Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Falso Amor – Capítulo 39

Novela de Débora Costa

Escrita Por

Débora Costa

Revisão de Texto

Marcelo Delpkin

Direção Artística

Wellyngton Vianna

Núcleo

Cyber TV

Personagens no capítulo

ÁGATA

BRUNO

CRISTINA

DANIELA

EDGAR

ELISA

FLÁVIO

HENRIQUE

JANETE

LUCIANO

MIGUEL

RÉGIS

ROBERTA

SILVIA

SUELI

TAÍS

TICO

Participação Especial

MÉDICO/ENFERMEIRA

Cena 1/Ext./Hospital/Pátio/Dia.

Daniela está sentada, triste. Flávio se aproxima e se senta ao lado dela.

FLÁVIO

Dani, eu te procurei pelo hospital todo. O que aconteceu?

DANIELA

Eu precisava respirar um pouco aqui fora.

FLÁVIO

Você ficou com ciúmes da Roberta, não foi?

DANIELA

Flávio, eu sei que não tenho direito disso. Mme envolvi com você porque eu quis…, porque me apaixonei. Eu sabia que você era noivo. Agora sei que você vai voltar pra ela.

FLÁVIO

Como você pode saber de uma coisa que nem mesmo eu sei.

DANIELA

Sabe sim, Flávio. É ela que você ama.

Tico vem correndo e abraça Daniela.

TICO

Dani, que saudade!

Daniela sorri abraçada a Tico.

DANIELA

Eu também, Tico. De onde você veio, menino?

Sueli e Edgar se aproximam. Daniela se levanta.

SUELI

Então você é a famosa Daniela que meu filho tanto fala?

DANIELA

Sim. Espero que ele tenha falado bem de mim.

Sueli abraça Daniela e se emociona.

SUELI

Obrigada por ter cuidado do meu filho.

Daniela sorri e depois abraça Tico. Flávio se levanta.

EDGAR

Você é Flávio ou Henrique?

FLÁVIO

Não me conhece mais, Edgar?

Edgar sorri e abraça Flávio.

EDGAR

Soube que você tem um gêmeo idêntico e, como ele estava se passando por você e ninguém reparou, dá pra ter dúvida, sim.

SUELI

Como a Cris está?

FLÁVIO

Eu ia entrar agora para saber, mas ela estava sendo operada.

Cena 2/Int./Casa de Luciano/Sala/Dia.

Elisa, Bruno, Ágata e Luciano estão sentados, conversando.

BRUNO

Eu não esperava uma coisa dessa da minha mãe.

ÁGATA

Eu sim, Bruno. Ela nunca foi nossa mãe. Se não fosse o nosso pai, estaríamos perdidos.

ELISA

Nunca reparei nesse amor da Janete pelo meu primo. Quando ela está com a Cristina, é até bonito ver o amor das duas, e descobrir que isso tudo é mentira e que na verdade Janete odeia Cristina e roubou o filho dela é inacreditável.

LUCIANO

Eu acho que a Janete precisa de ajuda psiquiátrica. Hoje ela disse que era a Cristina. Me deu medo do jeito dela.

ÁGATA

Eu fiquei paralítica e Janete louca. Não posso andar, mas, pelo menos, tenho minha dignidade e sanidade.

ELISA

E se ela tentar fazer alguma coisa contra Cristina?

BRUNO

Acho que ela não seria capaz de fazer isso.

LUCIANO

Janete está fora de si, e acho, sim, que Cristina corre perigo.

Cena 3/Int./Grupo Werneck/Sala de Miguel/Dia.

Miguel está de saída. Taís entra.

TAÍS

Oi Miguel! Você está muito ocupado?

MIGUEL

Não. Eu vou ter que ir na minha casa buscar um relatório que Régis fez. Agora estou fazendo as coisas que ele deveria estar fazendo.

TAÍS

Eu quero ir até o hospital saber como a Cristina está e ver minha filha, mas não quero ir sozinha. Você iria comigo?

MIGUEL

Vou ser honesto com você, Taís. Não me dou muito bem com a minha família. Não sei fingir coisas que não sinto. Claro que fiquei com pena da Cristina, afinal ela nunca me fez nada, mas ir lá e ficar abraçando e consolando as pessoas não é comigo.

TAÍS

Não precisa fazer isso se não quiser. É só me acompanhar.

Miguel se aproxima de Taís.

MIGUEL

É importante pra você que eu esteja ao seu lado?

TAÍS

Se não fosse, eu não estaria aqui te pedindo para ir comigo.

MIGUEL

(sorri) Direta e franca. Acho isso muito atraente, sabia?

Taís beija Miguel, que retribui.

TAÍS

Você vai ou não comigo até o hospital?

MIGUEL

Vou, mas antes vamos passar na minha casa.

TAÍS

Tudo bem.

MIGUEL

Quero outro beijo.

Taís e Miguel se beijam.

Cena 4/Int./Hospital/Sala de Espera/Dia.

Sueli, Edgar, Tico, Flávio, Daniela, Régis, Roberta e Henrique estão sentados, preocupados. Henrique se levanta, nervoso.

HENRIQUE

Eu cansei de ficar aqui sentado esperando alguém me trazer notícia da Cristina. Eu vou ver ela agora e quero ver quem vai me impedir!

Régis se levanta e segura Henrique.

RÉGIS

Você precisa ficar calmo, Henrique.

HENRIQUE

O que eu preciso é falar com a Cristina!

Flávio se levanta e se aproxima de Henrique.

FLÁVIO

Henrique, assim que o médico vier aqui e dar permissão para ver a nossa mãe, você será o primeiro a entrar.

Todos olham admirados Flávio e Henrique por eles serem idênticos. Henrique olha para todos.

HENRIQUE

O que foi? Estão me olhando assim por quê?

DANIELA

Quando Henrique abre a boca, acaba com o encanto e dá pra ver quem é Flávio e quem é o ogro.

EDGAR

Vocês são idênticos. É incrível ver vocês juntos para quem só conheceu apenas um.

TICO

Eu sempre falei que Henrique tinha um clone. Vocês nunca me deram atenção.

Todos, menos Henrique, dão risada.

SUELI

Henrique não tem um clone, meu amor. Ele tem um irmão gêmeo.

O médico se aproxima. Todos se levantam. Henrique segura o médico pelo braço.

HENRIQUE

Eu já posso falar com a Cristina?

Régis coloca a mão no ombro de Henrique, que solta o médico.

MÉDICO

A paciente está fraca, mas estável.

HENRIQUE

Ótimo, então vou falar com ela.

MÉDICO

Vou deixar você ir porque estou vendo o seu estado, mas eu aconselho a vocês a voltarem depois. A paciente precisa descansar.

SUELI

Se a Cris está bem, eu fico mais tranquila. Eu vou para a casa, mas volto depois.

EDGAR

Eu vou com você. Qualquer coisa, nos avise, Régis.

Sueli, Tico e Edgar saem.

HENRIQUE

Se vocês quiserem, podem ir também. Vou ficar aqui até ter certeza que a Cristina está bem.

FLÁVIO

Eu vou para a casa para me trocar, mas volto logo.

HENRIQUE

Playboy, não mexe nas minhas coisas. Tudo que está no seu antigo quarto é meu.

FLÁVIO

Você não acha que está na hora de parar de ser egoísta? Posso saber o que você fez com as minhas coisas?

HENRIQUE

Joguei tudo fora.

RÉGIS

No caminho, nós compramos alguma coisa pra você vestir, Flávio.

FLÁVIO

É o jeito. Daniela, você vem com a gente.

DANIELA

(sem graça) Eu espero vocês aqui. É melhor.

RÉGIS

Você deve estar com fome, Daniela. Vem conosco. Não vamos demorar.

DANIELA

Tudo bem, eu vou.

FLÁVIO

E você, Roberta?

ROBERTA

Eu vou ficar aqui.

FLÁVIO

Eu preciso conversar com você.

HENRIQUE

Ela vai ficar aqui, playboy. Pode ir.

RÉGIS

Não é hora de brigar. Vamos pra casa, assim voltamos logo. Também quero ver a Cristina.

Régis, Daniela e Flávio saem. Henrique se aproxima de Roberta.

HENRIQUE

Obrigado por ficar aqui comigo, princesa.

ROBERTA

Eu estou aqui pela Cris. Agora é melhor você ir ver ela antes que não te deem mais permissão.

Henrique sai. Roberta se senta e fica pensativa.

Cena 5/Int./Hospital/UTI/Dia.

Henrique entra. Vê Cristina dormindo, se aproxima e segura a mão dela.

HENRIQUE

Cristina…

Cristina abre os olhos, olha Henrique e sorri um pouco. Está fraca.

HENRIQUE

Como você está se sentindo?

CRISTINA

Melhor, e você?

HENRIQUE

Péssimo. Preocupado e me sentindo um lixo por tudo que fiz, mas você pode ter certeza que eu vou consertar tudo.

CRISTINA

Não precisa, Henrique. Só quero você e seu irmão comigo.

Cristina fecha os olhos e começa a passar mal. Henrique fica preocupado.

HENRIQUE

O que você tem, Cristina?

Cristina não consegue falar, pois está passando mal

HENRIQUE

Eu vou chamar ajuda, mas quero que você saiba que eu preciso muito de você, entendeu? Eu preciso de você.

Uma enfermeira entra. Cristina tem uma parada cardíaca. A enfermeira chama um médico que entra apressado.

MÉDICO

Você vai ter que sair agora.

HENRIQUE

Cristina, não me deixa!

O médico leva Henrique para fora.

Cena 6/Int./Hospital/Corredor/Dia.

Henrique encosta na parede e chora. Roberta se aproxima.

ROBERTA

O que aconteceu?

Henrique abraça Roberta; está chorando.

HENRIQUE

Ela não pode morrer, princesa.

Cena 7/Int./Mansão Werneck/Suíte de Régis e Cristina/Mais Tarde/Dia.

Régis entra e tira a camisa. Janete, que está vestida igual Cristina, se aproxima por trás de Régis, que não a vê. Ela acaricia as costas dele. Régis se assusta e olha para trás, vendo Janete.

RÉGIS

Janete, o que você está fazendo aqui e vestida igual a Cristina?

Janete sorri enlaça o pescoço de Régis.

JANETE

Eu estava com saudades de você, meu amor.

Régis se afasta de Janete e fica nervoso.

RÉGIS

Sai daqui!

JANETE

Por que você está bravo comigo, meu amor?

RÉGIS

Para de me chamar de meu amor.

JANETE

(triste) Você está assim porque nosso filho morreu, não é?

Régis observa Janete e fica sério.

RÉGIS

Do que você está falando?

Janete se aproxima de Régis e acaricia o rosto dele.

JANETE

Eu descobri que a Janete roubou nosso filho para se vingar de mim porque você me ama, e por isso ela me odeia.

Régis percebe que Janete está fora de si.

RÉGIS

Cris, é melhor você se sentar um pouco aqui. Vou buscar um chá para você se acalmar.

JANETE

Eu não preciso de chá, Régis. Preciso de você, dos seus beijos.

Janete beija Régis, que se afasta.

RÉGIS

Eu já volto, Cris.

Janete fica séria e olha Régis com raiva.

JANETE

Você não me quer por causa da Ágata. Você me traiu com ela!

Janete pega uma tesoura. Régis fica assustado.

RÉGIS

Fica calma, Cris.

Cena 8/Int./Mansão Werneck/Corredor dos Quartos/Dia.

Silvia está indo para seu quarto e ouve a voz de Régis e Janete.

Cena 9/Int./Mansão Werneck/Suíte de Régis e Cristina/Dia.

Janete chora. Está com raiva, grita.

JANETE

Você me traiu!

RÉGIS

Mas você me perdoou. Lembra, Cris?

Janete, nervosa, coloca as mãos na cabeça.

JANETE

Maldita Cristina! Se eu não posso ter você, ela também não vai!

Janete vai pra cima de Régis com a tesoura e o fere no braço. Silvia entra e segura Janete.

SILVIA

Para com isso, Janete!

JANETE

(com raiva) Você me atormentou a vida toda, Silvia! Te aturei por causa de Régis, mas agora isso acabou!

Janete vai pra cima de Silvia e a fere no peito com a tesoura. Régis fica desesperado. Empurra Janete e segura Silvia. Miguel entra.

RÉGIS

Miguel, segura essa louca. Não deixa ela sair daqui!

Janete joga a tesoura no chão e tenta correr. Miguel a segura.

MIGUEL

Você não vai a lugar algum!

Silvia está gravemente ferida. Régis a olha muito.

RÉGIS

Eu vou chamar uma ambulância, mamãe.

SILVIA

(fraca) Não, Régis… Ela só adiantou o que eu ia fazer…

RÉGIS

Do que você está falando, mamãe?

SILVIA

Eu estou sem nada, Régis… E você sabe que eu prefiro a morte do que ficar pobre.

RÉGIS

Não fala bobagens.

Silvia olha Régis e acaricia o rosto dele.

SILVIA

Eu matei seu pai, Régis… Fiz isso para que ele não desse nada ao bastardo que teve com a Sueli… Não me arrependo.

Silvia fecha os olhos e morre. Régis chora, Miguel observa e Janete sorri.

Cena 10/Letreiro: Uma semana depois/Int./Hospital/Quarto de Cristina/Dia.

Cristina está sentada na cama. Régis entra e sorri para ela.

RÉGIS

Bom dia, meu amor. Está pronta para voltar pra casa?

CRISTINA

(sorri) É o que mais quero, Régis.

Régis se aproxima e beija Cristina.

RÉGIS

Você é tudo pra mim, sabia? Eu te amo muito, Cris.

CRISTINA

Eu também te amo, meu amor.

RÉGIS

Eu tenho uma surpresa pra você.

CRISTINA

(sorri curiosa) Mesmo?

Régis vai até a porta e abre. Flávio e Henrique entram. Flávio traz um buquê de flores. Henrique, uma sacola média. Cristina os olha emocionada.

CRISTINA

Ver vocês juntos me deixa tão feliz, meus amores.

Flávio e Henrique se aproximam da cama de Cristina. Flávio fica do lado esquerdo, e Henrique do lado direito. Eles beijam o rosto de Cristina.

FLÁVIO

E ver você bem me deixa muito feliz também, mamãe. Trouxe essas flores para você.

Cristina pega o buquê e sorri.

CRISTINA

São lindas. Obrigada, meu amor.

HENRIQUE

Eu não trouxe flores porque acho simples demais. Te trouxe isso.

Henrique entrega a sacola para Cristina. Ela sorri e abre a sacola. Tira de dentro um estojo. Ela abre. É um colar de ouro branco.

CRISTINA

Muito obrigada, querido. É lindo.

Henrique coloca o colar em Cristina.

RÉGIS

Cris, você sabe quem é Flávio e quem é Henrique?

CRISTINA

Claro que sei. Flávio me deu as flores, e Henrique me deu o colar.

FLÁVIO

Juntos é fácil saber, papai, porque Henrique se acha demais.

HENRIQUE

É fácil mesmo. Eu não sou babaca igual a você.

CRISTINA

Não briguem…

RÉGIS

Não adianta falar, Cris. Eles são assim o tempo todo.

Cristina segura a mão de Flávio e a de Henrique.

CRISTINA

Não quero vocês longe de mim nunca mais.

HENRIQUE

Nem eu de você, mamãe.

Cristina olha Henrique; as lágrimas escorrem.

CRISTINA

Eu esperei tanto tempo pra ouvir você me chamando assim, Henrique.

Cristina abraça Henrique. Flávio observa.

FLÁVIO

Desse jeito vou ficar com ciúmes, hein!?

Cristina sorri. Abraça Flávio junto com Henrique. Régis se aproxima.

RÉGIS

Eu também faço parte disso. Mereço estar nesse abraço.

Régis sorri abraça Cristina e os filhos.

Cena 11/Ext./Manicômio Judiciário/Pátio/Dia.

Janete está sentada em um banco. Bruno se aproxima e se senta ao lado dela. Janete sorri.

JANETE

Que bom te ver, sobrinho.

BRUNO

Você está bem?

JANETE

Não muito. Estou esperando Régis, mas ele está demorando muito para vir. Preciso ter notícias dos meus filhos. Você sabe deles?

BRUNO

Sim… Estão bem.

JANETE

Quando vão vir me visitar?

BRUNO

Eu vou dizer para eles virem logo.

JANETE

Só não fala pra Janete vir. Ela me odeia muito. Sei que ela é sua mãe, mas a Janete é capaz de tentar me matar. Ela roubou meus filhos só porque Régis me ama.

Bruno beija o rosto de Janete. Se levanta e sai. Janete fica com um olhar distante.

JANETE

Régis vai vir logo, e vamos ficar juntos para sempre.

Fim do Capítulo

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

>