Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Cyber Backstage – Programa 67

Olá, leitor(a)! Animado(a) pro Backstage de hoje?

Vamos recordar uma das minisséries de maior sucesso da Cyber TV até hoje. Vamos supor que você seja um(a) policial e tivesse que desvendar crimes de um assassino já falecido através dos sonhos, sob o risco de uma psicóloga taxar você como louco(a), estressado(a) e traumatizado(a)? Esse foi o mote da história eleita para o Cyber Retrô de hoje. Vem comigo!

 


O Assassino dos Meus Sonhos foi escrita pelo então estreante Marcos Vinicius e exibida no início de 2019, com muito sucesso e altíssimos números de audiência em seus 8 capítulos. Ainda no ano passado, ganhou uma reprise na quinta edição do Vale a Pena Ler de Novo, substituindo Eu, Kadu.

Sinopse: “Jony Stela é um jovem policial de 28 anos de idade vindo do interior para realizar o sonho de seguir os passos do pai. Incorporado ao setor criminal, Jony Stela é designado para chefiar a equipe que vai prender um famoso serial killer que mata suas vítimas, corta a mão direita, envia para a família e esconde o resto do corpo. Ao receber uma ligação anônima, a equipe de polícia segue para uma pensão nos subúrbios da cidade. Quando chegam ao quarto relatado, o assassino comete suicídio e, Jony, como chefe da equipe, não consegue aceitar o fato de que fracassou na sua primeira missão, deixando que isso acontecesse sem ele ter arrancado as informações necessárias sobre as vítimas. Ao chegar em casa, ainda indignado com a situação, Jony toma remédios para conseguir dormir. Em seus sonhos, o assassino que cometeu suicídio começa à aparecer e lhe indicar os locais onde estão os corpos de suas vítimas. Agora, Jony terá que recompor-se e ligar fato com fato para localizar os corpos sem que o restante de sua equipe descubra de onde vem as informações, uma vez que a psicóloga e detetive Karen Telles do departamento de polícia e o seu superior, o delegado Walter, estão em seu encalço, após o fracasso da missão.

Então decidi fazer uma entrevista com o autor sobre os bastidores da escrita deste brilhante do nosso catálogo. Confira:

1) Como surgiu a ideia para escrever O Assassino dos Meus Sonhos?
A ideia para escrever esta minissérie veio após ter assistido várias séries policiais e filmes à caça de seriais killers. Sempre fui fascinado por este tipo de história e, como sempre fui apaixonado por escrever, pensei: porque não unir as duas coisas? Então, comecei a rabiscar ideias, até que surgiu a storyline de O assassino dos meus sonhos. Mostrei para meu irmão que já é um grande escritor e para minha esposa, que tem um faro incrível para boas histórias. Como a ideia foi aprovada, segui adiante. Me inspirei em algumas séries e filmes e fui dando segmento à trama.

