Segredos Proibidos – Capítulo 1

ATENÇÃO: A Cópia e reprodução deste conteúdo fora da plataforma Cyber TV sem autorização prévia da administração, é proibida e viola os direitos legais do autor.

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Cena 1/Centro, Rio de Janeiro/ Manhã.

 

(Uma bela visão sobre a paisagem do Rio de Janeiro. Imagens de carros passando pelas ruas movimentadas.)

 

Empresa Fontes.

Na sala de Larissa, ela e Lurdes conversam sentadas no sofá de frente pra uma enorme janela onde elas veem a linda paisagem do Rio de Janeiro.

Larissa: Você tenho certeza que elas são boas? Eu quero as melhores, Lurdes.

Lurdes: Você tá duvidando das minha modelos, Larissa? Respeite minha agência.

As duas riem.

Lurdes: Vou te mostrar o catálogo de novo.

Larissa: Não precisa. Eu vou ficar mais em dúvida ainda. Confio em você. Se você está dizendo que escolheu as melhores, eu acredito.

Lurdes: E a Agatha, chega quando?

Larissa: À noite. Eu tô com tanta saudades da minha princesa. Queria que ela desfilasse para essa coleção.

Lurdes: Eu acho lindo esse incentivo todo que você dá pra ela. Ela está indo muito bem em Paris.

Larissa: Já está sendo cotada como a nova Gisele.

Lurdes: Olhar coruja de mãe, né.  Vai com calma amiga. Ela tá começando ainda. O celular de Larissa vibra em cima da mesinha de frente. As duas olham pro celular e leem o nome de Daniel no visor.

Lurdes: Não vai atender?

Larissa: Agora não.

Lurdes: Daniel é completamente apaixonado por você e você assim…

Larissa: Você sabe que eu sou assim. Não sou a mulher mais romântica do mundo. Eu sou maiis seca.

Lurdes: Não é não. Você é assim com ele.

Larissa: O Daniel é muito importante pra mim. Ele é um cozinheiro bem respeitado, bonito, inteligente. Tudo que eu preciso nesse momento da minha vida. Ele estar ao meu lado é bom.

Lurdes: É bom para quem vê você ou é  bom para você?

Larissa: Não faz pergunta difícil a essa hora da manhã.

Lurdes: Quem sou eu pra julgar amiga, mas eu fico pensando, eu não sei se eu me sentiria confortável me envolvendo…

Larissa: Não vamos falar disso aqui. Eu juro que um dia eu tento te explicar. Mas as vezes nem eu sei explicar meus desejos.

Eduardo entra no escritório e logo atrás Lígia.

Lígia: Desculpe, dona Larissa.  Eu avisei ao Eduardo que ele não podia entrar sem ser anunciado.

Larissa se levanta do sofá: Sempre inútil né, Lígia.

Eduardo: Nós precisamos conversar.

Larissa: Não tira a minha paciência hoje, Eduardo. Não tenho nada pra conversar com você.

Eduardo: Meu cartão estourou o limite. Eu preciso que você aumente meu dinheiro. Larissa: Você só pode estar de piada com a minha cara.

Lurdes se levanta do sofá: Você é inacreditável, Eduardo.

Eduardo: Não se mete, Lurdes.

Larissa: Sem chance de você tirar qualquer centavo de mim. Eu até hoje não sei como você conseguiu convencer o juiz de me fazer te pagar uma pensão. É um absurdo isso.

Eduardo: Absurdo é você me deixar sem dinheiro.

Larissa: Chega disso tudo. Eu não vou te dar dinheiro nenhum. Agora sai daqui. Não me faça ter que chamar o segurança. Saaai.

 

Cena 2/ Botafogo/ Manhã.

Academia Escultura. 

Na sala de Renata, Betinho entra.

Betinho: A poderosa mandou me chamar. Vim voando como uma borboleta.

Renata: Menos Betinho.

Betinho: E eu trouxe os convites do desfile.

Renata: Não quero nem saber o que você teve que fazer pra conseguir esses convites. Betinha: Amada? Me respeite. Eu consegui com a Lurdes. Ela treina aqui. Eu só acho um absurdo que você vai levar o Carlos ao invés de me levar.

Renata: Eu vou no desfile da minha inimiga. Você acha mesmo que eu vou levar uma borboleta colorida no lugar de um homem lindo igual o Carlos?

Betinho: Não tem como competir com o Carlos mesmo.

Renata: Mas eu te chamei pra você me ajudar a escolher uma roupa bem linda para o desfile.

Betinho: Pra isso eu sirvo. Mas eu acho que você pode ir com aquele seu vestido rosa clarinho. Ele é lindíssimo, e claro, foi eu quem te deu.

Renata: Aquele vestido me engorda 10 quilos. Não tem a menor chance de sair com ele. Eu estou olhando o catálogo de uma loja que eu sempre compro. Me ajude.

Betinho dá a volta na cadeira de Renata e faz massagem nos ombros dela enquanto olha o catálogo nas mãos de Renata.

Betinho: Esse branco está chique.

Renata: Quer me envelhecer quantos anos?

Betinho: Nenhum. E esse vermelho?

Renata: É o desfile da marca da minha maior inimiga, não um desfile de escola de samba.

Betinho: Tá difícil hoje hein.

Renata: Se você quer me deixar feia eu te mando embora.

Betinho: Claro que não, amada. Bate na madeira. Eu acho de verdade que você devia parar de querer competir com a Larissa. Você está disputando sozinha. Ela não tá nem aí. Renata se irrita: Me larga. Tira essas mãos de mim. Como você se atreve a falar o nome dessa mulher aqui. Sai da minha sala.

Betinho: Calma poderosa.

Renata: Sai daqui agora Betinho.  Antes que eu corte essas suas asas de borboleta manca. Betinho sai da sala correndo.

 

Cena 3/ Botafogo/ Manhã.

Academia Escultura. 

Na recepção, Betinho chega correndo e encontra com Vitória. Vitória: Que desespero é essa, Betinho?

Betinho: A poderosa está naqueles dias. Ta irritada pelo desfile. Só pode.

Vitória: Você falou da Larissa com ela?

Betinho: Eu só queria ajudar. Disse pra ela parar de querer competir com a Larissa. É loucura. Ela disputa sozinha. A Larissa não tá nem aí pra ela.

Vitória: Isso é verdade. O que eu não entendo é  porque ela tem tanta raiva da Larissa. Qual o motivo?

Betinho: Eu sempre quis saber também amada, mas não pode nem tocar no nome da Larissa que ela fica louca. E Eu que sofro.

Vitória: Mas você já devia estar acostumado. Ela sempre te tratou mal.

Carlos entra à academia.

Carlos: Que cara é essa?

Vitória: A Renata se estressou com o Betinho e ele não gostou, dessa vez. Cuidado que ela está estressada, graças ao Betinho.

Betinho: Graças ao Betinho nada. O Carlos que não está fazendo ela se acalmar de noite.  Carlos: Me respeite, Betinho. Não tem nada disso que eu não tô fazendo ela se acalmar de noite. Faço ela bem feliz. Todas as noites.

Betinho: Eu sei. E morro de inveja dela.

Vitória rindo: Que bicha safada.

Betinho: Me criticar com escolha de roupa é uma ofensa pra mim.

Carlos: Relaxa, Betinho. Ela reclamou de um terno que eu comprei também. Terno são todos iguais.

Betinho: Sabe o que ia me alegrar, Carlos?

Vitória: Lá vem.

Betinho: Fica na sua, Vitória. Eu adoraria te ver vestido de terno. Deve ficar muito lindo. Carlos: Sai fora, Betinho.

Betinho: É só um fetiche bobo.

Vitória: Deixa a Renata descobrir esse seu fetiche bobo com o namorado dela. Betinho: Tá repreendido.

 

Cena 4/ Copacabana/ manhã.

Rua de Copacabana.

Dentro do carro, Júlio dirige, Bia no carona com um cigarro de maconha na mão e Pietra no banco de trás. Bia fuma e joga a fumaça em Pietra.

Bia: Tem certeza que você não quer amiga? Só um teco.

Pietra: Não, você sabe que eu não fumo.

Bia: Você não sabe o que está perdendo.

Júlio: Ela não quer amor, para de insistir.

Júlio pega o cigarro e fuma.

Bia: Eu precisava sair daquela escola. Não aguento mais esses professores chatos pra cacete.

Pietra: Eu não sei se foi uma boa ideia. Eu acho que isso vai dar confusão pra gente. Bia: Relaxa, Pi. Não vai dar nada. Ninguém viu a gente fugindo. Vamos pra praia? Quero dar um mergulho.

Pietra: Pra praia não. É muito a vista. Vão nos ver lá. Vai dar problema. Se minha mãe descobre que eu não tô na escola ela me mata. Seu pai pior ainda. Bia: Estou me lixando pro meu pai.

Júlio: Então vamos pra praia. Quero mergulhar também. Pode ficar tranquila Pietra. Não vai dar nada.

 

Cena 5/ Lagoa/ Tarde.

Casa dos Andrades​.

Sentados à mesa, Artur e Michele almoçam.

André: Esse desfile está me dando muita dor de cabeça. Cheio de coisas pra resolver naquela empresa e a Larissa jogando todo o trabalho difícil pra cima de mim. É muito fácil ficar rica em cima dos trabalho dos outros.

Michele: Não precisa falar assim da Larissa, ela é minha amiga.

Arthur: Eu não estou mentindo, Michele. Ela ser sua amiga não a faz uma santa.

Bia entra à copa e tenta passar direto.

Arthur: Isso são horas? Está bem atrasada.

Bia: Eu acabei perdendo a hora. Eu fiquei conversando com a Pietra.

Arthur: Você sabe que aqui em casa a gente respeita os horários. Principalmente das refeições.

Bia: Eu sei. Sempre teve essa chatice. Não sei qual é a necessidade disso.

Arthur: Abaixa esse tom pra falar comigo. Eu sou seu pai. E tem a necessidade de que eu quero que todos estejam juntos na hora da refeição. Então vai lavar suas mãos e se sente à mesa.

Michele: Calma gente. Não precisa disso. Vai lavar a mão Bia. Não estressa mais seu pai.

Bia sai da copa bufando.

Michele: Eu tenho uma novidade.

Arthur estressado: O que foi dessa vez?

Michele: Minha menstruação está atrasada.

Arthur muda o tom: Sério?

Michele: Sim. São poucos dias. Mas está.  Há uma possibilidade de estar grávida. Arthur: Que maravilha. Até que enfim uma notícia boa. Espero que meu filho homem venha dessa vez.

Michele: Homem ou mulher, vamos dar muito amor. Mas sem precipitação Arthur. Ainda não tem nada confirmado. Só uma menstruação atrasada.

Arthur: Você vai estar grávida sim. Eu tenho certeza. E como você está se sentindo? Michele: Normal. Eu não estou doente, Arthur.

Arthur: Está grávida.

Bia se senta à mesa: Quem está grávida?

Michele: Eu suspeito. E gravidez também não é doença, Arthur.

Arthur: Mas eu quero que você se cuide muito bem. Vai ser meu filho homem.

Bia: Vai com calma pai. Pode ser que ela não esteja grávida.

Arthur: Tinha que vir estragar meu almoço, né Bia.

Bia: Eu não tô estragando nada. Só disse a verdade. Acho muito suspeito ela vir falar que está grávida e não fazer nem um teste.

Michele: Eu não disse que eu estou grávida, Bia. Eu contei sobre um atraso na minha menstruação. E não fiz o teste ainda porque eu achei cedo. Talvez eu tenha errado em falar para o Arthur tão cedo. Agora ele tá cheio de expectativas. Mas se Deus quiser, eu vou estar grávida sim.

Arthur: Não estou cheio de expectativas. Eu tenho certeza que você está grávida.

Bia: Eu só acredito depois do exame.

Michele: Amanhã mesmo eu faço. E a gente acaba com isso.

 

Cena 6/ Centro/ Tarde.

Empresa Fontes.

Na sala de Larissa, Daniel entra e vai até Larissa sentada à mesa, e a beija.

Larissa: Que surpresa boa, amor.

Daniel: Eu te mandei mensagem a manhã inteira, mas você não me respondeu. Então eu resolvi vir aqui te ver.

Larissa: Desculpe, eu estava chega de serviço hoje. Não tive tempo pra nada.

Daniel  Eu imaginei. Minha namorada é uma grande empresária. Sempre muito ocupada. Larissa: Pára de brincar com isso. É  verdade. Esse desfile da coleção nova está me deixando bem insegura.

Daniel: Eu vim só pra te acalmar mesmo. Vamos almoçar juntos?

Larissa: Hoje eu não posso, amor.

Daniel: Qual é Larissa? Você tem que almoçar de qualquer maneira. Por que recusar o almoço de um dos melhores cozinheiros do Rio de Janeiro?

Larissa: Está bem. Mas eu não posso demorar.

 

Cena 7/ Ipanema/ Tarde.

Restaurante D’Gust.

Sentado à mesa, Larissa e Daniel almoçam juntos.

Larissa: O restaurante está cheio, Daniel. Você tem certeza que não vai te atrapalhar? Daniel: Eu sou o dono Larissa. Eu posso me dar ao luxo de ter um almoço com a minha namorada.

Larissa: Eu te falei que a Agatha está voltando?

Daniel: Umas 10 vezes, só hoje. Você está com muitas saudades da Agatha, não está?

Larissa: Eu tô contando os minutos. Ela mandou mensagem dizendo que volta hoje à noite.

Daniel: Que maravilha. Eu faço questão de fazer uma jantar especial pra vocês duas.

Larissa: Não precisa. Não quero incomodar.

Daniel: Não é incômodo. É só um agrado pra mulher que eu amo – Daniel olha nos olhos de Larissa – Eu te amo, Larissa.

Larissa sem reação, dá um gole da taça com água.

Daniel: Eu sempre levo fora nessa parte, não é? Algum dia você vai dizer que me ama? Ou pelo menos que gosta de mim um pouquinho?

Larissa: Pára  com isso. Você sabe que eu gosto de você. Esse só é meu jeito. Eu não sou de dizer as coisas. Nós só temos jeito diferentes de demonstrar. Eu preciso voltar pra empresa agora. Fica bem.

Larissa se levanta da mesa e sai do restaurante.

Daniel: O seu jeito de demonstrar é nenhum.

 

Cena 8/ Ipanema/ Tarde.

Dentro do carro.

Larissa dirige com o celular na orelha.

Larissa: Eu preciso desestressar. Só você está conseguindo fazer isso esses dias… Pode cobrar mais caro, Hugo. Eu tenho dinheiro pra isso. Me espere no mesmo lugar que eu vou te buscar.

 

Cena 9/ São Conrado/ Tarde.

Hotel.

Larissa e Hugo entram na suíte do hotel. Hugo vai direto pra cama e se deita, Larissa se senta na poltrona.

Hugo: Terceiro encontro só essa semana. Você deve estar bem tensa mesmo.

Larissa: Minha vida não é nem um pouco fácil.

Hugo: Imagino o quanto difícil é ser rica.

Larissa: Você não sabe o quanto é difícil se manter rica. Agora cala a boca, eu não preciso me justificar pra você. Eu estou pagando. Vem aqui e faz o que você tem que fazer. Hugo se levanta e vai até a poltrona e beija Larissa, enquanto ele a beija, suas mãos se abaixa e desabotoa a blusa dela.

Larissa segura Hugo pelos cabelos.

Larissa: Você tem sorte que é muito gostoso, porque eu sei que você só quer dinheiro.

Hugo: Eu gosto muito do seu dinheiro.

Hugo volta a beijar Larissa e vai abaixando uma das mãos para o peito dela, enquanto a outra mão dele entra por dentro da calça de Larissa…

 

Cena 10/ Botafogo/ Tarde.

Academia Escultura.

Na sala de musculação, Lurdes faz alguns exercícios de perna com o auxílio de Carlos.

Lurdes com pesos presos no tornozelos, ela levanta uma perna de cada vez.

Carlos: Isso. Você está indo muito. Parabéns.

Lurdes: Quando você me ajuda as coisas ficam bem mais fáceis. Mas eu acho que essa perna aqui não está subindo direito. Me ajuda.

Carlos se aproxima e observa.

Carlos: Está certinho seu movimento.

Lurdes finge desequilibrar e se joga pra cima de Carlos.

Lurdes: Desculpa. Eu quase cai. Ainda bem que você me segurou. Tá forte. Senti seus músculo todos firmes. Quase todos na verdade.

Carlos com vergonha: Vamos voltar pro treino. Ou você quer descansar um pouco.

Lurdes: Podemos continuar se você quiser. Eu aguento.

Betinho de longe observa: A cavalona se jogando pra cima do meu Carlos. Essa se aproveita que é bunduda. Uma cavala. Quando a Renata ficar sabendo ela vai acabar com essa palhaçada.

 

(Imagens do Rio de Janeiro a anoitecendo. Os carros com faróis acessos passam pelas ruas da Lagoa)

 

Cena 11/ Lagoa/ Noite.

Casa dos Andradas.

No quarto, Bia em frente ao espelho termina de se arrumar, ela coloca os brincos na orelha e pelo reflexo do espelho ela vê Arthur na porta.

Bia: Que susto pai. Parece uma assombração.

Arthur: Sabe quem me ligou no meu serviço pra falar de você? A diretora do seu colégio.

Bia: Aposto que mentiram sobre mim de novo.

Arthur: Eu não tô pra gracinhas, Beatriz.

Bia: Me chamou de Beatriz, as coisas estão sérias.

Arthur: Eu já estou farto de ouvir reclamações sobre você. Só esse mês já é a 3 ligação que eu recebo.

Bia: Eles não me entendem. Ninguém me entende. Você não me entende. Arthur: Entender o que? Você não trabalha. Você não faz nada da vida. Sua única obrigação é escola. E nem pra isso você tem responsabilidade.

Bia: Vamos ter essa conversa sempre que ela ligar, pai?

Arthur: Não. Não vamos. Porque pra mim já deu. Ou você melhora, é escute bem o que eu vou te dizer, ou você melhora ou você vai pra um colégio interno.

Bia: Você não pode fazer isso comigo.

Arthur: Posso. Eu sou seu pai. Eu posso isso e muito mais. É trate de colocar um pijama, tirar essa maquiagem que você não vai sair.

Arthur sai do quarto e bate a porta.

 

Cena 12/ Botafogo/ Noite.

Academia Escultura

Na sala de Renata, Carlos entra e a vê folheando uma revista, ele se aproxima e a beija.

Carlos: Enquanto todo mundo dá duro nessa academia, você folheando revista.

Renata: Não estou folheando a revista, estou indignada. Eu tenho esse direito.

Carlos: O que aconteceu?

Renata mostra a revista com a foto de Larissa na capa.

Carlos: A Larissa, sempre a ela. Você precisa esquecer ela.

Renata: Você tinha que estar ao meu lado nesse momento.

Carlos: Mas eu estou. Sempre estou do seu lado. Olha a ideia maravilhosa que eu tive. Eu vou te preparar um banho bem relaxante e vamos fazer um amorzinho bem gostoso dentro da banheira.

Renata: Eu não consigo entender como essa mulher conseguiu crescer tanto. Ela foi capa desta revista umas 4 vezes em menos de 3 anos.

Carlos: Vamos embora, Renata. Você precisa de uma banho pra relaxar e parar de falar.

Hoje está insuportável.

Renata: Eu estou insuportável. É indignação. A vida não é  justa. Olha tudo que ela conseguiu.

Carlos: Pra mim já deu Renata. Você vai pra sua casa sozinha. Eu vou pra mim. Não estou te aguardando mais. E se você continuar assim, eu não sei se vai dar pra gente continuar com isso.

Renata: O que você tá querendo dizer com isso?

 

Cena 13/ Lagoa/ Noite.

Casa dos Andrades.

No quarto, Arthur entra no quarto  e vê Michele parada no quarto.

Arthur: Que susto. Aconteceu alguma coisa?

Michele: Mais ou menos. Acho melhor a gente conversar com calma.

Arthur: Eu estou um pouco cansado. Quero tomar um banho. Pode ser quando eu terminar? Michele: Me ouve um minuto Arthur. Não custa nada.

Arthur: Okay. Pode falar.

Michele: Enquanto eu estava tomando banho agora a noite. Eu percebi que água está a suja de sangue.

Arthur: Você perdeu nosso filho? Está tudo bem com o bebê? Não me fala que aconteceu alguma coisa com meu bebê.

Michele: Não tem bebê Arthur. Eu menstruei.

Eu havia dito que minha menstruação estava atrasada e tinha uma hipótese de estar grávida. Mas eu estava enganada. Me desculpe.

 

Cena 14/ Leblon/ Noite.

Cobertura de Larissa.

Na copa, Larissa ajuda a Daniel a pôr a mesa.

Larissa: Eu nem sei como te agradecer. A mesa da linda. Eu tenho certeza que o jantar deve estar maravilhoso.

Daniel: Tudo pra minha garota. Eu tô curioso pra ver Agatha de novo. Ela deve estar tão linda. Modelo internacional agora.

Larissa: A  Lurdes disse que eu não projetar muito a carreira dela. Ela disse que é uma carreira muito disputada e as expectativas podem frustrar a Agatha.

Daniel: Mas ela tá certa. Frustração é um mal terrível.

Larissa: Que nada. Minha filha é a nova Gisele. Grava o que eu tô te dizendo.

Daniel: Bom, eu já acabei. Eu vou voltar pro restaurante. Hoje está cheio. E eu quero que vocês tenham privacidade para matar a saudade.

Larissa: Obrigado Daniel. Você é um homem maravilhoso.

A campainha toca.

Larissa: Deve ser ela.

Larissa caminha pela sala e vai até a porta, a abre, e vê Renner parado em frente à porta. Larissa não consegue tirar os olhos do jovem rapaz de olhos claros e cabelos loiros que estava à sua frente.

Larissa: Quem é você? Um anjo?

Os dois continuam se olhando fixamente.

 

POSTADO POR

Vítor Rodrigues de Souza

Vítor Rodrigues de Souza

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
>
Rolar para o topo