Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Divas – Capítulo 31 (Último/ Interativo)

CENA 1/ INTERIOR/ NOITE/ APARTAMENTO DE MARISA/ SALA

         Continuação da última cena do capítulo anterior.

         Giselle surpresa ao ver Arthur assustado e Marisa só de sutiã.

         GISELLE – A coisa foi boa aqui né? Vocês aproveitaram bem.

         ARTHUR – Calma, Gi. Ela tá bêbada! (para Marisa) Veste a blusa, Marisa. Para de palhaçada.

         GISELLE – Não, não precisa. Vou deixar vocês a vontade. Cheguei numa péssima hora.

         ARTHUR – Não vai assim, Giselle. Eu vim pra te fazer uma surpresa.

         GISELLE – E fez! Mas não esperara isso não. Você é uma canalha, Arthur, igual a todos os homens!

         ARTHUR – Mas eu não fiz nada!

         MARISA – (se aproxima, provocando) Não precisa mentir, amor…

         ARTHUR – (grita) Para de cena, Marisa!

         GISELLE – Eu entendi tudo! Essa daí está querendo se vingar roubando você de mim? É isso? (ri) Pensei que você fosse mais inteligente, Marisa. Acha mesmo que eu vou ligar se você e o Arthur estiverem juntos?

         ARTHUR – Mas eu não tô com ela! Tô com você!

         GISELLE – Comigo uma ova! Eu até acredito que ela tenha te atraído só pra vingar o fato de eu ter substituído ela no POP +/

         MARISA – (corta) Você roubou meu programa, sua vaca!

         GISELLE – Não vou voltar nesse assunto por que você sabe que não foi assim!

         ARTHUR – Marisa, sai daqui, deixa eu conversar com ela a sós.

         MARISA – Eu tô na minha casa, quem tem que sair é ela.

         GISELLE – Eu já vou! Não quero incomodar os pombinhos. Vocês até formam um belo casal. Se merecem! Bye bye…

         Giselle sai.

         ARTHUR – Espera, deixa eu te explicar situação Giselle…

         MARISA – Deixa ela, garoto.

         ARTHUR – (se exalta) Você acabou com meu namoro, Marisa!

         MARISA – Ai, adoro quando você fica bravo assim.

         ARTHUR – Vou pegar minhas coisas e sair daqui.

         Arthur entra e vai em direção as malas, perto do sofá. Marisa tranca a porta e mostra a chave.

         ARTHUR – Me dá essa chave, Marisa.

         MARISA – Vem pegar! (ri)

         Marisa corre e Arthur vai atrás. Eles ficam rodando na sala.

         ARTHUR – Para com isso, sua doida!

         MARISA – Você vai ficar aqui comigo!

         Marisa chega perto da varanda e joga a chave pela sacada.

         MARISA – Pronto! Está preso comigo.

         ARTHUR – Louca! Eu vou ligar pro porteiro!

         MARISA – (indo pro quarto) E eu vou te esperar na nossa cama, amor.

         Close em Arthur, decepcionado.

         CORTA PARA/

CENA 2/ INTERIOR/ NOITE/ APARTAMENTO DE CAMILA/ SALA

         Camila leva os dois policiais até a porta.

         POLICIAL 1 – Obrigado pelo seu depoimento, dona Camila. Boa noite.

         CAMILA – Boa noite…

         Eles saem, Camila fecha a porta e respira fundo. Jurandir e Olinda ali.

         CAMILA – Que noite… Meu Deus do céu. Preciso de um banho.

         OLINDA – Toma sim, minha filha. Precisa relaxar.

         CAMILA – Vai ser difícil…

         OLINDA – Vou ver a Brenda dormiu.

         JURANDIR – Acho que a gente devia mudar desse prédio, em Camila?

         CAMILA – Outro dia penso nisso…

         JURANDIR – Tá certo. Vou ver a Brenda também.

         CAMILA – Vai… (o telefone toca e ela atende) Oi.

         BRUNO – (off) Camila? Como você está? Vi tudo pela tv…

         CAMILA – (revira os olhos) Ficou tudo bem, Bruno. Foi um baita susto.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 3/ INTERIOR/ NOITE/ PENSÃO DE YOLANDA/RECEPÇÃO

         Continuação do telefonema.

         BRUNO – Graças a deus… Fiquei muito preocupado.    

         CAMILA – (off) Mas já estou bem.

         BRUNO – Se quiser posso passar aí… Hoje, ou amanhã…

         CAMILA – (off) Já está tarde né, preciso descansar. E amanhã é o julgamento do Laerte… Vou estar muito ocupada e estressada. Melhor nos encontrarmos num dia mais calmo.

         BRUNO – Tudo bem, eu entendo. Boa noite então.

         CAMILA – (off) Boa noite. (desliga)

         BRUNO – Beijo. (percebe que ela desligou)

         YOLANDA – O que ela disse?

         BRUNO – Não quer me ver agora…

         YOLANDA – Com razão, né. Espera as coisas se acalmarem.

         BRUNO – Definitivamente eu não faço mais parte da vida dela…

         Close em Bruno.

         CORTA PARA/

CENA 4/ EXTERIOR/ NOITE-DIA/ STOCKSHOTS

         Takes da noite, seguidos pelo nascer do sol.

         Plano geral num tribunal.

         CORTA PARA/

CENA 5/ INTERIOR/ DIA/ FÓRUM/ CORREDOR

         Camila caminha pelo corredor, acompanhada por Jurandir e Olinda. Mais perto da sala de julgamento eles encontram Ana Alice, Josias, Judite e Giselle. Todos se cumprimentam.

         ANA ALICE – Chegou o dia!

         OLINDA – Não vejo a hora do Laerte ser condenado.

         GISELLE – Como passou a noite, Camila?

         CAMILA – Bem, na medida do possível.

         ANA ALICE – Que loucura esse caso com o Aristóteles, em?

         CAMILA – Foi um susto horroroso.

         ANA ALICE – Sempre soube que ele não valia nada.

         Kaio chega.

         KAIO – Bom dia gente. Estão todos bem? Já já vai começar o julgamento.

         CAMILA – Eu sei que você vai conseguir.

         Laerte chega, acompanhado de um policial e de Hortência Meireles. Ele troca olhares com todos. Hortência encara Kaio e depois entra com seu cliente.

         KAIO – Vou entrar. Daqui a pouco vocês serão chamadas.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 6/ INTERIOR/ DIA/ FÓRUM/ SALA DE JULGAMENTO

         Todos ali presente. Juiz e dois promotores ao lado dele. Laerte e Hortência de um lado. Camila, Olinda, Jurandir, Giselle, Ana Alice, Josias, Judite, Tarcísio, Rick, e Kaio, em pé, do outro lado.

         JUIZ – Estamos aqui para julgar Laerte Rios como responsável ou não pela tentativa de homicídio que Olinda da Silva Oliveira alega ter sofrido. Vale lembrar que o réu já está condenado a 6 meses de reclusão por agredir sua então esposa, Ana Alice Macedo.

         Close em Laerte, nervoso.

         JUIZ – Laerte, o senhor afirma ser culpado ou inocente?

         LAERTE – Inocente!

         Instantes.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Olinda testemunhando. Kaio faz perguntas a ela.

         KAIO – Dona Olinda, peço que nos conte exatamente tudo o que ocorreu na festa em que a senhora sofreu essa tentativa de homicídio.

         OLINDA – Bom, eu não queria ir naquela festa. Eu sabia que o Laerte era o pai da minha filha e ele já tinha me ameaçado antes. Se eu revelasse toda a verdade e a Camila descobrisse tudo, ele iria se vingar.

         KAIO – Quer dizer que houve uma ameaça antes dessa festa.

         OLINDA – Sim, quando eu fui fazer um trabalho na casa dele, eu era diarista. Eu não sabia que ele era o dono da tal casa e nem que ele tinha ficado rico. Naquele mesmo dia ele me ameaçou e me ofereceu dinheiro em troca do meu silencio.

         KAIO – Mas retornando à festa, como foi que ele tentou te matar?

         OLINDA – Eu vi ele indo pra área externa da casa e o segui. Foi nessa hora que eu ouvi ele falando sobre a filha da Judite, a Jamily. Eles eram amantes e o Laerte obrigou ela a abortar. Quando ele percebeu que eu estava ali, nós começamos a discutir. Eu estava pronta pra pegar minha filha Camila e ir embora dali quando ele me jogou na piscina e me afogou.

         KAIO – (para o Juiz) Sem mais perguntas.

         Kaio volta ao seu lugar. Hortência fica em frente de Olinda.

         HORTÊNCIA – Senhora Olinda Oliveira. A senhora afirma ter sofrido uma tentativa de homicídio há quase 2 anos atrás pelo meu cliente. Por que demorou tanto a denunciá-lo?

         OLINDA – Eu fiquei um coma por causa do afogamento.

         HORTÊNCIA – Sim… E um estado de coma afeta diretamente no cérebro de uma pessoa, disso todos nós sabemos. Como que a senhora pode provar que meu cliente te afogou? Isso não seria um delírio de sua mente pós coma?

         KAIO – (se levanta) Protesto! Minha cliente passou por vários testes mentais.

         JUIZ – (para Hortência) Prossiga.

         HORTÊNCIA – O que tem a me dizer, dona Olinda.

         OLINDA – Eu não posso provar, mas foi o que aconteceu. Ele é a única pessoa naquela festa que poderia fazer isso.

         HORTÊNCIA – Esse julgamento é uma piada. Não há provas nenhuma contra meu cliente, é simplesmente a palavra dessa senhora contra a do Laerte.  Sem mais perguntas.

         JUIZ – Vamos a próxima testemunha, Camila Oliveira.

         Sonoplastia: Suspense

         Camila se senta. Em time-lapse, vemos Camila falar, fora de áudio. Logo após, Giselle, Jurandir e Ana Alice testemunham, todos fora de áudio.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Plano geral da sala.

         Fim do áudio em fade out.

         JUIZ – Vamos ouvir agora a testemunha Judite dos Santos.

         Judite senta na cadeira de testemunha. Kaio se aproxima.

         KAIO – Judite, qual era a sua relação com o réu Laerte Rios?

         JUDITE – Eu fui empregada na casa dele por quase 10 anos.

         KAIO – Ele era um bom patrão?

         JUDITE – Não muito. Sempre muito mandão e grosso. A ex-esposa dele que sempre foi muito gentil. Me tratava como da família.

         KAIO – Quando foi que a senhora descobriu que ele causou indiretamente a morte de sua filha, Jamily.

         HORTÊNCIA – (se levanta) Protesto! Isso não vem ao caso. A filha da senhora Judite faleceu numa clínica clandestina que já foi interditada.

         KAIO – O seu cliente que obrigou Jamily a abortar, o que prova a índole do mesmo.

         HORTÊNCIA – Isso, mais uma vez, não prova nada. A ligação entre Laerte e Jamily nunca foi comprovada.

          JUIZ – (se exalta) Ordem, por favor! Doutor Kaio, prossiga com sua pergunta.

         KAIO – Como foi saber que o Laerte estava envolvido na morte de sua filha, dona Judite?

         JUDITE – Foi um choque, mas de certa forma eu já desconfiava. Eu  vi ele falando ao telefone com uma mulher de nome Jamily, no dia da festa mesmo.

         KAIO – Falando sobre o dia da festa, a senhora viu Olinda seguindo Laerte pra área externa da casa?

         JUDITE – Eu estava trabalhando pra servir todo mundo, mas percebi sim que Olinda foi atrás dele. Só não sei se eles estavam sozinhos.

         KAIO – Sem mais perguntas.

         Kaio volta ao seu lugar e vê um policial entrando na sala. Fica esperançoso. O policial entrega um envelope a ele.

         JUIZ – Doutora Hortência, alguma pergunta a Judite?

         HORTÊNCIA – Não, vossa excelência.

         KAIO – Vossa excelência, gostaria de apresentar uma nova testemunha do caso.

         HORTÊNCIA – Protesto! Não há mais ninguém nos autos, todos foram ouvidos.

         KAIO – (se aproxima do juiz) Essa testemunha possui uma evidência que foi conseguida a pouco tempo.

         HORTÊNCIA – Não posso permitir isso sem que haja um recesso no julgamento.

         O juiz conversa com os promotores. Hortência e Kaio se olham.

         JUIZ – Não vejo problema em apresentar essa nova testemunha, já que pode adiantar o caso.

         KAIO – Por favor, o policial Ramon da Costa.

         O policial senta na cadeira de testemunha.

         KAIO – O senhor foi um dos policiais que estavam presentes depois do incidente na festa na mansão, não foi?

         RAMON – Sim.

         KAIO – E como foram os procedimentos de investigação?

         RAMON – Nós colhemos depoimentos de todos, não houve nenhuma falha em nenhum. A senhora Olinda simplesmente foi encontra na piscina. Não haviam câmeras nem seguranças naquela área da casa.

         KAIO – Depois da acusação feita pela Olinda e pela Ana Alice, a delegacia tomou posse de bens do réu Laerte Rios, certo?

         RAMON – Sim, no momento em que ele acordou da cirurgia.

         KAIO – (vai até sua mesa, pega o envelope e dele tira um celular velho. Laerte se assusta) Dentre esses bens pessoais estava esse celular. Com a permissão da polícia, nós investigamos as chamadas do aparelho, junto ao setor de inteligência da delegacia. Permita-me que eu mostre uma das chamadas para vocês.

         Kaio dá o play na gravação.

         LAERTE – (off)Que merda! Bom, pelo menos meu nome não tá envolvido nisso. (pausa) Você já saiu daí, né? Por que a polícia deve parar ai! (pausa) Acho bom. Depois te encontro pra te pagar pelo serviço! Fiquei com medo da Jamily não aparecer aí. (pausa) É uma pena ela ter morrido. Era gostosa pra caramba! (pausa) Mas eu não ia continuar a ficar com ela. Tô desconfiado de que ela é filha da minha empregada. (pausa) Pois é, dei esse mole. Agora chega de papo, preciso voltar pra festa se não vão vir atrás de mim. Valeu!

         Todos surpresos.

         LAERTE – Isso foi forjado!

         HORTÊNCIA – Calma!

         KAIO – Como puderam ouvir, o áudio dessa ligação prova o envolvimento de Laerte com a morte de Jamily. Ligação essa que foi ouvida por Olinda, causando a tentativa de homicídio que sofreu.

         Camila e sua família ficam aliviados.

         LAERTE – (se levanta) Não sou eu nessa gravação!

         JUIZ – Sente-se, por favor, senhor Laerte.

         LAERTE – Isso foi forjado por essa gentinha (olha pra todos). Isso é uma prova falsa. (para Kaio) Esse preto desgraçado está mentindo!

         Todos ficam chocados.

         HORTÊNCIA – (empurra Laerte de volta na cadeira) Senta e fica quieto Laerte.

         KAIO – A reação do réu só prova o mau caratismo do mesmo. Sem mais perguntas, vossa excelência.

         Kaio volta ao seu lugar, sorrindo pra Camila.

         JUIZ – A testemunha é sua, doutora Hortência.

         HORTÊNCIA – (pensa) Não tenho perguntas.

         LAERTE – (revoltado) Como não, você precisa me defender?

         JUIZ – Ordem, por favor! Como todas as testemunhas já foram ouvidas, vamos dar uma pausa para a deliberação.

         Ele bate o martelo.

         CORTA PARA/

         Todos adentram a sala de julgamento novamente. O juiz chega.

         JUIZ – Com base nas testemunhas ouvidas, que foram todas de acusação e na evidência que confirma o envolvimento do réu na morte de Jamily dos Santos, eu, representando este tribunal, declaro Laerte Rios como culpado!

         Close no rosto de Laerte. Todos ali comemoram. Instantes. Hortência vai saindo ao lado de Laerte e para em frente a Kaio.

         HORTÊNCIA – Fez um ótimo trabalho.

         KAIO – Obrigado, doutora.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 7/ INTERIOR/ DIA/ FÓRUM/ CORREDOR

         Laerte sai ao lado de dois policias e passa por todos ali no corredor.

         LAERTE – Desgraçados… Não pensem que isso acabou não! Essa guerra só está começando.

         GISELLE – Você perdeu, Laerte. Perdeu!

         KAIO – Exatamente! E não pense que você me ofendeu me chamando de preto não, por que eu tenho muito orgulho da minha cor. Agradeça por eu não te acusado de injuria racial!

         CAMILA – Não perde tempo falando com ele, Kaio.

         OLINDA – Agora ele vai ter o que merece.

         Laerte é levado. Instantes.

         ANA ALICE – Acabou, gente! Agora podemos voltar a nossa vida normal!

         CORTA PARA/

CENA 8/ EXTERIOR/ DIA-NOITE/ STOCKSHOTS

         Sonoplastia – É assim que se faz: Luciana Melo

         Takes de vários pontos da cidade, durante o dia e a noite.

         LETREIRO: Dias depois…

         Plano geral na casa de Ana Alice, com o jardim decorado para o casamento.

         Fim do áudio em fade out.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 9/ EXTERIOR/ DIA/ CASA DE ANA ALICE/ JARDIM

         Jardim decorado com flores brancas e amarelas. Josias em frente aos bancos dos convidados, com um terno nude, ansioso. Um juiz de paz atrás dele. Judite e Giselle de um lado, Abigail tocando piano do outro lado.

         Camila, Olinda, Jurandir, Brenda, Kaio, Tarcísio, Rick, e outros amigos de Ana Alice e Josias ocupando os bancos.

         Ana Alice caminha até Josias, emocionada. Ele, limpando as lagrimas. Ela chega até ele e os dois dão as mãos. O juiz começa a cerimônia, fora de áudio, apenas com o som do piano de Ana Alice.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         JUIZ DE PAZ – E assim eu os declaro, marido e mulher. Pode beijar a noiva.

         Sonoplastia: You rock my world – Michael Jackson

         Josias beija Ana Alice. Instantes. Todos sorriem e aplaudem.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Começa a festa. Garçons servem os convidados que estão nas mesas. Alguns convidados dançam, em eles Kaio e Tarcísio.

         TARCÍSIO – Um dia vai ser o nosso, não é?

         KAIO – (surpreso) Que isso? Tá me pedindo em casamento?

         TARCÍSIO – Só não ajoelho aqui agora por que sei que ia morrer de vergonha.

         KAIO – (ri) Não faça isso! Mas se isso for um pedido mesmo, eu aceito.

         Os dois sorriem e se beijam.

         Camila ao lado de sua família na mesa. Brenda animada

         BRENDA – Vamos dançar, Camila.

         CAMILA – Depois, Brenda.

         BRENDA – Aff.

         OLINDA – Que foi, Camila? Achei que estava feliz pela dona Ana.

         JURANDIR – Isso aí é saudade do Bruno!

         CAMILA – Ih, vocês são chatos. Vamos dançar, Brenda.

         Elas saem.

         JURANDIR – Ela até saiu.

         OLINDA – Acho que ela já superou o bruno…

         JURANDIR – Será? Sei não em…

         Camila começa a dançar com Brenda. Giselle se aproxima, dançando também. Chega no ouvido de Camila.

         GISELLE – Topa fazer uma surpresa pros noivos?

         CAMILA – O que?

         GISELLE – (pega ela no braço) Vem comigo.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Josias e Ana Alice dançam no meio dos convidados. Giselle e Camila vão até um canto com dois microfones. Camila com o violão.

         GISELLE – Gente! Só um minuto! Quero aproveitar esse momento pra parabenizar o casal novamente e desejar tudo de bom pra eles! Te amo mãe! (todos aplaudem) E agora, eu e minha antiga inimiga e nova best friend Camila, vamos cantar uma música em homenagem ao casal.

         Todos gritam. As duas sentam uma em cada banco. Camila dá o primeiro acorde no violão e começam a cantar.

         CAMILA – Você pensa em mim eu penso em você. Eu tento fugir você tenta esquecer. Longe do seu ninho, meu andar caminho. Deixou por onde passo meus pés no chão. Sou mais um na multidão…

         GISELLE – A mesma carta o mesmo verbo. E sonho só viver pra ti. Quem tem a chave do mistério. Não teme tanto o medo de amar. Me cego. Te enxergo. Não, não vai passar. O amor não tarda estar…

         Elas continuam a música. Os noivos e os outros casais dançam. Instantes.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Sonoplastia – Oops…I did it again: Britney Spears

         Num canto da festa, Giselle bebe. Arthur chega por traz dela, a surpreendendo.

         GISELLE – Tá fazendo o que aqui, cafajeste? Não lembro de ter sido convidado.

         ARTHUR – Sua mãe me convidou…

         GISELLE – Vou matar ela!

         ARTHUR – Calma. Eu só vim me despedir.

         GISELLE – Nem devia ter vindo. Não trouxe a Marisa com você não né?

         ARTHUR – Não… Mas eu vim me despedir de vez. Tô voltando pra Buenos Aires.

         GISELLE – Boa viagem, tudo de bom!

         ARTHUR – Vou voltar pro meu trabalho e Marisa conseguiu um emprego no meu jornal.

         GISELLE – (surpresa) Então vocês estão juntos?

         ARTHUR – Sim…

         GISELLE – Que maravilha. Foi um prazer te ver, faça uma boa viagem e seja muito feliz.

         Arthur vai abraça-la e Giselle se esquiva, saindo rapidamente. Ele sem entender, e ao fundo, Giselle pega mais uma taca de champanhe servida pelo garçom e segue pra pista de dança.

         CORTE RÁPIDO PARA/

         Plano geral no jardim, como todos se divertindo. Instantes. A câmera se distancia lentamente.

         Fim do áudio em fade out.

         CORTA PARA/

CENA 10/ EXTERIOR/ NOITE – DIA/ STOCKSHOTS

         Takes da cidade, anoitecendo e amanhecendo diversas vezes.

         Plano geral numa penitenciaria, numa manhã de sol.

         CORTA PARA/

CENA 11/ INTERIOR/ DIA/ PENITENCIÁRIA/ PÁTIO

         Vários presos tomando sol. De dentro da cadeia, surge Laerte, careca, com algumas marcas de machucado no rosto. Ele observa o pátio por alguns segundos, fixa o olhar numa pessoa sentada de costas e vai até ela. Laerte toca no ombro da pessoa, que vira o rosto pra ele, revelando ser Aristóteles.

         ARISTÓTELES – Ah, mas eu sabia que tu ia ter o mesmo fim que eu.

         LAERTE – (senta ao lado dele) Ao contrário de você, eu sofri uma injustiça.

         ARISTÓTELES – Sei… Igual todo mundo nesse lugar.

         LAERTE – E essa história não terminou não, eu vou sair daqui.

         ARISTÓTELES – Vai, direto pra cova.

         Laerte não dá ouvidos, se levanta e se alonga.

         ARISTÓTELES – Não teve nem como conseguir sela especial, em empresário de merda. Tão rico e não tem um curso superior…

         LAERTE – (aponta o dedo no rosto dele) Eu se fosse você, calava essa sua boca.

         ARISTÓTELES – Tu acha que pode falar assim comigo né. A gente tá igual aqui, seu bosta.

         Laerte pega no pescoço dele.

         LAERTE – Se tu continuar falando assim, eu te mato aqui, tá ouvindo?

         ARISTÓTELES – (engasgando) Fala que me mata, mas vive com marca de porrada dos outros presos.

         Laerte joga Aristóteles pra trás do banco. Rapidamente, outros presos se aproximam, esperando briga. A câmera se distancia lentamente. Aristóteles levanta e tenta partir pra cima de Laerte, mas os dois são segurados pelos guardas.

         CORTA PARA/

CENA 12/ EXTERIOR/ DIA

         Takes da praia de Copacabana. Plano geral no prédio de Camila.

         CORTE RÁPIDO PARA/

CENA 13/ INTERIOR/ DIA/ APARTAMENTO DE CAMILA/ SALA

         Camila e Olinda conversando.

         OLINDA – Filha, você nunca mais falou do Bruno…

         CAMILA – A gente terminou, ué.

         OLINDA – Está feliz com isso?

         CAMILA – (pausa) Tô normal…

         Brenda vem do corredor, animada.

         BRENDA – Mãe, Camila, venham ler o último capitulo da web novela!

         CAMILA – Vai lá, mãe… Depois eu vou, Brenda.

         OLINDA – (se levanta, vai até a filha) Só quero ver se ficou boa essa história. Essa menina vai ser a Ivani Ribeiro da nova geração. (ri)

         As duas saem. Camila sorri, depois fica pensativa. A campainha toca e ao atender, dá de cara com Bruno.

         BRUNO – Oi. Eu vim sem avisar por que se não você ia acabar dando uma desculpa pra eu não vir. Eu quero te pedir perdão de novo por tudo que fiz e te pedir uma chance.

         CAMILA – Bruno, a gente já conversou…

         BRUNO – Eu preciso de você, Camila… Eu sei de todas as minhas falhas, mas eu quero mudar… (entrega um papel) Compus uma música, como pedido de perdão. Por favor, me dá uma chance…

         Camila fica pensativa.

         O que você acha que Camila deve fazer? Dar uma chance a Bruno e reviver esse amor com ele? Ou Camila deve pedir que fiquem apenas na amizade?

CLIQUE NA SUA ESCOLHA

DAR MAIS UMA CHANCE

 

PEDIR PRA FICAR SÓ NA AMIZADE

         

POSTADO POR

Tales D

Tales D

Mineiro de 21 anos. Autor de "Divas" (CyberTV), "Sangue do meu Sangue" (Recanto das Letras), "Espírito Vingativo" (Jovens Escritores).

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • Eu amei este último capítulo, Ta! Você arrasou! Finalmente Giselle conheceu quem era Arthur de verdade! Morta que Brenda está escrevendo a web-novela Divas! É uma alter-ego, sua? (risos). Este julgamento do Laerte foi muito bem escrito! Você conseguiu transmitir uma tensão sem excessos e ao mesmo tempo soube segurar o leitor para a sentença final. Por um momento, quando vi Hortência se destacando no tribunal, pensei não acreditooooooo esse merda do Laerte vai sair ileso dessa joça! Mas Ramon apareceu com um celular antigo e Kaio pode revelar a todos que Laerte estava envolvido na morte de Jamily. Judith vingada!

    Tarcísio e Kaio são tão fofos! Giselle e Camila cantando no casamento de Ana Alice foi muito emocionante, lembrando os velhos tempos hahahah. O Embate de Laerte e Aristóteles foi curto, confesso que esperava algo mais sanguinário hahaha.

    Ansiosa para ler sua história a partir do capítulo 23 e depois conversarmos sobre. Esses personagens fortes permaneceram em nossas memórias por muito tempo, não será nem um pouco fácil dizer adeus. Divas foi uma grande obra.

    • Que comentário maravilhoso! 😀
      O fato da Brenda estar escrevendo a novela foi mencionado em alguns capítulos anteriores. Quis trazer essa metalinguagem hahaha
      Feliz por ter gostado da cena do julgamento. Ela seria maior, com o depoimento de todos, mas decidi ir direto ao assunto!
      A situação de Laerte na cadeia foi mais detalhada nos outros dois finais…
      Espero seus comentários a respeito dos capítulos anteriores. Dizer a adeus a uma história é muito ruim, e ao mesmo tempo, vem um sentimento de dever cumprido! Agora é focar em novas histórias!
      Muito obrigado por seu comentário!

  • >
    Rolar para o topo