebeu o tapa de sua mãe)
CAIO – O que está acontecendo com a senhora? Por que desde que eu toquei no nome da vovó, a senhora tem ficado assim?
CAMILA – (repara que exagerou, se aproxima do filho, examina o rosto dele) Desculpa, filho… eu não queria fazer isso. Está doendo?
CAIO – Não, não muito. Só fiquei surpreso com essa reação da senhora. (se afasta, indo para o outro lado da cama)
CAMILA – (senta-se na cama) Tem uma parte do meu passado, do qual eu gostaria de esquecer pra sempre. Uma parte, que infelizmente minha mãe está nele.
CAIO – E o que foi que houve de tão grave assim entre vocês?
CAMILA – (de cabeça baixa) Não posso te contar, filho. E nem quero te contar. (levanta-se, caminha até ele) Quero que você me prometa que não vai mais atrás dessa história, por favor.
CAIO – Eu só queria entender o que aconteceu entre vocês. Mas, se lembrar do passado deixa a senhora assim, não continuarei com isso.
CAMILA – Obrigada. (o abraça, caminha até a porta em seguida) Estarei te esperando lá fora! (saí do quarto de cabeça baixa, Caio percebe que sua mãe estava chorando. Ele caminha até a cama, senta-se, passa a mão em seu rosto, pensativo)

Anoitecendo…

[CENA 08 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(como todas as noites, o cabaré está animado, aparentemente o número de clientes está maior, e várias garotas estão se divertindo e dançando no salão e no palco. Salete está cumprimentando alguns clientes, Nathaniel está no bar)
GASPAR – (senta-se em um dos bancos, observa o amigo) A casa está movimentada hoje, hein.
NATHANIEL – (sorri) Sempre meu amigo! É já que eu falo com você. (entrega algumas bebidas para alguns clientes)
GASPAR – Tranquilo! (vira-se para o salão, repara nas garotas se divertindo com alguns clientes, sorri. Segundos depois, Nathaniel se aproxima dele)
NATHANIEL – O que faz aqui?
GASPAR – (vira-se para o bar) A minha vida como humano tava muito chata, então vim visitar meu amigo.
NATHANIEL – Poxa, valeu… mas hoje a movimentação aqui realmente está muito grande. Talvez não consiga te dar tanta atenção assim.
GASPAR – Não precisa se preocupar comigo. (vira-se para o salão) Eu fico por aqui, observando a movimentação.
NATHANIEL – Tudo bem. Se precisar de alguma coisa para beber ou comer, só falar. (vai atender um cliente, Gaspar volta a observar o salão. Segundos depois, Larissa sobe até o palco, se posiciona no centro e uma música começa a tocar)

[CENA DE MÚSICA – COMPORTAMENTO GERAL (GONZAGUINHA versão ELZA SOARES)]

Você deve notar que não tem mais tutu 1
e dizer que não está preocupado
Você deve lutar pela xepa da feira
e dizer que está recompensado
Você deve estampar sempre um ar de alegria
e dizer: tudo tem melhorado
Você deve rezar pelo bem do patrão
e esquecer que está desempregado

Você merece, você merece 2
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você deve aprender a baixar a cabeça 3
E dizer sempre: “Muito obrigado”
São palavras que ainda te deixam dizer
Por ser homem bem disciplinado
Deve pois só fazer pelo bem da Nação
Tudo aquilo que for ordenado
Pra ganhar um Fuscão no juízo final
E diploma de bem comportado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece 4
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal

E um Fuscão no juízo final
Você merece, você merece

E diploma de bem comportado
Você merece, você merece

Esqueça que está desempregado
Você merece, você merece

Tudo vai bem, tudo legal

1. Larissa está no centro do palco, começa a cantar e a atrair a atenção dos clientes. Algumas meninas estão logo atrás dela, dançam em um ritmo lento e provocante.
2. Gaspar presta atenção no palco, enquanto Nathaniel atendia alguns clientes. Segundos depois, Ione entra no salão, repara em Gaspar no bar e se interessa por ele.
3. Larissa caminha pelo o palco, se junta com as garotas que estão dançando. Alguns clientes no salão estão em pé com suas garotas, dançam. Ione senta-se ao lado de Gaspar, os dois trocam olhares, em seguida prestam atenção no palco.
4. Larissa volta para sua posição inicial, dança sozinha e encerra a música. É aplaudida por alguns, ela agradece e saí do palco, indo em direção a um cliente que não tirou os olhos dela durante a apresentação. Gaspar e Ione viram-se para o bar, trocam olhares novamente.

