Falso Amor – Capítulo 11

ATENÇÃO: A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

FALSO AMOR
Capítulo 11

novela de
DÉBORA COSTA
com colaboração de
TAI ANDALUZ

revisão de texto
MARCELO DELPKIN

direção artística
WELLYNGTON VIANNA

personagens no capítulo

ÁGATA

CRISTINA

DANIELA

EDGAR

FLÁVIO

GILBERTO

GLAUCO

HENRIQUE

JANETE

RÉGIS

ROBERTA

SILVIA

SUELI

TICO

Cena 1/Mansão dos Werneck/Suíte de Flávio/Int./Noite.

Henrique sai do banho, com uma toalha na cintura; Se aproxima da janela e olha para fora.

HENRIQUE

Amanhã quero conhecer essa casa toda.

CRISTINA

(entra com uma bandeja na mão, sorri) Flávio, eu trouxe o jantar para você. (coloca em cima da mesa; Henrique olha Cristina) Está tudo bem com você, meu amor? Estou te achando calado demais.

HENRIQUE

(se afasta da janela) Fiquei uma semana naquele inferno.

CRISTINA

(se aproxima de Henrique) Deve ter sido muito difícil, meu amor, eu sei. (acaricia o rosto de Henrique) Mas agora já acabou. Régis e eu decidimos deixar tudo como está, não colocar a polícia nisso, com medo de te fazerem mal novamente.

HENRIQUE

(se afasta de Cristina) Vocês fizeram bem porque me ameaçaram. (fica de costas para Cristina)

CRISTINA

(olha a tatuagem de Henrique) Flávio, quando você fez essa tatuagem?

HENRIQUE

(finge que está triste) Eles que fizeram em mim. Eu não queria, mas disseram que era para nunca mais me esquecer deles.

CRISTINA

(abraça Henrique) Se você quiser, podemos resolver isso amanhã. Tatuagem pode ser removida.

HENRIQUE

(se afasta de Cristina, se senta à mesa) Não. Eu quero ficar com ela. É a prova que sobrevivi. Foram dias horríveis.

CRISTINA

Deixa eu olhar mais de perto a tatuagem?

HENRIQUE

Pra quê?

CRISTINA

O lugar que ela está/

HENRIQUE

O que tem?

Cristina se aproxima de Henrique, olha a tatuagem, observa, acaricia. Henrique se levanta.

HENRIQUE

Cristina, eu não quero ser grosseiro, mas eu vou jantar e dormir. Tem uma semana que durmo no chão.

CRISTINA

Você me chamou de Cristina. Meu amor, você está chateado comigo?

RÉGIS

(entra e sorri) Como você está?

HENRIQUE

Bem, mas cansado. Acabei de tomar banho. Já ia dormir quando a… (fala com ironia) mamãe… (olha Régis) chegou com meu jantar.

RÉGIS

Fique à vontade, Flávio. Amanhã temos muito o que conversar. Seus avós queriam te ver, mas eu expliquei que você precisa descansar.

CRISTINA

(está triste) Eu sofri muito esses dias. Você não sabe o quanto eu te amo, meu filho. (abraça Henrique, beija o rosto dele, sorri um pouco, sai)

RÉGIS

Boa noite, Flávio. (beija o rosto de Flávio, sai)

HENRIQUE

(fica sério, com raiva, limpa o rosto onde Cristina beijou) Se eu não me controlar, vão perceber que não sou Flávio. Amanhã é um novo dia.

Cena 2/Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Int./Noite.

Flávio está sentado no chão, encostado na parede, triste. Daniela entra.

DANIELA

Flávio, eu trouxe comida para você.

FLÁVIO

Não quero agora, obrigado.

DANIELA

Você tem que comer. Eu trouxe escondido porque o Gilberto mandou te trazer alguma coisa uma vez por dia, essa já é a terceira vez que venho aqui.

FLÁVIO

(está com vontade de chorar) Eu quero tanto voltar para a minha casa. Estar com a minha família, minha noiva… minhas coisas. E não aqui preso feito um bicho, acorrentado.

DANIELA

(se senta ao lado de Flávio) Eu sei… Não é justo isso que eles estão fazendo com você e nem com sua família.

FLÁVIO

(as lágrimas escorrem) Ele odeia a minha mãe. Ela é maravilhosa, Daniela. Não é como eles dizem. Ela vai sofrer achando que eu a desprezo. (chora) Roberta, a mulher que eu amo, vai estar com um homem que ela nunca viu na vida. E eu aqui sem poder fazer nada.

DANIELA

(fica com pena de Flávio) Eu queria poder ajudar, você não sabe o quanto.

FLÁVIO

Liga para minha mãe e conta a verdade pra ela.

DANIELA

(se levanta, assustada) Não posso. Vão saber que fui eu. Você não faz ideia do que Henrique é capaz.

FLÁVIO

Por isso mesmo. Minha família corre perigo.

DANIELA

Olha a sua janta está ai. Se você quiser ir ao banheiro, eu já soltei um pouco a corrente. Ela alcança lá. Boa noite.

Daniela sai. Flávio fica pensativo e chateado.

Cena 3/Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Frente/Ext./Noite.

Tamara se aproxima de Daniela.

TAMARA

Daniela, o que tu ta fazendo aqui a essa hora?

DANIELA

Eu vim procurar o Tico, e você?

TAMARA

Procurando o Henrique.

DANIELA

O Henrique viajou hoje. Não disse para onde. Agora dá licença, vou continuar procurando o Tico. (se afasta)

TAMARA

(olha para a casa onde Flávio está preso) Ela pensa que me engana. Eu vou descobrir que segredinho tá todo mundo guardando ou meu nome não é Tamara Júlia.

Cena 4/Mansão dos Werneck/Suíte de Cristina/Int./Dia Seguinte.

Cristina está terminando de se arrumar, se olha no espelho pensativa. Régis beija o rosto de Cristina

RÉGIS

O que você tem, meu amor?

CRISTINA

Eu estou sentindo Flávio diferente comigo.

RÉGIS

É natural, Cris. Ele passou sete dias trancado, bateram nele. Flávio está se recuperando.

CRISTINA

Ele me chamou de Cristina, e nunca tinha acontecido isso.

RÉGIS

Dá um tempo para ele, meu amor. Você vai ver que logo teremos o mesmo Flávio de sempre conosco.

CRISTINA

(se levanta) Tomara, meu amor. Eu vou tomar café e depois vou à fundação.

RÉGIS

E eu vou para a empresa. Felizmente agora a vida pode voltar ao normal.

Cena 5/Mansão dos Werneck/Suíte de Flávio/Int./Dia.

HENRIQUE

(está olhando o closet de Flávio) Quanta coisa de playboy tem aqui. Definitivamente Flávio e eu nos parecemos só de rosto. Eu vou dar um jeito nisso hoje mesmo. (pega a carteira de Flávio, olha, sorri) Nunca vi tantos cartões de crédito assim na mesma carteira. Aposto que esse babaca nem usava… mas eu vou usar.

O celular toca. Henrique atende.

ROBERTA

(sorri) Bom dia, meu amor.

HENRIQUE

(sorri) Bom dia, princesa.

ROBERTA

Princesa? (sorri) Você nunca me chamou assim.

HENRIQUE

Vou te chamar assim agora.

ROBERTA

Eu liguei para saber se você vai vir até a fundação.

HENRIQUE

Não, eu vou resolver umas coisas e mais tarde vou ao grupo Werneck.

ROBERTA

Fazer o que lá, meu amor?

HENRIQUE

Princesa, nesses dias tive muito tempo para pensar e vi que o melhor para mim é seguir os passos do meu papai. Eu vou trabalhar com ele a partir de agora.

Roberta fica sem resposta.

Cena 6/Casa de Janete/Sala de Jantar/Int./Dia.

Janete está tomando café. Ágata se senta e pega suco.

JANETE

Eu quero falar com você.

ÁGATA

Ah, é?

JANETE

Sim. Régis é casado com a sua tia. Não se envolva com ele.

ÁGATA

(sorri) Mamãe, é impossível não me envolver com ele. O meu pai é sócio de Régis. Eu vou começar a trabalhar no grupo Werneck e, por exemplo, agora mesmo estou indo até a casa dele porque Flávio já voltou.

JANETE

Quando foi isso?

ÁGATA

Ontem à noite. A Roberta me contou. Acontece que ele não quis ver ninguém, por isso você não sabia.

JANETE

(sorri) Eu vou com você. Depois que ver Flávio, vou para o grupo Werneck. (pensativa, sorri)

Cena 7/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Dia.

Silvia, Frederico e Henrique estão em pé. Frederico abraça Henrique e sorri.

FREDERICO

É bom te ver de novo aqui, meu neto.

HENRIQUE

(sorri um pouco) Não aguentava mais aquele lugar.

SILVIA

Ficamos todos preocupados, Flávio.

HENRIQUE

Eu sei.

Régis e Cristina descem as escadas

CRISTINA

(sorri) Bom dia, meu amor. Dormiu bem?

Henrique faz que sim com a cabeça.

RÉGIS

Flávio, você está bem fisicamente?

HENRIQUE

Estou sim.

CRISTINA

Você vai querer vir comigo para a fundação?

HENRIQUE

Não, eu quero dar uma volta. Fiquei muitos dias trancado, e depois eu pretendo ir até o grupo Werneck e assumir o meu lugar na empresa. (Cristina o estranha)

RÉGIS

(sorri feliz) Mas que coisa boa, meu filho! Você não sabe a alegria que isso me dá.

CRISTINA

Flávio, você não vai mais ensinar música às crianças?

HENRIQUE

Isso é perda de tempo, mamãe. Mas aposto que você consegue outro professor logo.

Silvia sorri irônica para Cristina.

FREDERICO

Eu também estou feliz, Flávio. Me sinto seguro sabendo que o grupo Werneck não vai ficar em mãos estranhas e sim da família.

Henrique sorri. Cristina fica triste.

Cena 8/Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Int./Dia.

Flávio está sentado no chão, tentando afastar a corrente de seu tornozelo que está ferido por causa dela. Daniela entra.

DANIELA

Bom dia, Flávio.

FLÁVIO

Bom dia.

DANIELA

O que foi?

FLÁVIO

Essa corrente está me machucando muito.

DANIELA

O Gilberto não deixa te soltar, ele tem medo que você fuja.

FLÁVIO

Como eu vou fugir se nem janela aqui tem e essa porta vive trancada? Eu nem sei onde estou.

Daniela com pena de Flávio. Está pra sair quando Flávio fala.

FLÁVIO

Espera. Você pode me trazer um pouco de água? A minha acabou.

DANIELA

Claro.

GILBERTO

(entra) Henrique já está na sua casa.

FLÁVIO

Então será que agora você pode me soltar dessa corrente?

GILBERTO

(sorri) Não sou idiota. Você vai tentar fugir.

FLÁVIO

Não vou. Por favor, eu não aguento mais.

GILBERTO

Playboy, cara de piedade comigo não funciona.

DANIELA

Gilberto, não tem como ele fugir. Essa porta aí só abre com a chave.

GILBERTO

Não estou nem aí para ele. É filho da mulher que me traiu.

FLÁVIO

Você já perguntou pra ela se foi isso mesmo que aconteceu?

GILBERTO

Ela vai dizer que não me traiu.

FLÁVIO

Se ela falar isso, é verdade. Minha mãe é uma mulher honesta, integra.

GILBERTO

Não é, não, e por mim você apodrece aí.

DANIELA

Ele não tem culpa de nada, Gilberto. Eu me responsabilizo. Você tira a corrente dele e, se ele fugir, pode descontar em mim.

GILBERTO

(se abaixa perto de Flávio) Presta atenção, Flávio. Vou tirar a corrente da sua perna, mas qualquer tentativa de fugir além de Daniela, sua mãezinha, sua noiva, seu papai podem pagar caro. Eu ligo para o Henrique e mando ele dar um jeito nas pessoas que você ama, entendeu?

Flávio faz que sim com a cabeça. Gilberto pega uma chave do bolso, abre o cadeado da corrente e tira da perna de Flávio.

GILBERTO

Antes de tentar fugir, pensa sempre na sua família e na Daniela, que está arriscando o pescoço por você. Agradeça a ela. (se levanta; a Daniela) E você agradeça por eu ter um pouco de consideração por você. A responsabilidade agora é sua. (sai)

FLÁVIO

(passando a mão no tornozelo) Muito obrigado.

DANIELA

(sorri) Não precisa agradecer.

FLÁVIO

E o Tico?

DANIELA

Eu deixei ele na escola. Tomara que ele não fuja de lá como ele faz sempre.

FLÁVIO

Será que ele pode voltar aqui?

DANIELA

Eu acho muito perigoso.

FLÁVIO

Tem razão.

DANIELA

Eu volto depois. (sai)

FLÁVIO

(se levanta com dificuldade, mancando, pensativo, olha em volta) Quanto tempo vou ficar aqui?

Cena 9/Shopping/Int./Dia.

Henrique entra em uma loja de moda masculina, na loja de calçados, depois na loja de perfumes importados, na joalheria, na loja de acessórios masculinos. Sai carregando muitas sacolas. Está feliz.

HENRIQUE

Agora, sim, estou vestido como se deve e não como um babaca metido a besta. (dá risada)

Cena 10/Fundação Cristina Werneck/Sala de Cristina/Int./Dia.

Roberta está sentada de frente para Cristina, que está chateada.

CRISTINA

Flávio está diferente, Roberta. Eu sinto que ele está magoado comigo.

ROBERTA

Eu achei estranho ele trocar a fundação pelo grupo Werneck. Flávio sempre me disse que ama muito mais aqui do que os negócios do pai.

CRISTINA

Flávio deve ter sofrido muito. Estou preocupada com ele.

ROBERTA

Eu vou convidar ele para jantar comigo. Hoje vou tentar fazer com que ele me conte o que aconteceu.

CRISTINA

Faça isso, querida.

SUELI

(entra) Cris, que bom que você chegou. Preciso falar com você sobre uma nova criança que chegou aqui na fundação. Ela é vítima de violência doméstica.

ROBERTA

(se levanta) Vou dar a minha aula. (sorri, sai)

CRISTINA

Pode se sentar, Sueli. Quem é essa criança?

Cena 11/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Dia.

Ágata e Janete entram. Silvia se aproxima.

JANETE

Eu quero falar com Flávio.

SILVIA

Ele saiu.

JANETE

Como ele está?

SILVIA

Aparentemente bem. Só está um pouco calado, mas também, depois do que meu neto passou, é natural.

JANETE

Eu queria falar com ele antes de ir trabalhar.

SILVIA

Pode ir. Flávio vai passar no grupo Werneck.

JANETE

Tudo bem. Eu estou muito ansiosa para ver o meu querido sobrinho. (sorri)

ÁGATA

Eu vou com você.

JANETE

O que você quer lá?

ÁGATA

A mesma coisa que você e também vou ver meu pai.

SILVIA

Ágata, fica mais um pouco e tome um chá comigo.

ÁGATA

Claro.

JANETE

O que vocês tanto têm para falar?

SILVIA

Eu gosto muito de ter sua filha por perto. Ela é educada, inteligente. Temos muito em comum.

JANETE

Sei… Bem, já vou indo. Não quero me atrasar. (sai)

SILVIA

(segura a mão de Ágata e a leva para o sofá) Você conseguiu alguma coisa com meu filho?

ÁGATA

(sorri) A senhora está sendo evasiva.

SILVIA

Ágata, deixa de lado essa lenga-lenga e me fala o que eu quero saber.

ÁGATA

Eu beijei Régis, mas ele ficou furioso.

SILVIA

Ele te beijou também?

ÁGATA

Beijou.

SILVIA

(sorri) Já é um começo, mas não o suficiente. Você tem que deixar Régis louco por você a ponto dele querer deixar Cristina.

ÁGATA

Por que você odeia tanto a minha tia Cris?

SILVIA

Porque ela nunca deveria ter entrado na minha família. Cristina não pertence ao nosso mundo. Eu a odeio da mesma forma que meu filho a ama.

Cena 12/Grupo Werneck/Administração/Int./Dia.

A administração do grupo Werneck é um andar com quatro salas, sendo elas de Régis, Edgar, Glauco e Flávio. Tem uma secretária, cuja mesa fica ao lado da sala de Régis. Henrique entra.

SECRETÁRIA

(sorri) Boa tarde, Flávio, como vai?

HENRIQUE

(se aproxima da mesa da secretária, a olha, sorri um pouco) Bem.

GLAUCO

(sai de sua sala) Depois de tudo, achei que você ficaria mais tempo em casa.

HENRIQUE

(encara Glauco) Pois se enganou, e é melhor você se acostumar com a minha presença aqui. Pensei muito esses dias e decidi fazer parte da empresa da minha família.

GLAUCO

(fica sério) Isso é piada, não é? Você não entende nada do que fazemos aqui. Não administramos uma ou duas empresas e sim várias empresas espalhadas pelo Brasil. Volte para seu piano e suas crianças. Aqui não é lugar para você.

HENRIQUE

(sorri um pouco, sarcástico, encara Glauco) Isso aqui pertence a minha família, portanto nem você e nem ninguém vai me tirar daqui, e, se resolver implicar comigo, quem vai sair será você, que é apenas um sócio. Nunca se esqueça que sociedade pode ser desfeita a qualquer momento.

Glauco encara Henrique com raiva.

Fim do Capítulo

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr
  • Henrique aprontando várias. Mas vai precisar se conter para não ser descoberto. Mas ele é esperto, vai saber lidar com isso. Agora, Flávio vai sofrer muito lá. Ele é muito playboy e isso vai ser muito prejudicial pra ele naquele lugar. Parabéns pelo capítulo!

  • LEIA TAMBÉM

    >
    Rolar para o topo
    Suporte Cyber TV
    Precisa de ajuda?
    Olá!
    Como podemos lhe ajudar?
    Estamos sempre disponíveis.
    Powered by