Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Observatório da Escrita – 46

*

programa criado e dirigido por WELLYNGTON VIANNA
apresentação de MARCELO DELPKIN

*

Olá, querido(a) leitor(a)! O Observatório está no ar com a análise de uma nova obra aqui da Cyber. Hoje também está de volta o quadro EncicloCyber. Fique ligado(a), que o programa começa agora. Vamos em frente!

*


*

Desde que a Cyber nasceu para o mundo, em fevereiro de 2017, os vampiros têm lugar cativo na casa. Provas disso são A Dama Negra, 00:00 e a atual novela das 20h, Ilha dos Vampiros. É sobre a novela de Isa Miranda Pedro Félix, autor da emocionante Entrelinhas (2018), que vou comentar hoje. E lá vamos nós!

Na última sexta-feira (15), foi exibido o capítulo 9. Na trama, uma cientista decide fazer experiências com vampiros em uma ilha, após assistir aos filmes da saga Crepúsculo. Mas o projeto sai dos trilhos, e a população sofre com ataques dos estranhos seres. Enquanto isso, a inescrupulosa Fernanda apronta mil maldades contra o marido, Marcelo, em nome da ambição.

*

Esse misterioso homem esconde alguma coisa. O que será? Mistééééééério!
Atenção, autor, para pequenos detalhes como a vírgula no vocativo.

*

Algumas considerações sobre a cena acima. As sequências, do jeito que estão escritas, dão uma sensação de atropelamento. Compare a versão adaptada por mim com a do autor. O que você acha, leitor(a)?

Lyris coloca um cartão de memória na TV e começa a reproduzir o vídeo em que Fernanda e Eric se beijam e roubam o cofre. Marcelo assiste inconformado. Fernanda tenta disfarçar o nervosismo. Tomado pela raiva, Marcelo se vira para ela e lhe dá um tapa. Ela cai no chão. Instantes de silêncio.

Close em Fernanda, que põe a mão no rosto.

Viu a diferença? Quando escreve, o autor tem a cena perfeitamente encaixada e desenvolvida na cabeça, mas os leitores ainda não. Por isso é importante detalhar cada ação, cada detalhe, numa cena essencial como essa. Outra dica: no cabeçalho, colocaria a palavra ILHA antes da informação sobre a MANSÃO. É que a mansão faz parte da ilha, e não o contrário. Sobre a cena em si, adorei ver a vilã desmascarada por Lyris e Marcelo. Teve o que mereceu. Sequências assim sempre dão certo. Muito bom!

*

Sempre que leio “a ilha da Doutora Júlia” (linha verde), vem à mente a personagem da Ítala Nandi em Caminhos do Coração (rsrs). Não sei se a novela serviu mesmo de inspiração, mas vale a lembrança. Já no traço vermelho, acontece um grave atentado à língua portuguesa. Pronomes oblíquos fora de lugar machucam mais que os “tecos” do Avelino de Gato Preto (rsrs). A fala do policial não fica bem na forma culta literária nem no jeito de falar coloquialmente. O meio termo usado na frase não pegou bem. Seguem sugestões:

Deixaram na recepção e me mandaram entregar pra você. (coloquial, ok)
Deixaram na recepção e mandaram-me entregá-lo. (formal e literário)

Por se tratar da representação de uma fala, o jeito coloquial e “errado” é permitido num roteiro. Fica até mais natural do que a segunda sugestão. A escolha depende muito do perfil do personagem.

*

Ariana não gostou nada de saber que Gólia ficou grávida do Eric e resolveu tomar uma atitude extrema. Assim termina o curto capítulo da noite, em clima de terror.

*

A história promete aventuras de montão, a partir da premissa dos vampiros e da vilã. Exatamente o que apareceu de sobra no capítulo analisado. Ilha dos Vampiros ficará ainda mais valorizada se as descrições das cenas, principalmente daquelas mais relevantes e emocionantes, trouxerem as ideias mais encadeadas entre si, passo a passo. Aí a novela vai estourar a boca do balão e se tornar um dos maiores sucessos da Cyber TV. Vai que é tua, Pedro Félix!

A novela é exibida às segundas, quartas e sextas. Não vale perder as emoções de Ilha dos Vampiros, leitor(a)!

*


*

Você assiste à novela Éramos Seis, da Globo? Você sabe que ela surgiu de um livro muito famoso da escritora Maria José Dupré, não? Ele foi lançado em 1943 e, desde então, é um conhecido retrato de São Paulo e de seu povo. Um dos relançamentos mais famosos é o da Coleção Vaga-Lume da Editora Ática.

A saga familiar de Eleonora, a protagonista e narradora Lola, já rendeu inúmeras representações, entre elas cinco (!) versões em telenovelas. Gessy Fonseca, Cleyde Yáconis, Nicette Bruno, Irene Ravache e Glória Pires eternizaram a personagem como uma das mais amadas da história da TV. Capítulos das versões de 1977, 1994 e 2019 pipocam por toda a internet, para quem quiser assisti-los.

Assim como Éramos Seis, inúmeras outras novelas surgiram de obras literárias. Destaco algumas:

  • A Escrava Isaura: as duas versões (1976 e 2004) estão entre as novelas mais repetidas da TV. Escrita por Bernardo Guimarães na literatura; adaptada por Gilberto Braga e depois por Tiago Santiago na TV.

  • O Julgamento: se ninguém hoje ousaria adaptar uma obra do russo Fiódor Dostoiévski para a telinha, Os Irmãos Karamazov rendeu essa novela em 1976, na Tupi.

  • Tieta e Gabriela: as morenas esfuziantes nasceram no mundo da imaginação do baiano Jorge Amado, antes de ganharem as telinhas em 1989 e em 1975, respectivamente. Amado também inspirou outras novelas, como Porto dos Milagres e Terras do Sem Fim.

  • Apocalipse: a Record tem se servido de inúmeras histórias da Bíblia Cristã, como a saga do anticristo exibida em 2017.

  • Os Dez Mandamentos: também retirado da Bíblia, é considerado um dos maiores fenômenos da história da teledramaturgia da Record.

  • O Homem Proibido: publicada nos anos 1950 por Nelson Rodrigues, sob o pseudônimo de Suzana Flag, a novela foi motivo de polêmica com a Censura vigente em 1982. Para aumentar o tititi, o ator principal era David Cardoso, figura presente em filmes de pornochanchada. Mas tudo se acalmou quando o novelista Teixeira Filho transformou a novela num simples e inofensivo folhetim.

  • Salomé: Patrícia Pillar deu vida à moderníssima personagem dos anos 1930, retirada de uma obra de Menotti del Picchia. A novela é de 1991.

  • Fera Ferida: foi inspirada em diversas obras do pré-modernista Lima Barreto.

  • Sinhá Moça: Benedito Ruy Barbosa escreveu duas versões da história de Maria Dezonne Pacheco Fernandes lançada em 1950. Lucélia Santos e Débora Falabella interpretaram a personagem-título na TV.

  • Essas Mulheres: Marcílio Moraes se inspirou em três histórias de José de Alencar para criar esta linda novela de 2005 – Diva, Lucíola e Senhora. Esta última já havia gerado outras duas novelas: O Preço de um Homem (1971) e Senhora (1975), versão mais conhecida e protagonizada por Norma Blum.

  • As Três Marias: Glória Pires, Maitê Proença e Nádia Lippi representaram as famosas personagens criadas por Rachel de Queiroz. Apesar de o livro ter sido lançado em 1939, a novela se passava na atualidade em que foi produzida, ou seja, em 1980.

  • Ciranda de Pedra: Teixeira Filho fez a primeira adaptação do livro de Lygia Fagundes Telles em 1981. Quase 30 anos depois, foi a vez de Alcides Nogueira repetir a dose. A primeira versão usou um tom mais trágico e silencioso, sem deixar a beleza de lado; a segunda apelou para um clima mais ameno e nostálgico.

Conhece outra novela que tenha sido adaptada de livro? Deixe sua mensagem no campo de comentários, no fim do programa. Espero sua participação.

*


Bem, é isso. O Observatório fica por aqui, mas daqui a pouco tem o Backstage. Aguardo você!

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>