Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Observatório da Escrita – 72

novela de LUIZ LISBOA
segundas, quartas e sextas às 18h

 

Boa noite, querido(a) leitor(a)! O Observatório da Escrita está de volta após um hiatus por motivo de saúde. Graças a Deus, já estou bem melhor e pronto para voltar às atividades aqui na Cyber.

 


Nas noites de quinta para sexta-feira, a DNA TV apresenta uma das atrações mais assustadoras do Mundo Virtual, a Sessão Fantasma. Contos de autores diversos já passaram pelo programa, e um deles foi escolhido para reabrir o Observatório.

A Canção de Lilith, escrita por Marcos Vinicius (O Assassino dos Meus Sonhos, Incontro a Venezia) conta a história de três caçadores de capirotos: Wendy, Adam e Reich. A história se inicia quando os dois primeiros tentam sem sucesso livrar uma mulher de ser morta por um dos demônios do “reino” de Lilith, a nova rainha dos infernos. Pelo menos eles conseguem abater o assassino. Tudo isso num ambiente macabro e lotado de frascos com pedaços de corpos humanos.

Em seguida, a personagem-título é apresentada sentada no trono e cercada de dois comparsas a levarem o cajado roubado de Lúcifer, o rei deposto. Enquanto isso, o trio de caçadores se desfaziam do demônio anterior e logo encaravam um ainda mais forte. A luta ocorreu, mas o vilão conseguiu escapar, em forma de fumaça, pela boca do hospedeiro, já morto. Lilith ordenou que os capirotos seguidores tomassem a Terra, ressuscitando-os lentamente através de uma intensa canção ao violino. Wendy, Adam e Reich foram dominados pelo fenômeno de sombras e de fumaça provocado por Lilith. Estavam reféns dela. Até que Reich a preveniu de que o verdadeiro rei pode estar pra voltar. E assim terminou a história, em aberto.

A descrição minuciosa dos dois ambientes principais — a mansão da primeira cena e o inferno — dão todo um toque de terror, até mesmo de ânsia. Os personagens principais são apresentados aos poucos. Primeiro, as vozes; depois os nomes e as características físicas e de personalidade. Os vilões são mostrados com mais rapidez e riqueza de informações. O texto prende o leitor, e a narrativa é agradável, embora dê a sensação de que tudo aconteça rápido demais. Com isso, o elemento principal do título, a canção, está espremida em meio a um parágrafo; poderia ter tido mais destaque, uma descrição maior. Um pouco de “freio”, e a trama ficaria no ponto certo. Questões de pontuação e de ortografia também existem, mas nada que comprometa a transmissão da mensagem. De todo modo, uma ótima história para sua diversão… ou terror.

Clique aqui para ler o conto de Marcos Vinicius.

No próximo programa, teremos uma novela no Resenha e também um pouco sobre pontuação de diálogos em narrativas no Escrevendo.

 


No próximo domingo, o Cyber Backstage está de volta, logo após o Observatório da Escrita. Tenha uma ótima semana de muita leitura! Até lá!

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Marcelo Delpkin

Marcelo Delpkin

Estreia dia 19 de Outubro

Estreia dia 20 de Outubro

>