Falso Amor – Capítulo 4

 A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

Atenção: O capítulo a seguir, não está formatado, peço desculpas, pois estou com dificuldade em me adaptar ao novo  óculos, por isso não organizei o capítulo. ótima leitura. Deus Abençoe. 

 

novela de
DÉBORA COSTA
com colaboração de
TAI ANDALUZ

revisão de texto
MARCELO DELPKIN

direção artística
WELLYNGTON VIANNA

personagens no capítulo

ÁGATA

BRUNO

CRISTINA

DANIELA

FLÁVIO

FREDERICO

GILBERTO

GLAUCO

HENRIQUE

JANETE

PARCEIRO

RÉGIS

ROBERTA

SÉRGIO

SILVIA

TAMARA

 

Cena 1/Mansão Werneck/Sala/Int./Tarde.

Continuação da última cena do capítulo 3.

FLÁVIO

Vovó, eu te amo, mas não vou permitir que você fale assim da Roberta.

RÉGIS

E nem eu que fale assim da Cristina.

SILVIA

(sorri) Eu só disse a verdade.

ROBERTA

Eu não quero causar problemas, já estava indo embora.

CRISTINA

Você não precisa sair, Roberta, fique mais um pouco.

FREDERICO

(segura o braço de Silvia) É melhor você se controlar.

SILVIA

Estou calmíssima, controlada e afiada. Se me derem licença, vou subir e ver como está o meu quarto.

FREDERICO

Vou com você.

Silvia olha Roberta e sobe as escadas; sai de cena.

FREDERICO

Desculpa, Flávio. Eu vou falar com a Silvia. (sobe as escadas).

CRISTINA

Régis, eu sempre aturei as grosserias da sua mãe, mas Roberta não tem que passar por isso.

RÉGIS

Depois vou falar com ela, Cris. Você tem razão.

ROBERTA

Tudo bem, gente. Deixa isso pra lá.

FLÁVIO

Não, ela não pode te ofender, meu amor.

ROBERTA

Eu já vou pra casa.

FLÁVIO

Pode deixar, que eu te levo.

ROBERTA

Até logo, boa noite. (sai com Flávio).

RÉGIS

(abraça Cristina) Vamos jantar fora hoje?

CRISTINA

Depois do dia agitado que tivemos hoje, merecemos algo para relaxar até amanhã… Vamos sim.

RÉGIS

Vou te levar naquele restaurante que você adora.

CRISTINA

Adoro qualquer lugar se você está nele.

Cristina beija Régis.

Cena 2/Rio de Janeiro/Favela/Rua/Ext./Noite.

Tamara vê Daniela e se aproxima.

TAMARA

Daniela, tu sabe se o Henrique está metido em encrenca?

DANIELA

Ele sempre esta metido em encrenca. Por que essa pergunta agora?

TAMARA

Ele tava vendo um monte de revista, e numa delas tinha uma pessoa idêntica ao Henrique.

DANIELA

(pensativa) Ele me mandou encomendar umas revistas… Quem era esse homem?

TAMARA

É um tal de Flávio… Flávio Werneck.

DANIELA

Werneck?

TAMARA

Era, você conhece?

DANIELA

A pessoa não, mas o sobrenome sim, Já volto.

Daniela se afasta de Tamara.

Cena 3/Rio de Janeiro/Favela/Barraco de Gilberto/Int./Noite.

Gilberto está se arrumando. Daniela entra sem bater.

DANIELA

Gilberto o Henrique está ai?

GILBERTO

Não.

DANIELA

Você viu uma caixa cheia de revista que estava aqui?

GILBERTO

Henrique largou debaixo da cama.

DANIELA

Eu quero ver uma delas. Posso pegar?

GILBERTO

Melhor não. Você conhece o Henrique. (pega a carteira) Eu vou sair e talvez não volte hoje. Diga isso a Henrique.

Henrique sai. Daniela entra no quarto e olha embaixo da cama. Pega a caixa, volta com ela para a sala, põe em cima da mesa, começa a olhar as revistas. Encontra uma foto de Flávio e se admira.

DANIELA

É igualzinho ao traste do Henrique.

HENRIQUE

(entra, fica bravo) Posso saber por que você está mexendo no que não é da sua conta?

