Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

PEDRA DE TROPEÇO – CAPÍTULO 10

UMA NOVELA DE:

                     SAMUEL BRITO

PARTICIPAM DESSE CAPÍTULO:

                      TIFFANY

                      MARIANA

                      INÁCIO

                      MARIA

                      JOHN

                      GUIDO

                      ALAÍDE

                      PEPEU

                      ANDRELICE

                      RITINHA

                      PLÍNIO

                      ANINHA

                      ARTHUR

                    

               CAPÍTULO 10

CENA 1. EXT. HOTEL. MEIO-DIA.

Mariana e Tiffany observam Inácio brincando com John. 

                 MARIANA

             Parecem pai e filho, né?

                   TIFFANY

             Oh fia, é impressão minha ou tu quer roubar meu filho de mim?

CLOSE em Mariana espantada.

CONTINUAÇÃO DIRETA DO CAPÍTULO ANTERIOR:

Mariana a encara.

                   MARIANA

             Mas que lorota é essa? Tu acha, fia?

Tiffany a toca levemente.

                   TIFFANY

             Eu posso estar errada, mas é o que sinto.

                    MARIANA (Desconversando)

            Vou lá em mainha, vem comigo?

Tiffany acena para John, que se aproxima.

                   TIFFANY

             Filho, vamos na casa de sua vó.

John encara Tiffany.

                    JOHN

             Mas estou brincando com o tio.

                   TIFFANY

             Eu sei, mas vamos pra casa de sua avó. Bora!

John se emburra. Mariana encara Tiffany.

                   MARIANA

       Deixa ele brincar mais um pouquinho, fia. (TEMPO/ John sorri para Mariana) Depois Inácio leva ele, não tem nada pra ele fazer aqui mesmo. (TEMPO/ Ela arregala os olhos) Ixe! Tem sim! hoje tem aula!

                   TIFFANY

             Nossa! É verdade, venha, filho, vá tomar banho e depois vamos comer algo na casa de sua vó.

Tiffany puxa John pelo braço. Mariana e Inácio se entreolham, envergonhados.

CENA 2. INT. CASA DE PAIXÃO. SALA. MEIO-DIA.

Batidas na porta. Maria se aproxima rapidamente e abre, deparando-se com Arthur.

                   MARIA

             Achei que era Paixão. Entra, fio.

                   ARTHUR

             Não! Não posso! Quero apenas falar com sua filha. Ela está aqui?

                   MARIA

           A Terezinha?

                   ARTHUR

             A que veio dos estrangeiro.

                   MARIA

             Pois ela tá no hotel, mas antes de ir lá, dá um pulinho na roça de Zé Brandão pra mim, ver se Paixão tá lá.

                   ARTHUR

             Oh! Dona Maria, mas é tão longe.

                   MARIA

             Eu ia pedir pra Inácio, mas como ele tá no trabalho, faz esse favor pra mim.

Arthur coça a cabeça.

                   ARTHUR

             Tá bom! Se a senhora ver a sua filha peça pra ela esperar eu voltar, preciso falar com ela.

Maria balança a cabeça. Arthur se afasta.

CENA 3. INT. MANSÃO DO PREFEITO. SALA DE JANTAR. MEIO-DIA.

Alaíde olha para Andrelice.

                   ALAÍDE

             Cadê, Arthurzinho? Tu deve saber!

                   ANDRELICE

             Eu não sei, mainha. Ele deve tá na casa daquele esquisito, sei lá.

                   ALAÍDE

         Isso tudo é culpa de Pepeu, não colocou cabresto nele.

Pepeu a encara.

                   PEPEU

             Como se tu deixasse eu pôr o cabresto.

Alaíde franze a sobrancelha para Pepeu, que se intimida.

                   ALAÍDE

             Você está me desmentindo, Pepeu Agustino de Silvera Pinto?

Pepeu a observa temeroso.

                   PEPEU

             Jamais, minha rainha. Olha! A culpa foi toda minha, eu admito.

                   ALAÍDE

              Acho bom! (TEMPO/ Ela olha para Andrelice) E tu, Andrelice, já tá na hora de arranjar um macho, um homem de posses, né? Nem venha me apresentar um pé-rapado desses de Mutuípe que eu morro.

                   ANDRELICE

              Pois eu, mainha, só vou casar com um homem dos estrangeiros igual essa talzinha que chegou.

Alaíde revira os olhos.

                   ALAÍDE

              Nem me fale dessa quenga! Seu pai disse que ia expulsar ela da cidade e até agora não se pronunciou.

Pepeu encara Alaíde.

                   PEPEU

            Eu disse que vou tentar, Íde. 

                   ALAÍDE

            Pois eu só entro numa guerra para vencer, e se tu não escorraçar essa petulante para bem longe daqui eu nem sei do que sou capaz.

Alaíde se levanta, furiosa. Pepeu coça a cabeça, preocupado.

                   PEPEU (Olhando para Andrelice)

           Seu painho tá lascado!

Andrelice balança a cabeça.

CENA 4. INT. CASA DE PAIXÃO. SALA. TARDE.

Mariana encara Maria. 

                   MARIANA

            Eu tenho medo, mainha, painho não é de sair assim, sem mais, nem menos.

Tiffany sorri. Maria a encara.

                   MARIA

            Do que tu tá rindo? Não tá vendo que estamos preocupadas?

                   TIFFANY

             Desculpa! Desculpa mesmo, mas eu me recuso á acreditar nisso. Pronto! Duvido que algo se passe com Paixão, vocês estão se preocupando à toa. 

Mariana a observa, séria.

                   MARIANA

             Você está se mostrando uma pessoa muito baixa, fia. Tu é boa, tu não é ruim não, para com isso.

Tiffany se cala. John olha para as paredes, entediado. Mariana o observa.

                   MARIANA

              Eu vou levar ele pra escola. Bora, sobrinho?

John sorri. Tiffany encara ela.

                   TIFFANY

               Epa! Quem deve levar ele na escola, sou eu, afinal eu sou a mãe dele. Outro dia tu leva.

Maria encara Tiffany. 

                   MARIA

               Tu fica, Terezinha. Eu quero falar contigo à sós mesmo.

Tiffany franze a sobrancelha, curiosa. Mariana observa-a.

                   MARIANA

               Posso, fia? 

Tiffany balança a cabeça. John e Mariana iam se afastando, Tiffany força uma tosse. Todos olham para ela.

                   TIFFANY

              Cadê meu beijinho, filho?

John se aproxima, beija sua bochecha e sai de mãos dadas com Mariana. Maria observa Tiffany.

                   MARIA

               Eu tô escondendo algo de tu, fia. Acho que é a hora de te contar a verdade.

Tiffany a observa, curiosa.

CENA 5. EXT. ESCOLA. TARDE.

Ritinha escorada na porta observa Plínio e Aninha se aproximando. 

                   RITINHA

              Seja bem-vinda, Aninha.

Aninha a saúda e entra. Plínio encara Ritinha.

                   PLÍNIO

              Parabéns, Ritinha.

Ritinha sorri para ele.

                 RITINHA

              Muito obrigada, querido.

Mariana e John se aproximam. Ritinha boquiaberta os encara.

                   MARIANA (Sorrindo)

              Oi, oi, oi, vim deixar meu sobrinho com tu, Ritinha. Cuida bem do meu menino.

John saúda Ritinha. 

                   PLÍNIO

               Acho que já vou indo.

Ritinha encara Plínio.

                   RITINHA

               Faz um favor pra mim, vá na casa do prefeito, peça pra primeira dama vim aqui, fazendo o favor. Diga que é pra resolver a matrícula do menininho aqui.

Plínio balança a cabeça e se afasta. Mariana observa Ritinha.

                   MARIANA

               Eu tinha muita vontade de ser professorinha também, sabe, mas daí não aprendi nem ler direito, desisti.

                   RITINHA

              Se me dá licença, vou cumprir minhas obrigações.

Ritinha entra.

CENA 6. INT. CASA DE PAIXÃO. SALA. TARDE.

Maria olha para os lados, desconfiada.

                    MARIA

              Com tantas prosas variadas, eu acabei não te contando algo, pois sabe?

                   TIFFANY

              E o que é? Pode falar!

Maria olha para os lados, desconfiada.

                   MARIA

              Tu tá toda enciumada com Marianinha que eu sei.

                   TIFFANY

              Não é ciúme, mas ela passa mais tempo com o John do que eu, eu sou a mãe dele, ela quer tomar esse espaço.

                   MARIA

              Tu tem algo que ela não tem, Terezinha.

                   TIFFANY

              Que justificativa é essa, mainha?

                   MARIA

              Terezinha não pode ter filho, é estéril.

Tiffany arregala os olhos, surpresa.

                                 CORTA PARA:

CENA 7. INT. MANSÃO DO PREFEITO. SALA. TARDE.

Batidas na porta. Alaíde deitada no sofá olha para Andrelice, lixando as unhas.

                      ALAÍDE

            Oh Andrelice, tu não vai atender a porta não?

                 ANDRELICE

            Quando eu falo que é bom ter uma empregada, ninguém me ouve.

                  ALAÍDE

            Empregada pra quê? Pra fuxicar com nosso nome por aí? Ah! vá logo abrir essa porta e se for pra mim, diga que estou indisposta.

Andrelice se levanta e abre a porta. Plínio ao vê-la sorri. Andrelice o observa.

                     ANDRELICE

                O que tu quer?

                      PLÍNIO (Gaguejando/Nervoso

              Ca-cadê a sua mãe?

Andrelice revira os olhos.

                      ANDRELICE

              Entra! Acho que mainha vai querer te ver mesmo.

Plínio entra. Alaíde ao vê-lo, se levanta imediatamente.

                      ALAÍDE

              Cadê o safado do Arthurzinho, hein?

                      PLÍNIO

              Oras, não sei. Não vi ele hoje.

                      ALAÍDE

              Tu tá acobertando ele, não, tá? Diga que tá, Plínio, se não eu vou pensar que sequestraram meu filho pra pedir fiança. Ai, minha nossa senhora!

                      ANDRELICE

              Mainha fala como se Arthur fosse um bebê, era só o que faltava.

                      PLÍNIO

              Eu mesmo não sei onde ele tá.

                      ALAÍDE

              E o que tu veio fazer aqui, então, Plínio? Só mentir?

                      PLÍNIO

               Ritinha pediu pra mim vim aqui te pedir pra ir lá.

                      ALAÍDE

               Manda aquela balofa procurar o que fazer, eu é que não vou lá. 

                      PLÍNIO

                 Ela tá querendo que a senhora resolva a matrícula do filho da tal de Tiffany.

Alaíde o encara.

                      ALAÍDE

               O filho de quem?

                      PLÍNIO

               Marianinha levou ele lá na escola.

                      ALAÍDE

               Agora essa zinha me paga bonito.

Alaíde gargalha. Plínio e Andrelice se entreolham, temendo.

CENA 8. INT. FAZENDA ZÉ BRANDÃO. TARDE.

Sol raiando. Arthur força a visão olhando para os lados buscando algo, até que de repente ver algo. A CAM se distancia. Ouve-se um grito.

COTINUA…

POSTADO POR

Samuel Brito

Samuel Brito

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo