Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Falso Amor – Capítulo 30

Novela de Débora Costa

Escrita Por

Débora Costa e Tai Andaluz

Revisão de Texto

Marcelo Delpkin

Direção Artística

Wellyngton Vianna

Núcleo

Cyber TV

Personagens no capítulo

CRISTINA

DANIELA

EDGAR

ELISA

FLÁVIO

GILBERTO

HENRIQUE

PARCEIRO

RÉGIS

ROBERTA

SILVIA

TICO

Cena 1/Letreiro: 2 dias depois/Int./Fundação Frederico Werneck/Sala de Cristina/Dia.

Cristina e Edgar estão sentados.

CRISTINA

Eu lamento muito a polícia ainda não ter encontrado o criminoso que matou o Glauco.

EDGAR

Cris, esses dias estão sendo muito difíceis para mim. Eu só sai do lado de Ágata para enterrar meu irmão.

CRISTINA

Como ela está?

EDGAR

Em coma… Eu converso sempre com ela, mas, mesmo assim, ela não reage.

CRISTINA

De verdade, eu lamento muito por isso também, mesmo com o que ela me fez. Ágata é minha sobrinha, e eu jamais desejaria algo ruim pra ela. Contem comigo para o que precisarem, você e Janete.

EDGAR

A Janete não deu as caras no hospital, Cris. Ela não está nem aí para a minha filha.

CRISTINA

Mas como isso é possível? Ontem mesmo eu falei com ela pelo telefone e ela estava arrasada.

EDGAR

Cristina, a sua irmã não é o que aparenta.

Régis entra. Cristina se levanta brava e o encara.

CRISTINA

O que você está fazendo aqui?

RÉGIS

Eu vim te dizer que não vou te dar o divórcio até você conversar comigo.

Edgar fica sem graça e se levanta.

EDGAR

Com licença. Vou para o hospital ficar com a minha filha.

RÉGIS

Eu espero do fundo do coração que aquela vadia morra.

CRISTINA

Régis! Olha como fala. Ágata é filha de Edgar, e ele está sofrendo.

EDGAR

É melhor eu sair, Cris, antes que arrebente o Régis.

RÉGIS

Só falei a verdade. Ágata me manipulou, ficou atrás de mim feito uma cadela no cio e, quando ela conseguiu o que queria, armou para que a Cristina visse, sabendo que meu casamento estaria acabado! O que está acontecendo para a Ágata é pouco!

Edgar dá um soco no rosto de Régis. Cristina fica assustada e entra no meio de Régis e Edgar.

EDGAR

(nervoso) O que aconteceu entre vocês também é culpa sua, Régis! Seja homem e assuma!

CRISTINA

Por favor, parem com isso! Régis, vai embora!

RÉGIS

Não saio daqui até falar com você.

CRISTINA

Mas eu não quero nem olhar pra você, que dirá conversar. Vai embora!

Régis se senta.

EDGAR

Desculpa, Cris. Perdi a cabeça.

Edgar sai. Cristina olha Régis com raiva.

Cena 2/Int./Mansão Werneck/Escritório/Dia.

Henrique e Parceiro entram. Henrique tranca a porta.

HENRIQUE

Parceiro, a sua ideia de jogar o corpo daquele idiota no mato e o carro no rio foi sensacional! Eu dei minha versão na delegacia, e eles acreditaram em tudo.

PARCEIRO

Logo eles vão esquecer esse caso, que é mais um entre tantos que acontecem, Henrique.

HENRIQUE

Eu te trouxe aqui para dar o dinheiro que te prometi.

PARCEIRO

Eu quero outra coisa, Henrique: um emprego na sua empresa.

HENRIQUE

(gargalha) É sério isso? Você quer mesmo trabalhar?

PARCEIRO

Quero sim. As coisas aqui são diferentes, e confesso que me deu vontade de mudar de vida. Não quero voltar pra favela.

HENRIQUE

Se você quer assim, já está contratado. Você vai fazer o que sempre fez: er meu parceiro.

Henrique aperta a mão de Parceiro, que sorri.

PARCEIRO

Valeu! E vem cá, Henrique… Você vai mesmo se casar amanhã com a noiva do seu irmão?

HENRIQUE

(sorri) Vou, cara. Estou amando essa mulher de verdade.

PARCEIRO

E como fica o Flávio?

HENRIQUE

Estou pensando nisso. Acho que ele tem que sumir do mapa de uma vez por todas.

PARCEIRO

Você vai matar seu irmão?

HENRIQUE

Ele nunca foi nada meu… Não posso deixar ele voltar e contar a verdade para Roberta. Não posso mais ficar sem ela.

Cena 3/Rio de Janeiro/Int./Favela/Barraco de Gilberto/Dia.

Daniela está fazendo comida, vai até a porta, abre e olha em volta. Fecha a porta, pega sua bolsa, pega um vidro de remédio, despeja uns comprimidos na mão e joga na panela. Mexe até dissolver os comprimidos. Guarda o vidro do remédio na bolsa e desliga o fogão. Gilberto entra.

GILBERTO

O cheiro da comida está ótimo, hein!?

DANIELA

(sorri) Obrigada, Gilberto.

Gilberto se senta. Daniela pega um prato, coloca comida para Gilberto e o serve.

GILBERTO

Como está o playboy?

DANIELA

Desesperado porque amanhã é o casamento da Roberta.

Gilberto começa a comer. Daniela observa.

GILBERTO

Henrique está exagerando. Não tem por que se casar.

DANIELA

Vai saber o que se passa na cabeça dele… Gilberto, depois que levar a comida do Flávio, eu vou sair. Minha amiga que mora no Centro pediu para fazer o cabelo dela. Por favor, não maltrata o Flávio.

GILBERTO

Daniela, para de proteger esse babaca. Não vale a pena.

Daniela coloca comida em um prato.

DANIELA

Sei me cuidar, Gilberto.

Daniela sai. Gilberto continua comendo.

Cena 4/Int./Cativeiro de Flávio/Dia.

Flávio está aflito. Daniela entra. Flávio se aproxima.

FLÁVIO

E aí?

DANIELA

Coloquei o remédio na comida. Ele já está comendo. Não vai demorar para ele dormir feito uma pedra.

FLÁVIO

(feliz) Perfeito, Dani.

DANIELA

Presta atenção: assim que Gilberto dormir, eu venho te avisar, Tico vai estar te esperando na entrada da favela. A roupa que consegui pra você está com ele.

FLÁVIO

Vem junto, Daniela. Tenho certeza que todos vão te receber muito bem.

DANIELA

Não quero ir, Flávio, mesmo porque tenho medo do que Henrique possa fazer comigo. Eu já tenho tudo planejado. Fica tranquilo.

FLÁVIO

Eu vou sentir sua falta.

DANIELA

E eu, a sua e do Tico também; mas só de saber que ele vai encontrar a mãe dele, fico muito feliz.

Flávio acaricia o rosto de Daniela.

FLÁVIO

Você é um anjo, sabia?

DANIELA

E uma grande amiga… Isso não era exatamente o que queria ouvir de você… É melhor eu ir, e joga a comida que te trouxe fora. Está com o remédio.

Daniela sai. Flávio sorri feliz.

FLÁVIO

Finalmente vou sair desse inferno.

Cena 5/São Paulo/Int./Mansão Werneck/Sala/Dia.

Roberta entra. Elisa se aproxima e sorri.

ELISA

Oi!

ROBERTA

(sorri) Oi, Elisa!

ELISA

Roberta, você sabe como Ágata está?

ROBERTA

Na mesma. Meu pai está arrasado, coitado. Eu disse que iria adiar meu casamento, mas ele insistiu para não fazer isso.

ELISA

E o Bruno? Você tem visto ele?

Roberta sorri um pouco.

ROBERTA

Vejo ele sempre na Fundação. Ele fica meio período lá e depois fica com Ágata no hospital.

ELISA

Eu quero conhecer a Fundação da Cristina, mas a Silvia não deixa.

ROBERTA

Entendo… Pede para o Flávio te levar.

ELISA

Eu pedi, mas ele está muito antipático.

Silvia desce as escadas e não gosta de ver Roberta.

SILVIA

Então você amanhã vai se casar com meu neto.

ROBERTA

Pois é… Vou sim. Espero que você não tenha nada contra.

SILVIA

Eu tenho muitas coisas contra, começando por você ser uma sonsa igual a Cristina, e isso me irrita profundamente.

ROBERTA

Ser igual a Cris não é uma ofensa; ao contrário, é um grande elogio.

Henrique desce as escadas. Silvia não o vê.

SILVIA

Não coloque as garras de fora, garota. Não é porque você vai se casar com um Werneck, que irá ter regalias comigo. Pra mim você não passa de uma pobretona aproveitadora.

Elisa fica sem graça.

HENRIQUE

Não vou admitir que você humilhe Roberta dessa maneira.

ROBERTA

Não tem importância, meu amor. O que vem dela não me atinge.

HENRIQUE

Mas a mim, sim. Não é a primeira vez que ouço ela te ofender.

Silvia encara Henrique.

SILVIA

Você realmente vai ficar contra mim?

Henrique, sem medo, encara Silvia.

HENRIQUE

Vou, minha querida vovó. Você fica aí no seu pedestal, de nariz empinado, cheia de pose, mas já te vi diversas vezes se agarrando com nosso motorista, e ele é pobre também.

Roberta e Elisa ficam com vontade de rir, mas disfarçam. Silvia olha Henrique com raiva.

SILVIA

Como você se atreve a falar uma coisa dessas? Isso é mentira!

HENRIQUE

Não é, e você sabe; e se eu ver você ofender Roberta mais uma vez, todo mundo vai ficar sabendo que Silvia Werneck dá uns pegas com o motorista.

Henrique se aproxima de Roberta, a beija e sorri.

HENRIQUE

Vamos ver como estão as coisas para amanhã no buffet.

ROBERTA

(sorri) Você é louco, mas eu te amo muito.

Roberta e Henrique saem. Elisa, sem graça, olha Silvia.

ELISA

Eu vou pro meu quarto, tia.

Elisa sai se contendo para não rir. Silvia fica com raiva.

SILVIA

Maldito Henrique! Se não fosse por Flávio, acabaria com essa farsa!

Cena 6/Int./Fundação Frederico Werneck/Sala de Cristina.

CRISTINA

A sua atitude com Edgar foi horrível! O que deu em você?

RÉGIS

Eu não quero falar disso e sim de nós. Não quero me separar de você, Cris. Eu te amo.

CRISTINA

Mas você se esqueceu desse amor enquanto me traía. Você se esqueceu de tudo que passamos e estamos passando, principalmente com nossos filhos.

RÉGIS

Henrique ajudou Ágata/

CRISTINA

(alterada) Régis, para com isso! Você coloca a culpa na Ágata, no Henrique, mas e a sua culpa? Onde fica? Você sabia o que estava fazendo!

Régis abaixa a cabeça, pensativo.

RÉGIS

No começo eu não queria, Cris, mas com o tempo fui me atraindo por ela. Quando eu vi que estava quase ficando com a Ágata, eu quis que você soubesse, tanto que te chamei para ir ao motel naquele dia.

CRISTINA

(triste) E naquele dia você colocou a culpa só nela como está fazendo agora… Tinha acontecido algo entre vocês?

RÉGIS

Só um beijo. Por isso eu fiquei com medo e encontrei uma saída. Depois disso, a Ágata ficou diferente comigo, e eu achei que ela estava com raiva, mas aos poucos novamente ela começou a se jogar em cima de mim e eu não resisti, Cris… Acabei indo pra cama com ela.

CRISTINA

(chora) Você me enganou por quanto tempo?

RÉGIS

Alguns meses.

CRISTINA

E é isso que você chama de amor?

Régis se levanta e se aproxima de Cristina.

RÉGIS

Eu lutei muito, Cris. Juro que não queria me envolver com outra mulher. Eu fui fraco, me deixei levar, mas nunca deixei de te amar. Por favor, Cristina, me perdoa, me dá mais uma chance.

CRISTINA

Régis, eu estou sofrendo muito por vários motivos e você sabe. Quando te vi ali na cama com a minha sobrinha… achei que meu mundo tinha acabado. O homem da minha vida fazendo uma coisa dessas comigo… mas eu parei para pensar e vi que meus filhos precisam de mim. Foi daí que tirei forças e estou recomeçando a viver sem você.

RÉGIS

Mas eu não sei viver sem você! Eu errei, assumo isso, mas não aceito te perder e não vou te dar o divórcio!

CRISTINA

Régis, não me faça passar por coisas piores que já estou passando. Me dá o divórcio e vá viver com quem bem entender.

Régis acaricia o rosto de Cristina.

RÉGIS

Me dá uma chance, Cris, só isso que te peço. Esses dias sem você foram os piores da minha vida. Por favor, vamos jantar hoje.

Cristina se afasta de Régis.

CRISTINA

Não posso. Tenho que ajudar Roberta com os últimos preparativos do casamento amanhã.

RÉGIS

Por favor, Cris… Aceita.

CRISTINA

Está bem, Régis. Eu aceito jantar com você hoje. Depois não me procure mais.

RÉGIS

Obrigado, Cris.

Régis sorri, se aproxima de Cristina, que se afasta.

CRISTINA

Agora preciso resolver algumas coisas da Fundação.

RÉGIS

Não vou mais te atrapalhar, Cris. Até mais tarde, meu amor.

Régis sorri e sai. Cristina fica pensativa.

Cena 7/Int./Buffet/Dia.

Roberta e Henrique estão olhando como estão os preparativos para o casamento. Roberta está muito feliz.

ROBERTA

Meu amor, eu nem estou acreditando que amanhã vamos nos casar! Estou muito feliz, Flávio.

Henrique sorri um pouco, mas não gosta de ouvir Roberta o chamando de Flávio. Disfarça e acaricia o rosto dela.

HENRIQUE

Princesa, eu também estou feliz porque te amo como nunca achei que fosse amar um dia… Quero que você acredite em mim.

ROBERTA

(sorri) É claro que acredito em você, meu amor. Eu também te amo muito.

HENRIQUE

Você sabe que, por causa do sequestro, fiquei diferente em muitas coisas. Acho que até a minha personalidade mudou… Você me ama como sou agora? Ama o novo Flávio?

ROBERTA

É claro que eu amo. Você realmente mudou em algumas coisas, mas isso não fez com que eu te amasse menos. Ao contrário, eu te amo mais a cada dia que passa.

HENRIQUE

Você não sabe como isso é importante para mim, princesa.

Henrique e Roberta se beijam.

Cena 8/Int./Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Dia.

Daniela entra está agitada.

DANIELA

Gilberto já dormiu, Flávio. Sai daqui agora.

Flávio sorri e beija Daniela.

FLÁVIO

Vem comigo.

DANIELA

Já falei que não vou, e não perde tempo. Vai logo, porque o Tico está te esperando.

FLÁVIO

Eu volto para te buscar. Obrigado por tudo.

Flávio sai correndo. Daniela fica triste.

Cena 9/Ext./Rio de Janeiro/Favela/Dia.

Flávio corre até o lugar combinado por Daniela. Tico está esperando por ele. Flávio se aproxima. Tico entrega uma mochila para Flávio.

TICO

Aqui, clone, coloca essa roupa.

Flávio abre a mochila. Pega uma blusa com touca e veste. Coloca a touca.

FLÁVIO

E agora vamos sair daqui o mais rápido possível.

Tico pega uma carteira de seu bolso e entrega para Flávio.

TICO

A Dani falou que é pra gente pegar um táxi.

FLÁVIO

(sorri) Ela é demais mesmo, Tico. Vamos embora desse inferno.

Flávio e Tico correm até um ponto de táxi. Entram no primeiro táxi que encontram e seguem para a rodoviária.

Fim do Capítulo

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo