Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Falso Amor – Capitulo 26

Novela de Débora Costa

Escrita Por

Débora Costa

Colaboração

Tai Andaluz

Revisão de Texto

Marcelo Delpkin

Direção Artística

Wellyngton Vianna

Núcleo

Cyber TV

Personagens no capítulo

ÁGATA

CRISTINA

DANIELA

EDGAR

FLÁVIO

GLAUCO

HENRIQUE

JANETE

MIGUEL

PARCEIRO

RÉGIS

ROBERTA

SUELI

TAÍS

TICO

 Cena 1/Int./Apartamento de Sueli/Quarto.

Cristina está sentada na cama. Sueli entra trazendo um copo com água e um comprimido e os entrega a Cristina.

SUELI

Toma esse calmante, Cris. Vai te fazer bem.

Cristina pega o comprimido, coloca na boca, bebe a água e entrega o copo a Sueli.

CRISTINA

Obrigada.

SUELI

Você tem certeza que não quer ir ao médico?

CRISTINA

Tenho, Sueli. Não vai adiantar nada porque estou mal emocionalmente com tudo isso que me aconteceu e está acontecendo.

SUELI

Como Flávio está?

CRISTINA

Aparentemente bem. Só o achei um pouco mais magro, e lógico que está desesperado para sair daquele lugar.

SUELI

Eu queria tanto te ajudar.

CRISTINA

Já está ajudando, Sueli, e vou pedir mais um favor: preciso que você vá buscar as minhas coisas. Não quero ter que olhar para Régis.

SUELI

Mesmo tendo que enfrentar que a Silvia, eu vou sim, Cris.

CRISTINA

Pegue só as minhas roupas. O resto pode ficar, e eu vou me hospedar em um hotel. Não quero te dar trabalho.

SUELI

Eu faço questão que você fique aqui comigo. Não é trabalho algum.

CRISTINA

Hoje eu vou aceitar porque não estou bem para ficar sozinha, mas amanhã dou um jeito nisso.

SUELI

Vou buscar o que você pediu e já volto.

CRISTINA

Não quero que Régis venha até aqui, diga isso a ele.

SUELI

Pode deixar.

Sueli sai. Cristina se deita na cama, pensativa e triste.

Cena 2/Int./Restaurante.

Henrique e Parceiro estão sentados a uma mesa reservada.

HENRIQUE

Você entendeu o que é para fazer?

PARCEIRO

Entendi. Mas não sei se quero fazer isso.

HENRIQUE

Como não quer fazer? É uma ordem minha.

PARCEIRO

Você sabe que eu sou seu amigo, mas também sou amigo da Tamara. Não é justo fazer isso com ela.

HENRIQUE

E é justo ela ficar me ameaçando o tempo todo? Ela é louca e a qualquer momento pode me entregar, e isso não pode acontecer agora.

PARCEIRO

Faz qualquer coisa, Henrique, menos acabar com a vida dela.

Henrique olha Parceiro com raiva e se levanta.

HENRIQUE

Eu achei que você seria o meu braço direito sempre, em qualquer situação, mas me enganei. E não se esqueça que eu faço sempre o que tenho vontade.

PARCEIRO

Senta aí, Henrique. Vamos conversar.

HENRIQUE

Não tenho mais nada para falar com você. Se não quer o serviço, vou arrumar quem faça, e você dorme de olho aberto.

Henrique vai saindo. Parceiro se levanta e o segura.

PARCEIRO

Tudo bem. Eu faço o que você pediu.

HENRIQUE

Não confio mais em você. E não abre essa boca para alertar Tamara, mesmo porque eu já fiz isso muitas vezes e ela nunca deu atenção.

Henrique sai. Parceiro se senta. Está com medo e preocupado.

Cena 3/Mais Tarde/Ext./Fachada da Casa do Médico.

Janete está usando um lenço na cabeça, óculos de sol e luvas. Estaciona um carro vermelho com os vidros escuros e sem placa do outro lado da rua, perto do carro que pertence ao médico que fez o parto de Cristina. Janete pega o celular e liga para o médico.

JANETE

Já cheguei ao local combinado. Não demore.

Janete desliga o celular. Liga o carro, coloca as mãos no volante e  observa o movimento da casa. Vê o médico saindo apressado. Ao ver que ele vai atravessar a rua, Janete acelera e atropela o médico, que cai gravemente ferido no chão.

Cena 4/Int./Apartamento de Edgar/Sala/Dia.

Ágata e Edgar entram. Taís se aproxima. Ágata sorri.

ÁGATA

Não acredito! Tia Taís aqui!

Taís abraça Ágata e sorri.

TAÍS

Você está linda, Ágata.

EDGAR

(sério) Taís, eu preciso que você nos dê licença. Quero ter uma conversa particular com minha filha.

TAÍS

Claro, eu já estava de saída. Vou comprar um presente de casamento para Roberta. Quem sabe assim consigo me aproximar dela? (sai)

ÁGATA

Por que ela quer se aproximar de Roberta?

EDGAR

Porque Taís é mãe dela, mas isso não vem ao caso. Quero falar com você sobre tudo isso que aconteceu entre Régis e você.

ÁGATA

Papai, eu não quero falar sobre isso. Não há mais o que falar. Você já viu tudo.

EDGAR

Tem muita coisa que eu quero saber. Você me deve isso.

ÁGATA

Vou resumir tudo pra você. Quando vi Régis, o achei atraente e, quando soube que ele é o amor platônico da minha mãe, o achei um desafio. Tentei conquistar Régis de todas as maneiras e, quando estava quase conseguindo, o que queria era ir para a cama com ele. Régis resolveu abrir o jogo com Cristina, e isso me deixou com muita raiva. Decidi me vingar. Era uma questão de honra me tornar amante dele e acabar com o casamento, e foi isso que consegui com a ajuda de Flávio, que não gostou em saber da traição do pai e fez com que Cristina nos visse juntos no motel. Foi isso. Será que agora posso me arrumar para sair?

Edgar está admirado pela atitude de Ágata.

EDGAR

Ágata, como você consegue ser tão fria? Você pensou nas consequências dessa sua atitude?

ÁGATA

Claro que pensei, papai, e tudo saiu como eu esperava. E, sim, sou fria e vivo muito bem assim.

EDGAR

O que eu vou fazer agora vai me doer muito, mas você precisa de uma lição.

ÁGATA

(ri) Você vai me bater?

EDGAR

Não, eu quero que você vá embora do meu apartamento.

ÁGATA

Não exagere, papai, e nem lamente. Você deveria me agradecer, sabia? Agora Cristina está livre. É só você chegar e conquistar ela.

EDGAR

Eu vou sair e, quando voltar, não quero ver você aqui.

Ágata olha muito Edgar.

ÁGATA

Isso é sério mesmo? Você quer que eu saia da sua casa?

EDGAR

Quero. Não foi assim que te criei.

Ágata fica com raiva e fica com vontade de chorar.

ÁGATA

Nem você e nem Janete me criaram. Eu me criei sozinha. Se você quer que eu vá embora, eu vou, mas nunca mais me procure!

Ágata vai para seu quarto. Edgar se senta; está triste e com vontade de chorar.

Cena 5/Int./Rio de Janeiro/Favela/Praça.

Flávio está sentado, pensativo. Daniela se aproxima e se senta ao lado dele.

DANIELA

Gilberto falou que você tem que voltar logo. Não pode demorar aqui.

FLÁVIO

Eu já sei como vou sair daqui, Daniela.

DANIELA

Como?

FLÁVIO

Vou precisar da sua ajuda. Você vai colocar um remédio na bebida do Gilberto que o fará dormir e aí nós saímos daqui.

DANIELA

Não sei, não, Flávio. Você já pensou quando ele acordar? Ele vai ligar pro Henrique e contar que você fugiu. Pode ser perigoso.

FLÁVIO

Não se eu chegar a Henrique primeiro.

DANIELA

Eu estou com medo, Flávio.

Flávio segura a mão de Daniela.

FLÁVIO

Confia em mim, Daniela. Nós vamos sair desse lugar: você, Tico e eu. Nada vai acontecer.

Daniela abraça Flávio e fecha os olhos.

DANIELA

Acho que meu maior medo é te perder, Flávio…

Flávio olha Daniela nos olhos e acaricia o rosto dela.

FLÁVIO

Você não vai me perder.

DANIELA

E a Roberta? Você já esqueceu dela?

FLÁVIO

Não, e nunca vou me esquecer dela. Roberta e eu nos conhecemos desde crianças. Eu a amo muito e não posso permitir que ela se case com Henrique pensando que ele sou eu. Não é justo com ela, que é uma mulher incrível.

Daniela fica triste e abaixa a cabeça.

DANIELA

É assim que não vou te perder?

Ele levanta o rosto de Daniela delicadamente.

FLÁVIO

Eu gosto muito de você, Daniela. Não quero ficar longe de você.

Daniela beija Flávio. Tico se aproxima e sorri.

TICO

Dani, você tá namorando com o clone do Henrique!

Tico abraça Daniela. Flávio dá risada.

DANIELA

Menino, eu já falei que ele não é clone, é irmão gêmeo e tem nome, Flávio.

TICO

É isso aí que você falou.

FLÁVIO

(sorri) Você sumiu, Tico. Por onde andou?

TICO

Por aí.

DANIELA

Olha o jeito que esse menino fala. Por aí, nada. Vem comigo pra minha casa, que quero conversar com você.

FLÁVIO

Eu posso ir junto?

DANIELA

Melhor não… Você tem que voltar antes que Gilberto te proíba de sair.

Um homem se aproxima e encara Flávio.

HOMEM

Era com tu mesmo que queria falar, malandro.

Olha Daniela e fala baixo no ouvido dela.

FLÁVIO

Quem é esse cara?

DANIELA

Não faço ideia…

HOMEM

Pode parar de cochicho aí, cara. Levanta, covarde! Vem me enfrentar, malandro.

Flávio se levanta e encara o homem.

FLÁVIO

Cara, eu não sei quem você é. O que quer comigo?

O homem segura Flávio pela camiseta e o encara.

HOMEM

Tu não lembra de mim? Vou refrescar a tua memória. Eu sou o cara que você limpou na mesa de carta e ainda ficou com minha mulher!

Daniela fica assustada e segura Tico. Flávio, sério, encara o homem.

Cena 6/São Paulo/Int./Grupo Werneck/Administração/Dia.

Miguel se aproxima da secretária.

MIGUEL

Régis já chegou?

SECRETÁRIA

Não, senhor. Ele me ligou agora há pouco e disse que tinha um compromisso e que provavelmente não virá hoje.

Miguel fica sério. Glauco sai do elevador.

MIGUEL

Glauco, eu preciso que você venha até meu escritório. Quero que cuide dos projetos das novas salas que compramos.

GLAUCO

Quem faz isso é Régis.

MIGUEL

Era. Se ele não vem ocupar o lugar que pertence a ele, esse grupo não pode parar. Venha comigo.

Miguel entra em seu escritório. Glauco sorri para a secretária e entra na sala de Glauco.

Cena 7/Int./Shopping/Dia.

Henrique está esperando Roberta em frente a uma joalheria. Roberta se aproxima, sorri e beija Henrique.

ROBERTA

Desculpa pela demora, meu amor. Estava ocupada na Fundação. Me conta como está a Cris? O que aconteceu com ela?

HENRIQUE

Eu ainda não sei muito bem. Só sei que ela está com Sueli.

Roberta olha Henrique e estranha um pouco a atitude dele.

ROBERTA

Você ainda não foi ver sua mãe?

HENRIQUE

Não. Eu prefiro ir assim que sairmos daqui, princesa. Assim fico com minha mãe o tempo que quiser.

Roberta sorri e segura a mão de Henrique.

ROBERTA

Verdade, então eu vou com você.

Henrique sorri, beija Roberta e a olha.

HENRIQUE

Então, qual é a surpresa que você tem pra mim?

ROBERTA

Nossas alianças ficaram prontas hoje. Pedi para gravarem nela uma coisa especial.  (sorri, feliz)

HENRIQUE

Vamos ver então.

Henrique sorri e entra na joalheria com Roberta.

Cena 8/Int./Shopping/Joalheria/Dia.

O vendedor entrega uma sacola pequena para Roberta. Ela abre; está feliz. Henrique a admira. Roberta pega uma caixa pequena da sacola, abre, vê o par de alianças, sorri, pega o anel dela e mostra para Henrique.

ROBERTA

Eu pedi para gravarem em nossas alianças o símbolo do infinito ao lado dos nossos nomes.

Henrique pega a aliança de Roberta, na qual lê o nome de Flávio. Fica sério e  triste.

ROBERTA

Você não gostou, meu amor?

HENRIQUE

Claro que gostei, princesa.

ROBERTA

Não é o que parece. Se você não gostou, tudo bem. Podemos trocar.

HENRIQUE

(sorri) Não quero trocar, está perfeito assim. Eu fiquei emocionado. Vamos nos casar no fim e isso é… incrível.

ROBERTA

(abraça Henrique) Sim, eu estou ansiosa.

Henrique entrega a aliança para Roberta e a beija.

HENRIQUE

Eu te amo muito, princesa. Sou capaz de qualquer coisa por você.

ROBERTA

Também te amo, Flávio.

Henrique não gosta de ouvir o nome de Flávio, mas disfarça.

HENRIQUE

Vamos comer alguma coisa?

ROBERTA

A gente não ia ver a Cris?

HENRIQUE

Ah, é. Então vamos.

Roberta e Henrique saem da joalheria.

Cena 9/Ext./Mansão Werneck/Dia.

Sueli está encostada em seu carro. Régis se aproxima.

RÉGIS

Oi, Sueli. Você tem notícias da Cris?

SUELI

Ela está no meu apartamento, Régis.

RÉGIS

Eu quero falar com ela. Quando a Cris volta?

SUELI

Eu acho que ela não vai mais voltar, Régis. A Cris me pediu para vir buscar umas coisas dela. Eu estava te esperando porque não queria entrar aí por causa da Silvia.

RÉGIS

A Cristina tem que voltar. Eu cometi um erro grave, eu sei… mas não quero perder o amor da minha vida.

SUELI

Lamento, Régis, mas acho que a Cris já tomou uma decisão. Você pega as coisas dela?

RÉGIS

(nervoso) Não, ela tem que voltar! Vou com você para conversar com a Cris.

SUELI

Régis, ela me disse que não quer falar com você.

RÉGIS

Sueli, se você não me levar até sua casa, eu vou sozinho e vou fazer um escândalo na frente do seu prédio até a Cristina falar comigo!

SUELI

Faça como quiser, Régis. E eu já vou. Perdi muito tempo aqui.

Sueli entra em seu carro. Régis segura a porta e olha Sueli.

RÉGIS

O médico que fez o parto da Cristina foi atropelado e morreu hoje. Eu tenho que contar isso pra ela.

SUELI

(chocada) Que coisa horrível! E agora? Como vocês vão descobrir o que aconteceu quando os gêmeos nasceram?

RÉGIS

A minha única esperança é encontrar a enfermeira.

SUELI

Eu falo o que aconteceu para a Cris.

RÉGIS

Não, eu conto. Por favor, me deixa ir com você.

SUELI

Tudo bem, Régis, pode entrar.

Régis entra no carro de Sueli.

Cena 10/Int./Grupo Werneck/Sala de Miguel/Dia.

Janete entra se senta no colo de Miguel e o beija.

MIGUEL

(sorri) Tudo isso é saudade?

Janete sorri e se levanta.

JANETE

Estou feliz, só isso.

MIGUEL

Agora vai me contar por que me pediu para te arrumar aquele carro?

JANETE

Se eu te contar, você vai ser meu cúmplice.

MIGUEL

(ri de deboche) Cúmplice? Por acaso você matou alguém?

Janete olha Miguel nos olhos.

JANETE

Matei.

Miguel fica sério.

MIGUEL

É sério isso?

JANETE

(se senta) É, eu matei o médico que fez o parto de Cristina. Agora Régis não tem para quem perguntar sobre a suposta morte do filho.

MIGUEL

(sorri) Você odeia muito Régis e Cristina, não é?

JANETE

Você não faz ideia o quanto… Todo sofrimento para eles é pouco, principalmente para Cristina.

O celular de Janete toca. Ela pega o aparelho e vê que é Cristina ligando.

JANETE

Falando no diabo. (atende) Cris, onde você está? Todo mundo está te procurando.

Janete ouve Cristina. Sorri e finge estar preocupada.

JANETE

Não chora, Cris. Assim que sair do trabalho, eu vou te ver. (desliga)

MIGUEL

O que aconteceu?

JANETE

(sorri) Não sei ainda. Aquela sonsa disse que está na casa da Sueli, mas pelo jeito ela está sofrendo muito pela traição do Régis, e, claro, eu como boa irmã, vou dar meu apoio e meu ombro para a idiota da Cristina chorar.

Miguel e Janete dão risada.

Cena 11/Int./Apartamento de Sueli/Sala/Dia.

Roberta e Henrique entram. Roberta abraça Cristina.

ROBERTA

Eu estava tão preocupada, Cris. Onde você estava?

CRISTINA

Em um hotel, Roberta.

HENRIQUE

Você deveria ter avisado, mamãe. Todo mundo estava te procurando.

O celular de Roberta toca. Ela vê que é da Fundação.

ROBERTA

Vocês me dão licença. Vou atender aqui na área, é da Fundação.

Roberta sai. Henrique encara Cristina.

CRISTINA

Eu não estava em um hotel.

HENRIQUE

Não me interessa onde você estava.

CRISTINA

Fui ver Flávio.

Henrique fica com raiva e segura Cristina pelo braço.

HENRIQUE

Como você foi ver ele?

CRISTINA

Gilberto me ligou. Ele disse que me deixaria ver Flávio.

Henrique aperta o braço de Cristina, com raiva.

HENRIQUE

Então ele agiu pelas minhas costas! Conta isso direito, Cristina!

Roberta entra e vê Henrique segurando o braço de Cristina.

ROBERTA

(aflita) Flávio, o que está acontecendo?

Fim do Capítulo

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo