Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Escândalo – Capítulo 34

CENA 01. REDE SONHO DE TELEVISÃO. PÁTIO. EXT. NOITE.

Continuação imediata do próximo capítulo.

=== SONOPLASTIA: TENSÃO ===

Romina mostra o canivete para Mônica, que fica com medo.

ROMINA
Vem, que ieu te furo.

MÔNICA
Abaixa isso.

ROMINA
Ficou com medo? (tenta acertar Mônica, mas esta se esquiva) Vou te marcar a cara, pra nunca mais esquecer de mim. (tenta de novo)

MÔNICA
Para com isso, sua louca.

CAM em Ciro, que vem da rua e vê a briga. Corre até as mulheres, enquanto Romina tenta cortar Mônica. Ciro segura o braço de Romina, que se debate.

CIRO (grita)
Solta o canivete!

ROMINA
Me larga, que ieu vou acabar com atcheasta vadia.

CIRO
Não vai, não. Me dá essa merda!

MÔNICA
Ela tá tentando me matar.

Ciro e Romina lutam pela arma branca. Ele abaixa o braço da estrangeira, mas ela enfia o canivete na barriga dele por acidente. Romina e Mônica ficam apavoradas. A primeira deixa a faca na barriga de Ciro e se afasta.

MÔNICA
Viu o que você fez, sua maluca? (a Ciro) Vou chamar a ambulância.

Mônica ajuda Ciro a se deitar no chão e pega o celular. Romina sem reação. Mônica olha a rival com ódio. Um segurança se aproxima. Ciro geme de dor.

SEGURANÇA
O que aconteceu aqui?

MÔNICA
Um acidente. (disca um número) Tô chamando a ambul… Alô?

O segurança se abaixa e tenta tirar o canivete da barriga de Ciro. Mônica fala em OFF. Romina treme de desespero.

=== SONOPLASTIA OFF ===

CORTA PARA

CENA 02. APARTAMENTO DE RAÚLA. SALA. INT. NOITE.

Raúla e Haila, sentadas no sofá, comem pipoca em uma cumbuca. A TV está ligada no telejornal. CAM na tela.

JORNALISTA (tela)
Daqui a pouco teremos a cerimônia de posse do novo presidente das Organizações Fontana, Miguel di Capri. Nisso se inclui a Rede Sonho.

CAM em Haila e Raúla. O jornalista continua dando notícias, com som em segundo plano.

RAÚLA
Será que o Miguel vai se dar bem como dono de um império? Até semana passada ele era só um tocador de violino no meio da praça.

HAILA
Pois eu acho que ele vai surpreender.

RAÚLA
A ZU falou a mesma coisa.

HAILA
Então? Por que a dúvida?

RAÚLA
Ninguém dá um salto de meia volta da noite pro dia e fica bem. O risco é grande, né?

HAILA
Lembra que ele já deu esse salto antes? No sentido contrário, mas deu. O Miguel nasceu e cresceu na riqueza. Ele sabe como são as coisas. Bem que eu queria ter a mesma sorte. Já pensou? A gente ricaça?

RAÚLA
Não sei se teria talento pra isso. Tô bem feliz com o que ganho do trabalho. Talvez eu fosse uma chata se tivesse nascido em berço de ouro.

HAILA
Pensando por esse lado… eu também. (ri) A riqueza maior tá aqui dentro. (acaricia a barriga) Daqui a sete meses, ele vem.

RAÚLA (também acaricia a barriga de Haila)
Cuida bem dessa vidinha que tá aí, que é meu sobrinho.

HAILA
Esse aqui, ninguém maltrata. (come pipoca)

RAÚLA
Pelo menos ele não vai nascer com cara de pipoca.

As duas riem.

CORTA PARA

CENA 03. APARTAMENTO DE LILIAN. SALA. INT. NOITE.

Laura, Milton e Benjamin assistem à TV e conversam.

LAURA
Estou morrendo de preocupação com a minha filha.

BENJAMIN
Ela está melhor que todos nós. Está lá ajudando o Miguel, dando apoio.

MILTON
E ela vai aparecer?

LAURA
Não, só ele. Deus permita que a vida desse homem seja maravilhosa como ele merece.

MILTON
Falando nisso, como está o casamento deles?

LAURA
Eles se gostam, se respeitam… O Miguel trata a minha filha do jeito que Luciano sempre quis para um genro. O coração dela é que ficou meio bagunçado. Não sabe se ama o César ou o Miguel. É apaixonada pelo César, tem uma relação muito estreita com o Miguel, mas ainda não conseguiu pesar onde está o amor.

BENJAMIN
Minha torcida vai pro Miguel.

MILTON
Sou do time do César. Ele, sim, merece ficar com a Lilian daqui a um ano.

LAURA
Ei! Não quero saber de vocês dois fazendo torcida, não. É a minha filha, entenderam bem?

BENJAMIN
Só disse o que penso.

MILTON
E eu também.

LAURA
Vocês dois não têm jeito, hein!?

BENJAMIN
O que a gente sente por você está bem mais definido.

LAURA
Acho bom mesmo. Com você é amizade, e com o Milton é/

MILTON
Amor sem fim.

LAURA
Convencido!

Os três riem. Laura dá um selinho em Milton.

CORTA PARA

CENA 04. REDE SONHO DE TELEVISÃO. PÁTIO. EXT. NOITE.

Uma ambulância está parada em frente a Ciro, que está fraco e deitado no chão. Os paramédicos colocam o homem na maca e o colocam dentro do veículo. O segurança está ao lado de Romina. Mônica se aproxima de um dos paramédicos.

MÔNICA
Posso ir junto? Sou amiga dele.

PARAMÉDICO
Pode sim.

MÔNICA (se vira para Romina)
Reza bastante, porque, se acontecer alguma coisa com o Ciro, você me paga.

Mônica entra com o paramédico na ambulância, que fecha a porta traseira. O veículo parte.

SEGURANÇA (a Romina)
O que você tava fazendo, moça?

ROMINA
Queria matar aquêla piranha. Cortar a cara dêla.

SEGURANÇA
Ouviu bem, né? Torce pra não acontecer o pior com o doutor Ciro?

ROMINA
Me deixa em paz. Ah, devolve canivete meu.

SEGURANÇA
Tá bom, mas some com isso pra não se encrencar. (devolve)

ROMINA
Ao contrário do que parece, non sou de enfiar a faca em qualquer um.

Romina dá as costas e vai embora. O segurança olha para os lados e anda em direção ao posto na entrada. Na guarita, pega o interfone.

CORTA PARA

CENA 05. REDE SONHO DE TELEVISÃO. PRÉDIO ADMINISTRATIVO. CORREDOR. INT. NOITE.

Melita sai preocupada da sala de Miguel e se junta a Lilian e César.

MELITA
Vocês não vão acreditar no que acabou de acontecer.

LILIAN
Você tá me deixando aflita.

MELITA
A gringa tentou enfiar um canivete na Mônica.

CÉSAR
Como é?

MELITA
Por sorte, nada aconteceu com elas, mas um homem apareceu pra separar as duas e foi atingido na barriga. Está com risco de morrer. Adivinhem quem. (expectativa) O Ciro.

LILIAN
Sabia que ele não ia perder a chance de/ (se dá conta) Você disse que ele foi atingido?

MELITA
Acabou de ser levado de ambulância. A Mônica foi com ele.

CÉSAR
E a Romina?

MELITA
Foi embora. O segurança disse que ela tava desesperada.

LILIAN
Se ela ficou assim por causa do Ciro, imagina o que ela não pode fazer daqui pra frente.

TONY (entra em cena)
O Miguel tá aí?

MELITA
Tá lá dentro te esperando. (a César e Lilian) Vamos entrar?

LILIAN
Melhor não. Depois dessa, a gente vai deixar o Miguel tenso. Tony, avisa a ele que a gente vai assistir da sala de reuniões?

TONY
Como preferir.

LILIAN
Obrigada.

Tony entra na sala de Miguel. Os outros três vão para a sala de reuniões.

CORTA PARA

CENA 06. CASA DE NORMA. SALA. INT. NOITE.

=== SONOPLASTIA: Vinheta do telejornal ===

Norma sentada no sofá.

NORMA
Guilherme, corre, que já vai começar.

GUILHERME (O.S.)
Tô indo. Só botar minha comida.

NORMA
O teu pai aproveitando a vida de rico ao lado daquela sem sal, e a gente aqui pagando os pecados. Quem tinha que estar ao lado dele era a gente.

GUILHERME (vem da cozinha com um prato cheio)
Eu ainda tô lá. Só não fui hoje por causa do corona/

NORMA (enquanto Guilherme se senta)
Não tem vírus que justifique o jeito que ele trata a gente.

GUILHERME
Olha lá o papai. (CAM em Miguel na tela)

NORMA (O.S.)
Que raiva que tô desse homem.

CORTA PARA

CENA 07. REDE SONHO DE TELEVISÃO. PRÉDIO ADMINISTRATIVO. SALA DA PRESIDÊNCIA. INT. NOITE.

Miguel sentado na cadeira, de frente para a câmera. Tony e um cameraman perto do aparelho.

MIGUEL
Boa noite. É com alegria e tristeza, ao mesmo tempo, que entro em contato com vocês, telespectadores. Como eu gostaria de poder adiar o máximo possível este momento, em nome de tudo o que meu pai, Ruggero Fontana, fez pela televisão e pelos meios de comunicação em geral. Eu, como filho e sucessor, espero continuar a missão a fim de desenvolver e modernizar o que Ruggero construiu ao longo de cinco décadas. Para isso, conto com o apoio de vocês. Eu sou Miguel di Capri e estou aqui para proporcioná-los a melhor experiência em arte, cultura, lazer, informação e — por que não? — trabalhar na realização de seus sonhos.

CORTA PARA

CENA 08. APARTAMENTO DE LILIAN. SALA. INT. NOITE.

Laura, Milton e Benjamin assistem à apresentação de Miguel na TV.

LAURA
Ele está tão seguro, vocês não acham?

BENJAMIN
Miguel me surpreende a cada dia.

MILTON
Não lembra nem de longe aquele homem triste e amargurado.

LAURA
Ele se libertou… graças à minha filha.

BENJAMIN
Que é a minha afilhada.

LAURA
Vou até ligar pra ela assim que terminar aí.

MILTON
Manda um beijo pra ela e os parabéns pra ele.

BENJAMIN
Em nome de todos nós.

LAURA
Deixem comigo. (sorri)

CORTA PARA

CENA 09. APARTAMENTO DE RAÚLA. SALA. INT. NOITE.

Raúla e Haila assistem a Miguel e continuam comendo pipoca. Toca sinal de notificação. Raúla pega o celular, lê a mensagem e manda mensagem de voz.

RAÚLA
Oi, Luma! Foi a Nara que pediu o teu contato pra Lili, uma amiga minha. Passei pra Nara direto. Tudo bem? (a Haila) Parece que a Isolda aprontou mais uma, e a Luma sabe de umas coisas.

HAILA
Luma?

RAÚLA
Veluma de Castro, uma modelo amiga minha. Dividi o quarto com ela algumas vezes quando a gente desfilou no exterior. (toque no celular)

LUMA (V.O., mensagem de voz)
Ela é a ex do Sérgio, não é? Queria mesmo falar com ela. Obrigada, amiga. Beijão!

RAÚLA (responde)
Um beijão pra você também, fofa!

CORTA PARA

CENA 10. HOSPITAL. CORREDOR. INT. NOITE.

Mônica sentada no corredor. Yoná e Isolda vêm correndo e se juntam à primeira.

YONÁ
Oi, Mônica. Vim o mais rápido que pude. (abraça Mônica) Como é que ele tá?

ISOLDA
Quanto pior, melhor.

MÔNICA
Para, que eu tô tremendo até agora. Foi horrível. A maluca queria cortar a minha cara.

ISOLDA
Mas não cortou. Há males que vêm pra bem. Aprende isso.

YONÁ
Ele me sacaneou pra caramba, mas desejar a morte dele já é demais.

ISOLDA
Tá com peninha? Leva pra casa.

MÔNICA
Isolda, eu tô contigo pro que der e vier, mas não vou permitir que fale assim.

ISOLDA
Qual é, mona? Virou santa agora?

YONÁ
Eu tô com a Mônica.

ISOLDA
Humpf! Problema de vocês. Fiquem aí chorando pelo macho de vocês, que eu tenho mais o que fazer. Fui! (sai pelo corredor)

YONÁ
Não tive culpa. Ela insistiu pra vir comigo.

MÔNICA (se senta)
Ele salvou a minha vida.

YONÁ (também se senta)
E eu tô passada até agora. O Ciro nunca foi de ajudar ninguém.

CORTA PARA

CENA 11. HOSPITAL. FRENTE. EXT. NOITE.

=== SONOPLASTIA: SUSPENSE ===

Isolda vai saindo, até que vê um enfermeiro mal encarado pelo caminho e se aproxima dele. Ele usa uma máscara no rosto.

ISOLDA
Com licença. Me dá uma palvrinha?

ENFERMEIRO
Pode falar, dona.

ISOLDA
Você sabe o que aconteceu com o advogado do Ruggero? Me falaram que ele tá aí.

ENFERMEIRO
Tá nas últimas. Levou facada na barriga e perdeu muito sangue.

ISOLDA
Hum… Será que você podia fazer um favor pra mim? Te dou mais do que espera.

ENFERMEIRO
Quer que eu… (olha para os lados) …jogue na cova, né?

ISOLDA
Pago bem.

Isolda abre a bolsa e dá um maço de dinheiro para o homem. Este guarda tudo no bolso discretamente. Isolda sorri de boca. Yoná aparece no portão e, de longe, acompanha a conversa de Isolda e o enfermeiro.

ENFERMEIRO
Quer pra hoje?

ISOLDA
Não. Espera eu voltar amanhã pra fazer uma visitinha. Aí você entra, injeta como se fosse um remédio qualquer e, depois… O depois não importa. Conto com sua discrição.

ENFERMEIRO
Minha boca é um túmulo.

ISOLDA
Melhor assim.

Isolda dá as costas e vai embora. O enfermeiro se afasta no sentido contrário ao dela. CAM em Yoná, desconfiada do que acabou de assistir.

CORTA PARA

CENA 12. PRÉDIO DE NARA. FRENTE. EXT. DIA.

=== SONOPLASTIA: Many Shades of Black – Adele ===

Amanhece. Imagem da fachada do prédio. Poucas pessoas andam pela calçada, enquanto duas mulheres de máscara fofocam ao lado do portão.

CORTA PARA

CENA 13. APARTAMENTO DE NARA. SALA. INT. DIA.

A música toca no aparelho de som. Nara lê uma revista, sentada no sofá. O celular toca. Nara vê um número estranho no identificador, desliga o som com o controle remoto.

=== SONOPLASTIA OFF ===

NARA
(atende) Alô? (tempo) Sim, sou eu. (tempo) Luma? Ah, sim. Queria mesmo falar com você, mas precisava que fosse pessoalmente. (tempo) Sobre isso mesmo. A Lilian te adiantou, não foi? (tempo) Eu posso ir aí/ (tempo) Tá ok. Te espero. (tempo) Obrigada. Você vai me ajudar a resolver um problemão. (desliga)

Nara pensativa. Nando entra pela porta e tenta beijar Nara por trás, mas ela se afasta.

NANDO
O que foi?

NARA
Você veio da rua, né? Tira essa roupa, toma um banho. Depois a gente namora em paz e sem esse vírus pra atrapalhar a gente. (Nando em direção ao corredor) Ah, Nando, vai vir uma moça conversar comigo, e a gente precisava ficar a sós… pra ela ficar mais à vontade.

NANDO
Tá bom… Fico lá dentro vendo alguma coisa.

NARA
Obrigada. (mente) É que ela tá passando por uma fase horrível e só consegue desabafar comigo.

NANDO
Tá. Vou tomar um banho.

Nando sai de cena. Nara volta a ler a revista.

CORTA PARA

CENA 14. HOSPITAL. CORREDOR. INT. DIA.

Poucas pessoas sentadas nos bancos e apenas uma moça de pé, ao lado de uma das idosas. César e Mônica andam pelo recinto, enquanto conversam sobre o estado de Ciro.

CÉSAR
Como ele tá?

MÔNICA
Nada bem. Perdeu muito sangue.

CÉSAR
Mas como foi que aconteceu? Ele falou alguma coisa pra Romina atacar?

MÔNICA
Ela tentou várias vezes me enfiar o canivete. Aí ele apareceu e tentou tirar da mão dela. Tava toda fora de si. Eles lutaram por um tempão, até que ela subiu o braço, e o canivete tava na barriga dele.

CÉSAR
Por que raios vocês tinham que aparecer lá, hein?

MÔNICA
Fui conversar com você, tentar reatar o nosso namoro. Não posso mais?

CÉSAR
Não lá. Você não foi convidada. Não tinha que aparecer. Aposto que ela te seguiu e aproveitou a chance de se esfregar em mim. Você podia ter morrido, sabia?

MÔNICA
Mas não morri. Eu tô do lado do Ciro desde aquela hora. E ela? Cadê? Ela que tinha que estar aqui no meu lugar.

CÉSAR
Pedi pro Breno me ligar se ela aparecer lá em casa.

MÔNICA
Tomara que ele chame a ambulância na hora, que é pra internar num hospício de uma vez.

CÉSAR
É pior. Da outra vez ela tentou se matar, e veio a mídia toda em cima de mim. No final, a culpa é sempre do machista cafajeste.

MÔNICA
Se ela fizer de novo, eu tô aqui pra te defender.

CÉSAR
Melhor não, ainda mais que você tá amiguinha lá da Isolda.

MÔNICA
Tava. A gente brigou de novo. Ela ficou do lado da Romina e quer porque quer que o Ciro…

YONÁ (vem do corredor e se junta a eles)
Já voltou, Mônica?

MÔNICA
Nem fui ainda. Encontrei o César aí fora. (a César) Essa é Yoná, a namorada do Ciro.

YONÁ
Não bem namorada, mas deixa quieto. Tudo bom, César?

CÉSAR
Você tava na briga também?

YONÁ
Não. O Ciro pediu pra Mônica me chamar, aí eu vim. (a Mônica) Já tô pronta.

MÔNICA
Melhor, que aí eu fico mais segura com você do lado.

CÉSAR
O que vocês tão pensando em fazer?

MÔNICA
Vamos pra delegacia. Quero contar tudo o que aconteceu. Não tô segura com a Romina solta por aí.

YONÁ
Fui eu que convenci a Mônica a prestar queixa.

CÉSAR
Então vou com vocês.

MÔNICA
Era o que eu ia pedir mesmo.

CLOSES alternados entre os três personagens.

CORTA PARA

CENA 15. MANSÃO DE LILIAN. SALA. INT. DIA.

Melita dá instruções à empregada, que limpa os móveis. Lilian desce as escadas. Boceja no meio do caminho e depois se junta a Melita.

LILIAN
Bom dia, Melita!

MELITA
(à empregada) Se precisar, me chama. (a Lilian) Bom dia, Lilian. Dormiu bem?

LILIAN
Mais ou menos. Tive um sonho meio estranho… Estava em um julgamento… O Ciro acusava o Miguel de matar o Ruggero, o meu pai e mais umas pessoas. De repente entrava uma sombra ou algo assim e ia testemunhar. O Miguel foi inocentado, mas, na hora em que a sombra ia revelar o nome do culpado… acordei assustada. O César mandou uma mensagem dizendo que o Ciro tá entre a vida e a morte e que a Mônica resolveu mesmo denunciar a Romina.

MELITA
O que essa mulher precisa é de internação. Completamente pirada.

LILIAN
Fiquei com medo agora. E se ela tentar me matar, como fez com a Mônica?

MELITA
Tira isso da cabeça, que não vai acontecer nada.

LILIAN
Tomara.

CORTA PARA

CENA 16. HOSPITAL. QUARTO DE CIRO. INT. DIA.

=== SONOPLASTIA: SUSPENSE ===

Ciro deitado na cama, gemendo de dor. Isolda entra sorrateiramente e fica de frente para Ciro.

CIRO
Veio rir da minha desgraça?

ISOLDA
Não ia perder a oportunidade por nada. (gargalha) Sabe o que me deixa mais bolada? O que deu em você pra separar a briga de duas malucas no pátio da Sonho? Aliás, o que você foi fazer lá? Atrapalhar o pronunciamento do Miguel, é?

CIRO
Queria matar esse desgraçado.

ISOLDA
E agora ele tá firme e forte ao lado da mulher dele, e você aí de cama.

ENFERMEIRO (entra)
Com licença. Vim aplicar um medicamento pra dor.

ISOLDA (V.O., enquanto o enfermeiro aplica uma seringa no soro)
Fez de tudo pra tomar a fortuna do Ruggero e acabou sem nada.

ENFERMEIRO
Se precisarem de alguma coisa, me chamem pelo botão ali. (sai)

CIRO
Eu vou me recuperar e acabar com um por um, começando por você, sua vagabunda.

ISOLDA
Então vai ficar pra próxima encarnação, porque esse lindo remedinho que ele aplicou aí vai te mandar direto pro caixão. (Ciro assustado) Bye-bye, amore.

CIRO
Volta aqui!

Isolda sai. Ciro tem uma forte crise causada pelo efeito do cloreto de potássio: perde a respiração e depois a consciência. Ciro está morto.

=== SONOPLASTIA OFF ===

CORTA PARA

CENA 17. DELEGACIA. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Meia dúzia de figurantes entre os que esperam por atendimento, junto com três policiais e quatro atendentes. Movimentação tranquila.

César e Mônica sentados nos bancos, ao fundo. Yoná fala ao celular desolada.

YONÁ
Obrigada por avisar.

Yoná desliga o celular e se aproxima de César e Mônica, seguida pela CAM.

MÔNICA
O que aconteceu? Não me diga que/

YONÁ
Infelizmente aconteceu, sim. (Mônica chora) O pior é que eu tô desconfiada de uma coisa.

CÉSAR
Você viu alguma coisa?

YONÁ
Lembra quando fui pegar um ar, depois que a Isolda foi embora ontem? (Mônica confirma com a cabeça) Ela tava conversando com um enfermeiro num tom muito estranho… e deu dinheiro pra ele.

CÉSAR
Você acha que ela pode…?

YONÁ
Não posso acusar, mas achei muito estranho o que vi.

MÔNICA
Ela tava mesmo querendo acabar com o Ciro, desde que ele… As coisas não estavam bem desde que o irmão dele morreu.

CÉSAR (a Yoná)
Você vai falar tudo o que viu, não vai?

CLOSE em Yoná, pensativa e segura de sua decisão.

CORTA PARA

CENA 18. APARTAMENTO DE NARA. SALA. INT. DIA.

Nara termina de arrumar o sofá. Toca o interfone. Ela sai para o corredor e atende ao aparelho.

NARA
(O.S.) Sim? (tempo) Pode mandar subir. Obrigada.

Nara volta pra sala e espera até que tocam a campainha. Ela vai até a porta e abre para Luma.

NARA
Luma?

LUMA
Como vai, Nara? Vim contar tudo que sei sobre Isolda Calderón.

CLOSES alternados entre Nara e Luma.

CORTA PARA

CENA 19. MANSÃO DE LILIAN. ESCRITÓRIO. INT. DIA.

Lilian e Miguel sentados à mesa. Ele na cadeira que era de Ruggero.

MIGUEL
Acabaram de me ligar. (suspense) O Ciro está morto.

=== SONOPLASTIA: TENSÃO ===

LILIAN (chocada)
Nossa Senhora!

Miguel pega nas mãos de Lilian para tranquilizá-la. CLOSES alternados entre eles.

=== SONOPLASTIA OFF ===

Efeito de fim de capítulo: imagem de Miguel e Lilian congela; efeito de flash de fotografia; imagem fica em preto e branco.

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo