Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Observatório da Escrita – 43

programa criado e dirigido por WELLYNGTON VIANNA
apresentação MARCELO DELPKIN

*

Olá, leitor(a)! o Observatório da Escrita está no ar com resenha em dose dupla. Ficou curioso(a)? Aproveite bem o programa de hoje, que está especial.

*


Custe o que Custar estreou na última segunda-feira e mostrou que não está para brincadeira. Tem novelão na área. Criada e escrita por Felipe Veiga, como bem descrito na foto que abre cada capítulo, a novela conta a história dos irmãos Caíque e Alberto Villas Boas. Qualquer semelhança com os bíblicos Caim e Abel não é mera coincidência: foi exatamente neles a inspiração de Veiga para a trama da Cyber. Jeremias está prestes a deixar sua herança nas mãos do dedicado e responsável Alberto, mas o primogênito Caíque não aceita a situação e deseja tornar-se dono de toda a fortuna, mesmo que precise se livrar do irmão. Alberto é dado como morto num acidente de carro. Mas será que morreu mesmo? Aguarde os próximos capítulos. Vamos à resenha do primeiro capítulo.

*

Inspirado nas novelas de João Emanuel Carneiro e nas séries estrangeiras, Felipe Veiga batiza cada episódio da novela. Olhe a imagem do capítulo Castelos Desmoronados ao lado da logo:

*

Nas primeiras cenas são feitas as devidas descrições, a fim de situar os leitores na trama. A função do roteiro é exatamente a de mostrar o que seria captado por uma câmera, caso o autor queira ou precise destacá-lo. Porém a língua portuguesa sofreu um pouquinho com a falta da letra maiúscula nos nomes de locais específicos e com o “e” redundante antes do etc. É que a conjunção já está presente na forma extensa da famosa abreviação latina: et cetera. Et significa “e” em latim e em francês. Aliás, acabei de me lembrar de um gato que tinha esse nome (kkkkkk) na fila da vacinação contra a raiva.

*

Se Théo Blackwell morria de amores pela empregada e “quase segunda mãe” Mirtes em Excelsior, o mesmo não se pode dizer de Caíque em relação a Lutero em Custe o que Custar. O protagonista já mostrou que não será nada agradável. Um toque: cuidado, autor, com o excesso de descrições que possam se aproximar do literário. É preferível mostrar o parentesco entre os personagens nos diálogos, deixando pouca coisa para as descrições. Assim o texto fica mais fluido.

*

Narcisista, orgulhoso, arrogante e presunçoso: todos os ingredientes para escrever um bom vilão estão presentes com força. Caíque me dá raiva só de ler uma fala dele.

*

Já imagina a reação do Caíque após a última fala do pai, não? Vai cair do cavalo rapidinho…

*

Acharam que Alberto era um anjinho? Que nada! Até tem um caso com a mulher do irmão. Se Caíque descobre os galhos na cabeça… Aqui temos Caim e Abel trocando traições.

*

Irmã de Caíque e Alberto, Suzana sonha em ser mãe; mas a agraciada de Felipe será outra. E a história vai render cenas fortes, hein?! Rola até morte! E Suzana vai comer o pão que o marido amassou. Haja sofrimento.

*

Após descobrir que mais uma das tentativas de Suzana engravidar deu errado, Felipe decide se divertir com uma garota de programa… e engravidá-la!

*

Jeremias sabe muito bem os filhos que tem e decide premiar Alberto com a herança. Assinalei algumas pontuações que faltaram no texto, como a vírgula do vocativo (chamamento).

*

Boom!!! Luciana soltou a bomba na cabeça de Felipe. Será que ele vai aceitar o filho? E se Suzana descobrir? Mistério!!!

*

Boom de novo!!! Estou imaginando o efeito de fim de capítulo na cara de orifício anal que o Caíque deve ter feito ao ouvir a revelação.

*

Custe o que Custar é um novela com todos os elementos de um folhetim: inveja, amor, traição, brigas e um pouco de humor quando possível. Caíque, o vilão, é o personagem de melhor construção na primeira semana. Ele ofusca Alberto em vários momentos. Luciana e Suzana também têm tramas fortes e marcantes, o que é um presente para qualquer dupla de atrizes. Tiffany, por sua vez, tem suas ótimas tiradas. O enredo é desenvolvido sem pressa e com bastante sutileza. Jussara e Lutero, os empregados da mansão de Jeremias, mantêm o carinho da Mirtes dos Blackwell. Pede-se atenção apenas à questão das crases e das pontuações. No resto, inclusive em relação ao formato de roteiro, parece tudo adequado. A novela promete repetir ou até superar o sucesso da atração anterior, Excelsior. Parabéns por mais este projeto que se realiza, Felipe! Gostei muito!

*


Acredite se quiser: a questão a seguir caiu no vestibular da PUC do Paraná. Apesar de a imagem não estar muito nítida, vale o riso (ou o choque).

*


Vamos à segunda resenha da noite. Não é quadro da Astrolozilda, mas o tema é o mesmo.

Os Segredos dos Signos é um enorme sucesso. Para quem não conhece, é a série antológica da Megapro que traz as aventuras de doze mulheres, uma de cada signo do zodíaco. Um dos episódios, o de Escorpião, foi escrito com a devida intensidade por May Margret (Entre Nós, Encontros e Desencontros). Famosa nos formatos poético e literário, ela estreou como roteirista. Vamos ver como ela se saiu? Seguem os destaques do episódio A Dança.

*

A história começa com o casal Nando e Luana discutindo em plena pista de dança, simplesmente por ciúmes. As instruções de roteiro começam tudo em ordem, apenas com uma vírgula que entrou distraída e de penetra na festa (rsrs). A descrição dos personagens em parênteses ajuda a caracterizá-los para os leitores, sendo tal item facultativo. Há autores que preferem omitir este detalhe e deixar para que o público monte a imagem dos personagens na cabeça. Questão de preferência.

*

Xiii, Nando! Mulheres escorpianas costumam ser rancorosas e nunca se esquecem de nenhum, nenhum mesmo, deslize. E não aceitam que apontem os erros delas. Por isso jamais cutuque alguém desse signo, se não quiser uma inimiga para toda a eternidade.

*

Atenção, autora, às vírgulas obrigatórias nos vocativos (chamamentos). Tudo bem? Outra coisa: o nome do personagem é uma homenagem ao escritor Weslley Vitoritti? Fiquei curioso.

*

Escorpianos(as) e sua profundidade de um pires abismo. Quanto mais intensos(as), melhor. Morte é o assunto favorito da turma nascida entre 23 de outubro e 21 de novembro. Vingança? Melhor ainda. E sexo, muito sexo. Além de fuçarem a conta de todo mundo nas redes sociais, só pra descobrirem os segredos mais íntimos. Tudo isso graças à influência de Marte e Plutão.

*

Lembrei de uma cena de O Leão em que Solange dança sensualmente (e bêbada) para Ivan… até que é flagrada pelo marido. A quenga em há em Solange saúda a quenga que há em Luana. Quanto à escrita, marcaria em destaque o nome da música, apenas para despertar mais atenção ao sonoplasta: pode ser em vermelho, como nas marcações que abrem as cenas, ou em itálico, negrito, qualquer coisa.

*

Nando também é de Escorpião? Se sim, teremos um casal entre tapas porradas e beijos relações sexuais por toda a vida. Nem mesmo um vulcão é tão intenso. Nando e Luana são capazes de matar um ao outro, apenas para terminarem suas vidas com emoção.

*

A marca registrada da autora: o casal se desencontra durante toda a trama, e assim a vida coloca mil e um obstáculos para que eles se proporcionem a chance de os pombinhos se unirem no amor.

*

Sim, escorpianos(as) adoram se jogar nos braços do Morfeu, o deus do sono. Isso enquanto não despejam venenos de ciúme e de recalque.

*

Orgulho fora de hora faz mal, querida! Filho é coisa séria, e o Nando tem o direito de saber que vai ser pai do seu filho. Que coisa feia, Luana! O bebê não merece sofrer por causa do seu rancor.

*

Weslley vai ser mesmo o anjo que vai unir os pombinhos. É ele a “orelha” para os desabafos de Luana e Nando. Daí pra frente, haja conselhos por todos os lados saindo da boca do melhor personagem do conto.

*

Morri com a referência a A Usurpadora, famoso dramalhão mexicano. Olha isso, Débora Costa!!!

*

Até que enfim! Luana conta a Nando sobre o filho que espera. O clima inicialmente tenso dá lugar ao amor eterno. Oooowwwwnnnnnnnn!

*

Tem como não amar as histórias de amor lotadas de encontros e desencontros e de muita música tão bem elaboradas por May Margret? O texto é bastante curto e conciso, mas o suficiente para mexer com o coração e a cabeça dos leitores, através de ingredientes simples e sem preciosismos. A trama lembra outras já escritas por May, mas quem se importa? Funciona muito bem, e é isso o que importa. Sem malabarismos nem invenções loucas. Temos aqui batata frita com bife à milanesa para se degustar ao sim de Madonna, Adele, Rihanna e outras pérolas da música internacional. Adorei mais este seu trabalho, May! Parabéns, mais uma vez!

*


O Observatório da Escrita termina por aqui. No próximo programa teremos a primeira resenha de um livro do Wattpad, já anunciado nos programas passados. Será que Anahí daria uma boa novelista?

Não perca o Backstage e o Nostalgia, ainda hoje. Até lá!

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>