DIVAS – Capítulo 11

 A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

CENA 1/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/ QUARTO DE GISELLE

         Continuação imediata da última cena do capítulo anterior.

         Marisa chocada com a revelação de que Giselle não é filha de Laerte.

         MARISA – (se levanta) Giselle, como assim? Eu te conheço desde pequena e nunca soube disso…

         GISELLE – Tem muitas coisas que você não sabe sobre mim.

         MARISA – Nossa! Achei que éramos confidentes. Mas me conta essa história toda, já tô nervosa.

         GISELLE – Eu nunca conheci meu pai verdadeiro: ele morreu alguns dias depois que eu nasci, segundo minha mãe disse… Foi um infarto.

         MARISA – Deve ter sido triste saber disso…

         GISELLE – É, foi. (pausa) Mas quando eu tinha uns 8 anos, minha mãe casou com o Laerte. Ele foi meu pai por todo esse tempo.

         MARISA – Tô chocada! Mas então você considera ele, seu pai?

         GISELLE – Considerava! Ele me usou pra ganhar dinheiro, e agora só me prejudica. Ele nunca me viu como filha, mas como uma fonte de grana.

         MARISA – Você não tá exagerando, amiga?

         GISELLE – Não mesmo! Essa é a pura verdade!

         MARISA – Tá, mas a troco de que você quer revelar essa história?

         GISELLE – Já te disse que é pra ajudar no lançamento da minha música. Mas eu vou fazer questão de dizer tudo o que meu pai/. Quer dizer. Tudo que o Laerte fez comigo!

         MARISA – Mas Giselle, você pensou na sua mãe? Ela precisa saber que você pretende revelar isso, afinal, tem a ver com ela também.

         GISELLE – Ah, depois eu falo com ela.

         MARISA – Então tá bem…

         GISELLE – E aí, você vai soltar a bomba no “POP +?

         MARISA – Claro! Uma notícia dessas o Armando nem pode me proibir de dar!

         As duas tocam as mãos, comemorando.

         CORTA PARA/

CENA 2/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/ ÁREA DE SERVIÇO

         Local repleto de estantes com ferramentas de jardim, alguns vasos com folhagens. De um lado mais reservado, a lavanderia.

         Judite e Josias esperam por Ana Alice. Ele mexe em algumas ferramentas e para assim que a patroa chega.

         ANA ALICE – Bom dia!

         JOSIAS – (tímido, cumprimenta) Bom dia.

         ANA ALICE – E então, já deu uma olhada em tudo?

         JOSIAS – Já sim…

         JUDITE – Eu já expliquei algumas coisas que o seu Gomes fazia, dona Ana.

         ANA ALICE – Que ótimo! Acho que você vai saber explicar o serviço melhor do que, né Judite. (sorri)

         JUDITE – Mas a senhora é que manda!

         ANA ALICE – Você pode começar por onde achar necessário, tá ok, Josias?

         JOSIAS – Não vou decepcionar.

         ANA ALICE – Bom trabalho!

         Ana Alice sai. Judite e Josias sorriem um pro outro.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 3/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/ SALA DE ESTAR

         Laerte entra em casa depois de ter dormindo com Jamily no motel. Ana Alice vem da cozinha e para perto da mesa da jantar, ao ver o marido chegando.

         ANA ALICE – (comenta, baixo) Dormindo fora agora…

         LAERTE – (vai em direção a escada) Tá achando ruim?

         ANA ALICE – Você nem disfarça mais, né Laerte.

         LAERTE – (sobe sem olhar pra esposa) Se tá insatisfeita, pede divórcio.

         ANA ALICE – Queria ver se fosse eu quem fizesse isso…

         Ele desce rapidamente e vai até a esposa.

         LAERTE – O que você está insinuando, em, Ana Alice?

         ANA ALICE – Nada, Laerte…

LAERTE – Você nem pensa em arrumar outro!

         Ana Alice passa na frente do marido, pega sua bolsa no sofá e vai caminhando até a porta. Ele a segue, indignado.

         LAERTE – Que isso? Tá achando que vai saindo assim, sem me responder e sem falar onde vai?

         ANA ALICE – (para na porta e vira pra ele) Vou me encontrar com a Abigail, Laerte. Vou voltar a trabalhar. Não vou te trair. Não vou te pagar na mesma moeda. Mas essa minha situação com você não vai durar muito tempo.

         Ela sai e bate a porta. Laerte pensativo.

CENA 4/ EXTERIOR/ DIA/ STOCKSHOTS

         Sonoplastia: Fim de tarde – Fat Family

         Takes da Ilha do Governador e a movimentação matutina no bairro.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 5/ INTERIOR/ DIA/ CASA DE TEREZINHA/ COZINHA

         Kaio passa um café, observando a movimentação nas ruas pela janela. Pensativo.

         INSERT, CENA 18, CAP 10.

         Kaio chega e percebe Tarcísio, dormindo no sofá e com a tv ligada. Ele se aproxima.

         KAIO – Tarcísio… Tarcísio…

         TARCISIO – (acorda lentamente) Oi… Kaio!

         KAIO – Vai dormir aqui?

         TARCÍSIO – Tava vendo um filme… Peguei no sono…

         Kaio ri. Tarcísio se levanta devagar e, sorrateiramente, dá um beijo no rosto de Kaio.

         TARCÍSIO – Boa noite.

         Ele segue pro seu quarto. Kaio fica sem graça e coloca a mão sobre o rosto, onde Tarcísio deu o beijo.

         FIM DO INSERT.

         Kaio termina de passar o café, fecha a garrafa e põe na mesa. Tarcísio chega.

         TARCÍSIO – (bocejando) Bom dia…

         KAIO – (senta) Dia… Quer café?

         TARCÍSIO – (senta também) Quero. Ontem fiquei na sala e nem lembro ter ido pro quarto.

         KAIO – (ri) Eu que te acordei, lembra não?

         TARCÍSIO – Lembro nada! Tenho um sono bem pesado.

         KAIO – É, deu pra ver.

         TARCÍSIO – Sua mãe já saiu?

         KAIO – Já, tem umas horas. O padeiro chega 4 da manhã.

         TARCÍSIO – Saquei…

         Eles tomam café em silêncio.

         TARCÍSIO – Ei, quer sair hoje depois da sua aula?

         KAIO – Não sei, saio bem tarde da faculdade…

         TARCÍSIO – O que que tem?

         KAIO – Ah…/

         TARCÍSIO – (corta) Vamos sim. Vou te esperar lá na saída.

         KAIO – Já que você tá mandando.

         Os dois riem.

         CORTA PARA/

CENA 6/ INTERIOR/ DIA/ SUPERMERCADO DOIS IRMÃOS

         Camila entra no estabelecimento, decidida. O gerente Manoel vem ao seu encontro.

         MANOEL – Quem é viva sempre aparece…

         CAMILA – Pois é né. Tava com saudade?

         MANOEL – Você não vem trabalhar por dias e ainda é irônica comigo, senhora Camila?

         CAMILA – A gente pode conversar no escritório, seu Manoel?

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 07/ INTERIOR/ DIA/ SUPERMERCADO DOIS IRMÃOS/ ESRITÓRIO

         Manoel entra e Camila vem em seguida.

         MANOEL – Pode explicar o porquê das suas faltas? Tentei te ligar várias vezes e você não atendeu.

         CAMILA – Desculpa, eu devia ter avisado antes mesmo, mas tô com a cabeça cheia. Então… Primeiro, minha mãe tá com um problema de saúde e tive que ficar acompanhando ela no hospital.

         MANOEL – O que ela tem?

         CAMILA – Câncer no estomago…

         MANOEL – Nossa… Que triste. (pausa e fala mais calmo) Mas seria melhor você ter avisado antes que teria que faltar, né? Prejudicou o mercado.

         CAMILA – Perdão, seu Manoel. Mas enfim, tem outra coisa. Quero pedir demissão.

         MANOEL – (surpreso) O que?

         CAMILA – A oportunidade da minha vida chegou e agora vou trabalhar com o que sempre sonhei. Você ainda vai me ouvir nas rádios!

         MANOEL – Se é assim que você quer, tudo bem. Vou resolver com o RH e marcamos o dia do acerto.

         CAMILA – Ótimo! (estende a mão ao gerente) Foram bons meses de trabalho aqui. Mas agora é hora de realizar meu sonho.

         MANOEL – Espero que você não esteja metendo os pés pelas mãos.

         CAMILA – De jeito nenhum, sei do que estou fazendo!

         Eles dão um aperto de mão.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 8/ INTERIOR/ DIA/ SUPERMERCADO DOIS IRMÃOS/ CAIXAS

         Camila vê o caixa onde sua amiga Gilmara está, sem nenhum cliente. Ela se aproxima.

         GILMARA – Olha só, a sumida!

         CAMILA – Tá bem?

         GILMARA – Tudo na paz, e você? Por que sumiu assim, gente?

         CAMILA – Ah, muitas coisas. Vim de despedir de você. Pedi demissão?

         GILMARA – Como assim?

         CAMILA – Vou te contar… Daqui a pouco vou estar gravando uma música minha, nos estúdios do empresário Laerte Rios.

         GILMARA – (surpresa) Me amarrota que eu tô passada! Então você conseguiu!

         CAMILA – Consegui! Agora é vida nova!

         GILMARA – Boa sorte, amiga!

         CAMILA – Obrigada… Quero te agradecer também, pelo incentivo de sempre.

         GILMARA – Só não esquece dos pobres quando ficar rica, em. (ri)

         CAMILA – De jeito nenhum! Agora preciso ir. Vou visitar meu cantor!

         GILMARA – Hum. Vai lá!

         As duas se abraçam.

         CORTA PARA/

CENA 10/ INTERIOR/ DIA/ PENSÃO DE YOLANDA/ RECEPÇÃO

         Yolanda conversa um cliente, entrega uma chave a ele, que caminha até um dos quartos no corredor. Bruno também vem do corredor, com o violão nas costas.       

         BRUNO – Vou tocar, mãe.

         YOLANDA – Ah, filho, tenho uma baita novidade. Sabe o dono do quiosque na praia da Engenhoca? Tô paquerando ele.

         BRUNO – (ri) Não tô interessado em seus casos, mãe.

         YOLANDA – Mas não é só isso. Ele tá procurando cantores pra fazer show ao vivo. Adivinha quem eu indiquei? A dupla Bruno & Camila!

         BRUNO – (animado) Sério, mãe? A Camila vai ficar muito feliz com isso.

         De repente, Camila chega.

         CAMILA – Eu ouvi meu nome?

         YOLANDA – Nossa, você não morre tão cedo, minha querida!

         CAMILA – Por que? (dá um selinho no namorado)

         BRUNO – Minha mãe conseguiu um show pra gente fazer, lá na Praia da Engenhoca.

         CAMILA – Sério?

         BRUNO – Sério. Bora ensaiar hoje? Já vou pedir a um amigo meu o equipamento de som dele.

         CAMILA – (sem graça) Hoje não dá…

         BRUNO – Por que?

         CAMILA – Vim aqui pra te contar… Eu consegui chamar atenção do Laerte Rios.

         YOLANDA – O pai daquela louca Giselle?

         CAMILA – Isso mesmo.

         BRUNO – Quer dizer que você conseguiu? Vai ser agenciada por ele?

         CAMILA – Não tem nada certo. Mas o produtor dele me convidou pra gravar uma música.

         BRUNO – Que música?

         CAMILA – A nossa…

         Bruno fica surpreso, em silêncio por alguns segundos.

         BRUNO – (se distancia) Bom, boa sorte pra você!

         CAMILA – Ficou chateado?

         BRUNO – Não. De jeito nenhum. Pode gravar nossa música e correr atrás do seu sonho.

         CAMILA – Por que ficou estranho assim?

         BRUNO – Nada… É que você tá indo pra um caminho muito diferente do meu…

         CAMILA – (decidida) É o caminho que eu escolhi, Bruno. Se você não quiser ficar comigo por causa disso, tudo bem. Mas eu não vou abandonar meu sonho por ninguém. (e sai)

         BRUNO – (tenta alcança-la) Pera aí, Camila. Não é isso. (desiste e para na porta)

         YOLANDA – Essa menina é bem decidida. Mas ela não tá errada, você tem que apoiar os sonhos dela.

         BRUNO – Eu gosto muito dela, mas essa diferença entre a gente é difícil de superar…

         CORTA PARA/

CENA 11/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/

         Marisa e Giselle descem as escadas, conversando.

         MARISA – Amanhã mesmo, faço o que você me pediu, amiga.

         GISELLE – Vai parar o brasil!

         MARISA – (chega até a porta) Beijos, tchau!

         GISELLE – Tchau!

         Giselle fecha a porta e sorri. Laerte vem da cozinha.

         LAERTE – Posso saber o que a Marisa vai fazer pra você?

         GISELLE – (sarcástica) Amanhã você saberá, paizinho querido.

         LAERTE – Vai lançar a música que roubou?

         GISELLE – Música que eu compus.

         LAERTE – Tá bom… Eu não vou falar nada por que não tem mais jeito. Você já deve ter registrado a música… Foi uma tremenda burrice do Rick ter deixado o arquivo dando sopa…

         GISELLE – Vá brigar com seu produtorzinho então. (vai subindo as escadas)

         LAERTE – Vou me encontrar com o Rick e com Camila Oliveira, que vem gravar aqui hoje…

         GISELLE – (para na escada) É mesmo? Vou adorar conhecer essa tal de Camila. (irônica) Tadinha… Vem gravar uma musica que nem dela é. (continua a subir, rindo)

         Laerte fica pensativo.

         CORTA PARA/

CENA 12/ INTERIOR/ DIA/ COSNTRUSSÃO

         O local é grande e com materiais de construção distribuídos pelos cantos. Abigail e Ana Alice caminham no centro.

         ANA ALICE – Que espaço maravilhoso, Abigail.

         ABIGAIL – Não é? Amanhã mesmo já começam as obras. Vamos dividir em 3 salas de aula: piano, violão e violino.

         ANA ALICE – Vai ficar maravilhosa nossa escola.

         ABIGAIL – Incluir as pessoas desse bairro e de barros vizinhos no mundo da música vai ser lindo!

         ANA ALICE – Tudo começa pela arte, pela cultura!

         Elas batem as mãos, comemorando.

CENA 13/ EXTERIOR/ DIA/ CONDOMINIO

         Camila caminha pela rua do condomínio onde mora Laerte. Ela chega em frente à residência e fica encantada.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 14/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/ SALA DE ESTAR

         Judite abre a porta pra Camila, que entra, muito impressionada com o lugar. Rick vem do estúdio e se aproxima.

         RICK – Então você é a famosa Camila!

         CAMILA – Famosa ainda não. (ri, sem graça)

         RICK – (cumprimenta) Rick Madeira. Eu que falei com você pelo telefone. Como vai?

         CAMILA – Melhor impossível. É um prazer te conhecer.

         RICK – Vamos até o estúdio?

         CAMILA – Vamos, claro. Estou mega ansiosa.

         JUDITE – Daqui a pouco levo um suco pra vocês. (vai pra cozinha)

         Rick e Camila vão até o estúdio.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 15/ INTERIOR/ DIA/ MANSÃO RIOS/ ESTÚDIO

         Rick e Camila entram. Laerte sentado em frente ao computador, se levanta.

         RICK – Deixa eu apresentar. Camila, Laerte. Laerte, Camila.

         LAERTE – Já nos conhecemos, Rick. Não te disse que ela me entregou a música num dos meus supermercados?

         RICK – Ah é verdade…

         CAMILA – Mas te encontrar aqui no seu estúdio é como se fosse a primeira vez.

         Camila fica encantada e se emociona com toda a estrutura e equipamentos.

         RICK – (baixo, pra Laerte) Temos que falar com ela, né…

         CAMILA – Oi? Falar o que?

         LAERTE – Camila, infelizmente eu tenho uma péssima notícia pra te dar…

         CAMILA – Que notícia.

         LAERTE – A musica que você me entregou, não poderá ser gravada.

         CAMILA – Como assim? Por que?

         LAERTE – É importante que você saiba que isso é contra a minha vontade.

         RICK – (envergonhado) E foi culpa minha até…

         CAMILA – Eu não tô entendendo nada…

         LAERTE – A sua música, “Não chore assim”, já pertence a outra artista.

         CAMILA – O que? Mas a musica é minha, eu que compus, junto com o Bruno.

         RICK – (curioso) Bruno?

         CAMILA – Meu namorado/ Que dizer… Não sei. Não importa. O que importa é que a música é minha.

         LAERTE – Mas infelizmente ela já registrada com o nome de outra cantora.

         CAMILA – Que cantora?

         Nesse momento, Giselle entra do estúdio de repente, surpreendendo a todos.

         GISELLE – Eu, minha querida! Giselle Rios!

         Close alternados entre Camila revoltada e Giselle, com ar de superioridade.

         FIM DO CAPÍTULO

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr

LEIA TAMBÉM

>
Rolar para o topo
Suporte Cyber TV
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos lhe ajudar?
Estamos sempre disponíveis.
Powered by