2) Em que você se inspirou para criar a história de um policial que desvenda os crimes de um assassino morto através dos sonhos? Veio só da imaginação ou teve alguma obra que te deu as ideias?
Esta ideia veio somente da imaginação mesmo. Mas as histórias que me inspiraram a escrever sobre o tema foram:
Seven – os sete crimes capitais – a inspiração em Seven se dá através das tensões que podem ser criadas entre o impulsivo delegado e o jovem e promissor policial. O mesmo que acontece entre os detetives do filme. Além disso, a inspiração também se dá através da experiência sensorial, não pela presença de cores e planos belos, mas sim através de um astral pesado, lúgubre, triste e desesperador. Como em Seven, O assassino dos meus sonhos, irá buscar ter suas locações bastante marcantes e com características fortes (a delegacia, a casa do protagonista, a casa da psicóloga e detetive e os locais de assassinatos). Assim como em Seven, a chuva será predominante na maior parte do tempo.
Mindhunter – a inspiração através da série Mindhunter se dá, principalmente, pelo fato de se entrar na mente destes seriais killers e buscar entender o que leva à realizarem atos tão hediondos e graves, muitas vezes, sem carregar culpa alguma. Além desta motivação, pode-se dizer que a série Mindhunter traz arcos de personagens tão incríveis que se desenvolvem levando a história sempre adiante. O que tem de ser inspiração para qualquer obra que busque traçar caminhos parecidos.
O silêncio dos inocentes – este filme é uma obra de arte que possui o trunfo de excelente tratamento da coesão e da coerência, fatos que por si só, já seriam o suficiente para servir de inspiração para qualquer obra que venha a seguir traços parecidos. Além disso, o fato de constar com personagens complexos, como Clarice Starling e Hanibal Lecter, nos traz reais inspirações para se criar personagens que possuam um passado que possa influenciar diretamente no 1% da história vivida na obra. Sem contar ainda, com a fotografia e os figurinos, todos sem exageros e com uma elegância sem igual.
Sons of Anarchy – esta não se trata apenas de uma série sobre um grupo de motoqueiros rebeldes. Suas tramas e subtramas vão além disso, retratando problemas familiares e também lealdade entre família e amigos local Queremos com esta inspiração, que nossa história seja lembrada também por uma boa trilha, onde cada som, cada música, interaja na dose certa com o decorrer da história.

3) Como foi o processo de criação da trama e dos personagens? Foi difícil ambientar ao universo que você criou e começar a colocar a história no papel?
Fiz um processo um pouco diferente do que costumo fazer atualmente para minhas histórias. Primeiramente tive a ideia, depois criei o ambiente em que a trama se passaria. Queria um lugar simples, pequeno. Após isso, é que fui criar o perfil do meu protagonista e dos demais personagens na sequência. Após isso fui para o argumento da trama e então para o roteiro. Como qualquer obra que você se dedique, é um trabalho árduo, mas bastante gratificante. Foi difícil, mas valeu à pena.

4) O que O Assassino dos Meus Sonhos tem de diferente das outras obras que você escreveu?
Acredito que, por mais que seja uma história de caça a um serial killer, algo que muito se vê e lê por aí, o fator sobrenatural incluso na trama a faz diferente das demais histórias que escrevi. Juntei este lado sombrio e tornei a história única. Além disso, como falei anteriormente, o modo de criação foi um pouco diferente, uma vez que atualmente ao criar uma história, me detenho primeiramente na construção do protagonista e demais personagens. Em O assassino dos meus sonhos só me detive aos personagens após criar boa parte do enredo. Porém, mesmo assim, Jony Stela tornou-se um protagonista bastante querido por todos.

5) A que você atribui o sucesso da série e do protagonista Jony Stela?
Olha, pra começar, jamais imaginei que a série faria o sucesso que fez. Eu só queria entrar neste mundo pela porta da frente, com uma boa história, mas nunca pensei que atraísse tantos leitores. Acredito que o sucesso da trama se deve à um enredo inédito e um protagonista que, além de cativar o leitor, passa por maus bocados. Também acho que o final em aberto, o fato de como Jony finaliza a série, é algo, que ao meu ver, conquista o público. Particularmente, gosto de ver todo este sofrimento do personagem. É preciso mostrar que o caminho é árduo. É preciso mostrar que, como cita nosso amigo Samuel Brito em uma de suas últimas obras: “A vida não é um conto de fadas. Há lobinhos pela floresta…há lobinhos até dentro de casa.”

6) Com que personagem você mais se identificou? Por quê?
Jony Stela é único. Ele é quem comanda toda a trama. Impossível não se identificar com ele. Mas, gosto muito de Karen Telles. Aliás, dando um mini spoiller aqui, ela poderá assumir o protagonismo da minissérie na sua segunda temporada enquanto Jony ainda se encontra em situação difícil. Ela é uma mulher forte e pode entrar de cabeça nesta trama. Então, se tivesse que escolher alguém além do protagonista, escolheria Karen Telles de olhos fechados.

7) Se você pudesse escalar um elenco para a obra, qual seria a sua escolha e por quê?
Em se tratando de um elenco brasileiro eu escolheria:
Jony Stela – Rodrigo Lombardi (grande nome da TV brasileira)
Karen Telles – Letícia Spiller (imponente)
Delegado Walter – Antônio Fagundes (ele é bom para qualquer papel)
O assassino – Rodrigo Santoro (diversidade de papéis que já fez e suas transformações)

8) Se O Assassino dos Meus Sonhos ganhasse uma adaptação, quem você gostaria que a escrevesse entre os escritores do Mundo Virtual? Por que motivo?
Gostaria que fosse feita por Hugo Martins. Sou fã de Incognoscível e acho que ele captaria bem a essência de O assassino dos meus sonhos.

9) Como foi a sua rotina de escrita de O Assassino dos Meus Sonhos? Qual foi a parte mais prazerosa e a mais difícil no processo de escrita?
Iniciei a história para ser o roteiro de um curta metragem. Mas aí a história rendeu uma minissérie.

10) Como foi terminar a primeira temporada da minissérie? Sentiu muita falta nos primeiros dias?
A parte mais prazerosa foi ao longo dos capítulos ver a história evoluindo de maneira surpreendente. A mais difícil foi escrever um final que pudesse deixar um gancho para uma possível segunda temporada e que, ao mesmo tempo, tivesse um grande impacto.
Terminar a temporada foi muito agradável e gratificante. Sentimento de dever cumprido.
A gente sempre sente falta nos primeiros dias, parece que está faltando algo. Mas aí já tratei de mergulhar em outras histórias.

11) O que você diz para os leitores sobre a próxima temporada e qual é a previsão de estreia?
A segunda temporada de O assassino dos meus sonhos promete muito suspense. Nesta temporada, a detetive e psicóloga Karen Telles assumirá o protagonismo da série enquanto Jony Stela encontra-se em situação crítica. Vou passar para vocês a storyline da segunda temporada: “Ao encontrar a mãe do amigo Jony Stela brutalmente assassinada em sua casa do interior, a perspicaz detetive e e psicóloga Karen Telles, resolve mergulhar à fundo no caso, pois acredita que este assassinato possui ligações profundas com a investigação que seu departamento estava fazendo”. Seria lançada ainda em 2020, mas me envolvi em outros projetos e agora a série será lançada em 2021. Provavelmente no segundo semestre! Aguardem que a segunda temporada estará imperdível!

 

Marcos Vinicius ainda comentou sobre a revisão que vem fazendo nos capítulos da primeira temporada e a futura exibição na DNA TV para os próximos meses.

Dois grandes escritores do Mundo Virtual deixaram umas palavrinhas sobre a obra. Veja só:

O Assassino dos meus Sonhos é sem dúvidas o trabalho que trouxe Marcos Vinícius ao MV e agora ele já vem acarretando vários trabalhos ao longo desse tempo. O personagem Jony Stela me lembra muito Will Graham de Hannibal, eles tem algo em comum, claro que a série funciona por si própria. Ansioso pra ver a continuação dessa incrível obra.” (Melqui Rodrigues)

Marcos Vinícius consegue criar uma atmosfera de suspense e tensão, prendendo o leitor que deseja saber qual será o destino de Jony Stela. Uma jornada densa e intrigante.” (Hugo Martins)

Se você, leitor(a), também gostou de O Assassino dos Meus Sonhos, deixe suas impressões sobre a obra aqui nos comentários.

 


O Cyber Backstage chegou ao fim, mas na próxima semana tem mais, com a participação de um bichinho muito “fofo” no Cyber Retrô. Tenha uma ótima semana de leitura!

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • Obrigado Marcelo, adorei nossa entrevista. É uma obra que tenho enorme carinho. Obrigado também ao Melqui e ao Hugo, grandes amigos do MV, por seus depoimentos. Aguardem pessoal, em 2021 vem aí a segunda temporada!

  • >
    Rolar para o topo