DANIELA

A vida toda eu ouvi Gilberto reclamar de uma tal Cristina Werneck. Agora você fica vendo revista onde aparece não só a tal Cristina, como esse Flávio aqui, que é idêntico á você, até parece seu irmão gêmeo. O que você está armando, Henrique?

HENRIQUE

(segura Daniela pelo braço) Não é da sua conta!

DANIELA

Você está me machucando!

HENRIQUE

(aperta mais o braço de Daniela) E vou machucar mais se você continuar a se meter onde não te interessa!

Ele leva Daniela até a porta, a empurra pra fora, fecha a porta, chuta a caixa que contem as revistas com raiva)

HENRIQUE

Inferno!

Cena 4/Apartamento de Roberta/Sala/Int./Noite.

Roberta e Flávio namoram no sofá.

ROBERTA

Você quer alguma coisa, meu amor? (Flávio sério) Flávio… Está tudo bem?

FLÁVIO

Aquilo de novo… A raiva.

ROBERTA

Deve ser por causa da Silvia.

FLÁVIO

Pode ser… Não vou permitir que ninguém fale com você do modo que ela falou. É um absurdo.

ROBERTA

Não quero que você brigue com ninguém da sua família por minha culpa.

A campainha toca. Roberta abre para Glauco, que entra e vê Flávio.

GLAUCO

Eu não sabia que você estava com Flávio. Volto depois.

FLÁVIO

Pode ficar, Glauco. Eu estou de saída. (beija Roberta) Até logo. Te amo.

ROBERTA

(sorri) Também te amo.

FLÁVIO

Boa noite, Glauco. (sai)

GLAUCO

Pelo que vejo o problema entre vocês foi resolvido.

ROBERTA

Sim. Estou muito feliz por isso, Glauco.

GLAUCO

E eu fico feliz por você.

ROBERTA

Você quer alguma coisa?

GLAUCO

Só vim ver como você estava.

ROBERTA

(sorri) Obrigada por se preocupar. Estou bem.

GLAUCO

(acaricia o rosto de Roberta) Que bom.

ROBERTA

(se afasta) Você quer beber alguma coisa?

GLAUCO

Não. Eu já vou. Não quero te incomodar. Boa noite, querida. (beija o rosto de Roberta e sai).

ROBERTA

Eu vou arrumar algumas coisas para amanhã e descansar.

Ela vai para o quarto, saindo de cena.

Cena 5/Apartamento de Glauco/Sala/Int./Noite.

Glauco entra com raiva.

GLAUCO

Não foi dessa vez que a Roberta deixou de vez esse idiota do Flávio, mas eu vou dar um jeito! (vai até o bar, se serve de uísque e bebe) Ela estava tão linda… Que vontade de beijar a Roberta, de abraçar…

Glauco fecha os olhos e vai para o quarto.

Cena 6/Apartamento de Glauco/Quarto/Int./Noite.

Glauco se senta na cama, pega um notebook, liga, entra em um site de acompanhantes, começa a olhar as fotos, encontra uma moça que se parece com Roberta.

GLAUCO

Essa serve… Ainda não é a Roberta, mas serve.

Ele pega o celular.

Cena 7/Casa de Janete/Sala/Int./Noite.

Janete está de saída. Ágata se aproxima dela.

ÁGATA

Nossa, você vai sair a essa hora?

JANETE

Vou, e daí?

ÁGATA

(se senta) É estranho. Você não tem o costume de sair à noite.

JANETE

Eu vou jantar com um amigo, e para com isso que não te devo satisfação.

ÁGATA

(ri) Calma!

Janete sai. Bruno entra e se aproxima de Ágata.

BRUNO

Já está pronta?

ÁGATA

Eu não sei se quero ir, Bruno.

BRUNO

Você já falou para o papai que você iria jantar com ele. Não te custa nada.

ÁGATA

Custa sim: paciência para aturar a Roberta.

BRUNO

Ela não vai. O papai acabou de me falar.

ÁGATA

(sorri, se levanta) Então vamos… Bruno, você sabe se a mamãe arrumou um namorado?

BRUNO

Que eu saiba, não, por quê?

ÁGATA

Por nada.

Ágata e Bruno saem juntos.

Cena 8/Mansão Werneck/Sala/Int./Noite.

Silvia está sentada no sofá. Régis desce as escadas.

SILVIA

Nossa! Aonde você vai elegante desse jeito?

RÉGIS

(sorri) Jantar com a Cristina.

SILVIA

Ah, meu filho, eu acho que esse desfile de amanhã é tempo perdido. Você não acha que gasta demais com essa fundação chinfrim que a Cristina tem?

RÉGIS

Não acho. E eu vou te falar uma coisa. A Cristina é minha mulher, eu a amo muito, então pare de implicar com ela.

Cristina desce as escadas, mas Silvia não a vê.

SILVIA

Você ainda vai encontrar uma mulher melhor do que a Cristina, alguém que tenha berço assim como você.

CRISTINA

(se aproxima) Silvia, eu já estou ficando farta das coisas que você diz a meu respeito.

SILVIA

(sorri) Nem se atreva a me enfrentar, vai sair perdendo.

RÉGIS

(segura a mão de Cristina) É melhor nós irmos, meu amor.

CRISTINA

É incrível como certas pessoas têm a capacidade de acabar com a minha paciência. (vai saindo com Régis).

SILVIA

Bela joia, Cristina, assim como o vestido que você está usando. Claro que tudo isso, você tem graças ao meu filho e ao nosso dinheiro.

Cristina, com vontade de chorar de raiva, tira o colar e o joga em Silvia.

CRISTINA

Eu nunca precisei de nada disso. Como você sabe, eu era pobre, mas pelo menos eu tive e tenho uma coisa que você não tem:educação!

SILVIA

Estou ofendidíssíma com o que você me disse. Vou passar a noite chorando.

Cristina sobe as escadas com pressa. Régis com raiva de Silvia.

RÉGIS

Desse jeito não dá, mamãe! Vou me mudar daqui com a Cristina e meu filho!

Régis sobe as escadas. Silvia pega o colar no chão, pensativa.

Cena 9/Mansão dos Werneck/Suíte de Cristina/Int./Noite.

Cristina chora, sentada na cama. Régis entra e se junta a ela.

RÉGIS

Cris, não fica assim. Você conhece a minha mãe; sabe que ela é assim mesmo.

CRISTINA

Não dá mais, Régis! Está cada vez mais insuportável! Ela nunca vai me aceitar e sempre vai me fazer sentir um lixo! Vai jogar as coisas na cara… Você não faz ideia de como isso é horrível.

RÉGIS

(segura a mão de Cristina) Se você quiser, eu procuro uma casa para nós. Eu já deveria ter feito isso antes, mas como ela foi morar em outro país, não me preocupei.

CRISTINA

(nervosa) Silvia deveria ter ficado por lá!

RÉGIS

(acaricia o rosto dela) Você quer que eu procure uma casa?

CRISTINA

Quero… Eu tenho a impressão que a qualquer momento vou me descontrolar e agredir a Silvia; então quanto mais longe dela melhor.

RÉGIS

Não vamos deixar que ela estrague nossa noite. Vamos jantar no restaurante, Cris.

CRISTINA

Desculpa, meu amor, mas já perdi a vontade de ir. Amanhã vamos ter muita coisa para fazer; vou ficar aqui mesmo.

RÉGIS

(chateado) Tudo bem, Cris, eu entendo.

CRISTINA

Eu vou tirar esse vestido.

Ela se afasta e vai para o closet.

Cena 10/Rio de Janeiro/Favela/Bar/Ext./Noite.

Henrique bebe sentado à mesa. Tamara se aproxima e o enlaça pelo pescoço.

TAMARA

Tu não me chama pra beber?

HENRIQUE

(bêbado) Você já se convidou. Pode beber Tamara. Eu pago tudo pra você.

Henrique beija Tamara. Depois ela olha para o dono do bar.

TAMARA

Pode colocar uma pra mim. (acaricia o rosto de Henrique) Tu não vai me contar o que tá planejando junto com Gilberto?

HENRIQUE

(ri e bebe mais) É uma coisa que vai mudar a vida de muita gente, pode ter certeza.

TAMARA

(bebe, beija Henrique) Me conta o que é.

HENRIQUE

Não. (puxa Tamara pela cintura, fala no ouvido dela) Quero você.

Parceiro se aproxima, nervoso.

PARCEIRO

Henrique, você tem que se mandar! O irmão do Anderson está vindo aqui para matar você.

HENRIQUE

(gargalha) Ele e qual exército?

PARCEIRO

O dele!

TAMARA

É melhor tu se esconder na minha casa.

HENRIQUE

Você chama aquele barraco de casa? (dá risada, bebe mais).

PARCEIRO

É sério, Henrique! Ele vem aí com os mano dele, e está todo mundo armado até nos dentes!

Henrique vê a quadrilha e encara todos.

TAMARA

Henrique, levanta daí! Tu quer morrer?

HENRIQUE

Cala essa boca e sai daqui.

Sérgio se aproxima e encara Henrique, a quem aponta um revólver.

SÉRGIO

Quais são as suas últimas palavras?

HENRIQUE

(bebe, calmo) Larga esse revólver e vem me enfrentar feito homem.

SÉRGIO

(ri) Tu é corajoso, mas eu não sou estúpido. Tu matou o meu irmão e agora vai pagar.

HENRIQUE

(se levanta) Seu irmão roubou meus clientes, teve o que mereceu por ser traidor.

Sérgio pega Tamara pelo cabelo e encosta o revólver na cabeça dela. Tamara fica desesperada.

SÉRGIO

Eu vou matar essa vadia pra tu aprender a nunca mais falar assim do meu irmão!

HENRIQUE

E você acha que vai me atingir matando ela? (sorri) Vai estar me fazendo um favor.

Sérgio joga Tamara no chão, dá um soco no rosto de Henrique, encosta a arma na testa dele, com raiva.

SÉRGIO

E agora?

HENRIQUE

(olha Sérgio com ódio) Vamos fazer assim… Você e eu vamos lutar até a morte.

SÉRGIO

(abaixa a arma) Pra tu ver que não sou covarde… (joga a arma no chão).

Parceiro sorri, ajuda Tamara se levantar, fala no ouvido dela.

PARCEIRO

Se Sérgio soubesse como Henrique luta não teria feito essa burrada. A família dele vai enterrar mais um.

TAMARA

(triste) Não quero saber de nada. (sai).

HENRIQUE

Manda seus cães de guarda abaixarem as armas. Se eu ganhar, quero todo mundo fora daqui.

SÉRGIO

(aos comparsas) Podem abaixar as armas. Se ele ganhar vocês vão embora; mas se eu ganhar, e eu vou, podem descarregar as armas nele.

Sérgio fica na posição de luta. Henrique com raiva.

Cena 11/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Noite.

Régis se aproxima de Silvia, sério.

RÉGIS

Eu quero o colar da Cristina.

SILVIA

(entrega o colar a Régis) Aí está.

RÉGIS

Você deve estar feliz. Acabou com a nossa noite.

Flávio entra e observa a discussão.

SILVIA

É que eu não entendo, meu filho. Cristina é tão pouca coisa para você.

Cena 12/Rio de Janeiro/Favela/Bar/Ext./Noite.

Henrique dá um soco em Sérgio e o derruba no chão. Vários clientes ficam assustados e fogem do ar aos gritos.

Cena 13/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Noite.

Flávio fica com raiva com a discussão de Régis e Silvia.

RÉGIS

(fala alto) A Cristina é a mulher que eu amo!

SILVIA

Você sempre viveu fechado na empresa. Nunca quis sair e conhecer alguém do nosso nível. Quando viu Cristina, se encantou porque ela é bonitinha.

RÉGIS

Basta, mamãe! Você não vai me separar da Cristina, então para de falar essas coisas!

FREDERICO

(desce as escadas) O que está acontecendo aqui?

RÉGIS

O mesmo de sempre, mas isso vai acabar. Cristina, Flávio e eu vamos embora dessa casa!

Frederico preocupado.

Cena 14/Rio de Janeiro/Favela/Bar/Ext./Noite.

Sérgio tenta revidar o soco em Henrique, mas apanha mais e fica com raiva. Henrique também está furioso.

HENRIQUE

Você nunca vai ganhar de mim sabe por quê? (dá outro soco em Sérgio) Porque eu treino boxe desde quando me entendo por gente! (dá outro soco em Sérgio).

Sérgio não aguenta e cai no chão. Henrique o chuta várias vezes.

Cena 15/Mansão dos Werneck/Sala/Int./Noite.

Após ouvir a discussão do andar de cima, Cristina desce as escadas e vai até Régis.

CRISTINA

Meu amor, o que está acontecendo?

SILVIA

Você não vai tirar meu filho dessa casa.

RÉGIS

Fui eu que tomei essa decisão, mamãe. Quero o melhor para a minha esposa e meu filho.

SILVIA

O melhor para você é ficar longe dessa sonsa! Cristina nunca vai ser mulher para você!

FLÁVIO

(com raiva, fala alto) Já chega! (a Silvia, com raiva) Você já falou muita bobagem por hoje! Cala essa boca!

Cristina se admira com a atitude de Flávio. Frederico observa.

SILVIA

Não fale assim comigo!

FLÁVIO

(segura o braço de Silvia) E você nunca mais fale do jeito que estava falando com a minha mãe! E muito menos com a minha noiva!

RÉGIS

Flávio, solta ela!

FLÁVIO

(solta Silvia, respira fundo, vai até Cristina) Não dê importância, mamãe. Você vale muito mais do que pensa.

CRISTINA

(segura a mão de Flávio) Está tudo bem, meu querido.

Silvia põe a mão no próprio braço e encara Régis.

SILVIA

Essa é a educação que deram ao Flávio?

FREDERICO

Ele está certo, Silvia. Você já falou demais. E não se preocupe meu filho. Essa casa é sua. Nós vamos embora.

SILVIA

Mas/

FREDERICO

(segura Silvia pelo braço) Conversaremos no nosso quarto.

Frederico sobe as escadas com Silvia. Flávio se senta e coloca a mão na cabeça.

FLÁVIO

Eu não sei o que me deu… Perdi a cabeça, desculpa.

RÉGIS

Você não tem que se desculpar, Flávio.

CRISTINA

(se senta ao lado de Flávio) Obrigada por me defender, filho. Te amo muito.

Cristina abraça Flávio.

Cena 16/Restaurante/Int./Noite.

Gilberto está sentado à mesa. Janete entra e se junta a ele.

JANETE

Você deveria ter escolhido um lugar melhor e não esse lixo.

GILBERTO

Você disse que ninguém poderia te conhecer.

JANETE

Fala logo o que você quer.

GILBERTO

Preciso que você me mantenha informado de todos os passos do Flávio.

JANETE

Isso vai ser fácil. Ele é tão previsível quanto a Cristina.

GILBERTO

Ótimo, sendo assim vai ser fácil sequestrar ele.

JANETE

(sorri) Quando vai ser isso?

GILBERTO

Henrique disse que daqui uma semana.

JANETE

Não vejo a hora de conhecer o Henrique.

GILBERTO

sorri) E quando conhecer vai desejar nunca ter tido essa vontade. Ele é frio, não tem bons sentimentos por ninguém, é capaz de matar sem nem piscar e odeia a Cristina.

JANETE

(ri) Isso eu quero ver… Cristina achando que Henrique é Flávio, e o filho amado tratando ela mal.

GILBERTO

Cristina vai comer o pão que o diabo amassou nas mãos de Henrique, disso eu tenho certeza.

Cena 17/Mansão dos Werneck/Suíte de Cristina/Int./Dia Seguinte.

Cristina está terminando de se arrumar. Régis entra e a beija.

RÉGIS

Eu já vou indo para o grupo Werneck, meu amor. Nos vemos no evento.

CRISTINA

(sorri) Estou muito empolgada com esse desfile.

RÉGIS

A sua felicidade é a minha, te amo.

Régis sai.

Cena 18/Mansão dos Werneck/Corredor/Int./Dia.

Sílvia fala com Régis.

SILVIA

Meu filho, posso falar com você?

RÉGIS

Agora não dá, mamãe. Estou indo trabalhar. (desce as escadas).

CRISTINA

(sai da suíte) Bom dia.

SILVIA

Você tem sorte Cristina. Quando não é meu filho, é o seu te defendendo.

CRISTINA

Eu preciso ir para a fundação. Hoje você não estraga o meu dia, Silvia com licença.

Cristina se vira para descer a escada, mas Silvia coloca o pé na frente e derruba Cristina, que desmaia após rolar pelos degraus abaixo.

SILVIA

(sorri sádica) Nem você vai estragar o meu dia.

Silvia entra no quarto.

Fim do Capítulo

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr
  • Acho muito interessante isso que você faz de um gêmeo sentir o que o outro sente. Essa ligação forte entre eles.

    Raquel Machado

  • LEIA TAMBÉM

    >
    Rolar para o topo
    Suporte Cyber TV
    Precisa de ajuda?
    Olá!
    Como podemos lhe ajudar?
    Estamos sempre disponíveis.
    Powered by