Nova Chance Para Amar – Capítulo 30

ATENÇÃO: A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

NOVA CHANCE PARA AMAR

Novela de Ramon Silva

Escrita Por:

Ramon Silva

Direção Geral:

Wellington Viana

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO

AMANDA

BEATRIZ

BELINHA

CAMILA

EDILEUSA

ELISA

JOSIAS

KLÉBER

LAURA

MARCELO

MARCOS

MAURÍCIO

NANDÃO

RAMIRO

REGINA

REINALDO

RICK

RODRIGO

SALINA

SÉRGIO

SEVERO

VIVIANE

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL:

ACIONISTA 1, 2 e 3, FOTÓGRAFO e MARÍLIA.

CENA 01. MANSÃO VIEIRA. QUARTINHO DE EMPREGADA. INT. MANHÃ.

Continuação imediata da última cena do capítulo anterior.

Atenção Sonoplastia: Quando um Grande Amor se Faz continua.

Elisa dá um chega pra lá em Rodrigo.

ELISA                —    Que isso, Rodrigo? Você só pode ter enlouquecido!

RODRIGO         —    Sim, realmente eu estou louco… De amor!

Tenta beijá-la, mas ela se esquiva.

ELISA                —    Você para com isso! Sabe que eu preciso desse emprego e fica agindo desse jeito!

RODRIGO         —    Qual é, Elisa?! Eu sei que você fica estremecida com a minha presença.

ELISA                —    Rodrigo, se alguém entra por aquela porta já era! Eu estou no olho da rua!

RODRIGO         —    Relaxa, que a porta tá trancada! (Rouba um beijo dela)

ELISA                —    Sai! Se você continuar insistindo, eu faço um escândalo aqui!

Os dois se entreolham e voltam a se beijar loucamente. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 02. APART GABRIELA. SALA. INT. MANHÃ.

Continuação imediata da cena 20 do capítulo anterior. Marília nervosa ao cel.

MARÍLIA            —    (Ao cel., nervosa) Está tudo bem sim, seu Reinaldo.

REINALDO       —    (OFF) Tem certeza, Marília? Você tá com um tom de voz muito estranho. Se tiver acontecendo alguma coisa e a Gabriela não quer me falar, você vai ter que dizer! Sou pai, tenho o direito de saber o que está acontecendo com a minha filha!

MARÍLIA            —    (Ao cel.) Seu Reinaldo, por favor! Desse jeito o senhor me deixa num beco sem saída!

REINALDO       —    (OFF) Ótimo! Só assim pra você falar. Anda! Desembucha! O que tá acontecendo por aí?

MARÍLIA            —    (Ao cel.) A Dani acordou com a pele toda ferida, e a dona Gabriela está fazendo exames nela, pra saber o que a bichinha tem. Ela tem andado tão tristinha desde o que aconteceu.

REINALDO       —    (OFF) Pele ferida… (Pausa) Não pode ser! A Gabriela deveria ter me contado isso!

MARÍLIA            —    (Ao cel.) Por favor, seu Reinado. Não diz nada que eu te falei.

REINALDO       —    (OFF) Tudo bem, Marília. Estou voltando o quanto antes, pra ficar ao lado da minha filha.

Ele desliga.

MARÍLIA            —    (Ao cel.) Alô, seu Reinaldo? (P/si, aflita) Ai Jesus… Por que eu fui abrir minha boca? Agora dona Gabriela vai querer me matar!

CORTA PARA:

CENA 03. FÁBRICA FABRISTILO. PRODUÇÃO. INT. MANHÃ

Continuação da cena 19 do capítulo anterior. Clima tenso! Sérgio segura forte do braço de Amanda. CAM mostra Camila distante a olhar tudo.

AMANDA           —    Você tá me machucando, Sérgio! Vai querer me bater aqui agora, na frente de todo mundo?

Sérgio a olhar seriamente pra ela. Instantes. Tensão. Ele solta o braço de Amanda e se afasta.

AMANDA           —    (Grita) Seu covarde! Eu não te reconheço mais!

Camila se aproxima.

CAMILA             —    Sério que ele ia te agredir amiga?

AMANDA           —   (Chora, inconformada) Como é que pode o Sérgio ter se tornado esse tipo de homem?

CAMILA             —    (Abraça ela) Calma, amiga.

AMANDA           —    (Chorando) Não foi com esse homem que eu me casei!

CAMILA             —    Deve tá acontecendo alguma coisa. Sérgio não mudaria assim de uma hora pra outra.

AMANDA           —    Ele agora tá mostrando quem é de verdade. Quinze anos de casamento e eu não conhecia o verdadeiro Sérgio.

CORTA PARA:

CENA 04. MANSÃO VIEIRA. SALA DE JANTAR. INT. MANHÃ.

Beatriz, Ramiro, Viviane e Marcelo sentados à mesa a tomar um RICO café da manhã.

BEATRIZ           —    (P/Marcelo) Ramiro me mostrou a sua música… Eu gostei.

MARCELO        —    Que bom que a senhora gostou.

RAMIRO            —    Ela gostou não… Só aceitou porque a Viviane adorou!

MARCELO        —    Deveria ter imaginado.

VIVIANE            —    Realmente eu adorei a música, Marcelo. Você tem mesmo jeito pra isso.

MARCELO        —    Valeu, prima.

BEATRIZ           —    Ramiro, antes de selecionarem as modelos eu quero que a Viviane seja a principal do desfile.

RAMIRO            —    Eu tinha até pensado nisso antes, mas pensei que a Fabristilo não fosse do nível da internacional Viviane.

VIVIANE            —    Que isso, tio Ramiro? Tá querendo me chamar de exibida.

Atenção Sonoplastia: cel. de Ramiro toca.

RAMIRO            —    (Ao cel.) Alô? (Pausa) Hoje? Mas por que deixaram pra avisar em cima da hora? (Pausa) Tudo bem então. (Desliga)

MARCELO        —    Que foi, pai?

RAMIRO            —    Parece que os acionistas querem uma reunião ainda hoje para fechar os últimos detalhes do evento de lançamento da coleção.

Rodrigo vem da cozinha.

RODRIGO         —    Reunião hoje? Eu ouvi bem?

RAMIRO            —    Pois é. O conselho exige uma reunião ainda hoje.

BEATRIZ           —    Quem tinha que exigir alguma coisa era eu! Afinal, eu detenho a maior parte das ações da empresa.

RAMIRO            —    É, mas acontece que os acionistas são peças fundamentais na empresa.

BEATRIZ           —    Logo que a Viviane vai participar do desfile, vamos todos então.

CORTA PARA:

CENA 05. MANSÃO VIEIRA. QUARTINHO DE EMPREGADA. INT. MANHÃ.

Elisa ali sentada na cama toda boba, com a mão na boca beijada por Rodrigo.  INSERT-FLASH do beijo. Edileusa entra.

EDILEUSA        —    Elisa, você não vai adivinhar… O Rick colocou a Vivi Superiora no grupo dos empregados. Você viu?

Elisa permanece distante…

EDILEUSA        —    (Grita) Elisa, eu tô falando com você!

ELISA                —    Ah, Edileusa… O que foi?

EDILEUSA        —    Você tá estranha… Aconteceu alguma coisa?

ELISA                —    Não. Mas o que você tava falando?

EDILEUSA        —    Você tava me ouvindo e me ignorando? Magoei!

Edileusa sai, com Elisa arrematando.

ELISA                —    Espera aí, Edileusa! Deu pra fazer a sentimental hoje, ela.

CORTA PARA:

CENA 06. CANARINHO. PONTO DE TÁXI. EXT. MANHÃ.

Maurício e Nandão ali encostados num dos táxis estacionados.

NANDÃO           —    Para, Maurício. Severão nunca que ia até a casa do Jô.

MAURÍCIO        —    Eu tô te falando, cara. Eu encontrei o Jô desmaiado e o Severo desesperado gritando por socorro.

NANDÃO           —    Até ontem o Severo tava aqui puto da vida pela dona Laura só tá conversando com o Jô, e depois ele me vai na casa do cara? Eu não tô entendendo mais nada!

MAURÍCIO        —    O Severo foi justamente na porta do Jô pra brigar com o cara por ele ter falado com a Laura. Mas aí eu acho que a coisa saiu do controle, o Severo deu um soco no Jô, ele caiu e bateu com a cabeça no meio fio.

NANDÃO           —    Não, para! Quer dizer que dois velhinhos com mais de 60 anos, saíram no soco?! (Debocha) Quando um se enverga pra dar o soco, a lombar trava e o véi fica estátua!

Maurício e Nandão continuam a conversar e sorrir fora de áudio. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 07. RIO DE JANEIRO. STOCK-SHOTS. EXT. DIA.

Takes do Arpoador e Praia de São Conrado. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 08. CASA JOSIAS. SALA. INT. DIA.

Alguém bate na porta. Josias, com a cabeça enfaixada, vem da cozinha e abre. É Laura com um pote tapado por um pano de prato em mãos.

LAURA              —    Oi, Jô.

JOSIAS              —    Laura. Mas que surpresa.

LAURA              —    Espero que surpresa agradável.

JOSIAS              —    (Mostra a faixa) Da última vez não foi tão agradável assim!

LAURA              —    É, mas agora eu vim em missão de paz! Severo ficou muito perturbado depois do que aconteceu ontem.

JOSIAS              —    Anos passarão, gerações passarão e um Garcia jamais conseguirá conversar civilizadamente com um Borges!

LAURA              —    Eu sou uma Borges!

JOSIAS              —    Você é casada com um Borges. É diferente.

LAURA              —    (Dá a ele o pote) Toma.

JOSIAS              —    Que isso?

LAURA              —    É um bolo que eu fiz especialmente pra você.

JOSIAS              —    (Sorrir) Obrigado, Laura.

LAURA              —    Se até um sorriso eu conseguir arrancar dessa sua cara amarrada, já valeu a pena!

Fecha em Jô, que sorrir e meneia a cabeça negativamente. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 09. MANSÃO VIEIRA. SALA DE JANTAR. INT. DIA.

Elisa ali a limpar o chão. Edileusa vem da cozinha.

EDILEUSA        —    Menina, desde a hora que o Rick falou esse negócio da Vivi Superiora desconfiar que o seu Rodrigo está traindo ela, que eu não tiro isso da minha cabeça.

ELISA                —    (Disfarça) Com tantas outras coisa pra você pensar e você fica pensando justo nisso? Isso é coisa deles.

EDILEUSA        —    Ah, mas não vai me dizer que não bate uma curiosidade?

ELISA                —    Como assim?

EDILEUSA        —    Em saber se é verdade e quem pode ser essa mulher.

ELISA                —    Não. Eu tenho tantos problemas, que eu nem penso no dos outros.

EDILEUSA        —    Ah, mas eu fico curiosa! Essa mulher deve ser muito mais que a Vivi Superiora. Só se o seu Rodrigo fosse louco por trocar a Vivi que é Superiorérrima por outra inferior.

Fecha em Elisa nervosa. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 10. PRÉDIO FABRISTILO. SALA DE REUNIÃO. INT. DIA.

Rodrigo, Viviane, Beatriz, Marcelo e três acionistas sentados à mesa. Ramiro a frente da reunião.

RAMIRO            —    A coleção de inverno deve ser lançada o quanto antes! Estimativa de um mês, para que não saiamos com desvantagens em relação à concorrência. Os senhores podem analisar esse relatório com todas as projeções, desde a fabricação até as vendas.

Todos pegam os relatórios e começam a analisar.

ACIONISTA1    —    Esse relatório tá muito bem elaborado.

ACIONISTA2    —    Todas as etapas com números bastante expressivos.

RAMIRO            —    Desde que a Fabristilo contratou o Rodrigo, um empresário internacional, que ele tem colocado ordem na casa.

ACIONISTA3    —    Esses números altos de fabricação e venda é uma projeção baseada em números verídicos?

RAMIRO            —    Sim. Rodrigo, você que elaborou esse relatório, pode explicar melhor.

RODRIGO         —    Bom, esses números têm base no exercício anterior. Este ano, a Fabristilo investiu mais, portanto, o retorno tende a ser maior. E fazendo uma rápida análise do mercado atual, cheguei a este resultado. Sei que os senhores acham os números bem expressivos, mas esta é a nova realidade da Fabristilo.

ACIONISTA1    —    Bom, se a análise realmente foi criteriosa quanto a mercado… Eu não vejo porque não ser um sucesso.

ACIONISTA2    —    Exatamente.  Ótimo trabalho, Rodrigo.

RODRIGO         —    Obrigado.

RAMIRO            —    Sem mais, a nossa reunião está encerrada.

BEATRIZ           —    Ainda não! Eu ainda tenho um comunicado a fazer. Todo ano, a empresa coloca uma modelo super sem graça para ser o destaque, mas este ano, minha filha Viviane que vai assumir este espaço.

ACIONISTA3    —    Beatriz, você sabe que não temos nada com isso. A escolha da modelo tem que ser feita pelo departamento de criação. Bom, eu vou indo.

ACIONISTA1    —    Mais uma vez, parabéns a todos!

Os três acionistas saem da sala. Ramiro, Marcelo e Rodrigo se juntam para conversar fora de áudio.

BEATRIZ           —    (P/si) Vou fazer questão de comprar as ações daquele acionista petulante e escorraçar ele daqui!

VIVIANE            —    Daqui a um mês eu vou brilhar naquela passarela, mãe!

BEATRIZ           —    E você vai arrasar como sempre!

VIVIANE            —    (Soberba) Isso é já certo. Se não for pra deixar as outras pra trás, eu nem vou!

CORTA PARA:

CENA 11. RIO DE JANEIRO. STOCK-SHOTS. EXT. AMANHECER/ ANOITECER.

LETREIRO: UM MÊS DEPOIS…

Takes das praias de Copacabana, Leblon, Barra. Cristo redentor, Morro Pão de Açúcar. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 12. PRÉDIO FABRISTILO. ESTÚDIO FOTOGRÁFICO. INT. DIA.

Viviane terminando de ser maquiada. Beatriz perto.

BEATRIZ           —    Esse ano a Fabristilo vai vender muito! Os looks são lindos!

VIVIANE            —    E com a modelo que os usa também é internacional, a concorrência não vai chegar aos nossos pés!

O fotógrafo se aproxima.

FOTÓGRAFO   —    Tudo bem. Vamos começar. Pronta, Viviane?

VIVIANE            —    Meu amor, eu já nasci pronta!

FOTÓGRAFO   —    Vamos começar.

Beatriz e a maquiadora se afastam. Viviane se posiciona.

FOTÓGRAFO   —    Isso. Pose de poderosa.

Em CORTES DESCONTÍNUOS: Flashes, poses diversas, figurinos diversos. Instantes.

BEATRIZ           —    Isso aí, filha! Arrasa poderosa!

Ela continua a posar para a câmera. Flashes e mais flashes. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 13. PRÉDIO FABRISTILO. SALA RAMIRO. INT. DIA.

Ramiro, Rodrigo e Marcelo.

RAMIRO            —    Um dos acionistas me ligou hoje e disse que todos estão muito confiantes.

MARCELO        —    Considerando o alto investimento da empresa, tudo tem que ser perfeito.

RODRIGO         —    Eu fiz essa projeção de vendas depois de uma criteriosa pesquisa junto ao departamento de criação dos looks. Eles sim sabem o que é tendência e o que não corre o risco de encalhar.

RAMIRO            —    Rodrigo, eu sei que a Viviane é tua esposa e minha sobrinha, mas cara… (Pausa) Ela tá muito exibida depois que a Beatriz a colocou pra ser destaque no desfile.

RODRIGO         —    E eu não sei? Ela só fala nisso o tempo todo.

MARCELO        —    Pelo visto até largou do teu pé, né.

RODRIGO         —    Um mês que a gente tá sem brigar!

RAMIRO            —    (Debocha) Deixa só todo esse encanto por causa do desfile passar, pra ver se ela não volta como uma louca que empurra homens que nunca viu na areia.

Todos sorriem.

CORTA PARA:

CENA 14. CANARINHO. PRAÇA. EXT. DIA.

Laura e Severo sentados a um dos bancos.

LAURA              —    Faz um mês que eu estou interagindo e fazendo até companhia pro Jô. Até que ele é legal. Tem que conhecer muito bem por que a primeira impressão que se tem é de um mala!

SEVERO           —    Você sabe muito bem que eu não aprovo isso que você tá fazendo. Mas eu nem comento nada pra gente não brigar.

LAURA              —    Eu acho que vocês dois deviam parar com isso de uma vez por todas! Isso foi na década de 70, faz mais de 40 anos!

SEVERO           —    40 anos que minha família foi manchada pela cena mais ridícula que esse bairro do Canarinho já viu.

LAURA              —    Severo, hoje em dia com redes sociais, as pessoas ficam ainda mais expostas do que naquela época. Na década de 70, muito mal os bairros vizinhos ficaram sabendo de alguma coisa. Mas hoje em dia, as notícias correm pelo mundo inteiro e questão de minutos!

SEVERO           —    Você tá bem moderninha, hein, Laura!

LAURA              —    Claro. Vou deixar de ter um celular desses grandões por causa de idade… Eu quero mais é aprender a navegar e ser feliz nas redes sociais. Mas Severo, eu sinceramente, de verdade, acho que você e o Jô deveriam fazer as pazes!

SEVERO           —    Nunca! Sei que quando eu morrer, a Elisa não vai levar isso adiante, mas enquanto eu tiver nesta terra… Um Borges jamais ficará amigo de um Garcia!

Severo se afasta.

LAURA              —    (P/si) Ôh, homem cabeça dura. Eu desisto!

CORTA PARA:

CENA 15. FÁBRICA FABRISTILO. PRODUÇÃO. INT. DIA.

Regina e Kléber frente a todos os trabalhadores.

REGINA             —    (Ao mega fone) Gente, eu pedi um minutinho da atenção e vocês, pra falar sobre a alta demanda prevista na produção.

KLÉBER           —    (Ao mega fone) Os números são bem altos. Portanto, se preparem.

REGINA             —    (Ao mega fone) O lançamento da coleção de inverno será hoje. Provavelmente à noite os pedidos começam a chegar.

Todos começam a falar ao mesmo tempo. Corta para Amanda e Camila:

AMANDA           —    Ânimo pra virar a noite trabalhando sem parar!

CAMILA             —    Eu não aguento ficar acordada direto!

AMANDA           —    Mas vai ter que aguentar pra evitar a humilhação.

CAMILA             —    Como assim?

AMANDA           —    Já aconteceu uma vez aqui, de uma senhora de 60 anos dormir na bancada e a Regina e o Kléber levarem ela lá pra fora. Deram um banho de mangueira “pra ela ficar esperta”.

CAMILA             —    (Horrorizada) Senhor!

CORTA PARA:

CENA 16. FÁBRICA. CASA REGINA. QUARTO CASAL. INT. DIA.

Belinha entra e fecha a porta.

BELINHA          —    (P/si) Regina esconde alguma coisa… Eu tenho quase certeza.

Ela começa a vasculhar gavetas da cômoda, debaixo da cama, criado mudo, gavetas e todo o guarda roupa.

BELINHA          —    (P/si) Droga! Estava certa de que aqui tinha alguma coisa.

Ela fica ali pensativa. Olha para a parte de cima do guarda roupa, com uma mala e mais algumas sacolas plásticas cheias de algo, ela sorrir. CORTE DESCONTÍNUO: ela entra com uma cadeira, sobe e começa a vasculhar em cima do guarda roupa. Acha uma caixa de sapato, desce da cadeira e se senta na cama. Abre a caixa e está cheia de fotografias de uma menina, algumas com Regina junto nas fotos.

BELINHA          —    (P/si, intrigada) Quem é essa menina?

Belinha fica ali intrigada a olhar para as fotos. Instantes. Suspense.

CORTA PARA:

CENA 17. LOCAL DO DESFILE. BASTIDORES. INT. DIA.

Viviane nervosíssima, já vestida com um dos looks do desfile. Outras modelos se preparando. Beatriz entra.

VIVIANE            —    Ai, mãe. Eu tô tão nervosa que parece que essa é a primeira vez que eu vou subir numa passarela.

BEATRIZ           —    Calma, minha filha. Eu tenho certeza que assim que você colocar os pés naquela passarela, não vai ter pra ninguém.

Ramiro entra. Ele fica encantado com as modelos.

BEATRIZ           —    Velho não pode ver uma menina nova, que já fica em cima.

RAMIRO            —    Antes elas do que você!

VIVIANE            —    Eu pedi um camarim individual.

RAMIRO            —    Eu sei. Mas você vai ter que se contentar com isso aqui mesmo. O espaço é pequeno, não dava pra fazer um camarim individual pra modelo que acha que é o centro das atenções!

BEATRIZ           —    Mas a minha filha será o centro das atenções, Ramiro! Não vai ter pra nenhuma dessas aguadas aqui quando ela entrar naquela passarela!

VIVIANE            —    (P/Ramiro) Rodrigo não veio?

RAMIRO            —    Ele ficou na empresa resolvendo algumas pendências junto com o Marcelo, mas eles já estão vindo.

Fecha em Viviane nervosíssima. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 18. PRÉDIO FABRISTILO. SALA RAMIRO. INT. DIA.

Rodrigo entra e tranca a porta.

RODRIGO         —    (P/si) Não esqueci de investigar o que a Fabristilo tinha com a empresa do meu pai.

Ele se senta e tenta usar o notebook de Ramiro, mas tem senha. Começa a vasculhar gavetas da escrivaninha, estante dos livros… Instantes. Tensão.

CORTA PARA:

CENA 19. MANSÃO VIEIRA. COZINHA. INT. DIA.

Rick e Elisa sentados. Edileusa a desfilar pela cozinha.

EDILEUSA        —    Eu vou desfilar e vocês me dão a opinião sincera de vocês.

RICK                  —    Sério isso?

EDILEUSA        —    Eu quero ser igual a Vivi Superiora, Rick.

RICK                  —    É, mas você sabe que isso é impossível! Lembra quando você jogou um balde de água fria em mim, por sonhar com ela?

EDILEUSA        —    Sim, mas o meu caso é diferente.

RICK                  —    Deferente por quê? Tá achando que tem prioridade, é?

ELISA                —    Vai, Edileusa. Começa logo esse desfile aí, senão vocês dois vão até amanhã com essa discussão.

EDILEUSA        —    Atenção! Todos se preparem para ver Edileusa, a rainha das passarelas desfilando.

Ela começa a desfilar, porém faz um carão forçado e anda meio manca. Rick e Elisa riem muito.

RICK                  —    Edileusa, isso daí pode ser qualquer coisa, menos uma modelo desfilando.

EDILEUSA        —    Fui tão ruim assim? O que você achou Elisa?

ELISA                —    Olha, eu daria um 3.

RICK                  —    Menos 3, né?!

EDILEUSA        —    Ah, Rick! Se você quer acabar comigo é só falar pow!

RICK                  —    (Irônico) Viu como é bom estar do lado oprimido, ferido?

Edileusa bate o pé e vai para o quartinho.

ELISA                —    Coitada dela. Ela só queria ser modelo.

RICK                  —    Elisa, você não precisa ser amável toda hora não, tá?! Do mesmo jeito que ela foi grosseira acabando com meus sonhos, eu fiz agora!

ELISA                —    Mas cá entre nós, Rick… Eu nunca vi coisa mais horrorosa na minha vida!

Os dois ficam ali rindo alto.

CORTA PARA:

CENA 20. LOCAL DO DESFILE. BASTIDORES. INT. DIA.

Algumas modelos já ali a espera para entrar na passarela. Ramiro e Beatriz ali com Viviane, que está nervosa.

VIVIANE            —   Rodrigo que não chega… Eu só subo nessa passarela quando ele chegar!

BEATRIZ           —    Minha filha, você não pode fazer isso!

VIVIANE            —    Não só posso como já decidi!

RAMIRO            —    Larga de ser mimada, Viviane!

BEATRIZ           —    (Indignada) Ramiro, deixa que da/

RAMIRO            —    (Corta) Dá licença, Beatriz. A conversa aqui é com a Viviane. (P/Viviane) Você passou um mês falando nisso e agora me diz que não vai subir na passarela porque o Rodrigo ainda não chegou? (Firme) Ah, faça-me o favor! Se você realmente é uma modelo profissional… Haja como uma!

Ramiro sai.

VIVIANE            —    (Ranger de dentes) Que ódio do Ramiro! Me humilhando na frente dessas inferiores!

BEATRIZ           —    Calma, filha. Depois eu converso com o Ramiro. Não deixa isso atrapalhar o seu momento de brilhar!

Fecha em Viviane furiosa.

CORTA PARA:

CENA 21. APART GABRIELA. SALA. INT. DIA.

Atenção Sonoplastia: campainha toca.

Marília vem do quarto e abre a porta. É Reinaldo de mala e cuia.

MARÍLIA            —    Seu Reinaldo?

REINALDO       —    Oi, Marília!

MARÍLIA            —    Um mês depois e o senhor resolveu finalmente aparecer?!

Fecha em Reinaldo, que sorrir. Instantes.

CORTA PARA:

CENA 22. ANGRA/ FRADE. CASA BEIRA PRAIA. SALA. INT. DIA.

Salina chega com algumas sacolas de compras, as deixa ali pelo chão e se senta no sofá.

SALINA             —    (P/si) Fazer supermercado e carregar peso é muito difícil.

Ela olha para a mesinha de centro. E debaixo e um cinzeiro há um papel. Ela pega e lê.

MARCOS          —    (OFF) Mãe, se a senhora estiver lendo esse bilhete, é porque eu decidi voltar ao bairro do Canarinho Amarelo…

CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 23. CASA ELISA. FRENTE. EXT. DIA.

Clima de tensão! Um homem vem caminhando pela calçada. Ele está vestido de calça jeans, jaqueta, boné e óculos escuros.

Atenção Edição: Narração de Marcos continua aqui.

MARCOS          —    (OFF, Cont.) Eu quero seguir minha vida aí com a senhora, mas não podia deixar de resolver algumas questões…

SALINA             —    (OFF) Sabia… (Pausa) O que você vai aprontar dessa vez, hein, Marcos?!

O homem para frente à casa de Elisa, tira os óculos. É Marcos.

MARCOS          —    (P/si) Eu voltei.

Ele sorrir. Instantes. Suspense. Tensão.

CORTA PARA:

 FIM DO TRIGÉSIMO CAPÍTULO

POSTADO POR

Ramon Silva

Ramon Silva

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo
Suporte Cyber TV
Precisa de ajuda?
Olá! Bem vindo(a) a Cyber TV.
Como podemos lhe ajudar?