Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

E Vamos À Luta! Capítulo 8

E Vamos À Luta!

Novela de Débora Costa

Baseada na telenovela “A Fábrica” de Geraldo Vietri

Escrita por
Débora Costa

Colaboração
Tainá Andaluz

Revisão de Texto
Marcelo Delpkin

Direção de Novelas
Anderson Silva

Direção Artística
Wellyngton Vianna

Núcleo
Cyber TV

Personagens no capítulo

ALEX

ALFREDO

AMANDA

ANGELA

BRUNO

CAMILA

CÉLIA

CÉSAR

CLARICE

DANIEL

DENISE

EDUARDA

ERASMO

FÁBIO

GABRIEL

ISADORA

IVAN

JOSÉ

JOSIVALDO

JULIANA

KIRA

LIZ

LÚCIA

MANUELA

MARTA

NICOLAS

OTAVIANO

PATRICIA


Cena 1/Int./Mansão Camargo/Quarto de Clarice e Alfredo/Dia.

Clarice está se arrumando. Alfredo entra.

ALFREDO

Eu preciso encontrar um eletricista. A Liz ficou preocupada com as instalações.

CLARICE

(se olhando no espelho) As instalações estão perfeitas.

ALFREDO

Depois de ontem, tenho as minhas dúvidas.

Clarice se vira, encara Alfredo e sorri.

CLARICE

Eu coloquei fogo no corredor, meu amor.

ALFREDO

(incrédulo) Por que você fez isso?

CLARICE

Para me vingar da Liz. Já estou farta dela.

ALFREDO

Você ficou louca? A Liz quase pulou da janela. Poderia ter acontecido uma tragédia!

CLARICE

Não tenho tanta sorte assim, Alfredo. Seria perfeito se essa lambisgoia morresse.

Clarice sai. Alfredo não gosta da atitude de Clarice e fica pensativo. 

Cena 2/Ext./Praça/Dia.

Fábio está caminhando. Juliana se aproxima e sorri.

JULIANA

Oi, Fábio, bom dia! Tudo bem?

FÁBIO

Bom dia Tô bem, e você?

JULIANA

Bem também. (sem graça) Foi bom te ver aqui. Hoje eu vou almoçar naquele restaurante perto da escola e gostaria de saber se você quer ir comigo. Não quero ir sozinha.

FÁBIO

(coça a cabeça) Não sei, não, Juliana. Aquele restaurante é cheio de frescura. Não é pra mim.

JULIANA

(ri) Para com isso. O restaurante é público, entra quem quiser.

FÁBIO

O povão não entra.

JULIANA

(sorri) Eu estou te convidando. Você só vai ter o trabalho de ir comigo.

FÁBIO

Não é trabalho nenhum, e, se eu for, eu que pago a conta.

JULIANA

Você e seu orgulho.

FÁBIO

É, e vou morrer assim.

JULIANA

Você vai almoçar comigo?

FÁBIO

(pensativo) Tá bom, eu vou.

JULIANA

(sorri) Obrigada. Te espero lá ao meio-dia.

FÁBIO

Tudo bem.

Juliana sai. Fábio fica pensativo.

Cena 3/Int./Casa de José/Sala/Dia.

Lúcia está sentada, lendo uma revista. José e Amanda se aproximam discutindo.

AMANDA

(nervosa) Por favor, pai?

JOSÉ

Amanda, eu já falei que não!

AMANDA

Mas você deixa o Gabriel dormir fora! Por que eu não posso?

JOSÉ

Porque o seu irmão não vai aparecer grávido aqui!

LÚCIA

Ei! O que tá acontecendo aqui?

AMANDA

(irritada) Eu quero dormir na casa da minha amiga, mas o papai não deixa!

JOSÉ

E eu sou bobo? Tenho certeza que o seu namorado vai aparecer lá.

AMANDA

Não vai!

LÚCIA

Vocês querem parar com isso?

AMANDA

Pede para o papai deixar eu ir, mãe.

LÚCIA

Não, filha, dessa vez ele tem razão. É melhor você dormir aqui mesmo. Deixo você ir na casa dela, mas volta hoje mesmo.

JOSÉ

E com hora marcadinha para voltar.

AMANDA

(tom alto) Mas que droga! Não posso fazer nada!

Amanda sai bate a porta. José ri.

JOSÉ

Adoro quando a gente vence.

Lúcia se levanta e se aproxima de José.

LÚCIA

A gente não venceu. Você sabe que, quanto mais você proibir a nossa filha de se encontrar com o namorado dela, mais ela vai querer ver ele.

JOSÉ

Sério?

LÚCIA

Claro que sim. Não sabe que o proibido é mais gostoso? Então.

Isadora se aproxima lixando as unhas. José cruza os braços. 

JOSÉ

Já arrumou emprego, Isadora?

ISADORA

No fim de semana? Não dá, né? Tenho que esperar até amanhã.

JOSÉ

Acho bom.

ISADORA

Deixa de ser chato, José.

JOSÉ

Chato, não. Aqui eu sou responsável pela minha mulher e meus filhos. Agregados como o Ivan e o Nicolas pagam as contas, comida, essas coisas, e você tá no mesmo barco.

ISADORA

Arruma alguma coisa pra mim lá na fábrica.

JOSÉ

E eu ainda tenho que arrumar uma vaga pra você? Posso saber de quê?

ISADORA

(pensativa, sorri empolgada) Já sei! Posso ser secretária!

JOSÉ

(ri) É uma mulher que é a chefe, não é um homem não. Então cruzar as pernas e usar decote não vai dar certo pra você arrumar a vaga.

Lúcia dá um tapa no braço de José, o repreendendo.

JOSÉ

(mão no braço) Ai! Que foi?

ISADORA

Pode deixar, Lúcia. vou provar pra esse ai que consigo um emprego usando o meu “célebro”.

Lúcia e José se olham duvidosos.

JOSÉ

(resmunga) Vai ser difícil, hein?!

Cena 4/Int./Apartamento de Eduarda/Sala/Dia.

Liz e Kira entram. Eduarda abraça Liz.

EDUARDA

(sorri) Que surpresa boa!

LIZ

Desculpa vir sem avisar, mas eu estava passando aqui perto e quis te chamar para dar uma volta conosco.

Eduarda não gosta de ver Kira, mas disfarça. 

KIRA

(sorri) Oi, Duda.

EDUARDA

Oi.

Patrícia se aproxima.

PATRÍCIA

Tô indo na casa da minha prima.

EDUARDA

Ei! Não vai cumprimentar ninguém, não?

PATRÍCIA

(revira os olhos) Estou de saída, e a visita não é pra mim.

Patrícia sai. Kira ri.

KIRA

Amei essa garota. Tem personalidade.

EDUARDA

(brava) Isso se chama rebeldia. Desde quando me separei do César, que a minha filha me vê como a pior pessoa do mundo.

LIZ

Sinto muito, Eduarda.

KIRA

Vem com a gente. Pelo jeito você precisa. Está tão pálida, cara de cansada… 

EDUARDA

(séria) É impressão sua. Estou ótima.

LIZ

Vem, Eduarda. Eu vou adorar ter você conosco, nós três, as amigas reunidas novamente.

EDUARDA

(sorri para Liz) Por você eu vou, Liz. Vou pegar a minha bolsa. Não demoro.

Eduarda vai para o quarto.

LIZ

(á Kira) Por que a Eduarda te trata assim?

KIRA

(cínica) Sabe que eu não sei?

Cena 5/Ext./Mais Tarde/Rua/ Em frente ao restaurante/Dia.

Juliana está esperando Fábio. Otaviano se aproxima.

OTAVIANO

Oi, Juliana.

JULIANA

Oi.

OTAVIANO

Vai almoçar aí hoje?

JULIANA

(incomodada) Vou.

OTAVIANO

(sorri) Então vamos almoçar juntos.

JULIANA

Estou esperando um amigo.

OTAVIANO

Quem?

Fábio se aproxima. Juliana sorri.

FÁBIO

(á Juliana) Você ainda quer comer nesse lugar de fresco?

JULIANA

(ri) Quero.

Otaviano fica sério e com raiva.

OTAVIANO

Esse aí é o amigo que você estava esperando?

JULIANA

É sim. Agora nos dá licença.

OTAVIANO

Vai passar vergonha, professora. Ele não sabe escrever nem o nome direito, quem dirá pegar os talheres. 

FÁBIO

(raiva) Não me provoca! Ou derrubo essa sua crista.

JULIANA

Vamos entrar, Fábio.

Juliana e Fábio entram no restaurante. Otaviano fica com raiva, pensativo. 

OTAVIANO

(a si mesmo) Você já atravessou muito no meu caminho, Fábio. Isso não vai ficar assim.

Cena 6/Int./restaurante/Dia.

Fábio e Juliana se sentam a uma das mesas. Fábio está incomodado.

JULIANA

Você não gosta mesmo daqui, não é?

FÁBIO

Eu nunca entrei aqui. Nunca me deu vontade.

JULIANA

Quando você provar a comida, não vai querer parar de vir.

Liz, Eduarda e Kira entram no restaurante. Kira vê Fábio e Juliana e sorri maldosa. Olha qual das mesas perto da deles está disponível.

KIRA

(aponta discretamente) Vamos nos sentar ali.

Kira, Liz e Eduarda se sentam a uma mesa de frente à de Fábio e Juliana.

LIZ

(saudosa) A última vez que vim aqui estava com Mauricio e meu pai.

KIRA

Vocês eram muito unidos. Imagino o quanto é doloroso tudo isso.

LIZ

Antes era e muito, mas hoje em dia eu tenho lembranças boas e isso ajuda a preencher o vazio.

EDUARDA

Isso mesmo, Liz.

Mesa de Fábio e Juliana. Fábio está olhando o cardápio e se espanta ao ver um dos valores.

FÁBIO

(tom alto) Ta de brincadeira! Com esse preço, eu quero levar no mínimo o prato pra casa.

Liz reconhece a voz de Fábio. Olha para a frente, o vê e disfarça. Kira percebe.

KIRA

O que foi, Liz?

LIZ

O quê?

KIRA

Você ficou surpresa de repente.

LIZ

Impressão sua.

Kira olha Fábio e sorri.

KIRA

Liz, aquele não é o seu empregado?

LIZ

Ele não é meu empregado. Ele trabalha na tecelagem.

KIRA

Dà na mesma.

EDUARDA

Ai, gente. O que tem de mais ele estar aqui?

LIZ

Nada.

KIRA

Está tão perto, e ele nem nos viu. Vamos dar um oi.

LIZ

Não! Ele está acompanhado, não está vendo?

Eduarda olha Juliana. 

EDUARDA

Eu conheço ela. É professora na escola da Patrícia, e eles são amigos. Sei porque ela me falou.

LIZ

Amigos ou não, não vamos falar com eles, e vamos manter o foco aqui, que é melhor.

KIRA

(sorri) Por que ficou incomodada?

LIZ

(nervosa, tom alto) Eu não estou incomodada!

Fábio ouve a voz de Liz. Olha para a frente, a vê, disfarça e volta a olhar o menu.

LIZ

(a Kira, tom baixo) Tá vendo o que você fez? Agora vai ficar um clima estranho. Eu quero mudar de mesa.

EDUARDA

Aqui está tão bom, Liz. 

Liz e Fábio se olham e disfarçam. Juliana percebe algo.

JULIANA

Está tudo bem?

FÁBIO

Tá.

JULIANA

Já escolheu?

FÁBIO

Não. Escolhe você. Não sendo mato, como qualquer coisa.

JULIANA

(sorri) Está bem.

O garçom serve vinho para Liz, Kira e Eduarda.

KIRA

(ao garçom) Por favor, leve uma garrafa de vinho para ao casal que está sentado aqui em frente. Diga que é um presente nosso.

O garçom sai. Liz fica inconformada. Eduarda percebe que Kira quer provocar Liz.

LIZ

Kira, por que você fez isso?

KIRA

Ele salvou a sua vida, Liz. É o mínimo que posso fazer.

O garçom leva o vinho para Juliana e Fábio.

GARÇOM

Com licença. As senhoritas da mesa em frente mandaram esse vinho para vocês.

Liz fica com vergonha. Juliana as olha. Kira sorri para Juliana. 

JULIANA

Obrigada.

FÁBIO

(estranha) Por que mandaram isso pra cá?

JULIANA

Não faço a menor ideia, mas conheço uma delas, a Eduarda.

FÁBIO

Eu conheço as três, mas não tem por que mandar presentinho. 

JULIANA

As outras quem são?

FÁBIO

Uma tem um nome esquisito… (pensativo) Kira; a outra (tom carinhoso) é a Liz, dona da fábrica.

Juliana observa Fábio. 

JULIANA

Sei, a tal madame que tanto você fala.

FÁBIO

Ela mesma.

Mesa de Liz. 

EDUARDA

A Patrícia quer morar com o César, mas eu não quero. Ele nunca soube cuidar dela.

KIRA

Se ela quer, que mal tem?

EDUARDA

Você não conhece o meu ex-marido. Se bem que, se conhecer, vão se dar muito bem.

LIZ

Por que você acha isso?

EDUARDA

Melhor deixar pra lá.

KIRA

Eu quero saber. Por que você me julga mal?

EDUARDA

(encara Kira) Você sabe.

KIRA

(sorri cínica, disfarça) Juro que não.

LIZ

Fala, Eduarda. Assim vocês podem esclarecer as coisas.

EDUARDA

(pensativa) Tudo bem, vou falar… Eu vi a Kira se agarrando com alguém.

Kira fica séria, com receio. 

LIZ

Com quem?

Eduarda encara Kira.

EDUARDA

Com um rapaz que eu gostava muito, e ela sabia.

Kira sorri aliviada e ri.

KIRA

Que besteira, Duda! Se eu soubesse, não tinha ficado com ele.

LIZ

Brigar por causa de homem é horrível. A Kira não fez sozinha.

KIRA

É, não fiz sozinha. (sorri).

Eduarda se levanta. 

EDUARDA

Com licença. Vou ao toalete (banheiro).

Eduarda sai. Liz olha discretamente Fábio e Juliana, mas disfarça.

KIRA

Você não vai cumprimentar o Fábio?

LIZ

Pra quê? Nem amigo nós somos.

KIRA

Exatamente: para fazer amizade. Eu gostei muito dele.

LIZ

Agora não é o momento.

Fábio olha Liz. Juliana percebe, não gosta, mas disfarça. 

JULIANA

Você deveria ir falar com a tal Liz. Não tira o olho dela.

FÁBIO

Eu? Que é isso? Eu tô é olhando o lugar.

JULIANA

O lugar onde ela está.

FÁBIO

(tom alto, sem perceber) É ruim, hein?! Pra que vou olhar a madame?

Liz ouve e fica irritada.

LIZ

(tom alto) Kira, avisa para o (sarcástica) cavalheiro que está à nossa frente que aqui não é uma feira e para ele falar baixo, por favor.

Fábio ouve e sorri incomodado. 

FÁBIO

(tom alto) Juliana, avisa pra madame que ela não manda aqui não e que falo alto o quanto quiser.

LIZ

(tom alto) É falta de educação incomodar as pessoas por ser um grosseiro.

Fábio se levanta e olha Liz. Ela também se levanta e o encara.

FÁBIO

Já ouviu falar que os incomodados que se mudem?

LIZ

(mão na cintura) Digo o mesmo.

FÁBIO

Então senta aí quietinha, na sua, que eu fico na minha.

LIZ

(inconformada) Mas é muito atrevido mesmo! Acha que pode falar assim comigo?

As pessoas começam a prestar atenção na discussão. Eduarda se aproxima e observa sem entender. Kira sorri maldosa. Juliana se levanta e se aproxima de Fábio. 

JULIANA

É melhor a gente se sentar em outro lugar.

LIZ

Isso, leva esse machão das cavernas para bem longe de mim.

FÁBIO

(ri irritado) Mas é muito nojenta mesmo.

Liz fica com raiva e se aproxima de Fábio. Eles se encaram. Liz aponta o dedo no rosto de Fábio.

LIZ

Escuta aqui/

Fábio segura a mão de Liz. Eles se encaram ofegantes, ao mesmo tempo baixando a guarda, quase se beijando. Kira se levanta com ciúmes. Eduarda observa na torcida. Juliana percebe o clima e fica chateada.

Fim do Capítulo

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

  • Estreia dia 19 de Outubro

    Estreia dia 20 de Outubro

    >