Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Nova Chance Para Amar – Capítulo 28

NOVA CHANCE PARA AMAR

Novela de Ramon Silva

Escrita Por:

Ramon Silva

Direção Geral:

Wellington Viana

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO

BEATRIZ

BELINHA

ELISA

GABRIELA

GUILHERME

GUSTAVINHO

JOSIAS

KLÉBER

LAURA

MARCELO

MAURÍCIO

MOREIRA

RAMIRO

REGINA

RICK

RODRIGO

SÉRGIO

SEVERO

VIVIANE

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL:

MARÍLIA

CENA 01. BARRA DA TIJUCA. ORLA. EXT. NOITE.

Continuação imediata da última cena do capítulo anterior. Viviane se aproxima furiosa do casal e empurra o homem, que cai sobre a areia, ficando todo sujo. CAM mostra um homem com o cel. em mãos filmando toda a ação.

VIVIANE            —    Escuta aqui seu infeliz!

Casal completamente diferente de quem ela imaginava que fosse. Alguns curiosos param para olhar.

MULHER           —    Quem é essa mulher, Alex?

HOMEM             —    Eu não sei!

MULHER           —    (Bate nele) É sua amante, é? Seu desgraçado!

VIVIANE            —    (Sem graça) Não! Eu pensei que fosse meu marido. Desculpem.

HOMEM             —    Eu nunca vi essa louca na minha vida!

MULHER           —    (P/Viviane) Como você chega empurrando o noivo dos outros desse jeito?

VIVIANE            —    Desculpe. Eu pensei que fosse meu marido. Se bem que eu não achei nada de que ele pode estar me traindo.

MULHER           —    Olha, nesse ponto eu te entendo. Só toma mais cuidado da próxima vez que for abordar os outros.

HOMEM             —    Pois é! Fiquei todo sujo.

VIVIANE            —    Mais uma vez, me desculpem!

Viviane se afasta toda sem graça e o casal fica ali a conversar fora de áudio. CORTA PARA O CARRO PARADO: Rick do lado de fora.

RICK                  —    O que aconteceu, dona Viviane? Quem era aquele casal?

VIVIANE            —    Não interessa! Entre nesse carro e me leve de volta pra casa!

Ela entra, Rick fecha a porta, entra e o carro se afasta.

CORTA PARA:

CENA 02. FÁBRICA. CASA REGINA. SALA. INT. NOITE.

Continuação da cena 21 do capítulo anterior. Clima de tensão! Sérgio diante de Belinha e Regina.

REGINA             —    O que você tá fazendo aqui, Sérgio? Você não pode vir aqui em casa!

SÉRGIO             —    Regina, a gente precisa conversar a sério!

REGINA                 (P/Belinha) Belinha, você pode ir para o quarto, por favor? Eu preciso conversar com seu pai.

BELINHA          —    Nada disso! Eu também quero saber o que vocês dois tem em segredinho!

SÉRGIO             —    Filha, não dificulta as coisas. Faz o que a Regina tá pedindo.

BELINHA          —    Não! Eu tenho o direito de saber o que está acontecendo!

CORTA PARA:

CENA 03. APART GABRIELA. SALA. INT. NOITE.

Continuação da cena 20 do capítulo anterior. Gabriela e Guilherme ali na porta.

GUILHERME    —    Eu posso entrar?

GABRIELA       —    Claro. (Ele entra e ela fecha a porta)

GUILHERME    —    Eu queria muito que/

GABRIELA       —    (Corta) Espera, Gui.

Gabriela olha para Marília.

MARÍLIA            —    Que foi? (Cai na real) Ah, a senhora quer conversar a sós. (Reclama) Agora que a vilã ia se dar mal. Amanhã eu vejo na reprise.

Marília vai para o quartinho.

GABRIELA       —    Obrigado, Marília. (P/Guilherme) Sente-se.  (Os dois se sentam)

GUILHERME    —    Eu queria muito, do fundo do meu coração, que você me desculpasse.

GABRIELA       —    Tudo bem, Guilherme. Você agiu de cabeça quente, eu realmente errei.

GUILHERME    —    (Pega na mão dela) E agora vamos fazer a coisa certa e juntos.

GABRIELA       —    (Acaricia o rosto dele) Obrigado por todo esse apoio. Eu sozinha com todos esses problemas, não sei se daria conta.

GUILHERME    —    Mas agora vamos trabalhar juntos!

CORTA PARA:

CENA 04. MANSÃO VIEIRA. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Beatriz e Ramiro ali sentados.

BEATRIZ           —    No jantar quero conversar com você sobre os detalhes do lançamento da coleção de inverno.

RAMIRO            —    Não é melhor deixarmos para discutir isso na reunião?

BEATRIZ           —    Pode até ser. Mas quando será essa reunião?

RAMIRO            —    Essa semana ainda. Só estou esperando a confirmação da presença de todos os acionistas.

Viviane ainda em choque chega da rua.

BEATRIZ           —    O que aconteceu, minha filha?

RAMIRO            —    Essa não! Descobriu o que não queria?

VIVIANE            —    Passei a maior vergonha de toda a minha vida.

BEATRIZ           —    Como assim?

VIVIANE            —    Eu estava indo pra empresa, quando vi um casal de costas sentado num dos bancos da orla. Manei o Rick imediatamente parar o carro e fui até o casal, empurrei o homem, mas não era o Rodrigo.

RAMIRO                (Sorrir) Mas essa cena deve ter sido hilária!

BEATRIZ           —    Filha, eu já falei pra você parar com essa obsessão! Ramiro me falou que o Rodrigo está na empresa trabalhando.

RAMIRO                Pelo menos ele falou que ficaria, agora, se ele realmente ainda estiver lá, eu não sei.

BEATRIZ           —    (Faz sinal para Ramiro parar) Você foi na empresa?

VIVIANE            —    Não. Depois dessa vergonha em público, eu achei melhor voltar pra casa.

BEATRIZ           —    Fez bem, minha filha.

VIVIANE            —    Mas será que o Rodrigo está mesmo na empresa? Pode ser que esteja lá ou em outro lugar. Vá saber!

CORTA PARA:

CENA 05.  BARRA. RESTAURANTE. INT. NOITE.

Clima chique e sofisticado. CAM passeia pelo restaurante até chegar à mesa de Rodrigo e Elisa. Jantar servido, champanhe a mesa.

ELISA                —    Você sabe que eu não me sinto muito confortável em ambientes chiques como este, né, Rodrigo?

RODRIGO         —    Eu sei. Mas na hora H você desistiu da praia. Lá era bem melhor que você poderia se sentir mais à vontade.

ELISA                —    Praia só ia me sujar de areia. Que ocasião estamos comemorando?

RODRIGO         —    Como assim? É o nosso primeiro jantar em quinze anos. (Pega na mão de Elisa) E eu queria te falar uma coisa.

ELISA                —    (Tira a mão da mesa) Pode falar.

RODRIGO         —    Eu andei pensando bastante e vou pedir o divórcio. A gente vai pode ficar juntos, Elisa! Formar a nossa família que sempre foi o nosso sonho

ELISA                —    Você tá louco, Rodrigo?! Eu jamais me casaria com você!

Fecha em Rodrigo sem entender a reação de Elisa. Instantes. Suspense.

CORTA PARA:

CENA 06. FÁBRICA. CASA REGINA. SALA. INT. NOITE

Continuação não imediata da cena 02. Sérgio ali de pé, aflito. Regina volta do quarto.

REGINA             —    Pronto! Com Belinha trancada no quarto, a gente pode conversar.

SÉRGIO             —    Dona Regina, o plano da senhora me parecia bom. Mas ele não contava com uma coisa.

REGINA             —    O quê?

SÉRGIO             —    Que o Kléber fosse querer que eu fizesse provas de lealdade.

REGINA             —    Como assim?

SÉRGIO             —    Ele quer que eu prove que realmente quero acabar com a senhora!

REGINA             —    Ele disse como seria essa prova de lealdade?

SÉRGIO             —    Ainda não porque a senhora passou aquele rádio. Mas ele disse que depois do tal evento, vou ter que provar que realmente estou do lado dele.

REGINA             —    Então prove que está do lado dele!

SÉRGIO             —    Mas como, dona Regina? Eu nem imagino o que o Kléber vai me mandar fazer. E se ele quiser que eu mate alguém? (Pausa) Ainda tem o Moreira que fica jogando lenha na fogueira.

REGINA             —    Esse desgraçado do Moreira! Pensei que depois da nossa conversa, ele tinha entendido o que vai acontecer!

CORTA PARA:

CENA 07. BARRA. RESTAURANTE. INT. NOITE.

Continuação imediata da cena 05.

RODRIGO         —    Como assim: jamais casaria comigo? Eu pensei que você ainda gostava de mim.

ELISA                —    Eu gosto… Amo você, Rodrigo.

RODRIGO         —    Mas e então? Eu não entendo porque você disse isso.

ELISA                —    Você sabe muito bem que nada é tão fácil.

RODRIGO         —    Mas agora o que é que nos impede? Quinze anos atrás era a guerra das famílias. E agora, o que é?

ELISA                —    Agora você é casado, que tem uma vida estável. Não quero que você largue tudo por minha causa!

RODRIGO         —    Elisa, pelo amor de Deus! Se você for levar em conta as dificuldades antes de qualquer coisa, você sempre vai hesitar! Não existe nada que não tenha problemas! Acho que o importante é um sentir confiança no outro. Mas você tá agindo completamente ao contrário!

ELISA                —    Rodrigo, entenda uma coisa: você é casado com a filha da minha patroa. Que me odeia por sinal. Eu preciso daquele emprego!

RODRIGO         —    Eu sei que você precisa daquele emprego. Mas mesmo assim eu não entendo porque você tá fazendo isso.

ELISA                —    Eu não quero viver sendo “a outra”. A sua esposa é a Viviane!

RODRIGO         —    Tudo bem, Elisa. Mesmo não entendendo, eu vou respeitar a sua decisão.

ELISA                —    Obrigada.

Os dois continuam a jantar. Clima desconfortável para ambos. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 08. CASA LAURA E SEVERO. SALA. INT. NOITE.

Laura e Gustavinho sentados assistindo TV. Severo vem do quarto sério e sai para a rua.

GUSTAVINHO —    O que o vô tem?

LAURA              —    Olha, Gustavinho. Não é porque ele é seu avô, que eu não vou deixar de ser realista contigo.

GUSTAVINHO —    Vocês brigaram?

LAURA              —    Seu avô é insuportável! Aliás, ele já era. Mas agora que tá ficando velho, tá pior!

GUSTAVINHO —    Pelo visto brigaram e feio!

LAURA              —    (Indignada) Briguei mesmo! Véio mais insuportável! Não posso nem sair na rua e falar com quem eu quero porque a mamãezinha dele não hesitava de pular por aí no quarto dos outros!

Fecha em Gustavinho, que mesmo não entendendo, sorrir.

CORTA PARA:

CENA 09. MANSÃO VIEIRA. QUARTO MARCELO. INT. NOITE.

Marcelo ali analisando algo no caderno. Ramiro entra.

RAMIRO            —    Pode entrar?

MARCELO        —    Entra pai.

RAMIRO            —    E então, como vai a letra da música?

MARCELO        —    Pronta.

RAMIRO            —    (Impressionado) Mas já?

MARCELO        —    Comigo é assim mesmo, pai. Pediu, eu faço rápido.

RAMIRO            —    Quem dera você fizesse os relatórios que eu peço tão rapidamente assim.

MARCELO        —    Que isso, pai? Tá querendo acabar com a harmonia, é?

RAMIRO            —    Não. Deleta esse comentário. Posso dar uma olhada?

MARCELO        —    Claro.

RAMIRO            —    Aliás, canta pra eu ver.

Marcelo pega o vilão e começa a tocar.

MARCELO        —    (Canta) Olha como ela entra na passarela

                                    Maravilhosa dos pés à cabeça

                                    Elegante, poderosa ela vem.

                                    Vira e faz um charme para os flashes

                                    Que disparam pra ela. Maravilhosa!

                                    De costas, ela continua diva e arrasa!

RAMIRO            —    (Feliz, orgulhoso) Adorei, meu filho! Com certeza isso vai ser um sucesso e destaque junto da coleção!

MARCELO        —    Que bom que o senhor gostou, pai!

RAMIRO            —    Eu não falei que chegaríamos a um meio termo? Você continua fazendo o que gosta e está na empresa. (Tem ideia) Vou levar a letra pra Beatriz.

MARCELO        —    Aquela lá vai rejeitar como sempre! Tudo que eu faço não presta, é coisa ruim!

RAMIRO            —    Ela que ouse falar mal da letra que eu vou resistir até ela tocar junto com as modelos desfilando!

Ramiro pega o caderno e sai. Marcelo sorrir, feliz de o pai ter se agradado de algo feito por ele. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 10. FÁBRICA. CASA REGINA. SALA. INT. NOITE.

Sérgio e Regina ali.

REGINA             —    Tudo bem, Sérgio. Eu entendo o seu desespero. Conhecendo o Kléber, eu sei que pode ter alguma coisa absurda de morte ou até de ferir alguém de alguma forma.

SÉRGIO             —    O que eu faço, dona Regina?

REGINA             —    Olha, eu posso tentar impedir. Mas eu também não posso me impor tanto, pra que eles não desconfiem de nada.

SÉRGIO             —    Tá. Então se eu tiver que matar alguém, eu vou ter que matar, é isso?

REGINA             —    Você tem que se manter firme que eu vou ver o que posso fazer. Até lá, vou dando meu jeito de impedir que ele te peça algo.

Atenção Sonoplastia: risadas de homens, vindo de fora da casa.

SÉRGIO             —    (Desesperado) É o Kléber, dona Regina! O que eu faço?

REGINA             —    (Pensa) Vai pro quarto da Belinha. A chave tá na porta. Se tranca com ela lá até eu disser que é seguro sair.

Sérgio corre para o quarto. Regina se senta e age naturalmente. Kléber e Moreira entram.

KLÉBER           —    Regina, eu convidei o Moreira pra jantar com a gente hoje. Tudo bem pra você?

REGINA             —    Claro. Moreira é sempre bem-vindo nesta casa!

Regina olha séria para Moreira, que fica meio nervoso. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 11. BARRA. RESTAURANTE. FRENTE. EXT. NOITE.

Elisa sai e Rodrigo vem atrás. Ele com a pasta em mãos.

RODRIGO         —    Ei, Elisa. Também não precisava sair do restaurante desse jeito.

ELISA                —    Foi um erro ter vindo!

RODRIGO         —    Tudo bem. Você não é obrigada a nada. Mais uma vez a mesma história se repete.

ELISA                —    (Não entende) Como assim?

RODRIGO         —    Igual quando eu fui praticamente forçado a embarcar pra França. Lembra do que você me disse?

CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 12. CANARINHO. PRAÇA. EXT. NOITE.

INSERT de partes da cena 05, do capítulo 04.

(…) Josias se afasta. Elisa vai para a asa do canarinho. Rodrigo ali escondido.

RODRIGO         —    (Abraça-a) Que bom que você veio, Elisa!

ELISA                —    O que está acontecendo, Rodrigo?

RODRIGO         —    Meu tio ligou pro meu pai e agora ele quer que eu vá morar com ele na França.

ELISA                —    Seu pai mora na França?

RODRIGO         —    Mora. Eu nunca comentei nada contigo porque eu não gosto de falar sobre isso.

ELISA                —    Mas se ele é seu pai, você tem que ir.

RODRIGO         —    Mas é um pai que nunca veio me visitar! Ele nunca quis saber de mim.

ELISA                —    Mas e se agora for diferente?

RODRIGO         —    Eu tenho 17 anos. Ano que vem fico de maior. Dono do meu próprio nariz.

ELISA                —    Mas agora ele é quem manda em você.

RODRIGO         —    Elisa, eu não quero te deixar.

ELISA                —    Rodrigo, eu não quero que você deixe de ir por minha causa. Se eu estiver sendo um atraso na sua vida, eu saio dela.

RODRIGO         —    Elisa, não fale isso! Você não é atraso nenhum! Eu te amo!

ELISA                —    Eu também te amo, Rodrigo. E justamente por te amar, eu acho que você deve ir sim morar com seu pai. Lá na França você vai ter melhores condições de vida, talvez…

RODRIGO         —    Eu não quero ir!

Josias acha os dois.

JOSIAS             —    (Puxando-o pela blusa) Você vem comigo, moleque!

RODRIGO         —    (Se solta das mãos do tio) Me larga tio! Eu preciso conversar com a Elisa primeiro.

JOSIAS             —    Não temos tempo pra isso! Seu voo sai daqui à uma hora.

ELISA                —    Vai, Rodrigo. Você tem o meu número. Quando puder, me liga.

RODRIGO         —    Tá bom.

Rodrigo se aproxima de Elisa e tasca um beijão apaixonado nela. Instantes. Romance.

JOSIAS             —    (Puxando-o) Vambora moleque!

Os dois seguem se afastando. Elisa triste. Josias entra num táxi com Rodrigo e se afasta. CAM mostra Rodrigo da janela do táxi a olhar Elisa. Instantes.

Fim do insert.

CORTA PARA:

CENA 13. BARRA. RESTAURANTE. FRENTE. EXT. NOITE.

Continuação da cena 11.

RODRIGO         —    Você sempre pensa nos outros antes de pensar em si mesma!

ELISA                —    Como você pode falar uma coisa dessas? Justamente por amar você, que eu te apoiei em ir morar com seu pai. Mas agora as coisas são diferentes!

RODRIGO         —    Diferentes por quê? Você não me ama mais, é isso?

ELISA                —    A questão não é essa Rodrigo! Naquela época éramos dois jovens inexperientes, sonhadores… Agora não! Somos adultos, com responsabilidades, você é casado!

RODRIGO         —    Tudo bem, Elisa. Se você realmente prefere que eu continue casado com a Viviane, assim será!

Elisa dá um beijo no rosto de Rodrigo e vai caminhando. Ela de costas para ele para por um instante, quase vira para olhar o amado, mas hesita e segue caminhando. Close em Rodrigo inconformado. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 14. CASA JOSIAS. FRENTE. EXT. NOITE.

Atenção Sonoplastia: Instrumental suspense.

CAM subjetiva escondida atrás de uma árvore. Jô vem se aproximando distraído e para frente ao portão.

JOSIAS              —    (P/si) Essa não! Será que eu deixei as chaves no bar?

Ele procura nos bolsos. CAM subjetiva sai do esconderijo e vem se aproximando, coloca a mão no ombro de Jô, que se assusta.

JOSIAS              —    (Assustado) Que isso? É assalto? (Olha) Você?

CAM revela que se tratava de Severo.

SEVERO           —    Nós temos muito que conversar (desdém) Garcia mau-caráter!

Fecha em Jô olhando com desprezo para Severo. Instantes. Suspense. Tensão.

CORTA PARA:

CENA 15. MANSÃO VIEIRA. SALA DE JANTAR. INT. NOITE.

Ramiro, Beatriz e Viviane sentados à mesa jantando. Beatriz com o caderno a olhar a letra da música.

BEATRIZ           —    (Debochada) E isso aqui lá pode ser considerado uma letra de música? É um lixo!

RAMIRO            —    Sendo um lixo ou não, essa música que vai tocar na hora do desfile!

BEATRIZ           —    Você só pode ter perdido todos os sentidos, Ramiro! Em que universo uma música como esta toca nos desfiles?

VIVIANE            —    Normalmente são instrumentais.

BEATRIZ           —    Exatamente!

RAMIRO            —    Ah, sim. E as duas dondocas vão ficar na mesma pra sempre? Não querem ser inovadoras pra chamar a atenção da mídia…?

BEATRIZ           —    Eu não sei aonde eu estava com a cabeça, quando decidi que você seria o presidente da empresa.

RAMIRO            —    Olha que eu respondo aonde essa cabeça tava!

BEATRIZ           —    Você não seria tão desaforado!

RAMIRO            —    Paga pra ver!

VIVIANE            —    (Grita) Chega! Parem com isso! Deixa eu ver essa música. (Pega o caderno e olha)

RAMIRO            —    Veja se não é uma boa música.

VIVIANE            —    (Impressionada) Gente, mas isso aqui tem tudo a ver com o desfile. Nos dias de hoje, as mulheres são poderosas, independentes e a música deixa isso bem claro. Adorei!

RAMIRO            —    Acho que alguém vai ter que dar o braço a torcer!

BEATRIZ           —    Saiba que essa você só venceu, porque a Viviane gostou!

Beatriz invocada levanta-se da mesa e vai para a sala de estar. Ramiro sorrir.

CORTA PARA:

CENA 16. CASA JOSIAS. FRENTE. EXT. NOITE.

Continuação imediata da cena 14.

JOSIAS              —    O que você tá fazendo aqui?

SEVERO           —    (Intimidador) Vim te avisar pra ficar longe da Laura.!

JOSIAS              —    (Debocha) Ou você vai fazer o quê? Me matar?

SEVERO           —    Olha, até que não é uma má ideia!

JOSIAS              —    (Debocha) Não poso fazer nada se os Borges não dão conta do recado e suas mulheres sentem atração pelos Garcia!

SEVERO           —    (Furioso) Como é que é? Repete! Repete pra ver se eu não acabo com a sua raça!

JOSIAS              —    Tem certeza que quer ouvir de novo? Acho desnecessário. Só você parar pra pensar. Das três gerações dessa família vocês tiveram que desviar um dos meus!

SEVERO           —    Você é uma canalha!

JOSIAS              —    Mas um canalha que a mulherada gosta pelo visto!

Severo se descontrola e dá um soco no rosto de Jô, que cai batendo a cabeça no meio fio. Jô permanece desacordado.

SEVERO           —    Agora vai dar um de que está desacordado! Acorda ou! (Dá um chutezinho em Jô) Levanta daí! (Preocupado) Levanta daí cara! (Se agacha e sacode Jô) Acorda! Acorda Garcia! (P/si, atordoado) Meu Deus… Eu matei ele. (Grita) Ajuda! Ajuda! Socorro!

CAM mostra o táxi de Maurício se aproximando. Severo vai para o meio da rua e cerca o carro. Mauricio salta.

MAURÍCIO        —    Que isso, Severo? O que tá acontecendo?

SEVERO           —    Olha o Garcia caído aqui no chão!

MAURÍCIO        —    Mas como aconteceu isso?

SEVERO           —    Sei lá, cara. A gente tem que levar ele pro médico! Me ajuda!

MAURÍCIO        —    Estranho você querer ajudar um Garcia, mas de boa.

Maurício e Severo colocam Jô dentro do carro, entram e o táxi se afasta rapidamente. Instantes. Tensão.

CORTA PARA:

CENA 17. APART GABRIELA. SALA. INT. NOITE.

Gabriela e Guilherme analisam as anotações antigas de Gabi.

GUILHERME    —    Olhando tudo isso aqui, parece que você tinha tudo muito bem encaminhado.

GABRIELA       —    É, mas só parece. (Pega o gravador) Guardo esse gravador até hoje. Tenho um grande carinho por ele. Meu companheiro de anos de pesquisas. Escuta esse áudio.

Ela liga o gravador.

GABRIELA       —    (OFF) Dermatologista pesquisadora da Ictiose, Gabriela Gonçalves para o relato de número 03. Após a descoberta da seiva de uma difícil e rara árvore na localização do bairro do Canarinho Amarelo. Comprovei que a seiva fresca da mesma resulta na melhora do quadro de Ictiose, mas ainda há muito que estudar. Devido à seiva fresca, uma grande melhora pode ser notada, porém, se a seiva não estiver fresca, a melhora não acontece.

GABRIELA       —    Depois disso foram só frustrações. Melhor desistir de tudo.

GUILHERME    —    (Acaricia o rosto dela) Ei. Não falei isso. Eu não disse que estou aqui pra te ajudar com isso? Você não está sozinha!

Ela pega na mão dele e sorrir. Rola um clima. Os dois se beijam intensamente. Instantes. Romance.

CORTA PARA:

CENA 18. UPA. FRENTE. EXT. NOITE.

Clima de tensão. Táxi de Maurício chega e para. Severo corre e pega uma cadeira de rodas.

MAURÍCIO        —    Me ajuda aqui, Severo.

Eles colocam Jô ainda desacordado na cadeira de rodas. E seguem para dentro da UPA. Instantes. Tensão.

CORTA PARA:

CENA 19. RIO DE JANEIRO. STOCK-SHOTS. EXT. NOITE.

Takes do Jockey Club, Lagoa Rodrigo de Freitas. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 20. UPA. SALA VERDE. INT. NOITE.

Jô ainda desacordado, agora com a cabeça enfaixada. Maurício e Severo entram e se aproximam.

MAURÍCIO        —    Até agora não entendi como o Jô caiu e bateu com a cabeça.

SEVERO           —    (Nervoso) Ele tava vindo caminhando e escorregou, foi isso.

MAURÍCIO        —    (Desconfiado) Mas e você, Severo?

SEVERO           —    O que tem eu?

MAURÍCIO        —    O que você tava fazendo justamente ali pela rua da casa do Jô?

Severo nervoso não fala nada. Jô resmunga algo.

SEVERO           —    (Disfarça) Ele tá acordando.

Jô abre o olho e sorrir ao ver Maurício, mas ao ver Severo, que acena pra ele, logo fica sério.

MAURÍCIO        —    Parece que o Jô não se agradou em te ver, cara.

Jô de supetão levanta da cama e pega Severo pelo pescoço, esgoelando ele.

JOSIAS              —    Eu vou te matar! Seu Borges desgraçado! Não queria me matar? Agora quem vai morrer esgoelado é você seu Borges!

MAURÍCIO        —    (Tenta apartar) Solta o cara, Jô! Para com isso!

Maurício tentando apartar. Jô a segurar forte no pescoço de Severo, com a linguinha pro lado de fora. Instantes. Cômico.

CORTA PARA:

 FIM DO VIGÉSIMO OITAVO CAPÍTULO

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Ramon Silva

Ramon Silva

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>