Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Para Todo o Sempre – Capítulo 19

CENA 1. CASTELO. ESCRITÓRIO DO REI. DIA

Continuação imediata da cena do capítulo anterior, com Armando declarando guerra a metade da Europa.

O mensageiro se assusta e resolve “aconselhar” o rei, mesmo com muita cautela.

MENSAGEIRO – Er… Vossa Majestade não acha mais prudente conversar com mais alguém antes de tomar uma decisão tão importante?

ARMANDO – Eu sou o rei soberano de Veseli. Não preciso do conselho de ninguém. Muito menos de um mensageiro como você. Agora vai fazer o que eu ordenei!

 

CENA 2. CONSELHO DOS ANCIÃOS. INT. DIA

O mensageiro resolveu desobedecer a ordem de Armando. Ele foi direto ao Conselho contar os planos do rei. Leopoldo ficou estarrecido.

LEOPOLDO – Armando está completamente louco! Como ele declara guerra à Inglaterra e metade da Europa de uma só vez? Vamos ser aniquilados.

MENSAGEIRO – Estou descumprindo ordens diretas do rei. Mas me senti no dever de informar os senhores sobre o que está acontecendo. Só espero não perder a cabeça na guilhotina.

LEOPOLDO – Fique despreocupado, mensageiro. Você fez um bem e serviu à nação veselina com a sua insubordinação. Vamos tomar as providências cabíveis.

 

CENA 3. CASA DE RAMIRO. DIA

Ramiro e Maria continuavam trocando carícias. Carícias cada vez mais intensas. As roupas iam caindo uma a uma. A notícia que Maria ouvira antes, de que Alexandre era filho de Alice, aumentara vertiginosamente sua libido. Ramiro estava gostando daquele jeito de Maria. Nunca a vira com tanto apetite. Mas algo os interrompe, naquele momento momento alguém bate à porta.

MARIA – Ai meu Deus! (gritando) Quem é?

LUIZ – Padre Luiz!

MARIA – Virgem Santíssima! O que faremos?

 

CENA 4. CONSELHO DOS ANCIÃOS. DIA

Príncipe Rogério chega para conversar com os conselheiros.

ROGÉRIO – É de impressionar que Armando não mandou trancar esse Conselho.

LEOPOLDO – Ele não é louco de fazer isso.

ROGÉRIO – Ah ele é sim. Expulsou todos os moradores do castelo. Trancou a princesa e o rei de Veseli nas masmorras. Ele é capaz de tudo.

LEOPOLDO – Resistiremos até o fim contra esse tirano. E é por isso que chamamos Vossa Alteza para conversarmos.

ROGÉRIO – Estou à disposição.

LEOPOLDO – Ficamos sabendo que está montando uma liga com os camponeses para derrubar Armando do poder.

ROGÉRIO – As notícias correm por aqui, não é?

LEPOLDO – Meu caro, Veseli é considerada a capital da fofoca na Europa. O fato é que essa liga tem que ficar o mais camuflada possível.

ROGÉRIO – Estou de pleno acordo. Mas os senhores, aristocráticos que são, irão lutar com armas contra o tirano de Veseli?

LEOPOLDO – Iremos dar apoio institucional à sua causa, príncipe.

ROGÉRIO – Foi o que eu imaginei.

LEOPOLDO – Tem mais uma coisa que precisa saber que é fundamental para montarmos nossa estratégia: Armando quer declarar guerra a metade da Europa.

ROGÉRIO – O quê? Ele não está pensando em declarar guerra contra a…

LEOPOLDO – Inglaterra? Exatamente.

ROGÉRIO – Ele é louco mesmo. Ele não tem conhecimento do poder da marinha inglesa?

LEOPOLDO – Obviamente não. Aquele tirano não sabe nem quantos vestidos a sua esposa tem.

ROGÉRIO – Ah mas isso é quase impossível saber. Quantos vestidos tem uma mulher? Nem o mais sábio dos homens sabe.

LEOPOLDO – Isso aqui não é brincadeira, príncipe.

ROGÉRIO – Desculpe-me. (baixinho) É isso que dá ter um monte de velhos dirigindo um Conselho. Não sabe nem brincar.

LEOPOLDO – O que disse?

ROGÉRIO – Nada de interessante. O que importa é que nosso exército é imbatível por terra. Se juntar com o poderio da marinha inglesa com certeza venceremos fácil. Vou falar com mamãe.

LEOPOLDO – Muito bem. Estamos acertados então. (eles apertam as mãos)

ROGÉRIO – Agora me dê licença que tenho uma donzela para salvar das forças do mal… brincadeira, oras. Não me leve tão a sério!

 

CENA 5. CASTELO. MASMORRAS. DIA

Desde que o príncipe Rogério foi expulso do castelo, Daniela e Augusto comeram apenas mais uma vez. Eles estavam visivelmente mais magros e abatidos.

AUGUSTO – Aquele príncipe só alimentou falsas esperanças em nós.

DANIELA – Não me fale de alimentação. Me dá mais fome.

AUGUSTO – Será que ninguém virá aqui para nos resgatar? Quando a sanidade voltará a pairar na cabeça de Armando?

DANIELA – Não se pode voltar algo que nunca se teve, pai. Armando nunca nos tirará daqui.

Neste momento, um corvo irrompe o corredor de celas da masmorra.

DANIELA – Mas o que…

A princesa percebe que o pássaro traz um pedaço de papel no bico.

AUGUSTO – Como esse corvo entrou aqui? Corvos geralmente não trazem boas notícias.

O corvo pousa nas grades da cela dos monarcas.

AUGUSTO – Ele tem um papel no bico? Eu já ouvi falar de pombo-correio, mas corvo é a primeira vez.

Daniela retira o papel do bico do pássaro, que lhe dá uma bicada. No bilhete, a já conhecida caligrafia de Rogério.

DANIELA – “Olá para a princesa mais linda de Veseli…”, como se houvesse outra, “estou enviando esse bilhete por um corvo-correio – um pombo seria muito óbvio – para avisar a Vossa Alteza e Vossa Majestade que o príncipe mais corajoso da Europa Ocidental, o descendente mais legítimo dos bravos cavaleiros medievais irá resgatar os senhores dessa prisão horrível, que definitivamente não é um lugar adequado para a donzela mais linda do reino de Veseli. Fiquem atentos que príncipe Rogério, o maioral, irá acabar com todas as suas angústias”. É um babaca mesmo.

AUGUSTO – Não podemos negar que ele escreve muito bem. Poderia até escrever um romance.

DANIELA – Mas o que importa é que sairemos daqui esta noite. Graças a Deus.

AUGUSTO – Vamos rezar para que tudo corra bem.

Foco nas expressões apreensivas dos dois.

POSTADO POR

Gustavo Lopes

Gustavo Lopes

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo