DIVAS – Capítulo 03

 A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

CENA 1/ EXTERIOR/ NOITE

         Continuação da última cena do capítulo anterior.

         Kaio está caído no chão, acordado e tenta se levantar. O motorista sai do carro, preocupado e tenta ajudá-lo a ficar de pé. Alguns transeuntes observam a cena.

         MOTORISTA – Desculpa cara, eu juro que eu não te vi, você apareceu do nada.

         KAIO – (repara no machucado na sua perna) Foi culpa minha…

         MOTORISTA – Quer que eu te leve pro hospital? Pra casa?

         KAIO – (olha bem no rosto do motorista) Moro aqui perto, se puder me dar uma carona…

         MOTORISTA – (leva Kaio até o carro) É o mínimo que eu posso fazer. Tem certeza que não quer ir pro hospital?

         KAIO – Não tô tão machucado assim…

         Os dois entram no carro e saem.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 2/ EXTERIOR/ NOITE/ BAR

         Camila e Bruno continuam em frente ao bar. Ela preocupada e ele sem entender.

         CAMILA – O Kaio estava aqui agora a pouco…

         BRUNO – Ele deve ter ido embora, não? Ele mora aqui por perto?

         CAMILA – Mora, mas é muito estranho, ele sumiu do nada… (pausa pensativa) Ah, acho que já sei por que ele foi embora… Foi por sua causa.

         BRUNO – Como assim? O que eu fiz?

         CAMILA – Não, nada… (sem graça) Mas ele agora a pouco me contou que sempre foi apaixonado por mim. Ele me viu com você aí deve ter pensado alguma besteira.

         BRUNO – E você sente alguma coisa por ele?

         CAMILA – Eu amo ele, mas como amiga. A gente cresceu junto!

         BRUNO – (provocador) Menos mal! Assim fico sem concorrente.

         CAMILA – Palhaço! Você também é só um amigo.

         BRUNO – Por enquanto…

         CAMILA – Nossa, tá se achando a última bolacha do pacote.

         Os dois se olham, Bruno chega mais perto e fala no ouvido de Camila.

         BRUNO – Me acompanha até minha casa e eu te prometo, que até o fim dessa noite, não vou ser mais só seu amigo.

         CAMILA – Mas, e o Kaio, tenho que achar ele.

         BRUNO – Tenho certeza que ele não tá muito afim de te ver agora…

         CAMILA – (pausa) É verdade. Mas vou só pra te mostrar que eu não sou tão fácil assim.

         Os dois caminham juntos. Bruno lança um sorriso atraente pra Camila, deixando-a sem graça.

         CORTA PARA/

CENA 3/ EXTERIOR/ NOITE

         Takes do bairro, mostrando a padaria de Terezinha fechada e a casa de Olinda, não muito distante. O carro de Laerte continua na frente e Jurandir fica de olho, do outro lado da rua.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 4/ INTERIOR/ NOITE/ CASA DOS OLIVEIRA/ SALA

         Olinda em pé, nervosa e Laerte, sentado no sofá. Há uma mala cheia de dinheiro na pequena mesa de centro.

         LAERTE – E então? Aqui tem 40 mil reais. Suficiente para calar sua boca?

         OLINDA – Esse dinheiro ia me ajudar muito…

         LAERTE – Tá esperando o que então? Pega, gasta do jeito que quiser e nunca mais cruze meu caminho de novo, e nem fale sobre mim com sua filha.

         OLINDA – (grita) Ela é sua filha também! Ordinário!

         LAERTE – (se levanta e pega nos braços de Olinda, deixando-a assustada) Não grita, senão eu te mato! Essa menina é só um erro do meu passado, e tudo que eu quero é deixar no passado!

         OLINDA – (se livra dos braços dele e fala, chorando) Você é um monstro!

         LAERTE – Tudo bem, pode me chamar do que quiser. Eu vou embora, vou deixar esse dinheiro aqui e se você me causar um pequeno problema que seja, eu te acho e acabo com você. (vai saindo)

         OLINDA – (determinada) Leva esse dinheiro. Eu não sei de onde isso saiu, não quero dinheiro sujo.

         LAERTE – Dinheiro sujo? Não sou político, sou um empresário muito bem-sucedido.

         OLINDA – É tão ordinário quanto eles. Talvez até pior. E eu não preciso de dinheiro nenhum. Eu precisava era antes, do seu apoio quando Camila nasceu. Minha filha precisava de um pai. Agora eu não quero mais nada de você. Eu criei ela fazendo diária todo santo dia, trabalhei duro minha vida toda e não vou aceitar dinheiro de assassino.

         LAERTE – Nossa, que lindo… Se orgulha da vida miserável que tem… E eu já disse que não sou assassino!

         OLINDA – Vai embora da minha casa, não aguento mais olhar na sua cara!

         LAERTE – Sem problemas, vou embora. Mas o combinado continua, você não me dá problemas e eu também não, ok?

Olinda faz sim com a cabeça, Laerte pega sua mala e sai. Ela começa a chorar e falar consigo mesma.

         OLINDA – Calma… Calma… Você nunca mais vai ver esse homem.

         Ela respira fundo, limpa as lagrima, vai se levantar e é surpreendia por Jurandir, que vem da rua.

         JURANDIR – Pode ir me explicando quem era aquele cara que tava aqui.

         Olinda fica sem reação.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 5/ INTERIOR/ NOITE/ CASA DOS OLIVEIRA / QUARTO

         Brenda está no quarto, chorando, ouvindo toda a conversa pela porta. Logo após, ela corre pra janela e vê Laerte indo embora em seu carro.

         CORTA PARA

CENA 6/ INTERIOR/ NOITE/ CASA DE KAIO/ ENTRADA

         Kaio sobe com dificuldade, as escadas na estrada de sua casa, que fica em cima da padaria de sua mãe.

         KAIO – (grita) Mãe! Abre aqui…

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 7/ INTERIOR/ NOITE/ CASA DE KAIO/ SALA

         Terezinha corre para abrir a porta para seu filho, Ela se assusta ao vê-lo machucado.

         TEREZINHA – O que é isso Kaio? Como machucou assim? Vamos pro hospital agora, anda!

         KAIO – (vai entrando) Calma mãe, não precisa disso tudo. É só um machucado bobo…

         TEREZINHA – O que aconteceu, você não foi estudar?

         KAIO – (senta no sofá) Eu acabei bebendo demais… Fui atropelado… (pausa) Fui atrás da Camila também…

         TEREZINHA – Você perdeu a aula por causa dela? Não é possível…

         KAIO – Calma mãe, deixa eu te explicar…

         A conversa segue em sem áudio. Terezinha fica surpresa.

         CORTA PARA/

CENA 8/ INTERIOR/ NOITE/ PENSÃO DE YOLANDA/ RECEPÇÃO

         Bruno e Camila entram na pensão. Yolanda (60 anos, pele branca e cabelos platinados) está no balcão da recepção.

         YOLANDA – Trazendo garotas pra cá, senhor Bruno?

         BRUNO – Primeira vez que eu faço isso né?

         YOLANDA – Tem razão… (para Camila) Olha, esse menino é de ouro em.

         CAMILA – Ah sim, mas somos só amigos? (ela cumprimenta Yolanda) Tudo bem? Adorei o cabelo!

         YOLANDA – Obrigada, minha jovem. Tô tentando ficar mais moderna. Na próxima vez vou deixar ele todo colorido!

         Os três riem. Bruno e Camila vão até o final de um corredor.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 9/ INTERIOR/ NOITE/ PENSÃO DE YOLANDA/ QUARTO DE BRUNO

         Bruno e Camila entram em um quarto simples, com uma cama de solteiro e uma mesa de estudos cheia de papeis.

         BRUNO – Bem-vinda! Pode ficar à vontade! (ele fecha a porta e Camila observa tudo)

         CAMILA – Obrigada… Sua mãe é bem descolada pra idade né.

         BRUNO – Bastante… (pausa) Mas ela não é minha mãe biológica… Yolanda me contou que fui encontrado por um casal que me deixou em um desses quartos da pensão… E ela nunca conseguiu localizar eles… Então me adotou e me criou…

         CAMILA – Sinto muito…

         BRUNO – Não sinta. Não queria crescer com pais que são capazes de abandonar uma criança…

         CAMILA – É…

         BRUNO – Pronto, agora você sabe a coisa mais importante sobre mim. Quero saber de você agora!

         CAMILA – (ri) Eu também não conheço meu pai, fui criada só pela minha mãe… é a pessoa que eu admiro nessa vida!

         BRUNO – Além da criação por mães solteiras, a gente tem outra coisa em comum… (pega o violão)

         CAMILA – A música!

         BRUNO – Vamo terminar aqueles versos?

         CAMILA – (animada) Claro! Vamos!

         Eles pegam um papel e começam pensar em versos, enquanto Bruno faz alguns acordes no violão.

         CORTA PARA/

CENA 10/ EXTERIOR/ NOITE

         Laerte passa, lentamente, com seu carro por uma rua com prostitutas na calçada. Ele para em enfrente a uma delas, que entra no carro.

         PROSTITUTA – (provocante) De novo você?

         LAERTE – Algum problema?

         PROSTITUTA – Nenhum! Casamento tá difícil né… Eu faço você esquecer aquela chata!

         Ela se insinua pra ele, passando a mão na calça de Laerte.

         LAERTE – Vamos pro motel de sempre.

         Ela da partida do carro.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 11/ INTERIOR/ NOITE/ MANSÃO RIOS/ SALA DE TV

         Ana Alice está sentada assistindo a TV. Pode-se ouvir a voz de Giselle cantando no estúdio. Ela olha para o relógio e faz cara de insatisfeita. Depois, desliga a TV e sobe as escadas, triste.

         CORTA PARA/

CENA 12/ INTERIOR/ NOITE/ CASA DOS OLIVEIRA/ SALA

         Discussão acalorada entre Jurandir e Olinda.

         OLINDA – Para de gritar Jurandir, vai acordar a Brenda!

         JURANDIR – Tô nem ai! Você me deve explicações, eu quero saber quem era aquele cara que veio num carrão pra cá.

         OLINDA – Eu não te devo satisfação!

         JURANDIR – Como não? Eu sou seu marido!

         OLINDA – (pausa e tenta ficar calma) Ele era só um ex-patrão, que veio procurar meu serviço, pronto! (vai saindo, mas volta)

         JURANDIR – Volta aqui, sua mentirosa! Acha mesmo que vou acreditar nessa historinha!

         OLINDA – Jurandir, eu não tenho motivo nenhum pra mentir!

         JURANDIR – Como pode me garantir isso? Eu não deixo ninguém dormir nessa casa enquanto você não me falar a verdade! Anda! (bate na perna dela com a muleta e grita) Fala Olinda, eu sou seu marido, cê tem que me falar!

         OLINDA – (explode) Você não é nada, Jurandir! Eu não te amo, eu não gosto de você, eu me casei porque eu tava desamparada e você acabou me conquistando. Eu vi em você um porto seguro pra mim, mas eu tava completamente enganada! A impressão que dá é que você me fez uma lavagem cerebral, porque não tem motivo pra eu continuar casada com um imprestável como você! (respira ofegante)

         JURANDIR – Sua vagabunda, ordinária! (ele avança contra Olinda e acaba caindo) Olha o que você fez!

        Muito nervosa, Olinda observa o marido caído por alguns segundos e acaba o ajudando a se levantar.

         JURANDIR – Eu vou pro quarto e você não vai entrar lá hoje! (vai saindo) Vai dormir ai no sofá!

        Olinda senta e chora. Brenda aparece, também chorando, deixando a mãe preocupada e envergonhada.

        BRENDA – Mãe… não chora… Eu deixo a senhora dormir na minha cama…

         OLINDA – (abraça a filha) Oh minha preciosa, não precisa…

        Elas ficam abraçadas por alguns segundos.

        BRENDA – Mãe? Aquele cara que tava aqui era o pai da Camila?    

        OLINDA – (chocada) Você ouviu a conversa filha?

         BRENDA – Sim…

         OLINDA – (seria) Olha filha, eu vou te falar uma coisa muito séria. Você vai guardar segredo sobre isso, você nunca vai dizer pra ninguém, vai fingir que nunca ouviu nada, tá bom? Me promete!

         BRENDA – (fala baixo) Prometo…

         OLINDA – Nunca que a Camila, nem o seu pai podem ficar sabendo. Vai ser nosso segredo esse, tá bem?

         BRENDA – Tá…

         OLINDA – Promete de novo, pela vida da sua mãe.

         BRENDA – (um pouco assustada) Prometo mãe.

         Elas voltam ao abraço.

         OLINDA – Vai ficar tudo bem filha…

         CORTA PARA/

CENA 13/ INTERIOR/ NOITE/ MANSÃO RIOS/ QUARTO DE ANA ALICE

         Ana Alice está deitada de lado, ainda acordada e de costas para a porta do quarto, por onde entra Laercio. Ela finge dormir e ele anda bem devagar, vai ao banheiro, volta com sua roupa de dormir e deita virado para o outro lado. Uma lagrima molha o rosto de Ana Alice.

         CORTA PARA/

CENA 14/ INTERIOR/ NOITE/ PENSÃO DE YOLANDA/ QUARTO DE BRUNO

         Camila e Bruno ainda estão no quarto. Os dois cantam e Bruno toca o violão

         BRUNO E CAMILA –…eu tenho a formula da sua felicidade, o remédio certo pra sua dor, meus versos vão me ajudar a dizer, e a revelar meu verdadeiro amor…

         BRUNO – E o refrão!

         BRUNO E CAMILA – …não chore assim, olha pra mim, que eu vou te mostrar, o quanto é lindo amar, meu bem querer, minha linda flor, me deixa ser, seu grande amor…

         Eles acabam de cantar, riem e se abraçam. Suas bocas se aproximam por alguns segundos, mas Camila desvia.

         CAMILA – Bruno, ficou maravilhosa!

         BRUNO – Não é? A gente compõe melhor juntos.

         CAMILA – Vamos procurar algum barzinho pra tocar, compor mais?

         BRUNO – (se aproxima) Vou amar fazer isso com você. (provocante) Aliás… Não só isso.

         CAMILA – (fala baixinho) E mais o que?

         Os dois se olham por instantes, suas bocas se aproximam novamente e o beijo finalmente acontece, seguido por caricias intensas. Bruno joga no chão os papeis que estavam na cama se deita com Camila, e continuam com os beijos apaixonados.

         CORTA PARA/

CENA 15/ EXTERIOR/ DIA

         Amanhece. Takes aéreos de diversos pontos da cidade do Rio de janeiro. Imagens de muros cheios de cartazes com o anúncio do show comemorativo de Giselle Rios.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 16/ INTERIOR/ DIA/ ESTÚDIO

         Marisa grava seu programa. Diretor e pessoas da produção por trás das câmeras.

         MARISA – Conversamos com a diva Ivete Sangalo, ex-vocalista da Banda Eva e ela nos deu mais informações sobre o álbum “Festa”, que vai ser lançado no fim desse ano! E falando em Ivete, hoje ela vai participar do grande show de retorno da outra diva Giselle Rios! O que esperar desse encontro em Brasil?

         DIRETOR – (interrompe a gravação e entra do cenário) Corta, corta! O que foi isso Marisa? O que a gente combinou? Não é pra ficar enfiando essa Giselle no roteiro!

         MARISA – Mas eu estava falando da Ivete!

         DIRETOR – Olha, eu sei que você é amiga daquela decadente, mas você não pode colocar seu emprego em risco! O pessoal da emissora não está gostando disso…

         Marisa fica calada e o diretor volta pro seu lugar.

         DIRETOR – Vamos gravar de novo!

         CORTA PARA/

CENA 17/ INTERIOR/ DIA/ ARENA DE SHOWS

         Há um grande palco iluminado na arena e inúmeras pessoas envolta, trabalhando na manutenção dele. Giselle vem do meio da arena, ao lado de Rick, Laerte e de um segurança, comemorando.

         GISELLE – (olhando para o palco, feliz) Que coisa maravilhosa! Ah, meu retorno vai ser triunfal! Amanhã vão ser só elogios pro meu show! Nos jornais, nas rádios, na tv e até nos fóruns da internet! Todos vão estar falando de mim, me enaltecendo!

         RICK – (animado) Você vai bombar, Giselle!

         LAERTE – Eu não ficaria tão animado assim… Não foram vendidos nem metade dos ingressos… Isso aqui corre um sério risco de fracassar…

         GISELLE – Alguém tira esse quase meu ex-empresário daqui, por favor?

         Laerte ri.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Giselle está no palco ensaiando, ao lado da banda e de dançarinos. Ela canta e dança sua nova música.

         GISELLE – … eu sei que você não vive bem sem mim, me fala por que tenta fingir assim, não faz muito bem tentar se enganar, com meu beijo quente você vai pirar, já não dá mais pra escapar, você está na minha mão, como um refém do meu amor, sou dona do seu coração…

         CORTA PARA/

CENA 18 / INTERIOR/ DIA/ PENSÃO DE YOLANDA/ QUARTO DE BRUNO

         Bruno e Camila estão dormindo, bem agarrados, na cama de solteiro, embaixo dos lençóis, até que ela acorda, olha pro relógio, se assusta e levanta rapidamente, trajando apenas roupa intima. Bruno também acorda.

         CAMILA – Meu deus, 9 horas já! Tô mais que atrasada.

         BRUNO – O que que tem, minha cantora… Volta pra cá, tava tão bom, a gente aqui, apertadinho…

         CAMILA – (se veste) Tá doido, era pra eu tá no serviço as oito. E minha mãe, Jesus, ela vai me matar!

         BRUNO – Eu falo com ela…

         CAMILA – (ri) Só vai deixar ela mais estressada, saber que eu dormi com um desconhecido.

         BRUNO – (se levanta, apenas de cueca e vai pegar suas roupas) Eu não sou um desconhecido.

         CAMILA – Pra ela é! Olha, eu amei a noite, mas eu preciso correr agora, tá?

         BRUNO – Também amei a noite… Foi a melhor da minha vida!

         CAMILA – Tchau, lindo… (dá um beijo nele)

         BRUNO – Não quer que eu vá com você?

         CAMILA – Não precisa, obrigada… (vai saindo)

         BRUNO – Camila, espera! (pega o papel com a música) Leva a letra da nossa música!

         CAMILA – Vou ensaiar muito pro nosso show, que a gente ainda vai fazer.

         Eles dão outro beijo e um abraço, depois, Camila sai. Bruno com um sorriso bobo no rosto.

         CORTA PARA/

CENA 19/ EXTERIOR/ DIA

         Camila anda rapidamente, pega a letra da música e pensa.

         CAMILA – Essa música via me deixar famosa!

         Ela caminha, determinada.

FIM DO CAPITULO

 

No próximo capítulo…

Chega a noite do show de Giselle e, nos bastidores, ela acaba falando mais do que deveria, sem saber que um jornalista estava gravando a conversa. Camila tenta se aproximar de Laerte e entregar a ele a musica composta por ela e Bruno.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr

LEIA TAMBÉM

>
Rolar para o topo
Suporte Cyber TV
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos lhe ajudar?
Estamos sempre disponíveis.
Powered by