Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Nostalgia – Série O Incrível Hulk

Oooooooooooooi genteeee!!!! Tudo bem?  Eu sou Débora Costa, e esse é o Nostalgia, memórias da TV. Sejam bem vindos! E hoje trago para vocês uma série de muito sucesso e que eu AMO! O Incrível Hulk, bora pra vinheta do programa.

A série "O Incrível Hulk", foi ao ar nos Estados Unidos de 1977 a 1982, e foi uma bem sucedida adaptação de um herói de quadrinhos para a TV, apesar de ter sofrido mudanças radicais em relação a HQ original. Na história da TV, saem o cientista Bruce Banner e a explosão de uma bomba gama. Entra em cena o médico (e também cientista) David Banner, interpretado por Bill Bixby. Durante uma pesquisa, ele descobre que pessoas expostas a raios gamas vindos do sol liberam uma força oculta em momentos de estresse. Em uma simulação em seu laboratório, Banner se expõe a uma overdose dos raios, mas ele só notará os efeitos quando tenta trocar um pneu na chuva e destrói o carro, em um momento de ódio. Veja a seguir uma das transformações do Dr. Banner.

O "Hulk" era protagonizado por Lou Ferrigno, um fisiculturista de quase 2 metros de altura que tinha de passar horas em um trailer refrigerado durante as gravações para evitar estragar a maquiagem verde que tinha pelo corpo. Na história, Hulk é perseguido por Jack McGee, um jornalista sensacionalista, o que o faz David Banner se mudar de cidade a cada episódio, o que o obriga a arranjar novos empregos e a trocar de sobrenomes.

Em todos os episódio, após se meter em alguma confusão e sempre ser ultrajado ou levar socos e pontapés, David Banner se transformava por duas vezes (em cada filme) no Gigante Verde, cujas calças nunca rasgavam. Além das cenas de pancadaria e quebra-quebra, o roteiro era planejado para agradar a toda família – e talvez seja essa uma das razões de seu sucesso: as histórias constantemente continham "temas sociais" como alcoolismo, abuso sexual e problemas de saúde. Um certo avanço para os padrões da época.

Bill Bixby já era um ator de renome quando foi escalado para aquele que seria seu papel mais famoso, o de David Banner, na adaptação televisiva da história em quadrinhos do Hulk (criada por Stan Lee e Jack Kirby). Kenneth Johnson, o criador da série, disse que Bixby era o único ator que poderia fazer o papel, e insistiu em sua contratação. A série foi um grande sucesso, e valeu ao ator uma enorme popularidade, apesar de já ser um veterano nas telas. Com o fim da série, ele retornou ao personagem em três filmes: O Retorno do Incrível Hulk (The Incredible Hulk Returns, 1988), O Julgamento do Incrível Hulk (The Trial of the Incredible Hulk, 1989) e A Morte do Incrível Hulk (The Death of the Incredible Hulk, 1990). Em O Julgamento do Incrível Hulk, Stan Lee faz uma ponta, como um dos integrantes do juri. Foi a primeira aparição de Lee em um filme baseado em um personagem seu, algo que se tornaria obrigatório nos filmes seguintes. Em 1991, Bill Bixby foi diagnosticado com câncer de próstata, e submetido a tratamento. No dia 21 de novembro de 1993, faleceu, com apenas 59 anos de idade. Na época, ele era diretor da série Blossom, estrelada por Mayim Bialik.

A melancólica e belíssima música tema de “O Incrível Hulk” foi composta por Joe Harnell, que morreu em 2005 aos 80 anos. Entre 1967 a 1973, trabalhou como diretor musical do The Mike Douglas Show. Em 1973, Harnell mudou-se para Hollywood e trabalhou em partituras e composições de televisão, compondo para “A Mulher Biônica” e “O Incrível Hulk”, com a música "The Lonely Man Theme" com a qual todos os episódios de The Incredible Hulk terminavam, sempre com David Bruce Banner partindo em mais uma estrada solitária.

E o Nostalgia vai ficando por aqui, no próximo Domingo tem mais, então não precisa ficar com raiva e virar um monstro verde furioso. Deixe sua sugestão de temas, será mais que bem vinda! Fique agora com um dos meus episódios favoritos da série. Beijinhos, Deus abençoe.

Fonte: O Baú Do Edu

http://obaudoedu.blogspot.com

POSTADO POR

Débora Costa

Débora Costa

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo