Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Histórias do Povo – Conto 02 – Cenoura ou Bronze (parte 1)

Cenoura ou Bronze

Versão em áudio. Clique no PLAY para ouvir a história de hoje.

 

Gabriela e Camila contavam as horas para a chegada da sexta-feira, pois planejavam essa viagem há semanas. Afinal, verão combinava com calor, que combinava com sol, que combinava com praia e muita curtição.

Elas passariam o feriado de carnaval, na casa à beira-mar da Gabi, e melhor ainda, sozinhas. Os pais da Gabi participariam de um feirão de carros, que aconteceria na concessionária da família na cidade, e por isso não poderiam acompanhá-las.

Mila, ansiosa, não parava de se remexer no banco do ônibus. Ela combinou um esquemão com seu paquerete da internet. Um rapaz com o nick “alemãozinho”, a convidou para um luau à beira-mar no sábado.

As garotas chegaram na sexta e decidiram dar uma volta pela praia. Várias pessoas festejavam o feriado mais popular do país. Ao ver aquela multidão de corpos bronzeados, Mila sentiu-se incomodada, pois parecia o Fantasma da Ópera perto de todos.

No outro dia pela manhã, Gabi chamou a amiga para dar uma volta, e essa a mandou embora de mau-humor.

— Mila, que houve?

— Eu.

— Ai, amiga porque essa deprê agora?

— Para você é fácil falar, não parece um fantasma andando por aí!

Gabi não tinha nenhum problema com isso, pois era de descendência negra.

— Eu tive uma ideia. — Foi até o banheiro e voltou com um tubo laranja.

— O que é isso?

— Isso, é a solução dos seus problemas.

— Ai Gabi, não sei não.

— Deixa de bobagem. Minha tia sempre usa isso quando vem para cá.

— E você acha que vai funcionar comigo?

— Tenho certeza. Vocês duas tem o mesmo tom de pele. À noite, você estará morena como a própria globeleza. Agora levanta a bunda daí, e vamos pegar uma praia que eu quero ver o mar.

Mila aceitou a proposta da amiga e se “besuntou” com o auto-bronzeador, enquanto Gabi vestiu seu biquíni. A loira esperava na porta e ao ver a amiga arregalou os olhos.

— Gabi, você vai assim?

— Ora, porque não?

Gabi se olhou no espelho e levou um susto. A academia surtiu efeito, o biquíni que comprara no ano passado, estava pequeno.

— Affs, mais essa agora.

— Porque você não veste isso? — Mila alcançou para Gabi um short e uma blusa branca. — E compramos outro biquíni por lá.

Ela pensou por um momento, queria muito ver o mar, então aceitou a sugestão.

As duas caminharam até a praia e Mila estendeu a canga ao sol.

— Mila, vou dar uma corrida, ver se encontro algum vendedor. Você quer vir junto?

— Não, prefiro ficar aqui pegando o sol, você se importa?

— Sem problemas. Eu volto logo.

Gabi correu pela praia sentindo a areia em seus pés e a adrenalina do exercício que ela tanto gostava. No caminho muitas pessoas aproveitavam o dia de verão. Encontrou alguns vendedores, mas nenhum com o que ela precisava. Sentiu o sol nas suas costas, e a testa pingou de suor.

Após algum tempo, chegou a um local distante, onde não havia pessoas na água, nem na areia. Se refrescar parecia uma excelente ideia, então tirou a bermuda e entrou no mar. Após o exercício, a sensação das ondas batendo em suas costas era relaxante, olhou para cima e viu o sol, fechou os olhos e respirou fundo. Entretanto, foi arrastada de seu paraíso, pois um objeto bateu em sua cabeça e a levou direto para o fundo do mar.

Um raio de sol entrou pela janela, Gabi abriu os olhos, e reconheceu a música que tocava.

Cê parece um anjo
Só que não tem asas iaiá
Oh meu Deus!
Quando asas tiver
Passe lá em casa

Passou a mão pela cabeça, tentando lembrar onde estava. Será que ali era o céu? Ao olhar para cima deparou-se com um lindo par de olhos azuis que a examinava. Se os anjos eram assim, ela não se importava em ficar ali por um tempo.

— Você está bem? Ela acenou em afirmativa. — Você me assustou, gata. — O anjo balançou os cachos loiros que estavam molhados. Ele foi fechar a janela do quarto, e ela viu um tigre tatuado nas suas costas.

Gata? Anjos não falavam daquela maneira. E não tinham tigres tatuados nas costas. Gabi olhou para os lados, e reconheceu alguns pôsteres do Bob Marley, e uma luminária em formato de bambu.

— Onde estou?

— No meu cafofo.

A garota sentou-se na cama e se deu conta de seus trajes. A blusa branca se foi, e estava somente com o minúsculo biquíni.

— Cadê minhas roupas!?!?!?

— Calma, elas estão ali.

O anjo tatuado apontou para uma cadeira do outro lado do quarto. No mesmo instante, ela correu pegar a blusa para se cobrir.

— Desculpe por isso. Achei que você tinha se machucado, e decidi conferir.

Ele a analisou de cima abaixo. Gabi aproveitou para fazer o mesmo, ele estava com a roupa de surfe dobrada na cintura, que deixava seu peitoral a mostra.

— Não tem problema.

— Na verdade, devo desculpas em dobro. Não vi você lá no mar. As pessoas não costumam vir nadar tão longe.

Gabi lembrou-se da corrida e de sua amiga no sol.

— Que horas são?

— Meio-dia.

— Ai, meu Deus.

A amiga devia estar preocupada com ela. Correu para fora do quarto, porém no caminho tropeçou em uma prancha que estava no chão.

— Cuidado. — O anjo a segurou nos braços para não cair. Ele era mais alto que ela, e seus braços eram enormes. Os olhos dos dois se encontraram por um instante.

— Eu realmente preciso ir.

— Você tem certeza que está bem?

— Sim.

Os dois caminharam até a sala, que tinha o mesmo estilo do quarto, aconchegante e relaxante. Gabi despediu-se e saiu correndo pela porta. Mila com certeza estava surtando a essa hora. Procurou a amiga no local onde iniciaram a manhã, porém ela não estava mais lá, então foi para casa. Ao chegar, sentiu um cheiro delicioso que vinha da cozinha.

— Gabi, onde você estava? Achou o biquíni?

Mila preparava o almoço e, ao virar, percebeu o enorme machucado na cabeça de Gabi.

— Ai meu Deus! O que aconteceu com você? Vai dizer que caiu de cara na areia de novo?

— Antes fosse amiga.

Gabi sentou-se à bancada, e a amiga alcançou um saco de gelo para ela.

— Fui atropelada.

— Como assim?

— Eu entrei no mar e fui atingida. Acordei na cabana de um anjo com um tigre tatuado nas costas. — Gabi terminou a frase com o olhar distante, lembrando-se dos olhos azuis.

— Acho que você bateu a cabeça com força demais dessa vez. – A loira voltou ao fogão para mexer as panelas.

— É verdade, Mila. Ele era… — Suspirou alto. — Lindo. – Gabi encostou o gelo na cabeça, e soltou um gritinho de dor.

— E como é o nome desse “tal anjo”? — Mila virou com a colher do arroz na mão, interessada na história romântica da amiga.

— É…Não sei.

Mila revirou os olhos e voltou à sua tarefa, enquanto Gabi se xingava-se baixinho. Como não lembrou de perguntar o nome dele?

— Ok, porque você não vai lavar as mãos? O almoço está quase pronto.

— Não estou com fome.

— Mas você precisa comer alguma coisa, ainda mais depois desse acidente. E precisa descansar também, esse seu machucado está bem inchado.

A amiga se aproximou observando o galo que se formara na cabeça de Gabi.

— Ok, mandona.

À tarde, Gabi dormiu e Mila passou o autobronzeador para aproveitar o sol. Colocou uma esteira na varanda da casa, e levou um dos seus livros favoritos para ler. Uma brisa suave batia no seu cabelo, e apesar do livro ser interessante, ela acabou pegando no sono.

Acordou com um mosquito em seu nariz, e assustou-se ao constatar que já era noite. Levantou meio sonolenta e foi beber um pouco de água. Ao passar em frente do espelho, viu seu reflexo, e gritou tão alto que acordou todos os moradores da praia, incluindo sua amiga que entrou na sala correndo.

— O que aconteceu?

Gabi arregalou os olhos e, levou as mãos à boca. A amiga estava totalmente laranja.

— Mila, você passou o bronzeador sozinha e foi para praia?!

— Sim, quer dizer, Não. Eu estava ali fora pegando um sol, só que acabei dormindo. – Mila virou-se para o espelho e lembrou do encontro, então começou a saltitar no lugar. – Ah não, e agora? Não posso aparecer lá assim. Você disse que eu ficaria igual à globeleza, ao invés disso pareço uma cenoura. – Choramingou chacoalhando os braços, igual a uma criança sem doce, Gabi não conseguia segurar o riso. — Você dá risada porque não é com você.

Gabi se aproximou tentando consolá-la, mas ao encostar em seu braço, Camila pulou.

— Hey, cuidado. Isso dói.

— Ai desculpa, amiga.

— O que eu vou fazer agora, Gabi?

A morena ficou compadecida, pois a ideia do autobronzeador foi sua.

— Mila, não fica assim. Vamos fazer o seguinte. Eu vou no seu lugar e explico para ele o que aconteceu.

— E você acha que ele vai entender?

— Claro, e se não entender, é um babaca.

Mila concordou relutante.

— Se não tem outro jeito, vamos fazer isso.

Depois de um bom tempo, as duas chegaram ao luau. Mila ficou escondida no bar, enquanto Gabi foi até a “Capetaria do Seu Antônio”, onde seria o encontro. Ao se aproximar, Gabi reconheceu o tigre, com qual sonhou a tarde toda, tatuado nas costas de um rapaz loiro. Ele se virou e os dois falaram ao mesmo tempo.

— Você!?!?!?

Ele estava com uma camiseta e bermuda branca, e um boné vermelho, exatamente como Mila descreveu que seu paquera estaria vestido. Gabi olhou para os lados, porém só estavam os dois naquele ponto de encontro. Não podia acreditar, seu lindo anjo tatuado era na verdade o alemãozinho da amiga!

 

Gabi vai conseguir prosseguir com o plano e apresentá-lo à amiga laranja, ou seu coração vai atrapalhar toda a história?

[totalpoll id=”47829″]

 

O final deste conto vai ao ar em 29/02. Aproveite até lá para votar no final favorito. Além disso, tem um sorteio maravilhoso para quem comentar aí embaixo.

 


ATENÇÃO! SORTEIO DO LIVRO FÍSICO

Quer concorrer a 1 EXEMPLAR FÍSICO E AUTOGRAFADO do Histórias do Povo com TODOS os finais e contos exclusivos?

Regras:
1. Votar no final preferido e comentar neste conto, cá embaixo.
2. Deixar, no comentário, o endereço de e-mail ou o nome de usuário do Instagram.
3. Comentários com menos de 5 (cinco) palavras não serão considerados.
4. Residir no Brasil.
5. Seguir a autora no Instagram @autora.raquel.machado.
Resultado:
6. O sorteio será realizado ao final da temporada, em julho (data a definir), no Instagram da autora.

Siga também o perfil da Cyber TV, @cybernarede, e fique por dentro de outras obras veiculadas na plataforma.

POSTADO POR

Raquel Machado

Raquel Machado

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • Ahhh, estava tão ansiosa para ler este conto rsrs’ e agora estou mais ansiosa ainda pra saber o final. Espero que a Gabi decida o melhor pra ela
    @navegando_pela_historia

  • Surpreendente 👏👏 Gostei das duas, super engraçado Mila ter “virado” uma cenoura 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂 Morriii!!!! Quero acima de tudo que amizade prevaleça 😉😉😉😉😉 Aguardo o final muitissimo curiosa 😍😍😍

    @leiturasdabelah 🌻

  • Comedia as duas garotas. Um conto onde temos a amizade como tema já me conquista. estou curiosa para a continuação e espero que o meu ganhe srsrrs….
    Viviane – Instagram – @bookaholicvicy

  • Comedia as duas garotas. Um conto onde temos a amizade como tema já me conquista. estou curiosa para a continuação e espero que o meu ganhe srsrrs….

  • Muito legal a história, e engraçada kkk por ela ficar manchada de laranja ri muito kkk estou doida para ver a próxima parte!!!
    adm do ig @livrosfrasesealgomais

  • Adorei!! O final da história será eletrizante, o que será que a Gabi vai fazer?! Já dei o meu voto e escolhi o meu final, espero que o meu ele vença. Aguardando!! @cafecomlivrossp

  • Interessante! O pior é que pode acontecer de verdade! Kkk Decisão difícil, mas se fosse eu seria sincera, afinal já parece que o cara gosta dela.

    Instagram: @nathleitora

  • Pobre Mila, se não fosse tão insegura, não estaria nesta situação. A Gabi é uma boa amiga, mas nem sempre a razão fala mais alto numa hora dessas. Que coisa, heim! Adorei esta parte da história, te faz pensar em várias coisa ao mesmo tempo. Mas será que a amizade será capaz de fazer a verdade vir a tona? A Gabi estava tão empolgada com seu anjo salvador! O título já nos deixava em um impasse, cenoura ou bronze? Parabéns Raquel por plantar a sementinha da dúvida no leitor. Como sempre, deixando um mistério a ser desvendado. Será que a amizade vai falar mais alto?

    http://www.instagram.com/li_literatura

  • Adorei o conto,e acho que a Gabi deve sim contar a amiga,acredito que a amizade deve sempre vir em primeiro lugar.Tratando-se de uma paquera claro.
    @entrepaginaseleitores

  • Votei na 2 opção por já ter vivido uma história parecida e no final a minha amiga ficou com o cara que eu estava afim. 😅 Foi tenso mas depois de alguns anos ficou tudo bem. Essas coisas podem acontecer quando é para ser. 🤷🏻‍♀️

  • Poxa… Esse foi tenso!
    Mas acredito no verdadeiro significado da palavra amizade, então tomara que a Gabi também. Ansiosa!
    Ótimo conto, Raquel. Bjs!

    @jess_eoslivros

  • Hahahahah adorei. Imaginei que essa história de autobronzeador não ia dá muito certo. Kkkkkk A coitada ficou laranja e ainda pode perder o boy. Não queria estar na pele dela, literalmente. @bookslovers34.

  • Como assim, lógico que ela vai apresentar o alemãozinho a amiga,afinal são amigas…
    Ela vai contar pra amigo o que aconteceu e que ele é o anjo ,e então vão decidir o melhor caminho a seguir…
    Espero sinceramente q isso aconteça ksksk
    Esperaria isso de uma amiga !
    @JessicaahCostaa

  • Nossa eu amei. Estou ansiosa para o final. Gente, eu fiquei em duvida em qual votar kkkk socorro.

    PS: acabei votando no mais certo a se fazer.
    @livroslidospor_mim

  • >
    Rolar para o topo