Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

PEDRA DE TROPEÇO – CAPÍTULO 4

                  UMA NOVELA DE:

                     SAMUEL BRITO

                  PARTICIPAM DESSE CAPÍTULO:

                      TIFFANY

                      INÁCIO

                      MARIANA

                      PAIXÃO

                      MARIA

                      ALAÍDE

                      PEPEU

                      ARTHUR

                      RITINHA

                      ANDRELICE

                      PLÍNIO

       

                     CAPÍTULO 4

CENA 1. EXT. CASA DE PAIXÃO. MEIO-DIA.

Paixão dorme numa rede. Tiffany se aproxima.  

                  TIFFANY

          Achei que o senhor já tinha morrido, painho.

CLOSE em Paixão, desacreditado.

CONTINUAÇÃO DIRETA DO CAPÍTULO ANTERIOR:

Paixão se levanta da rede, emocionado.

                  PAIXÃO (Gritando/Entusiasmado)

          Oh Mariazinha, venha ver.

                  (O.S DE MARIA)

          É o que é, Paixão?

Maria põe a cabeça na janela. Tiffany sorri, emocionada. Maria põe a mão na cabeça.

                  MARIA (Desacreditada)

          Fia é você, fia? 

Maria chora. Tiffany olha para John.

                  TIFFANY

        Essa é sua voinha e aquele lá é seu avô, que você tanto quis conhecer.

                  JOHN (Entusiasmado)

        Ele é meu avô. Eu tenho dois vô igual o Jack.

Maria se aproxima. Tiffany corre. Ambas se abraçam, emocionadas. Paixão ao vê-las chora.

                  MARIA

          Ai meu Deus! (TEMPO/Ela afasta Tiffany e a observa) Como tá linda, meu Deus. Oh fia!

Tiffany beija a bochecha dela. John as observa, confuso. Maria olha para ele e põe a mão na boca.

                  MARIA

          Não me diga que é seu?

Tiffany acena.

                  MARIA

    Dá um abraço na sua vó, meu fi. Oh modeuso! 

John a olha de cima em baixo. 

                  JOHN

          Mas ela já lavou as mãos?

Tiffany franze as sobrancelhas.

                  TIFFANY

          É um costume que o pai dele pôs na mente dele.

                  MARIA

      Tudo bem fia. Depois ele se acostuma, né, meu fi?

John permanece calado. Tiffany acaricia o rosto de Maria. Paixão na porta da casa olha para eles.

                  PAIXÃO

          Vamos entrando. Vamos entrando! 

                   MARIA

          É fia. Venha! Vou coar um cafezinho pra gente. (TEMPO/ Maria caminhando, sorrindo) Ai, que felicidade, meu Deus.

Maria entra. Tiffany olha para John.

              TIFFANY (Sussurrando)

    Seja educado com a sua vó, hein, mocinho.

John revira os olhos.

              TIFFANY (Furiosa)

   E não revira os olhos pra mim que eu te dou uma chinelada aqui mesmo.

              (O.S. DE MARIA)

          Vem, fia. Vem!

Tiffany pega na mão de John. Ambos entram.

                              CORTA PARA:

CENA 2. INT. CASA DE PAIXÃO. SALA. TARDE.

Tiffany olha para os lados, intimidada. Maria a observa.

                  MARIA

          Fique à vontade, fia. A Marianinha vai ficar besta quando te ver, ela sempre fala d´ocê.

                  TIFFANY

          E ela ainda lembra de mim? Era tão novinha! Deve tá tão linda. Onde está ela?

Ambas riem. 

                   MARIA

  Já era pra tá aqui, a gente ia fazer crochê. (TEMPO/ Ela olha pela janela) E não é que ela tá vindo ali. 

Tiffany se levanta. Mariana entra.

                MARIANA 

      Que calor é esse, gente? (TEMPO/Ela encara Tiffany) Quem é, mainha?

Tiffany sorri.

                TIFFANY

        Mainha disse que tu lembrava de mim, nega.

Mariana põe a mão na boca, surpresa.

                MARIANA

        Terezinha?

Maria acena, chorando. Tiffany a abraça.

               MARIANA

  Oh minha irmã tô toda peguenta.

               TIFFANY

         Quê isso?! Tá linda! Ah! senti tanta falta, minha irmã.

Tiffany olha para John.

                TIFFANY (Franzindo a sobrancelha)

         Vem dar bença pra sua tia. Vem!

John insonso se aproxima e abraça Mariana. Maria observa, sorrindo.

                MARIA

          A tia toda peguenta ele abraça e eu nem tchum.

Ambas riem. Paixão olha para Tiffany.

               PAIXÃO

          Cê pode vim aqui um instante?

Tiffany receosa, soa frio. Mariana olha para John.

               MARIANA

          Cê gosta de chocolate?

John acena.

              MARIANA

          Tu quer um bocadinho?

John olha para Tiffany, temeroso. 

              TIFFANY

          Se você quer, pode comer.

                 MARIANA

          Oh fia, então eu vou lá em casa, tá bom? É aqui pertinho, já volto!

                 TIFFANY 

          Tá bom, nega. 

Mariana encara John.

                  MARIANA

          Quer vim com a tia? (TEMPO/ John olha para Tiffany) Deixa ele vim, fia, é pertinho. Ah, o meu marido vai amar conhecer esse menino, ele ama criança.

                  TIFFANY

          Marido? Ah! depois a gente precisa conversar sobre essa história, minha irmã. Leva ele, pode levar. (TEMPO/ Ela olha para John) Se comporte, hein, mocinho?! 

Ambas riem. John receoso segue Mariana. Tiffany se aproxima de Paixão, calada. Maria os observa com um sorriso contido.

      CORTA PARA:

INT. CASA DE PAIXÃO. QUARTO. TARDE.

Paixão encosta a porta. 

                  PAIXÃO

          Aqui vai ser melhor de prosear.

Paixão se ajoelha. Tiffany ri.

                  TIFFANY

          Um homem velho desse se prestando á isso. Pode se levantar, painho, nem seu choro, nem suas palavras de arrependimento vai mudar nada.

                  PAIXÃO (Chorando)

          Oh Terezinha, eu fiz uma promessa pra nossa senhora do Mutuípe pra que ela deixasse eu viver até te reencontrar. E tu veio. Deve ser um sinal, fia. Perdoe seu véi, pelo amor de Nossa Senhora.

Tiffany o encara, chorando.

                 TIFFANY (Chorando)

  É fácil vim e pedir perdão por toda uma desgraça, mas o que o senhor fez foi imperdoável, mudou o rumo da minha vida completamente e nem nossa senhora vai mudar isso.

                 PAIXÃO

          Eu fui rude contigo, eu sei, mas a sua irmã estava desidratada em cima de uma cama, Terezinha. Se ela morresse de fome, eu não suportaria.

                TIFFANY

        Para de me chamar de Terezinha, meu nome agora é Tiffany. Ti-ffa-ny! E jamais chegaremos num consenso. Não adianta!

                PAIXÃO

          Oh fia. Eu não queria ter feito aquilo, foi o destino, fia. (TEMPO/ Ele chora) Se fosse hoje eu não teria feito aquilo, mas eu pensei que seria melhor à ocê, fia, querendo ou não, Manuel Tropeiro era rico.

               TIFFANY

  Num sentido, o senhor está certo, painho. De fome eu não morri, mas a tristeza, o nojo que eu sentia todas as noites. Ah, painho. Acho que se eu morresse de fome seria mais feliz do que suportar aquele caquético.

Gritaria. Tiffany olha para Paixão.

               TIFFANY (Confusa)

         Que furdunço é esse?

Tiffany abre a porta.

                               CORTA PARA:

INT. CASA DE PAIXÃO. SALA. TARDE.

Tiffany se aproxima. Alaíde (45 anos, cabelo preto, de coque, branca) põe o dedo na cara de Maria.

                  ALAÍDE 

         É veaca sim. Uma bela de uma veaca.

Tiffany olha para Maria.

                  TIFFANY

         O que tá acontecendo aqui?

                  ALAÍDE

         E quem é tu?

                  MARIA 

         É que eu fiquei devendo uma alfazema que eu comprei, mas eu já disse que Paixão vai trabalhar essa semana e vai pagar.

                 ALAÍDE

    Já faz mais de dois meses que tu me deve, muié. Tem vergonha na cara não?

Tiffany encara Alaíde.

                TIFFANY

         E quanto é?

                MARIA

         Não, fia. Não precisa não! Seu painho vai dar um jeito.

Alaíde observa Tiffany de cima em baixo.

               ALAÍDE

       Ainda bem que cê perguntou. Ela deve dez cruzeiros.

Tiffany tira uma quantia da bolsa e entrega para Alaíde, que observa perplexa.

               ALAÍDE

         Pronto, Maria. Sua dívida está quitada. Mas quem é tu? Tu tem uma cara conhecida, parece a chica do véi quinca.

Tiffany encara Alaíde.

              TIFFANY

         Agora suma daqui! 

Alaíde põe o dinheiro no sutiã e sorri para Maria.

               ALAÍDE

      Até mais, Maria. (TEMPO/ Ela olha para Tiffany) Já tem novos perfumes lá em casa e se você quiser dar uma olhada, como é seu nome mesmo?

               TIFFANY

         Pelo visto a senhora é muito futriqueira, agora que já não deve nada pra ela, mainha, escorrace essa mulher daqui.

                ALAÍDE

         Eu já vou indo. Até mais!

Alaíde se afasta. Maria põe a mão na boca.

                MARIA

         Fia, cê sabe com quem tu acaba de falar?

              TIFFANY

         Não sei, mas a senhora não pode deixar ninguém te tratar assim não, mainha. A mulher tava quase te batendo já. Eu voava nela se isso acontecesse.

               MARIA

         Essa é a primeira dama, fia. É rica!

               TIFFANY

  Que mulher canguinha miserável. Rica e cobrando uma porcaria de uma alfazema, tem nem vergonha.

               MARIA

         Oh fia, tu não muda. Tem o jeitinho do seu pai.

Tiffany desconcertada olha para a janela.

               TIFFANY

         Marianinha vem ali. (TEMPO/Ela sorri) O John todo lambuzado, meu Deus. 

Maria encara Tiffany.

                 MARIA

    E onde está o pai dele?

Mariana entra. John se aproxima de Tiffany.

               JOHN

    Posso dormir na casa da tia hoje? Ela tem um passarinho que fala. 

Tiffany encara Mariana.

                 TIFFANY

         Que diacho você fez com esse menino?

Mariana sorri. John encara Tiffany.

                 JOHN

         Deixa, mom. Deixa!

                TIFFANY

         Não, menino. A gente acabou de chegar e você precisa arrumar suas roupas, esqueceu?

Mariana olha para John.

                MARIANA

         Amanhã ou depois você vai, tá bom?

John se emburra. Paixão olha para John.

               PAIXÃO

         E então, rapazinho? Tá gostando?

John acena, emburrado.

               TIFFANY

         Enfim, acho que preciso ir.

Maria a encara, confusa.

               MARIA

         Tu vai pra onde? Achei que cê ia ficar com a gente.

               TIFFANY

         Eu vou ficar no hotel. Já deixei minhas malas lá e já me agendei.

                MARIANA

         Aaah! O Inácio trabalha lá.

                TIFFANY

         Enfim, família, vamos ter muito tempo para conversar ainda, mas eu realmente preciso descansar. A viagem foi muito cansativa!

               MARIA

         Sua mãe não gostou muito dessa idéia não, mas já que é assim vem tomar café comigo amanhã, vou preparar um bolo de aipim do jeito que cê gosta.

Tiffany abraça Maria.

               TIFFANY

         Ah, mainha! Te amo tanto. (TEMPO/ Ela olha para Mariana sorrindo) Marianinha, meu amor, depois pomos o papo em dia.

Tiffany pega John pelo braço e sai. Mariana olha, sorrindo.

                MARIANA 

         Que surpresa, né? A bicha tá podendo!

Maria encara Paixão.

               MARIA

         E então, homem? conseguiu o perdão de Terezinha?

Paixão cabisbaixo balança a cabeça, negando. Maria o observa.

CENA 3. INT. HOTEL. RECEPÇÃO. TARDE.

Inácio bocejando organiza as chaves no tabuleiro. Tiffany entra com John nos braços. Ambos se entreolham.

                 TIFFANY

         Voltei, querido. Onde é o meu quarto?

                  INÁCIO

        E o rapazinho?

                 TIFFANY

         Tava cochilando, tive que pegá-lo no colo.

                INÁCIO

         Se a senhora deixar, eu levo-o até o quarto. Nas escadas pesam muito. 

Tiffany acena. Inácio se aproxima e o pega.

                TIFFANY

         Me chame de Tiffany.

                INÁCIO

         Nome diferente, nunca conheci ninguém com esse nome. 

                TIFFANY

         Sou única, darling.

                INÁCIO (Confuso)

       Dar, o quê?

                TIFFANY

         Vamos logo.

Tiffany sorri. Ambos sobem as escadas.

                         CORTA PARA:

CENA 4. INT. QUARTO DE TIFFANY. TARDE.

Tiffany observa o lugar. Inácio põe John no sofá.

                TIFFANY

         Obrigada, querido. 

Tiffany abre a bolsa. Inácio observa.

                TIFFANY

     Oh, Darling, não tenho mais moedas. A gorjeta fica para outro dia.

                 INÁCIO (Confuso)

  A senhora me chamou de quê?

                 TIFFANY

         Darling. Querido, em inglês.

Inácio confuso se afasta. Tiffany se aproxima e o observa descendo as escadas.

                 TIFFANY (Pensando)

         Ah, Mutuípe, a população está bem mais apresentável.

Tiffany sorri.

CENA 5. INT. MANSÃO DO PREFEITO. SALA DE ESTAR. TARDE.

Ritinha (Cabelo preto, parda, razoavelmente obesa, 21 anos) observa Andrelice (Cabelo castanho, branca, 19 anos) tomando café.

                 RITINHA

        A primeira-dama está demorando, né?

Andrelice esnoba Ritinha. Alaíde entra. Ritinha entusiasmada se aproxima.

                 RITINHA

         Boa tarde, primeira dama.

                 ALAÍDE

         Ah você tá aí.

Alaíde olha para Andrelice.

                 ALAÍDE

         Vá se ajeitar para o jantar. Preciso conversar com a coisinha aqui.

Andrelice se levanta e se afasta. Alaíde senta no sofá.

                 ALAÍDE

         Você quer ser professora é?

Ritinha acena, empolgada.

                 ALAÍDE

        Eu nem queria tirar o outro professor, era um homem de respeito até ser visto pondo a pita pra escorrer, se é que me entende. E como todos sabem, nem eu, nem meu marido toleramos imoralidades.

                 RITINHA

         Claro, primeira dama. A senhora é uma mulher de respeito.

                 ALAÍDE

         Pois sim. E tu será encarregada de manter a rédea bem curtinha, bem arreada, pois sabe?

                RITINHA

         Eu só tenho um problema.

                ALAÍDE

         Então adianta, minha filha.

                RITINHA

         Eu não sou muito boa em números.

Alaíde gargalha. Ritinha confusa a observa.

                ALAÍDE

      E você acha que eu me importo com isso? Sabendo pegar na palmatória, basta. Tu sabe, né?

Ritinha acena.

                ALAÍDE

    Pronto! Já começa na segunda.

Ritinha entusiasmada se aproxima de Alaíde.

                ALAÍDE

         Não precisa me agradecer. Não precisa! Sei que sou uma mulher muito boa, é de família.

Alaíde cumprimenta Ritinha. 

                                           CORTA PARA:

INT. MANSÃO DO PREFEITO. SALA DE JANTAR. NOITE.

Pepeu (47 anos, cabelo grisalho, cara lisa) olha para Alaíde, degustando.

                  PEPEU

  E me conte teu dia, Idinha. Hoje tu saiu tão cedo que eu nem vi.

                 ALAÍDE

  Cobranças, Peu. Cobranças e mais cobranças. Esse povo de Mutuípe é tudo veaco, tu sabe.

                  PEPEU

         Unrum. Cleonice disse que Ritinha veio aqui.

Arthur (23 anos, magro, pardo) arregala os olhos.                  

                 ALAÍDE

       A gorducha se alegrou toda, fez um auê. Ai, às vezes eu acho que ser bondosa demais é um pecado.

                  PEPEU

   Pecado? Vira essa boca pra lá. Você não é dessas, Alaíde. 

                  ALAÍDE

      Ainda bem que você reconhece, Pepeu. (TEMPO/ Ela encara Pepeu, entusiasmada) Pela eficiência, eu mereço até um colar, não mereço não?

                 ARTHUR

     E o que Mainha faz com essas jóias que painho dá? É, porque usar ninguém ver.

                 ALAÍDE

         Pois eu quero saber o que cê tá gutinando nessa sua cabeça, Arthur.

                  PEPEU

         Bora deixar essas discussões. Os eleitores precisam achar que somos uma família feliz.

Pepeu abre um sorriso. Arthur os observa, sóbrio.

                 ARTHUR

         Painho falou certinho, pro povo achar. Eu vou sair, espairecer um pouco.

Arthur se levanta e sai. Alaíde olha para Pepeu.

                ALAÍDE

         O que deu nesse menino?

Andrelice levanta os ombros, confusa.

                        CORTA PARA:

CENA 6. EXT. CASA DE PLÍNIO. NOITE.

Arthur bate na porta. silêncio. Plínio (22 anos, magro, pardo) abre a porta e se assusta.

                  PLÍNIO

         O que houve? Já tá tarde!

Plínio encosta a porta. Arthur olha para os lados.

                  ARTHUR (Sussurrando/Desconfiado)

         Você realmente viu mainha saindo do hotel?

Plínio o encara.

                  PLÍNIO

         Mas, por que diacho tu quer saber disso?

                  ARTHUR

         Oxe, eu preciso ter certeza, afinal, o que mainha fazia lá?

                 PLÍNIO

         Visitando alguém ou sei lá. Tu fica gutinando más impressões sem motivo.

                 ARTHUR

         Pois foi exatamente o que mainha disse quando eu cutuquei ela.

Plínio arregala os olhos, assutado.

                 PLÍNIO

        Tu não falou meu nome não, né? Pensando bem, acho que não tenho certeza se era ela mesma, eu posso ter me confundido.

                  ARTHUR

        Eu não falei nada, molenga, apenas cutuquei de vara curta. Era só isso mesmo.

                 PLÍNIO

      E sua irmã?

                  ARTHUR

         Mas é trouxa mesmo. Andrelice não quer nem meia com você, véi.

                  PLÍNIO

        Tô perguntando por educação, oras. Quem é Andrelice no meu tabuleiro?

                  ARTHUR

         Anram sei. Eu vou indo.

                PLÍNIO

         Amanhã cê vem? É o aniversário da Aninha.

                ARTHUR

         Tu acha que eu ia perder?

                PLÍNIO

         Então até amanhã.

Arthur se afasta. Plínio o observa.

                PLÍNIO

         Mas que eu vi a primeira-dama, eu vi.

               (O.S. DE EVANGELINA)

         Para de falar sozinho e entra logo, véi.

Plínio entra.

CENA 7. INT. CASA DE INÁCIO. SALA. NOITE.

Deitada no colo de Inácio, Mariana sorri.

                 MARIANA

         Ela é toda classuda, cê precisa de ver. 

                  INÁCIO

        Agora quem diria, hein? Depois de mile-anos, essa sua irmã decide voltar. Tu num acha estranho, não, ninha?

                  MARIANA

         Se saia, Inácio. Se saia que ela veio de boa vontade viu. Agora eu fiquei matutando que ela não perdoou painho, assim painho disse, né? 

                  INÁCIO

      Estranho que hoje chegou uma mulher no hotel, toda classuda também. Tava com um menino.

                  MARIANA

         Pois é essa mesma. Ela disse que se hospedou no hotel, esqueci de te dizer.

                 INÁCIO (Surpreso)

         Mas num me diga. Ah! Ela é realmente rica, me entregou mais de cem cruzeiros para se hospedar no hotel.

Mariana arregala os olhos.

                 MARIANA

         Ela tá podendo mesmo. Amanhã vamos tomar café lá em mainha, acho que vou ir buscar ela.

                 INÁCIO

   Então bora deitar, amanhã cedo tu vai comigo.

Ambos se levantam e seguem, abraçados.

CENA 8. INT. HOTEL. RECEPÇÃO. MANHÃ.

Inácio organiza as chaves no tabuleiro. Mariana o observa. Tiffany e John descem as escadas. Mariana ao vê-los, sorri.

             TIFFANY

   Minha irmã tu veio me buscar foi?

             MARIANA

   É. Aproveitei e vim com meu marido.

Tiffany a observa, confusa. 

             TIFFANY

         Marido?        

Inácio encara Tiffany.

            INÁCIO (Sorrindo)

   Bom dia, cunhada.

CLOSE em Tiffany, surpresa.

CONTINUA…

      

              

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Samuel Brito

Samuel Brito

>