Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Falso Amor – Capítulo 8

Falso Amor

novela de
DÉBORA COSTA
com colaboração de
TAI ANDALUZ

revisão de texto
MARCELO DELPKIN

direção artística
WELLYNGTON VIANNA

personagens no capítulo

ÁGATA

CRISTINA

DANIELA

FLÁVIO

FREDERICO

GILBERTO

HENRIQUE

JANETE

PARCEIRO

RÉGIS

ROBERTA

SILVIA

SUELI

TAMARA

TICO

 Cena 1/Mansão dos Werneck/Sala de Jantar/Int./Dia Seguinte.

Cristina está tomando suco. Régis entra e se senta com ela.

RÉGIS

Bom dia, meu amor! Acordou cedo em pleno domingo. Nem te vi saindo do quarto.

CRISTINA

(preocupada) Eu vou ver a Sueli. Ela está no hospital. O Bruno a atropelou sem querer ontem.

RÉGIS

Ela está bem?

CRISTINA

Aparentemente sim, mas a deixaram de observação.

ÁGATA

(entra, sorri) Bom dia, tia Cris! (beija o rosto de Cristina)

CRISTINA

(sorri) Bom dia, Ágata. Que surpresa você aqui!

ÁGATA

Eu estou indo ver o meu pai e resolvi passar aqui para cumprimentar vocês. (olha Régis, sorri) Bom dia, tio Régis. (beija o rosto de Régis)

RÉGIS

(sem graça) Bom dia.

CRISTINA

Quer tomar café conosco?

ÁGATA

Vou aceitar, tia. (se senta ao lado de Régis)

FLÁVIO

(entra) Bom dia. (beija o rosto de Cristina, vai até Régis beija o rosto dele, se senta, olha Ágata) Para você ter acordado cedo e vindo até aqui no domingo, alguma coisa aconteceu.

ÁGATA

Eu marquei de sair com meu pai e resolvi passar aqui.

FREDERICO

(entra) Bom dia.

RÉGIS

Bom dia, papai. Como estão as coisas?

FREDERICO

Eu quero falar com você um instante. Pode tomar café e depois vá até o escritório. Te espero lá. (sai)

FLÁVIO

O que aconteceu com o vovô?

CRISTINA

Ontem à noite, ele e Silvia brigaram.

FLÁVIO

Que estranho, o vovô é tão pacífico.

CRISTINA

(se levanta) Eu vou ver a Sueli no hospital.

FLÁVIO

Hospital?

CRISTINA

Sim, ontem o Bruno a atropelou sem querer.

ÁGATA

Bruno chegou arrasado em casa e já está de novo lá no hospital.

FLÁVIO

(se levanta) Eu vou com você, mamãe.

CRISTINA

Mas você nem tomou café, querido. Eu te espero.

FLÁVIO

Não, eu como alguma coisa por lá mesmo. Quero ver a Sueli também. Com licença. (sai com Cristina)

ÁGATA

(sorri) Acabamos ficando sozinhos aqui…

RÉGIS

Eu tenho que falar com o meu pai. (vai se levantar)

ÁGATA

(segura o braço de Régis) É impressão minha ou você fica nervoso quando está perto de mim?

RÉGIS

Presta atenção, garota: seja lá o que você está tentando fazer, é melhor parar.

ÁGATA

(sorri) O que acha que eu estou fazendo?

RÉGIS

Não nasci ontem. Você está tentando me seduzir.

ÁGATA

(dá risada) De forma alguma. Acho que você está se sentindo seduzido por mim… (acaricia a mão de Régis)

RÉGIS

(segura a mão de Ágata) Sou casado com a sua tia e a amo muito.

ÁGATA

(aproxima o rosto do rosto de Régis, o olha nos olhos) Deixa o amor para ela e me dê o seu desejo. (sorri)

Régis se levanta nervoso e sai. Ágata toma um pouco de suco e sorri sapeca.

Cena 2/Rio de Janeiro/Favela/Barraco de Gilberto/Sala/Int./Dia.

Henrique está sentado na rede, pensativo. Gilberto entra.

GILBERTO

Henrique, já está tudo certo para hoje à noite.

HENRIQUE

Já sabe a hora certa de pegar o Flávio?

GILBERTO

Já sim. A pessoa que está me ajudando vai fazer ele cair direto na nossa armadilha.

HENRIQUE

E quem te ajuda, Gilberto?

GILBERTO

É um cara que me deve muitos favores.

HENRIQUE

(se levanta) Entendi.

GILBERTO

Falta pouco, Henrique. Logo você vai estar na casa da Cristina.

HENRIQUE

Essa mulher vai se arrepender do que fez comigo.

Cena 3/Casa de Daniela/Cozinha/Int./Dia.

A casa é pequena. Tico toma café sentado à mesa. Daniela traz pão e se senta também.

DANIELA

Aqui, Tico, pode comer o quanto quiser.

TICO

(fala com a boca cheia) Valeu, Dani.

Daniela sorri e pega café. Tamara entra e se senta.

TAMARA

Daniela, preciso desabafar com alguém, entendeu? Se não vou explodir.

DANIELA

Bom dia pra você também, Tamara, pode sentar e ficar à vontade.

TAMARA

Desculpa, mas é que Henrique acaba com meus nervos. Estou com muito ódio dele.

DANIELA

Nem perde seu tempo odiando ele. Não vale a pena.

TAMARA

Tenho certeza que alguma ele tá aprontando, só não sei o quê.

TICO

Henrique comprou uma casinha lá em cima do morro.

TAMARA

Como é?

DANIELA

(coloca um pedaço de pão na boca de Tico) Às vezes esse menino fala demais.

TAMARA

Deixa o menino falar. Vai, Tico, desembucha que mais você sabe.

TICO

Eu segui Henrique e o Gilberto outro dia. Parece que eles vão prender alguém nessa casinha.

DANIELA

(nervosa) Tico! Quer ficar quieto?!

TAMARA

Agora tu vai falar, Daniela. O que tá acontecendo que tá mexendo com a cabeça do Henrique?

DANIELA

Eu não sei de nada, Tamara. Vai dar importância pra tudo que criança fala, ainda mais sendo o Tico? É bobagem dele.

TAMARA

(se levanta) Não acho. (sai)

DANIELA

(olha séria para Tico) Tico! Como você sai falando uma coisa dessas, menino?!

TICO

Mas eu ouvi, Dani.

DANIELA

Presta atenção: não fala mais nada sobre isso para ninguém. Você sabe que se Henrique souber que você anda fazendo fofoca das coisas que ele faz, ele vai dar um jeito em você, e eu não quero que isso aconteça. Não fica seguindo ele.

TICO

(chateado) Tudo bem, Dani… Desculpa.

DANIELA

Não faz mais isso… Agora come.

Tico come pão.

Cena 4/Hospital/Quarto de Sueli/Int./Dia.

Sueli está sentada na cama, pronta para sair. Está pensativa. Cristina entra.

CRISTINA

Pronto, Sueli. Já podemos ir.

SUELI

Obrigada, Cris, mas não quero dar trabalho. O Luciano pode me levar.

CRISTINA

Não é trabalho, você é minha amiga.

SUELI

Se eu não te contar uma coisa, vou acabar explodindo… Cris, você sabe toda a minha história, que eu me apaixonei por um homem casado e acabei sendo abandonada grávida e que tive que me desfazer do meu filho. Mas eu nunca te contei quem é esse homem. (suspense) Eu tive um caso com o Frederico.

CRISTINA

Meu sogro?

SUELI

Sim. Eu fui amante de Frederico Werneck.

CRISTINA

(se senta) E a Silvia descobriu?

SUELI

Descobriu, e daí fui obrigada a deixar o meu filho porque poderia ser perigoso ficar com ele e essa louca fazer alguma coisa de ruim contra ele… (chora) Mas eu me arrependo por ter feito isso.

CRISTINA

(abraça Sueli) Não fica assim, Sueli. Você vai ver. Vamos encontrar o seu filho.

SUELI

E o pior é que eu gosto do Frederico. Mas esse amor tem que desaparecer, ou minha vida vai se tornar um inferno, um inferno bem maior do que já vivo.

Cena 5/Mansão dos Werneck/Escritório/Int./Dia.

RÉGIS

Mas que loucura essa história papai!

FREDERICO

A sua mãe transformou em uma loucura. Ela sabe onde está meu filho e sei que nunca vai me contar.

RÉGIS

Eu vou ver se consigo descobrir.

FREDERICO

Obrigado, Régis, mas acho que nem para você a Silvia vai contar.

RÉGIS

E quanto a Sueli, você vai atrás dela?

FREDERICO

Ela não quer me ver nem pintado de ouro na frente dela. A sua mãe conseguiu nos separar. É por isso que eu insisto que ela saia daqui e deixe você e Cristina em paz, porque ela é capaz de conseguir separar vocês. Eu já vi uma casa e hoje mesmo vamos nos mudar para lá.

RÉGIS

Conte comigo para o que precisar.

SILVIA

(entra) É aqui que estão escondidos então.

RÉGIS

Estávamos conversando, mamãe.

SILVIA

Aposto que seu pai já veio chorar no seu ombro. Mas não se deixe enganar, meu filho. Ele é o errado da história.

RÉGIS

(olha Silvia) Onde está meu irmão?

SILVIA

(dá risada) Essa foi boa, meu filho. Chamar de irmão o filho da amante do seu pai.

RÉGIS

Não tem graça. Não se deve brincar com a vida das pessoas assim.

SILVIA

Seu pai e a amiga da sua mulher brincaram comigo. Eu só entrei na brincadeira e venci.

FREDERICO

(se levanta) Eu quero saber do meu filho.

SILVIA

Vamos fazer um trato. Eu falo o que sei sobre esse bastardo e em troca eu fico na minha casa, ou seja, essa.

FREDERICO

Silvia, nós já tínhamos combinado de sair daqui hoje.

RÉGIS

Tudo bem, papai. Mais uma vez a mamãe está usando de seus truques para conseguir o que quer. Pode falar, mamãe, e vocês ficam aqui.

SILVIA

(sorri, se senta) Quando Sueli deixou o menino no hospital, ele foi para a adoção, mas como eu estava com raiva, dei o meu jeito. Disse que o menino era da minha filha e que ela se arrependeu do que fez, e consegui tirar ele de lá. Daí eu dei o menino para uma mulher que estava dormindo na rua com umas cinco crianças e voltei para  casa.

FREDERICO

(raiva) E você conta isso assim, com essa naturalidade?

SILVIA

Você quer que eu conte como? Chorando? De jeito nenhum.

RÉGIS

E como você sabe o nome do garoto?

SILVIA

Porque eu encontrei essa mulher certa vez na rua e perguntei dele, e ela me disse que não sabia onde ele estava, já que ele não queria ficar pedindo esmola e trabalhando para ela… Vai ver o garoto sente que tem um pai rico. (sorri)

FREDERICO

(levanta Silvia da cadeira a puxando pelo braço) Para de ironias, Silvia! E fala logo onde está o meu filho.

SILVIA

Não faço ideia, de verdade. Agora me solta.

FREDERICO

(solta Silvia) Nosso casamento acaba aqui! (sai)

RÉGIS

(se levanta, se aproxima de Silvia) Se você não mudar suas atitudes, vai acabar sozinha.

Régis sai. Sílvia fica séria.

Cena 6/Clube/Ext,/Dia.

Flávio caminha de mãos dadas com Roberta.

FLÁVIO

Eu fiquei confuso com toda essa história do vovô com a Sueli.

ROBERTA

Já parou para pensar que você tem um tio de sete anos por ai? (sorri)

FLÁVIO

(sorri) Já sim, e é curioso. Vou ajudar a encontrar o meu tio. (dá risada)

ROBERTA

(para de caminhar, fica em frente a Flávio) Você tem vontade de ser pai?

FLÁVIO

(sorri) Tenho, ainda mais a mãe sendo você. (beija Roberta)

ROBERTA

(abraça-o forte) Eu te amo, Flávio. Muito. Você é a pessoa mais importante da minha vida.

FLÁVIO

(abraçando Roberta, fecha os olhos) Também te amo.

Flávio acaricia o rosto dela e sorri. Ela o olha com ternura.

FLÁVIO

O que foi, meu amor?

ROBERTA

(sorri) Nada. Só queria dizer que te amo.

FLÁVIO

(beija Roberta, segura a mão dela) Vamos até a quadra. Quero ver se consigo trazer as crianças aqui amanhã.

ROBERTA

Elas vão adorar. (vai com Flávio)

Cena 7/Rio de Janeiro/Favela/Ext./Dia.

Henrique está indo para a casa onde Flávio vai ficar preso. Tamara segue Henrique, que entra na casa sem vê-la.

Cena 8/Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Int./Dia.

Henrique olha em volta, pensativo. Tamara entra.

TAMARA

Agora não tem como tu fugir, Henrique. Quem tu vai trazer pra cá?

HENRIQUE

(raiva) Você não tem noção do perigo, Tamara!

TAMARA

(encara Henrique) Tenho, só não tenho medo.

HENRIQUE

(sorri, se aproxima de Tamara) Deveria ter.

TAMARA

Quem tu vai prender aqui?

HENRIQUE

Não te interessa! É melhor você me deixar em paz.

Tamara beija Henrique.

HENRIQUE

Eu tenho um irmão gêmeo, e é ele que vai mofar nesse muquifo enquanto eu vou aproveitar a boa vida que ele tem.

TAMARA

(dá risada) Conta outra, Henrique.

HENRIQUE

(sorri) Não tem como te enganar. Tudo bem, Tamara. Eu comprei essa casa para trazer um babaca que me deve. Eu tenho que viajar e vou deixar ele aqui como castigo.

TAMARA

Pra onde tu vai?

HENRIQUE

Tenho um parceiro novo no lance das drogas, só que ele não mora aqui. Vou até a cidade dele passar uns dias por lá. Agora vamos sair daqui e não esqueça de falar por aí que entre você e eu não tem mais nada.

TAMARA

Tu nunca vai encontrar uma mulher que te ame de verdade.

HENRIQUE

(sorri) Tudo bem, eu não sei amar.

Henrique e Tamara saem juntos.

Cena 9/Mansão dos Werneck/Sala/int./Dia.

Flávio entra sorridente. Abraça e beija Cristina.

FLÁVIO

Eu estou feliz, mamãe.

CRISTINA

Eu sei, meu querido. Estou vendo em seus olhos, e essa felicidade tem nome e sobrenome: Roberta Barreto.

FLÁVIO

Sim! Não vejo a hora de me casar com ela.

CRISTINA

Eu achei que ela viria com você.

FLÁVIO

Ela vai vir mais tarde.

CRISTINA

Eu vou até a casa da Sueli. Quer vir comigo?

FLÁVIO

Não, eu vou ensaiar uma música para tocar amanhã na fundação.

CRISTINA

Está bem, querido. Não demoro.

Cristina beija Flávio no rosto e sai. O celular de Flávio toca. Ele atende e põe a ligação no viva-voz.

FLÁVIO

Alô?

JANETE

Flávio, como vai?

FLÁVIO

Ótimo, tia, e você?

JANETE

Bem, Flávio, eu tenho um convite para te fazer. Quero muito assistir a uma peça de teatro, mas não estou arrumando companhia. Você iria comigo?

FLÁVIO

Poxa, tia, eu marquei de sair com a Roberta.

JANETE

Só dessa vez Flávio, por favor. Eu já comprei os ingressos, e não quero ir sozinha.

FLÁVIO

Posso chamar a Roberta?

JANETE

Não, querido, só tenho um par de ingressos e já estão esgotados para a apresentação de hoje. Só dessa vez, meu amor.

FLÁVIO

Está bem, eu vou com você, tia.

JANETE

(sorri) Obrigada, meu amor. Mais tarde passo aí.

Cena 10/Rio de Janeiro/Favela/Barraco de Gilberto/Int./Noite.

Henrique está sentado, pensativo.

HENRIQUE

Falta pouco. Logo vou estar frente a frente com Flávio.

Cena 11/São Paulo/Rua/Ext./Noite.

Janete está de braço dado com Flávio e sorri.

JANETE

Adorei a peça, Flávio, e você?

FLÁVIO

(sorri) Eu também gostei, tia.

Parceiro e Gilberto estão seguindo Janete e Flávio.

GILBERTO

É agora, Parceiro.

Gilberto e Parceiro colocam máscaras e vão em direção a Janete e Flávio. Gilberto encosta uma arma na cabeça de Janete e a puxa de perto de Flávio. Parceiro encosta uma arma na nuca de Flávio.

PARCEIRO

Não se mexe, playboy!

FLÁVIO

(coloca a mão para cima) Calma, podem levar tudo o que quiserem.

JANETE

(desesperada) Isso, leva tudo, mas, por favor, deixa a gente ir.

GILBERTO

Cala a boca, madame! Deita no chão!

Janete deita no chão, chorando.

FLÁVIO

O que vocês querem?

GILBERTO

(se aproxima de Flávio) Você, playboy.

Gilberto dá uma coronhada na cabeça de Flávio, que desmaia. Parceiro coloca Flávio dentro de um carro com os vidros escuros, entra no carro e fecha a porta. Gilberto também entra, dá a partida e sai correndo com o veículo. Janete se levanta e sorri.

JANETE

(se levanta, sorri) É hora do show. (finge desespero) Flávio! Levaram meu sobrinho!

Cena 12/Mansão dos Werneck/Suíte de Cristina/Int./Noite.

Cristina está olhando pela janela, aflita. Régis sentado na cama.

RÉGIS

Cris, que tanto você olha na janela?

CRISTINA

Estou preocupada com Flávio.

RÉGIS

Daqui a pouco ele chega, meu amor.

CRISTINA

Estou com uma sensação estranha… como se Flávio precisasse de mim.

RÉGIS

Eu vou ligar para ele. (pega o celular, liga para Flávio, mas só chama)

CRISTINA

(preocupada) Ele não atende?

RÉGIS

Não.

CRISTINA

Eu vou ligar para a Janete. (pega o celular, liga para Janete)

JANETE

(atende o telefone chorando) Cris?

CRISTINA

(fica desesperada) O que aconteceu, Janete?

Régis, preocupado, se aproxima de Cristina.

JANETE

(chorando) Me desculpa, Cris. Não pude fazer nada. Uns bandidos levaram o Flávio.

Cristina passa mal e desmaia. Régis segura Cristina, desesperado.

RÉGIS

Cris, fala comigo! (pega o celular de Cristina) Janete! O que aconteceu?

JANETE

(chorando) O que aconteceu com a Cristina?

RÉGIS

(fala alto) O que aconteceu com o meu filho?

JANETE

Levaram ele, Régis.

RÉGIS

(segurando Cristina) Como assim? Quem levou Flávio?

JANETE

Uns bandidos que vieram nos assaltar.

RÉGIS

Avisa a polícia e vem para cá! (desliga, pega Cristina no colo a coloca na cama, bate de leve no rosto dela) Reage, meu amor! Fala comigo, Cris.

Régis vai até o banheiro, pega um pouco de álcool, passa no nariz de Cristina. Ela abre os olhos. Régis fica aliviado. Cristina se levantam, desesperada.

CRISTINA

Meu filho! Eu tenho que achar Flávio!

RÉGIS

(segura Cristina, a abraça) Fica calma, Cristina.

CRISTINA

(chora, abraçada com Régis) Se alguma coisa acontecer com Flávio, eu morro.

RÉGIS

(se contém para não chorar, consola Cristina) Vai ficar tudo bem, você vai ver.

Cena 13/Rio de Janeiro/Favela/Cativeiro de Flávio/Int,/Dia Seguinte.

Flávio está desacordado, deitado no chão, com uma das pernas acorrentada. Gilberto entra, pega uma jarra de água que estava em cima da mesa E joga no rosto de Flávio.

GILBERTO

Acorda!

Flávio acorda assustado e se senta. Ele está com dor na cabeça. Olha a perna que está acorrentada.

FLÁVIO

O que está acontecendo?

GILBERTO

Não entendeu ainda? Você foi sequestrado, playboy, e esse é seu novo lar. (ri)

FLÁVIO

Me deixa sair daqui, e eu dou a quantia que você quiser.

GILBERTO

O que eu quero vai além do dinheiro.

FLÁVIO

Então fala o que você quer.

GILBERTO

No momento, que você conheça uma pessoa.

Gilberto sai. Flávio olha em volta; fica com vontade de chorar.

FLÁVIO

Onde estou?

Henrique entra, se aproxima de Flávio e o encara.

FLÁVIO

(espantado) Mas… quem é você?

HENRIQUE

Sua mamãe não te contou?… Sou seu irmão gêmeo e, a partir de agora, vou ser seu pior pesadelo.

Flávio olha incrédulo para Henrique. Tensão.

Fim do Capítulo

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • Simplesmente perfeito. Eu estava ansioso por este momento. Este sequestrooo. Janete bem desgraçada, falsa. Henrique eu adoro. E o encontro dos gêmeos ficou sensacional. “Vou ser seu pior pesadelo”. Bah, agora simmm!!

  • >
    Rolar para o topo