Segredos De Um Crime – Capítulo 9 (Existe ex de freiras?)

Capítulo 9.        (Existe ex de freiras?)

Madre Glória- Madre superiora do convento e teme com que o segredo de sua pupila seja exposta pra todos.

Irmã Lurdes- Irmã do convento e preferida da Madre, ela é vista como a próxima madre do convento.

Miguel – Ex-namorado de Lurdes que ainda a ama. E vai usar um dos seus segredos pra tentar recuperá-la.

Cena 1/Rio de Janeiro/Manhã.

Convento.

Na sala da madre superiora, Anderson conversa com a Madre Glória e com a irmã Lourdes.

Anderson: Eu confesso que eu fiquei bastante surpreso quando a senhora me ligou. Nunca me imaginei trabalhando para uma freira.

Glória: Eu liguei porque isso é um assunto de vida ou morte.

Anderson: Roubaram a água benta?

Glória: Quando o senhor terminar com as piadinhas, me avise que conversamos sério. 

Anderson: Desculpe. É porque eu nunca me vi nessa situação. Quando eu fico nervoso eu faço piadas sem graça. Pode falar madre.

Glória: Essa é a irmã Lourdes. Ela é a minha melhor pupila. E com certeza ela vai ser a madre que vai me substituir aqui no convento. E isso me deixa muito orgulhosa.

Anderson: Parabéns irmã Lourdes. Mas eu não entendo em que os meus serviços podem ser úteis. 

Glória: O Miguel. Esse é o nosso problema. 

Anderson: Quem é o Miguel?

Lourdes: Meu ex-namorado.

Anderson: Freiras têm ex-namorados?

Glória: Todos nós temos um passado de que não nos orgulhamos. E esse é o da irmã Lourdes. O Miguel possui um vídeo íntimo da irmã de quando eles namoravam e viviam no pecado. Ele enviou para o convento e ele está ameaçando vazar esse vídeo. Você não pode deixar isso acontecer. Isso pode acabar com a vida da irmã Lourdes e com o convento.

Anderson: Não se preocupe. Eu vou arrumar a solução pra isso, nem que eu tenha que fazer do jeito que o diabo gosta. 

A madre Glória e a irmã Lourdes o encaram.

Anderson: Desculpe. Foi só jeito de falar.

https://youtu.be/252xw68s2Co

Cena 2/Niterói /Manhã.

Apartamento de Anderson.

Na sala, Anderson e Mario conversam. 

Anderson: Tenho um novo trabalho pra você. Eu preciso que você investigue a vida de Miguel Correia. Ele tem um vídeo íntimo de uma freira e eu preciso impedir que ele vaze na internet.

Mario: Oi? Ele tem o que?

Anderson: Eu sei que é estranho. Eu ainda estou tentando entender essa situação. Ele é o ex-namorado da freira. Eu preciso impedir que ele atrapalhe a carreira religiosa dela. Existe carreira religiosa? 

Mario: Existe ex de freiras?

Anderson: Nem me pergunte. 

O celular de Anderson toca. Ele olha a mensagem.

Anderson: A Mag quer me encontrar na cafeteria. Ta ficando difícil.

Mario: Ela quer saber sobre a história da Verônica. Talvez seja melhor você contar e acabar com isso de uma vez. Você não confia nela?

Anderson: Confio. Claro. Mas é um assunto perigoso. Quanto menos pessoas ficarem sabendo disso é melhor pra todos. 

Cena 3/Leblon /Manhã.

Apartamento de Gabriela.

Na sala, Gabriela abre a porta e Pedro entra.

Pedro: Espero que a senhora tenha pensado bastante no que conversamos e tenha tomado a decisão certa.

Gabriela: Eu pensei sim. Mas antes de qualquer coisa eu quero te fazer uma pergunta. Por que você está defendendo o seu pai? Por que você está contra mim?

Pedro: Você não entende mãe. Eu não estou contra você. Eu estou te dando uma segunda chance. Você fez aquilo. Tenho como provar. Eu vi o seu colar lá. Você não deve ter visto quando ele caiu. Mas eu vi, e que bom que foi eu. Se tivesse sido o meu pai as coisas estaria bem pior para você.

Gabriela: Não fui eu quem matou ela. Eu já disse isso.

Pedro: Não vai adiantar negar mãe. Só me responda. Você vai parar com essa loucura?

Gabriela: Eu não estou fazendo loucura nenhuma. Eu estou só me defendendo de tudo o que o Eduardo fez. Quanto eu fui prejudicada. Por que você não entende isso?

Pedro: Eu entendo mãe. E eu quero ver você bem.

Gabriela: Me fazendo desistir do divórcio?

Pedro: Não. Eu só quero que você desista dessa loucura, dessa guerra política. Da sua aliança com o Frank. Você vai ser a mais prejudicada nisso.

Gabriela: Eu preciso pensar em tudo isso, Pedro. Eu preciso fazer uma coisa primeiro. Eu preciso de mais tempo pra te responder.

Pedro: Mais um dia. Só isso.

Cena 4/Rio de Janeiro/Manhã.

Cafeteria.

Sentada à mesa, Mag toma café. Anderson entra na cafeteria e vai direto até a mesa de Mag e se senta.

Anderson: Que bom que você me mandou mensagem. Estava com saudades de você. Aconteceu alguma coisa?

Mag: Eu resolvi cuidar de mim. Parar de dar atenção e confiança para quem não merece.

Anderson: Não precisa falar assim comigo. Eu gosto muito de você e quero o seu bem.

Mag: Mas nunca confiou em mim. Talvez por isso nosso romance não tenha dado certo.

Anderson: Você está falando de que? Eu confio em você. 

Mag: Eu só queria entender o que havia acontecido? Por que você pediu meu irmão pra te ajudar a consumir um corpo?

Anderson: Porque seu irmão foi expulso do exército por atos que pode ser considerados hediondos. E quem o ajudou a não ir pra cadeia foi eu. Então ele me devia um favor. E eu cobrei.

Mag: Quem morreu? Quem é esse cadáver?

Anderson: Eu não posso falar. Eu não posso expor meus clientes. Eu não vou até o seu trabalho e peço você pra falar dos seus clientes. Então por favor, não me peça isso.

Mag: Por que o Júlio estava me dizendo então que foi você quem matou alguém? Isso que eu não entendo.

Anderson: Ele não gosta de mim. Você sabe disso. Eu sei disso. Todos sabemos disso. Ele quer me ferrar. Mas não tem com que me ferrar. Então ele inventa. Agora eu preciso trabalhar. Se cuida. 

Anderson levanta, da um beijo na testa de Mag e sai da cafeteria.

Cena 5/Rio de Janeiro/Manhã.

Rua.

Na calçada, Anderson caminha falando no celular. 

Anderson: Você foi baixo Júlio. Você tinha que ter desmentido essa história de assassinato para Mag. Era nosso acordo. Eu sei que você não gosta de mim. Eu também não gosto de você. Mas quando você precisou da minha ajuda na época do exército eu te ajudei. Eu apenas de te cobrei o favor de volta então para de colar a Mag contra mim.

Anderson desliga o celular, o celular toca e Anderson lê no visor “EDUARDO” e atende.

Anderson: O que você quer?

Voz de Eduardo: Os repórteres todos falando na Verônica, sua mãe enlouquecendo querendo se separar de mim e agora aliada com o Frank. Isso tudo vai acabar com a minha carreira política. Você precisa fazer alguma coisa.

Anderson: Meu Deus. Vocês não conseguem fazer nada sem que eu tenha que entrar no meio. Ela quer se separar? Ótimo. Ela devia ter feito isso anos atrás. Ninguém estaria nessa situação se isso já tivesse acontecido. Resolvam os seus problemas. Eu não sou babá de vocês.

Voz de Eduardo: Mas Anderson…

Anderson: Vai pro inferno.

Anderson desliga o celular e entra no carro.

Cena 6/Rio de Janeiro/Tarde.

Flat de Miguel. 

Em pé na sala, Miguel e Anderson conversam. 

Miguel: As coisas ficaram sérias para o convento. Mandaram Anderson Norton para resolver esse problema. Isso quer dizer que eu estou encrencado não é isso?

Anderson: Não, se você colaborar.

Miguel: Você pode ir a até o convento e dizer que mandar o Anderson na minha casa me amedrontar funcionou. Mas eu não vou desistir.

Anderson: Miguel, você sabe que o que está fazendo é errado. Além de pecado. Freiras são quase santas. 

Miguel: Não são. Principalmente a Lourdes. Ela não é santa. Se ela fosse ela não teria feito o que fez comigo. 

Anderson: E o que ela fez com você?

Miguel: Ela me fez ficar apaixonado e depois me largou. Ela me usou. Ela me prometeu amor, casamento, filhos. E agora ela está no convento. Isso não é justo. Eu quero a mulher que eu amo de volta. 

Anderson: Você está fazendo isso por amor?

Miguel: Esse vídeo é a única arma que eu tenho pra poder fazer a Lourdes desistir disso e voltar pra mim. E eu vou usá-la. Ela tem até o fim de semana pra desistir antes que esse vídeo vaze. Pode dizer isso a ela. E nossa conversa acabou. 

Cena 7/Rio de Janeiro/Noite.

Convento.

 Sala da madre superiora, Anderson em pé, conversa com a madre que está sentada à mesa.

Glória: Ele ainda teve a audácia de nos ameaçar? Quem ele pensa que é? A mão de Deus vai cair sobre ele. Eu tenho certeza. 

Anderson: O que ele está fazendo é uma medida desesperada para ter a namorada de volta. Ele a ama. Eu não acho que isso seja a pior coisa do mundo. Claro que os métodos que ele está usando são errados. Mas ele só está lutando por amor. Se não fosse trágico seria romântico.

Glória: Você está trabalhando pra ele agora? Está do lado dele agora? Você está defendendo ele na minha frente. Lembre-se que eu te contratei. Sou eu que vou assinar o cheque do pagamento.

Anderson: Eu sei madre. Peço desculpas se eu estressei a senhora. Não foi a minha intenção. Eu só acho que antes de continuarmos com essa história, devíamos ouvir o que a irmã Lourdes tem a dizer. Por que ela não está aqui?

Glória: Ela está em oração. Eu sei o que é melhor pra minha pupila. Vá e resolva isso. Agora. 

Anderson intimidado pela Madre sai da sala.

Cena 8/Niterói /Noite.

Apartamento de Anderson.

Sentados no sofá tomando vinho, Anderson e Mário conversam. 

Anderson: Confesso que eu fiquei um pouco assustado com a Madre. O jeito que ela falou. Nunca imaginei que uma Madre poderia ser tão autoritária assim.

Mário: Aprendendo com a vida.

Anderson: Com certeza. 

Mário encara Anderson.

Anderson: O que foi?

Mario: Nada. Eu só estou te olhando.

Anderson: Mário…

Mário: Não estou fazendo nada.

Anderson: Nós não vamos ter nada.

Mário: Tem certeza?

Os dois se olham por alguns instantes, o celular de Anderson e quebra o silêncio que estava entre os dois enquanto se olhavam. Anderson lê no visor “MÃE” e rejeita a ligação.

Anderson: Não estou aguentando minha família hoje. Vamos trabalhar Mário? O que você descobriu sobre o Miguel?

Mario: Nada. Fiz tudo que eu pude, mas ele está limpo. A coisa mais suja que eu consegui foi contas. Nome no SPC.

Anderson: Então eu terei que arrumar a solução de outra forma. Acho melhor eu ir dormir. Penso melhor quando estou descansado.

Anderson levanta e vai pro quarto, Mário fica no sofá e continua bebendo.

Cena 9/Rio de Janeiro/Manhã.

Flat de Miguel.

Na sala, Miguel abre a porta e vê Anderson.

Miguel: Você de novo?

Anderson entra no flat: Eu de novo. Miguel, você é um cara legal. Um cara de bem. Eu não quero ter que apelar com você. Desiste disso. 

Miguel: Não. Essa é a minha melhor chance.

Anderson: Eu te investiguei e você é honesto. Íntegro. Você só está com o nome no SPC. Talvez um acordo financeiro resolva essa situação Que tal? Todo mundo sai ganhando. 

Miguel: Acho que você pode ir embora. 

Anderson: Miguel…

Miguel: Por favor, sai da minha casa. 

Anderson: Tudo bem. Você não quer colaborar, eu vou ter que agir da maneira que eu sei. Vou te acusar de tráfico, sonegação de impostos, chantagem com uma freira, danos morais. Você vai pra cadeia. E sabe-se lá o que vão fazer com você lá dentro. Freira é muito respeitada por presidiários. Pense bem. 

Miguel: Você vai-me dizer que está fazendo isso em nome de Deus também?

Anderson: Não. Estou fazendo isso em nome da Madre Glória que vai assinar o cheque do meu pagamento. 

Miguel: Você pode tentar de tudo. Você pode querer destruir meu amor. Mas no fim, o amor sempre vence.

Cena 10/ Leblon /Tarde.

Casa dos Norton.

No quarto, Pedro entra e vai direto pro banheiro. Ele vai até o lavabo e lava o rosto e se olha no espelho. Como se o seu reflexo estivesse o encarando.

Pedro: Talvez eu devesse falar toda a verdade com o Anderson. Ele sempre sabe o que fazer. 

Pedro vai até a cama e pega o celular, e liga para Anderson, mas antes da chamada completar ele desliga.

Pedro: Eu não posso fazer isso. Eu dei a ela até amanhã. Mas se minha mãe tentar fazer alguma gracinha eu vou direto no Anderson.

Cena 11/Rio de Janeiro/Noite.

Convento.

Na calçada do convento, Miguel conversa com Lourdes que está do lado de dentro do convento. Sendo separados pelo enorme portão de grades. 

Miguel: Não estou fazendo isso pra te magoar. Você sabe disso. Eu não vivo sem você.

Lourdes: Já viveu por quase 2 anos. Você consegue o resto da vida. Eu escolhi ser freira. Esse é o meu propósito.

Miguel: Mentira. Você não escolheu isso. E tudo que vivemos. E tudo que você me jurou. Amor, casamento, família. 

Lourdes: Agora eu jurei amor a Deus. E é a Ele que eu sirvo. 

Miguel: Não fala isso. Eu não aceito. Eu quero você. 

Lourdes: Desiste Miguel. Eu vou seguir minha vocação. Aceite. Agora vai embora. Não temos mais nada pra conversar.

Lourdes entra para o convento, no corredor ela encosta-se na parede e fica pensativa. De longe a Madre observa Lourdes. 

Madre Glória: Você vai não pode desistir do seu propósito agora. Não vou deixar o inimigo atrapalhar sua vocação.

Cena 12/ Niterói / Manhã.

Apartamento de Anderson. 

No quarto, Anderson dorme deitado na cama. Mário entra no quarto desesperado. 

Mário: Andy, Andy acorda. 

Anderson acorda: O que aconteceu? 

Mário: Você precisa ver isso.

Mario liga a TV e eles assistem o Jornal. Na TV a foto da Madre Glória e de Miguel. E escutam a voz do repórter.

– Uma das madres mais respeitadas se entregou a polícia e confessou que matou com 3 golpes de facada no peito, o jovem Miguel Correia. Ele foi encontrado pela polícia no seu apartamento 30 minutos depois que a Madre Glória se entregou. Você confere a matéria completa agora.

Anderson levanta da cama e sai do quarto. 

Cena 13/Manhã.

Delegacia.

Do lado de fora da sala de visita, Anderson e Hugo conversam.

Anderson: Você não pode mantê-la aqui, assim. É uma freira.

Hugo: Ela cometeu um crime. Ela mesmo confessou. Não tem outro modo de agir a não ser esse. 

Na sala de visita, sentados a mesa Anderson e Madre Glória conversam. 

Anderson: Madre…

Glória: Ele esteve no convento ontem à noite. Ele falou com ela. Eu vi o quanto à presença dele mexeu com ela. Eu não podia deixá-la fraquejar. Isso era armadilha do inimigo. A minha menina estava precisamos de mim. Agora ele não vai poder vazar vídeo nenhum. 

Anderson: Madre… Eu invadi o flat dele ontem à noite e roubei o pen drive com o vídeo. Ele não tinha mais com o que chantagear a irmã Lourdes. A senhora devia confiar em mim, quando eu tinha dito que resolveria. Mas tudo bem, eu vou dar um jeito de tirar a senhora daqui. Vamos alegar legítima defesa. Ele atacou a senhora num momento de fúria porque a senhora foi pacificamente pedir pra ele deixar sua pupila em paz. Você é uma serva de Deus, vai funcionar.

Madre Glória: Não. Eu cometi um erro. Um erro enorme. Um crime. Por um bem maior. Mas ainda sim eu cometi um crime e fui contra as leis de Deus. Eu tenho que pagar pelo que eu fiz. Eu tenho. Obrigado Anderson. Não preciso mais dos seus serviços. 

Anderson: Mas madre…

Madre: Você já pode ir. 

Cena 14/Rio de Janeiro/Manhã.

Apartamento de Anderson.

Na sala, anderson falando ao celular, vai até a porta e abre a porta e vê Júlio. Anderson desliga o celular.

Júlio: Cadê a Mag?

Anderson: Eu não sei. Por que ela estaria aqui?

Júlio: Ela não dormiu em casa. Está sumida desde ontem.

Anderson: Já tentou ligar pra ela?

Júlio: Claro que sim. Eu não sou burro.

Anderson: Ela disse que ia dormir aqui?

Júlio: Não, mas ela anda bem misteriosa. Esta se e encontrando com alguém. Não quis me apresentar, não quis falar nem o nome dele. Minhas suspeitas que seja você querendo magoá-la de novo.

Anderson: Sinto lhe informar. Mas ela não está aqui em casa. Agora você pode ir embora?

Cena 15/ Tijuca/ manhã

Apartamento de Gabriela.

Sentados a mesa, Frank e Gabriela tomam café da manhã juntos.

Frank: Achei sua ideia muito boa. Eu não sabia que havia tantas brigas assim entre o Eduardo é o Anderson. E são todas porque o Anderson é gay?

Gabriela: O Anderson não é gay. Ele teve foi uma experiência. Nós que não soubemos entender isso.

Frank: Ta bom. Na minha terra é outro nome que se dá. Mas me responde uma coisa, porque essa cara tão preocupada?

Gabriela: Eu e o Pedro nos desentendemos. Eu estou preocupa com ele. Preciso ligar pra ele.

Frank: E eu preciso tirar a água do joelho.

Gabriela: Meu celular ficou no quarto carregando. Me empresta o seu?

Frank tira o celular do bolso e entrega a Gabriela , e vai para o banheiro. Gabriela tenta ligar para Pedro, mas o celular notifica que está desligado. Gabriela olha pro celular, olha para o banheiro pra ver se Frank está voltando e mexe no celular, olha algumas fotos, contatos e vai em SMS e vê algo e se espanta. Frank volta pra mesa. 

Frank: Vamos terminar esse café rápido. Eu tenho iam reunião com os parlamentares. 

Gabriela: Porque seu telefone tem mensagem da Verônica te cobrando e ameaçando?

Gabriela encara Frank.

padrao


Este conteúdo pertence ao seu respectivo autor e sua exposição está autorizada apenas para a Cyber TV.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on tumblr
Tumblr