[CENA 09 – CASA DE DÁCIO/ Q. DE DÁCIO/ NOITE]
(Dácio está deitado em sua cama, olhando para o teto e pensando em Daniel)
HORÁCIO – (bate na porta, entra no quarto) Filho? Estudando?
DÁCIO – (volta a realidade, senta-se) Não, pai… estava aqui relaxando apenas.
HORÁCIO – Pensei que estivesse dando uma revisada no conteúdo para a prova de amanhã. (senta-se na cama)
DÁCIO – Não… eu decidi relaxar nesse dia pré-vestibular. Quero fazer a prova amanhã com a mente descansada.
HORÁCIO – E por que não aproveitou e saiu com o Daniel?
DÁCIO – Ele está ocupado com o programa de música. Não quis incomodá-lo, então achei melhor ficar em casa mesmo.
HORÁCIO – É, sua tia me contou que você não saiu do quarto. (percebe o filho cabisbaixo) Eu estava pensando em sair com sua mãe hoje, mas ela disse que o cabaré tá animado mais do que o normal, então decidimos deixar para um outro dia. (levanta-se) Então… para passarmos o sábado à noite, pensei que poderíamos assistir alguma série.
DÁCIO – O senhor querendo assistir série? Que milagre é esse? (ri)
HORÁCIO – Isso é resultado de voltar a conviver com sua mãe. (ri) Mas se quiser, podemos assistir outra coisa, um filme quem sabe. Eu só quero passar um tempo com meu filho.
DÁCIO – (sorri, levanta-se) Só se eu escolher o filme.
HORÁCIO – A Tv é toda sua, eu mesmo não sei mexer direito nela. (coloca o braço ao redor do pescoço do filho, saem do quarto juntos)

[CENA 10 – CASA DELLE ROSE/ SALÃO/ NOITE]
(Ione continua ao lado de Gaspar, os dois estão conversando. Nathaniel atende alguns clientes, em seguida caminha até eles)
GASPAR – (percebe o amigo cansado) Algum evento especial para a casa está cheia assim?
NATHANIEL – Não, nenhum. Simplesmente os finais de semanas são mais movimentados mesmo.
IONE – Você precisava ver quando o Nathan trouxe um musical como entretenimento para a casa, todas as noites eram lotadas.
NATHANIEL – Também não exagera, né Ione.
IONE – (a Gaspar) E você… vai ficar a noite inteira aqui, sentado nesse banquinho?
GASPAR – (ri) Acredito que sim. Na verdade, vou embora daqui a pouco. Está ficando tarde já.
IONE – (se aproxima dele, provocante) Sim… mas amanhã é Domingo, então ao menos que você tenha algo super urgente para resolver em pleno Domingo, você não irá sair daqui sem ter uma dança comigo.
GASPAR – (olha para Nathaniel, que o incentiva a se divertir) Tudo bem. (levanta-se) Vou logo avisando que eu nunca dancei.
IONE – (segura na mão dele) Relaxa que eu sou uma excelente professora! (o puxa para o salão, os dois começam a dançar. Nathaniel volta atender alguns clientes)

Amanhecendo…

[CENA 11 – CASA DE PEDRO/ SALA – RUA/ DIA]
(Carol está na sala, verificando se pegou o material necessário para a prova. Verifica seu lanche em um saquinho plástico)
VANDA – Pegou a identidade, filha?
CAROL – (verifica o bolso de trás da calça) Sim, mãe. Está aqui.
VANDA – Ótimo. Assim que você chegar, me manda uma mensagem está bem.
CAROL – Tá, pode deixar.
VANDA – Boa sorte, querida!
PAULA – Boa sorte, Carol.
CAROL – Obrigada. (olha para a Pedro, em seguida caminha até a porta)
PEDRO – (seguindo-a) Eu vou com você até o ponto de ônibus. (os dois saem de casa)
[RUA]
PEDRO – Dessa vez não vou poder te acompanhar até o colégio.
CAROL – Pois, é. Me colocaram praticamente no outro lado da cidade. (ri)
PEDRO – De qualquer forma, faça uma boa prova. (para de andar, segura a mão dela e a beija brevemente) Isso é para te desejar boa sorte. (Carol sorri, os dois voltam a caminhar até o ponto de ônibus)

[CENA 12 – LANCHONETE DO IVO/ DIA]
(Amanda e Daniel marcaram um outro encontro na lanchonete, os dois estão sentados em uma mesa, próximo ao palco)
AMANDA – Essa lanchonete já se tornou um dos meus lugares favoritos! (sorri)
DANIEL – Pois, é! Também gosto de vim pra cá.
AMANDA – (aproxima sua cadeira da dele, Daniel estranha) Ainda bem que escolhermos a música já, né.
DANIEL – (recua um pouco) É… você quer ensaiar agora? (faz sinal de que vai se levantar, Amanda segura o braço dele, o impede)
AMANDA – Só um momento. Antes, eu queria te dizer uma coisa.
DANIEL – O que? (Amanda o observa)
AMANDA – (se aproxima) Eu queria te dizer que… desde que a gente se esbarrou naquele dia no programa, eu não parei de pensar em você, Dan!
DANIEL – (desvia sua atenção para a mesa) Acho melhor não falarmos disso. Eu tenho um alguém e … (antes que finalizasse a frase, Amanda o surpreende e o beija)

[CENA 13 – CASA DE CAIO/ SALA/ NOITE]
(Caio está deitado no sofá, assiste algumas vídeos aulas pelo o celular, acha aquele conteúdo muito chato. Alguém toca a campainha, ele pausa o vídeo, senta-se e campainha toca novamente)
CAIO – Já vai! (levanta-se, coloca o celular ao lado e caminha até a porta, a abre) Vovó?
VERÔNICA – (sorri) Olá, querido! (o abraça, beijando-o no rosto) Seus pais estão em casa? (Caio olha para a sua avó, surpreso com a visita dela ali)

Continua no capítulo 53…

POSTADO POR

Anderson Silva

Anderson Silva

Um carinha qualquer apaixonado por música e contador de histórias. Atualmente é autor de A Nossa Canção.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo