Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Cyber Backstage – Programa 72

novela de RAMON SILVA
segundas, quartas e sextas às 18h

 

Boa noite, querido(a) leitor(a)! Como vai seu domingão? No programa de hoje tem Gato Preto, Riacho Paraíso e o quadro CyberCurioso. Vamos em frente!

 

Depois do leão, é a vez de o gato ganhar a homenagem do programa, após ronronar bastante para os leitores votarem nele. Miau! Sim, estou falando de Gato Preto, um dos maiores sucessos da roteirista bicampeã no Cyber Awards e dona do blog mais amado e visitado do Mundo Virtual, Cristina Ravela, a Zih.

A história é basicamente a seguinte: os primos Noel e Maria Alice são inseparáveis. Após serem chutados da família pelos parentes serpentes criminosos, descobrem ser os herdeiros da fortuna deixada pela jovem Catarina, assassinada no início da trama. O viúvo Alessandro e vilões como Avelino e Mazinho fazem de tudo para impedi-los de tomar posse dos bens, e aí começa uma disputa à base de muitos arranhões e tecos. Enquanto isso, um misterioso serial killer dá cabo em muitos personagens.

A minissérie foi exibida entre agosto e setembro de 2018, aqui na Cyber TV, em 1 capítulos. Vamos conferir os bastidores num bate-papo de 13 perguntas com a autora deste clássico felino, porque 13 é número de sorte (ou não).

 

1) Como surgiu a ideia de escrever Gato Preto?
Gato Preto foi inspirada na novela mexicana No Limite da Paixão, exibida pelo SBT. A ideia era uma história de gato e rato entre Alice e Alessandro em meio a disputa por uma herança. No entanto, a trama ganhou um novo propósito, o de mostrar uma família tradicional branca, tóxica e armada, capaz de qualquer coisa pelo dinheiro e pelas terras, causando danos emocionais e físicos aos demais.

2) O que a minissérie tem de diferente com os também clássicos Raíza e Anti-Herói?
Gato Preto é mais divertida, sádica, não tem o estilo aventureiro de Raíza nem a pegada romance policial de Anti-Herói. A proposta era divertir, enquanto o cenário criminoso era desnudado.

3) Como foi o processo de escrita da minissérie?
A primeira vez que escrevi foi em um caderno. Rabiscava ali o que seria um livro, mas desisti. Quando retomei, anos depois, escrevia tudo no PC, sem me preocupar com início, meio e fim, mais comum em série. Minha preocupação mesmo era conseguir enganar o leitor sobre a identidade do assassino e desenvolver a história de modo que os personagens não parecessem mudar de atitude repentinamente. Afinal, foi a primeira vez que escrevi uma minissérie de 13 capítulos. Eu estava acostumada com uma série de 4 temporadas kkkkkkkk.

4) A trilha sonora é composta de sucessos da cantora Pitty. Como foi a escolha das músicas? Você mudaria alguma coisa se fosse hoje?
Sete Vidas eu já conhecia, mas ouvindo os álbuns dela enquanto eu escrevia, não tive como desvincular as músicas da trama. Acabou que a trilha foi toda dela.

5) Gato Preto foi exibida com sucesso na extinta webemissora UP, em 2016. Conta um pouco sobre os bastidores e as experiências dessa fase.
Eu tinha sido convidada pelo Lucas Posey a escrever uma trama para a UP. Foi um período muito promissor para o canal dele, e eu tinha acabado de finalizar Raíza. Mas, até hoje não sei como consegui escrever GP, o filme A Visitante, com o Rafael Oliveira, e ainda ajudar na Comic Con. Foi tudo ao mesmo tempo e na base do grito. No fim, deu tudo certo e tudo errado, né? Porque a partir do fim da minissérie, Gato Preto iniciou sua trajetória de azar por onde passava kkkkk.

6) Em 2018, a trama veio para a Cyber TV. Como foi substituir Incognoscível, na época líder de audiência da casa?
É sempre preocupante, né? Ainda mais que não era totalmente inédita, embora eu tenha vendido como tal. Sem contar que o público era outro. Quem amou Incognoscível, com sua trama psicológica, poderia não se sentir atraído por uma trama de disputa por herança. O negócio é lançar e ver no que vai dar. E deu certo.

7) Gato Preto foi, por três vezes, a segunda colocada nas enquetes para o Vale a Pena Ler de Novo, perdendo para duas histórias de Francisco Siqueira e uma de Marcos Vinicius. Como você explica o sucesso do felino e o carinho dos fãs a ponto de sua minissérie estar sempre entre as favoritas?
Parece que um pouco de azar não faz mal a ninguém kkkkkk. Acredito que Gato Preto seja uma história com texto mais fluido, do tipo que quando você vê, já acabou. Já recebi relatos também de pessoas que vivenciam ou vivenciaram situações semelhantes, com um familiar tóxico.

8) Durante a exibição na Cyber TV, o bandidão desbocado Avelino e seu comparsa Mazinho se tornaram os personagens mais adorados e comentados pelos leitores e pelos autores da emissora. Como você avalia a popularidade deles?
É dos vilões que eles gostam kkkkkkkkkkk. Eu acredito que o diferencial é que eles eram personagens reais, sem aquela vilania extrema, quase surreal. Debochavam, ironizavam e metiam palavrão em quase tudo, principalmente o Avelino. As pessoas identificam facilmente alguém parecido.

9) Qual foi o personagem que você mais gostou de escrever e qual foi aquele de quem menos gostou? Por quê?
Amei o Avelino. Desbocado, afiado, disposto a lutar por algo que jamais deveria pertencer a ele. O tipico chefe de família que tem amante e acha que filho deve seguir seus passos nas merdas que ele conquistou às custas da morte de terceiros. Foi bem divertido escrevê-lo. Mas também devo destacar o Walter. A construção de um personagem acomodado, paradão, até sua libertação das amarras imorais da própria família. Já a única personagem que eu não gostava de escrever era a Helô. Era o tipo personagem que é necessário, mas só empurrei com a barriga. Tem uns que são assim, infelizmente.

10) Existe alguma possibilidade para uma nova temporada de Gato Preto?
Não.

11) Qual é a relação entre o título com a história, com o número de episódios (13) e com outros elementos da trama? Como você alinhavou estes itens?
Gato Preto faz alusão aos dois protagonistas, Alice e Noel, já que onde pisavam, o azar acontecia. Mas, assim como na realidade, não é bem um gato preto que provoca acidentes e mortes. O azar está em cada um que cruzar o caminho de um mau elemento, e essa foi a mensagem que tentei passar. O número 13 tem relação com a crença de que ele traz má sorte, e no último capítulo um grande infortúnio aconteceu. E, como a história era passada no interior da cidade, achei interessante unir os ditos populares. Eu pensava na trama e depois escolhia o título de acordo com a expressão popular.

12) Segundo fofocas da Isolda Calderón de Escândalo, Gato Preto seria protagonista e causador de ataques às emissoras de transmissão, de quedas de servidores e outros fenômenos estranhos. Como você avalia isso?
Possível. Desde que UP se tornou uma estrela no céu do MV que ele vem arrastando azar por onde passa. Mas acredito que a cota de azar já acabou. Vamos respirar aliviados.

13) Se Gato Preto ganhasse um remake escrito por outra pessoa, quem você gostaria que o fizesse: Débora Costa, Melqui Rodrigues, Marcos Vinicius, Maureen Prescott ou Failon Teixeira? Por quê?
Maureen Prescott feat Débora Costa. Sabendo que Maureen transformaria Gato Preto em um House of Cards, com mais mortes, chamaria a Débora para empregar sutileza e manter o clima mais leve, porém, com o sadismo e roteiro cinematográfico de Maureen.

 

Uau! Já estou vendo aqui o clima “excelsiormente maniac” que o remake teria. Muito bom! Obrigado pela participação e parabéns pelo sucesso do gatinho lindo e sedento de tecos (risos).

 


Amanhã tem novela nova aqui na Cyber. Enquanto você acompanha as últimas emoções da turma do Reino de Veseli em Para Todo o Sempre, que tal conhecer o universo rural de Riacho Paraíso? As duas histórias serão exibidas juntinhas às segundas, quartas e sextas às 20h, até o fim da trama de Gustavo Lopes.

Dá uma conferida no que Raphaelle Leandro, a autora, divulgou sobre a estreia de amanhã:

Anderson é um jovem advogado e herdeiro da fazenda Dois Rios, localizada no povoado de Riacho Paraíso, em Corumbá – MS. Ele está dividido entre o amor verdadeiro de Fernanda, uma ribeirinha, e de Verônica, uma jovem rica e filha do Desembargador Tomás Gouveia, sendo esse relacionamento vantajoso para alavancar sua carreira. Ele acabou engravidando as duas, porém terá que decidir com qual delas irá ficar, e essa decisão afetará o destino do povoado Riacho Paraíso. A estória também contará sobre o casal de fazendeiros Rafael, irmão mais velho de Anderson, e Luana, sua esposa, e a superação de ambos após uma perda.

O QUE ESPERAR DE RIACHO PARAÍSO?

Sei que sou suspeitar em falar sobre isso, afinal sou autora desse romance, mas posso dizer que quem curte um bom romance interiorano talvez se encante com essa estória que tem como cenário as belezas do pantanal sul-matogrossense e o estilo de vida pacato da maioria dos personagens.

Riacho Paraíso será humildemente um reflexo do povo pantaneiro: os ribeirinhos, os peões, as fazendas e os indígenas. O romance abordará além de dramas familiares como também a importância da preservação da natureza e o impacto dos garimpos ilegais na natureza, o tráfico de mulheres na fronteiras do Brasil e a conservação da cultura indígena.

Um detalhe que não poderia deixar de fora é que Riacho Paraíso promete uma boa moda de viola? Então te convido a sentar no banquinho em frente a fogueira sob o luar do pantanal e ouvir esta estória.

Tive o prazer de ler um pouquinho da novela e confirmo tudo o que Raphaelle escreveu. Uma trama simples e muito bonita que vai cativar você. Não deixe de prestigiar e viajar pelos encantos de Riacho Paraíso.

 

CURIOSIDADE: O Leão, minha novela de estreia na Cyber TV e no Mundo Virtual, também se iniciou de forma simultânea com os últimos capítulos de Falsas Juras, a novela anterior. Aliás, a história de Wagner Nascimento está de volta a partir do dia 13 em Vale a Pena Ler de Novo.

 


Você já se perguntou como é medida a audiência semanal na Cyber TV? Estou aqui pra revelar.

Quando você entra na página de um programa ou de uma obra de dramaturgia, você pode ver que o título aparece na URL (endereço). Após uma semana inteira de postagens, de segunda a domingo, todas as URLs acessadas são colhidas através de relatórios no Google Analytics a fim de contar o número de visualizações únicas por IP, separado por obra. Entram na contagem todos os capítulos (ou edições) lidos durante os sete dias, sejam eles correspondentes à postagem da semana ou de datas anteriores. O número de visualizações é dividido por 20, e assim se obtém a pontuação final.

Por exemplo: suponha que, durante uma semana, a novela Nova Chance Para Amar tenha obtido 157 leituras nos capítulos da semana (30, 31 e 32), 51 em episódios anteriores (1 a 29) e 10 na página de sinopse. Ao todo, somam-se 218 visualizações. Dividindo esse valor por 20, a pontuação da trama na semana é de 10,9. É ele que vai pro gráfico da página de audiências, lembrando que só as produções atuais são listadas ali.

Então, enquanto redigia este quadro, pensei: por que não apresentar o número de visualizações de algumas novelas e programas da Cyber TV em todo o mês de junho? O processo usado foi o mesmo descrito acima, só que englobando os 30 dias. Ficaram curiosos, não é? Lá vai!

 

Novelas que estão ou estiveram no ar em junho:

E Vamos À Luta! – 387
A Nossa Canção – 299
Nova Chance Para Amar – 242
A Sociedade – 173
Para Todo o Sempre – 169
Amores Imperfeitos – 147
Insensatez – 135

As cinco novelas encerradas mais lidas:

Excelsior (2019) – 241
Sua Canção (2019) – 192
Hierarquia (2017/18) – 153
Divas (2020) – 139
Escândalo (2020) – 137

Outras atrações:

Histórias do Povo – 434
Nostalgia – 224
Cyber Backstage – 208
Observatório da Escrita – 195
Conta Mais – 136

 

A minissérie Gato Preto, homenageada de hoje, teve 159 leituras únicas em junho.

No programa de 2 de agosto, veremos os destaques de julho, contando também com séries e minisséries.

 


O Cyber Backstage fica por aqui, mas na próxima semana tem mais. Um abraço!

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • >
    Rolar para o topo