Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Falso Amor – Capítulo 24

Novela de Débora Costa

Escrita Por

Débora Costa

Revisão de Texto

Marcelo Delpkin

Direção Artística

Wellyngton Vianna

Núcleo

Cyber TV

Personagens no capítulo

ÁGATA

CRISTINA

EDGAR

GILBERTO

GLAUCO

HENRIQUE

JANETE

RÉGIS

ROBERTA

SILVIA

SUELI

TAÍS

TAMARA

 

Cena 1/Motel/Suite/Int./Noite.

Cristina sofre ao ver que Régis a trai com Ágata, coloca as mãos na cabeça, grita e se senta no chão chorando. Ágata observa com um pouco de pena, . Henrique está satisfeito ao ver Cristina sofrendo. Régis se levanta, veste um roupão, se aproxima de Cristina e coloca a mão no ombro dela.

RÉGIS

Cris/

Cristina interrompe Régis, se levanta e o olha com raiva e tristeza.

CRISTINA

Nunca mais encosta em mim! Não esperava isso de você… (chora) Depois de tudo que passamos… Você está me traindo… com a minha sobrinha.

Ágata se levanta, veste um roupão e se aproxima.

ÁGATA

Eu sinto muito… Aconteceu.

Cristina dá um tapa no rosto de Ágata, com raiva. Ágata coloca a mão no rosto.

CRISTINA

Eu não quero ouvir a sua voz! Fica bem longe de mim! Os dois!

RÉGIS

(a Henrique) Foi você que armou isso, não foi?

HENRIQUE

O flagra foi, mas quem levou Ágata para a cama e está traindo Cristina é você.

Cristina olha Henrique; as lágrimas escorrem.

CRISTINA

Está em seu rosto sua felicidade por me ver assim. Por isso que estou passando… um dia você vai se arrepender. Mas quando esse dia chegar… vou estar de braços abertos para você.

Henrique fica sério. Cristina vai saindo, arrasada. Régis a segura. Cristina dá um tapa no rosto de Régis, chora e o encara.

CRISTINA

(grita) Acabou! Nosso casamento acabou! Não quero mais te ver!

RÉGIS

(chora) Não faz assim. Vamos conversar.

CRISTINA

Me deixa em paz!

Cristina sai. Régis se senta e chora, Ágata olha para Henrique e sorri um pouco. Henrique retribui o sorriso e sai. Ágata se senta ao lado de Régis e coloca a mão no ombro dele.

ÁGATA

Eu lamento por tudo isso, meu amor. Não queria que nada disso acontecesse.

Régis deita no colo de Ágata e chora. Ágata sorri maldosa sem que ele veja.

Cena 2/Rua/Ext./Noite.

Cristina está chorando, caminhando sem rumo. Se senta em um banco numa praça, ainda chorando e sofrendo. O celular toca. Cristina pega o aparelho, vê que o número está privado e não atende. O celular para de tocar, mas logo recomeça. Cristina atende.

CRISTINA

Alô?

GILBERTO

(V.O.) Como vai, Cristina?

CRISTINA

(fecha os olhos) Quero o meu filho de volta.

GILBERTO

(V.O.) Se seguir minhas regras, vai ver ele amanhã, mas sem polícia, sem seu marido, sem ninguém. Será apenas você e eu. Do contrário, já sabe…  Flávio vai pagar.

CRISTINA

Eu faço o que você quiser para ver meu filho de novo.

GILBERTO

(V.O.) É bom saber disso. Ainda hoje te ligo pra falar onde a gente vai se encontrar.

Gilberto desliga o telefone. Cristina olha para o celular e chora.

Cena 3/Apartamento de Edgar/Sala/Int./Noite.

ROBERTA

(chora) Por que você me abandonou?

TAÍS

Eu era muito jovem. Seu pai não quis saber de você e me deixou. Fiquei desesperada. Então te deixei na porta da fundação da Cristina e fui embora.

ROBERTA

(a Edgar) Você me adotou porque sabia disso? Sabia que eu era sua sobrinha?

EDGAR

Não, Roberta. Eu juro que não sabia.

TAÍS

Ninguém soube, Roberta. O fato dele ter te adotado só pode ser o destino, o sangue que falou mais alto.

ROBERTA

Eu sou grata a ele e a Cristina. São meus pais de consideração. Você nunca me fez falta, e não digo isso para te afrontar, mas porque é verdade. Só não entendo o que você quer comigo agora.

TAÍS

O seu perdão e me aproximar de você, Roberta.

Roberta enxuga as lágrimas e sorri incrédula.

ROBERTA

Meu perdão você sempre teve, agora me aproximar de você, não quero. Você só apareceu agora porque tudo está fácil; você não precisou ser a minha mãe. Edgar foi meu pai e minha mãe muitas vezes. Mesmo a Cris ajudando, ela tinha a família dela. Edgar se dedicou a mim como fazia com os filhos dele. Ele fez a parte que você se poupou, Taís. Não tenho vontade de estar próxima a você.

TAÍS

Não é nada disso, Roberta.

ROBERTA

É sim, e me dá licença, porque preciso ir pra casa. Não me procura. (abraça Edgar e chora) Te amo muito.

EDGAR

(sorri emocionado) Também te amo, minha filha.

Roberta beija o rosto de Edgar e sai. Taís enfrenta Edgar.

TAÍS

Por que você não me ajudou? E agora? O que vou fazer?

EDGAR

Não ajudei porque era algo seu. Quanto ao que você vai fazer, eu não sei, mas não vai ser fácil se aproximar da Roberta.

Taís fica pensativa.

Cena 4/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Dia Seguinte.

Régis está preocupado, nervoso, andando de um lado para o outro com o celular na mão. O celular toca, e Régis atende aflito.

RÉGIS

Então, Sueli, conseguiu falar com a Cris?

Ao ouvir a resposta de Sueli, Régis fecha os olhos e passa a mão na cabeça.

RÉGIS

Qualquer notícia, você me avisa. Estou muito preocupado com ela.

Régis desliga o celular. Henrique desce as escadas, olha Régis e sorri.

HENRIQUE

Bom dia.

Silvia vem descendo as escadas. Régis com raiva de Henrique.

RÉGIS

Tudo isso que está acontecendo é culpa sua!

HENRIQUE

Minha, não! É sua, Régis. Eu só mostrei a Cristina o que você estava fazendo.

SILVIA

(se aproxima) O que está acontecendo?

RÉGIS

Nada.

HENRIQUE

(irônico) Como nada? Deixa que eu conto, Silvia. Ontem a Cristina teve uma decepção com Régis. Ela o viu transando com a Ágata em um motel. A pobrezinha chorou, gritou e sumiu.

SILVIA

Espero que não volte nunca mais. Já estava na hora de se livrar da Cristina, meu filho. Acho Ágata uma ótima opção pra você.

RÉGIS

(nervoso) Eu amo a Cristina! E estou preocupado com ela!

SILVIA

Não se preocupe, Régis. Tenho certeza que em breve ela virá atrás de você e vai ser para tentar tirar cada centavo seu, já que ela te viu você com sua amante juntos na cama.

RÉGIS

Não fale bobagens, mamãe! Quer saber? Eu vou pro meu quarto.  (sobe as escadas)

SILVIA

Cristina finalmente saiu da minha vida, a; Agora você pode se livrar da noivinha órfã do Flávio.

HENRIQUE

Se eu te dei a impressão que você poderia se meter na minha vida, peço desculpas. O que faço ou deixo de fazer é problema meu. E só um aviso: se você fizer qualquer coisa contra Roberta, vai se haver comigo.

SILVIA

Não me diga que está apaixonado por ela?

HENRIQUE

Estou e vou me casar com ela.

SILVIA

(sorri) Não seja tolo, que não lhe cai bem. Você sabe que esse casamento não vai valer nada. Você vai assinar Flávio Werneck, estará se passando por outra pessoa e, mesmo se assinasse Henrique, não valeria porque, a menos que a pessoa que te criou tenha conseguido sua certidão de nascimento ou falsificado uma, seu nome verdadeiro é Felipe Werneck.

HENRIQUE

(encara Silvia) Uma coisa não entendi até agora. Se você não suporta quem não é da mesma classe social que você, por que não me ameaçou? Você sabe que não sou Flávio e que fui criado em uma favela.

SILVIA

Querendo ou não, você é meu neto, em suas veias tem o sangue Werneck, e amo Flávio. Não quero colocar a vida dele em risco. Por esses motivos não tenho a intenção de fazer algo contra você.

ÁGATA

(entra) Bom dia.

HENRIQUE

(sorri) Melhor não poderia estar.

Henrique sai. Silvia olha Ágata.

SILVIA

Então você é amante do meu filho… Quero que me conte exatamente o que quer com Régis.

Ágata sorri maldosa.

Cena 5/Fundação Frederico Werneck/Sala de Reuniões/Int./Dia.

Roberta está em pé, perto da porta, falando ao celular. Sueli está sentada, preocupada. Roberta desliga o celular e se junta a Sueli.

ROBERTA

Ninguém sabe da Cris; Alguma coisa grave deve ter acontecido; Ela não iria abandonar a Fundação assim, ainda mais hoje que reabrimos.

SUELI

Você já falou com o Flávio?

ROBERTA

Já. Ele disse que a Cris não passou a noite em casa.

JANETE

(entra) Bom dia. Eu estava indo para o trabalho e lembrei que hoje é a reabertura da Fundação. Vim dar um abraço na Cris.

Roberta e Sueli se olham preocupadas.

JANETE

Aconteceu alguma coisa?

SUELI

Aconteceu. A Cris sumiu. Desde ontem à noite que ninguém a encontra.

JANETE

Você tem certeza?

ROBERTA

Infelizmente, sim. Flávio me disse que a Cris teve uma decepção com Régis e nem foi para a casa.

JANETE

Garota, conta essa história direito. Que decepção foi essa?

ROBERTA

Régis traiu Cristina.

Janete fica séria. Edgar entra, mas ninguém percebe.

JANETE

Não fala as coisas pela metade, Roberta. Com quem Régis teve coragem de trair a minha irmã?

Roberta fica sem graça. Sueli se levanta.

SUELI

Cedo ou tarde você vai acabar sabendo, Janete. A amante do Régis é a sua filha, segundo Flávio contou. Cristina pegou os dois juntos em um motel.

Janete fica com raiva, mas disfarça e demonstra estar abalada. Edgar se aproxima, surpreso e triste.

EDGAR

Ágata foi capaz de uma coisa dessas.

JANETE

(raiva) Ela é capaz disso e de coisa muito pior! Só você que nunca percebeu, porque no lugar de criar a sua filha, você preferiu cuidar de Roberta!  (sai)

EDGAR

Não liga para essa bobagem que Janete disse, Roberta. Nunca deixei de cuidar dos meus filhos.

ROBERTA

Tudo bem, eu sei que Janete não gosta de mim.

EDGAR

Coitada da Cris.

SUELI

Eu vou sair. Vou procurar a Cris. Não posso ficar aqui de braços cruzados. Roberta fica na administração até eu voltar. Não podemos fechar as portas hoje.

ROBERTA

Pode deixar, mas me avisa qualquer coisa.

SUELI

Claro. Edgar, você vem comigo?

EDGAR

Não, eu vou falar com Régis;

Cena 6/Grupo Werneck/Sala de Glauco/Int./Dia.

Tamara entra. Glauco a beija; ela se afasta e se senta.

TAMARA

Tô muito chateada, Glauco. Até agora tu não fez nada pra impedir o casamento do Flávio.

GLAUCO

(se senta) As coisas não são tão fáceis assim, Tamara. Desde que eu tentei ficar com Roberta à força que não a vejo.

TAMARA

Essa loira sem graça não pode casar com Flávio.

GLAUCO

Eu pensei em sequestrar a Roberta, mas todo mundo iria ligar isso a mim, e não quero parar na prisão. Se eu soubesse de alguma coisa que faria com que Roberta desistisse desse casamento.

TAMARA

(pensativa) É… Eu sei de uma coisa que pode acabar com esse casamento.

GLAUCO

O que você sabe?

TAMARA

Não posso falar agora.

Tamara se levanta, olha Glauco e sorri.

TAMARA

Antes eu não queria usar isso que sei porque tava com medo. Pensando bem, vale a pena arriscar, tu vai ver. (sai)

GLAUCO

O que será que a Tamara sabe?

Cena 7/Rio de Janeiro/Favela/Barraco de Gilberto/Int./Dia.

Gilberto está sentado em uma cadeira. Batem à porta. Gilberto se levanta e abre a porta. Cristina entra está usando uma venda nos olhos. Um homem está com ela, guiando-a. Gilberto paga o homem, e este sai. Gilberto tira a venda de Cristina e a olha.

GILBERTO

Há quanto tempo, Cristina?

CRISTINA

(assustada) Gilberto… Meu filho está aqui?

GILBERTO

Não, mas está aqui perto.

CRISTINA

Então me leva até ele. Fiz tudo como você falou. Ninguém sabe que estou aqui.

GILBERTO

(sorri) Calma! Você vai ver o playboy, mas vai ter um preço.

CRISTINA

Eu pago o quanto você quiser.

GILBERTO

Não é dinheiro que eu quero.

CRISTINA

Então o que é?

Gilberto se aproxima de Cristina, acaricia o rosto dela e fala no ouvido.

GILBERTO

Para ver seu filhinho, você vai ter que transar comigo.

CRISTINA

Não! Isso não! Pede a quantia que você quiser ou qualquer outra coisa, menos isso.

GILBERTO

Se não for pra cama comigo, você não vai ver o Flávio, e você não imagina como ele está perto.

CRISTINA

Mas isso é um absurdo!

Gilberto segura forte Cristina pelos braços e a encara.

GILBERTO

Absurdo foi você ter me abandonado quando fui preso! Quando me traiu com Régis!

CRISTINA

Eu nunca te traí, Gilberto. E você mentiu pra mim todo nosso namoro, quando eu descobri o tipo de pessoa que você é. Fui sincera.

Gilberto aperta o rosto de Cristina.

GILBERTO

Você vai pagar por tudo e principalmente por ter me deixado. (solta Cristina) Então? Qer ver o playboy ou não?

CRISTINA

(chora) É o que mais quero.

GILBERTO

Então vai ter que pagar o preço. Vai ter que ir pra cama comigo.

CRISTINA

E se eu for e você não me deixar ver o Flávio?

GILBERTO

Pra você ver como sou um cara legal, vou deixar você falar com ele primeiro e depois…

Cristina chora. Gilberto a pega pelo braço, a levando para a porta.

GILBERTO

Se não quer, tudo bem. Sai daqui.

CRISTINA

(se solta) Por favor, me deixa ver Flávio!

GILBERTO

Você vai pra cama comigo ou não?

CRISTINA

Gilberto/

GILBERTO

É pegar ou largar, e anda logo, que tenho mais o que fazer.

CRISTINA

(fecha os olhos) Está bem. Se for o que tenho que fazer para ver meu filho, eu faço.

Gilberto sorri.

Fim do Capítulo

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo