Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Cyber Backstage – Programa 68

Boa noite, querido(a) leitor(a)! O Cyber Backstage está no ar com o lançamento da nova novela da casa e com a homenagem da semana no Cyber Retrô.

 


Débora Costa está de volta com mais uma novela no seu currículo. Trata-se da comédia romântica E Vamos À Luta!, baseada num antigo sucesso da extinta TV Tupi. Fiz uma entrevista com ela, e o resultado você confere a partir de já.

1) Como surgiu a ideia de escrever E Vamos À Luta!?
Eu sou fã da Aracy Balabanian desde que tinha 10 anos, então eu sempre gostei de fazer pesquisas sobre a carreira dela porque eu tinha uma página no Facebook e sempre busquei coisas para postar lá. Numa dessas pesquisas eu me interessei muito pela novela A Fábrica, do Geraldo Vietri, autor e diretor que fez muito sucesso na TV Tupi com novelas maravilhosas. Eu amei o enredo e quis escrever uma releitura, mas nunca consegui tirar essa ideia do papel. Fiquei com receio de não ser como eu queria. Até que recentemente eu tive a ideia de criar o Da Cyber Pra Você e resolvi criar um telefilme da novela, porém vi que estava indo muito bem e quis seguir com ela como uma webnovela, formato em que sempre quis escrever.

2) Conta um pouco sobre a história da sua novela.
E Vamos À Luta! gira em torno da dona da tecelagem Santa Isabel — esse nome eu mantive da novela original — e dos operários. Eu optei pela comédia romântica. A trama original era um drama e tinha também a parte cômica. Liz, a dona da tecelagem, volta depois de alguns após perder o pai e o marido em um incêndio que teve na fábrica. Ela vem porque fica sabendo que há muitas coisas erradas na tecelagem. Assim conhece Fábio no caminho. Os dois trocam farpas, e ela percebe que ele é um de seus funcionários, mas ele não faz ideia que está discutindo com a dona da tecelagem. Além dos protagonistas , temos os vilões: Alex, que é o gerente da fábrica; Ângela, que é cúmplice do Alex; Clarice, que é tia de Liz e muito ambiciosa; e Kira, que é a falsa amiga de Liz. Esse grupo de vilões se une para tentar tirar dela a tecelagem e os bens que o pai deixou pra ela.

3) O que E Vamos À Luta! tem de diferente com as novelas anteriores?
Acho que a leveza, o clima descontraído e, nesses tempos difíceis que todos estamos passando, a gente precisa de leveza.

4) Tem algum personagem pelo qual você tem mais carinho na hora de escrever? Se sim, qual?
Liz e Fábio. Eu amo escrever as cenas deles juntos. São cenas divertidas: as brigas, as trocas de insultos, que no fundo já significa que tem um sentimento nobre por trás de toda a confusão que eles arrumam. Espero que gostem deles tanto quanto eu gosto.

5) Qual é a sua expectativa para a novela em relação aos leitores?
Estou como em toda estreia: não tenho expectativa, tenho tensão (risos). Eu fico tensa e pensando: será que vão gostar?

6) Recentemente você divulgou a estreia da novela em páginas e grupos da Rede Tupi no Facebook – a telenovela foi exibida nessa emissora no início dos anos 1970. Como você sentiu a reação dos participantes, sabendo que a maioria teve a oportunidade de assistir à versão de Vietri?
Eu achei que não iriam dar muita atenção, e me surpreendi. Eles adoraram a ideia. E é aí que entra a tensão de novo. Eles viram a [novela] original. Espero que entendam duas coisas: (1) é uma releitura; 2) não sou Geraldo Vietri (risos).

7) Nas redes sociais, você chegou a exibir um elenco escolhido a dedo e também a trilha sonora. Como você estabelece estes elementos?
Enquanto eu não crio a trilha sonora, eu não consigo ir adiante. A música me ajuda a desenvolver a história, mas às vezes não é fácil achar o tema que combine com a personagem. Eu demorei um mês para criar a trilha sonora ideal para E Vamos À Luta!. Foi difícil encontrar os temas dos vilões. O tema da abertura seria É, de Gonzaguinha, mas quando ouvi Coragem, de Diogo Nogueira, vi que caía como uma luva. Para o elenco, eu sempre vi Malvino Salvador como o Fábio, porque ele faz personagens explosivos, pavio curto, e o Fábio é assim. Para a Liz, eu quis uma atriz loira porque a Aracy estava loira em A Fábrica, e a Mariana Ximenes combinou com a Liz. Tem um núcleo de negros na novela porque em A Fábrica as [personagens] negras eram as empregadas, e eu pensei: porque o negro tem que ser sempre o empregado? Então o núcleo do José, que seria o núcleo do Elias Gleizer na novela original, é de negros. José e os filhos são negros, e o filho dele estuda medicina, o que também não é comum de se ver nada novelas: um negro sendo médico.

8) Deixe seu recado para os leitores do Cyber Backstage.
Você que acompanha o meu trabalho aqui na Cyber e você que ainda não leu nem uma de minhas novelas, te convido a acompanhar E Vamos À Luta!, que estreia amanhã às 21hs. Beijinhos, Deus abençoe, e fica em casa se puder.

 

Muito obrigado pela participação, Debby! A novela está imperdível e promete ser um dos maiores sucessos de 2020 aqui na Cyber.

 


A novela de hoje foi eleita em enquete deixada aqui no programa há algumas semanas. O Leão, obra em 30 capítulos, foi postada entre abril e julho de 2018 e reprisada no ano seguinte em Vale a Pena Ler de Novo.

O Leão conta a história de um pai que decide vingar a morte do filho após este ser acusado injustamente de roubar a empresa dos patrões. O artista plástico Ivan vive praticamente enclausurado numa mansão em Petrópolis, cidade próxima à capital fluminense, assistindo de longe à escalada profissional de Mário numa empresa paulistana. Está prestes a receber um prêmio como revelação do ano na área do empreendedorismo e perto de ser promovido a diretor da Bellatex, fábrica de tecidos de propriedade da altiva Helena Diniz. Controladora e conservadora, ela quer que esteja tudo do seu jeito, inclusive a vida do filho e principal herdeiro, Marcos.

Mário está noivo da beldade Solange, mas não imagina que ela seja capaz de maldades em nome do dinheiro. Na primeira delas, a moça conta com a ajuda de um hacker para tomar a fortuna da Bellatex e se cala ao ver o noivo ser acusado do crime. Mário entra em desespero e atenta contra a própria vida.

Ao contrário de todos, Ivan acredita na inocência do filho e decide ir a São Paulo com o objetivo de fazer justiça contra todos que apontaram o dedo para o “leãozinho”. Aos poucos, entra na rotina da família de Helena, além de se aproximar também de Solange, que, a essa altura, planeja um novo golpe: o do baú, através de Marcos. Enquanto o protagonista se apresenta para a sociedade através de uma exposição de quadros, a vilã executa o plano. Ela atrai o jovem para o banheiro e faz com que a noiva dele, a estilista Letícia, dê o flagrante. Ocorre o escândalo: Letícia desfaz o compromisso, e Helena obriga o filho a se casar com Solange, de quem se torna amiga e confidente sem desconfiar das artimanhas. A milionária também se aproxima de Ivan ao ver nele o homem que jamais viu em Raul, o ex-marido bon vivant.

Tanto Raul quanto Marcos, assim como a governanta Nágila, se encantam por Solange e ficam desconfiados da presença de Ivan na mansão dos Diniz. Solange, por sua vez, acredita que Ivan é inofensivo e entra num jogo de “hiena e leão” com ele — a moça tem o costume de gargalhar entre uma armação e outra. Tornam-se amantes e escondem um do outro suas reais intenções. Helena, sem saber do caso, acredita que ele tem por Solange um carinho de pai e incentiva a aproximação; já Marcos não vê com bons olhos, o que coloca a relação com Solange em uma crise sem fim.

Mais pra frente, Solange decide tomar mais dinheiro — desta vez da conta pessoal de toda a família. Apenas Virgínia, a filha mais nova de Helena, é poupada. Nesse mesmo ínterim, mata o amante Pedro e arma para que a culpa recaia sobre Magda, a secretária da Bellatex. Então Ivan, também milionário, se oferece pra comprar a fábrica e ajudar (ou comprar) os Diniz, com a intenção de manipulá-los. Até que, poucos dias depois, ouve uma confissão da “hiena” por trás da porta. A essa altura da trama, conta com a parceria de Ângela, uma enfermeira que conhece o passado da ex-futura-nora do pintor, e de Eva, uma antiga amiga dos Diniz que conta a história podre envolvendo Raul, Nágila e Helena. Enquanto Eva desmascara Raul diante de todos, Ivan arma para que Solange tente roubá-lo através da internet e seja presa em flagrante. O plano dá certo.

Após apanhar de Magda na cadeia, Solange perde o bebê que esperava — não se sabia quem era o pai, pois ela se envolvia com vários homens na trama. Cheio de ódio, Marcos tenta matar Ivan no hospital, mas é morto por uma policial. Presa numa relação doentia com Raul, ela toma seu partido quando este conta as intenções de Ivan e põe o pintor pra correr. Acreditando-se vitoriosos, Raul e Solange têm um acerto de contas com o “leão” numa jaula no zoológico. Após inúmeras revelações, inclusive aquela de que não houve suicídio, mas um assassinato — Raul matou Mário por ciúmes de Solange, amante há muito tempo, e forjou a cena do crime. No fim, Solange matou Raul com uma facada e foi atacada por um leão (o felino), que fugira da jaula por problemas no fechamento do portão. Após cumprir o plano de vingança, Ivan levou o corpo de Mário pra terra natal e voltou para o isolamento voluntário. Enquanto isso, Helena se acertou com Nelson, pai de Letícia, que encontrou o amor com o fotógrafo russo Vlad. Fim.

Anderson Silva e Débora Costa deixaram perguntas, e agora vou respondê-las:

DÉBORA: Como veio a inspiração para escrever a novela?
De uma conversa que ouvi no ônibus no fim de 2017. Duas mulheres estavam conversando sobre um rapaz que tinha morrido após ser acusado injustamente de estuprar uma garota. Aí a mãe dele tomou as dores e resolveu fazer justiça pra reparar os danos. Processou aqueles que acusaram o filho e, até onde sei, conseguiu provar que ele era inocente. Então inseri elementos de uma história que estava guardada no computador, troquei a mãe pelo pai, e assim surgiu O Troco. O título definitivo veio quando já estava escrevendo o capítulo 3.

ANDERSON: Olhando para a sua história finalizada hoje e o sucesso que ele se tornou, teria algum núcleo ou personagem que você gostaria de ter feito diferente? Ou desejaria que tivesse tomado um rumo diferente?
Vendo a novela hoje e a repercussão conquistada por ela nesses dois anos, talvez eu aumentaria em dez capítulos e daria mais destaque pra três personagens específicos: Vlad, Carlos e a vizinha de Solange. Mesmo sem participar muito da trama, Vlad acabou se tornando o principal galã romântico da história e arrebatou o coração de muitos leitores; Carlos participaria mais ativamente dos planos de Ivan e teria uns conflitos a mais com a mãe, Ângela; a vizinha, que só participou do capítulo 27, poderia se tornar outra importante pedra no sapato da vilã. Fora isso, manteria a história com o enredo que criei.

 

Muito obrigado pela participação de vocês dois e também por citarem meu filhote de juba entre as cinco obras para ler antes de morrer no programa Web Show, da WebTV.

Na próxima semana, vamos ver o que tem Além da Porteira? Você não perde por esperar, leitor(a).

 


O Cyber Backstage fica por aqui. Até mais! Um abraço!

 

do autor de DIAS DE DEZEMBRO
disponível na Amazon/Kindle e no Wattpad a partir de amanhã

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>