Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

Um Sonho Intenso – Capítulo 12

No fim do dia, após concluir suas tarefas na casa grande, ao retornar para sua casa, Serena, comenta o que viu e que a deixou intrigada, com o marido e o filho.

SERENA: Até agora não entendi. E olha que eu fiquei ali limpando os quartos vizinhos ao dito e não vi em hora nenhuma o tal homem sair de lá. Quase na hora de vir embora, fui lá  no quarto, olhei pela fresta da porta e não tinha ninguém, a cama estava intocável.

JULIO: Mas e o coronel?

SERENA: Ele está numa pilha só. Agitado. Mas, não fala nada.

RAIMUNDO: Estranho isso! Mas às vezes aquele senhor saiu, quando você distraiu mulher.

SERENA: Não tem explicação!

 

UMA SEMANA DEPOIS

Um novo dia se inicia. E com ele, inicia também os afazeres de todos os trabalhadores e trabalhadoras. Serena vai para casa grande trabalhar e encontra Quirina cheia de dúvidas na cozinha.

SERENA: Com quem você está falando Quirina?

QUIRINA: Comigo mesmo Serena!

SERENA: O que está te atormentando?

QUIRINA: Estão acontecendo umas coisas nessa cozinha, que eu não consigo entender… Veja só, todas as noite eu deixo a cozinha arrumada, as vasilhas todas lavadas, o resto de comida guardado e quando chego aqui de manhãzinha, tá tudo bagunçado: vasilhas sujas, a comida mexida, não sei o que pode ser isso!

SERENA: Estranho mesmo! Se fosse na época dos escravos poderia se dizer que era um que teria vinda pegar comida, mas…

QUIRINA: Vou ter que falar com dona Helena.

SERENA: Bom, agora tenho que começar a faxina da casa grande. Um bom dia pra você Quirina.

 

Na pensão, Romero e Divina estão intrigados.

ROMERO: Esquisito isso, o seu Raul saiu aquele dia para ir à fazenda e não voltou para pegar suas coisas que ficaram aqui.

DIVINA: E isso também me deixa muito preocupada. O que poderá ter acontecido por lá.

ROMERO: Fico pensando qual terá sido a reação do …, ao saber do que se tratava a visita de seu Raul.

DIVINA: Tomara que não tenha acontecido nada com o coitado de seu Raul.

 

Serena está realizando a faxina na casa grande e está exatamente no quarto em que ela viu o coronel entrando com o visitante e depois viu apenas o coronel saindo, visão que causou inquietação na mesma.

SERENA: Agora vou ver se tem algum vestígio daquele homem nesse quarto. Não estou ficando louca, tenho certeza do que vi.

Já estava quase concluindo a faxina no quarto e não descobriu nada, quando então teve a ideia de abrir um armário. E ao abrir e movimentar o que estava dentro do mesmo, percebeu que no fundo do móvel teria uma portinhola, tipo uma passagem secreta. Se assustou pensativamente, fechou o armário e saiu logo do quarto.

 

Antunes retorna de São Paulo à vila, acompanhado de um rapaz e vai ter com Sara.

SARA: Antunes! Que bom revê-lo! Como foi de viagem?

ANTUNES: A satisfação é toda minha, estimada. Foi uma viagem progressa.

SARA: Vejo que trouxes um amigo contigo!

ANTUNES: Sim, e quero lhe apresentar… Sara esse é André… André essa é Sara.

SARA: André (surpresa com o nome) Esse nome me traz lembranças do passado.

ANDRÉ: E esse mesmo passado do qual a senhorita lembra é o motivo que me trouxe aqui. O tempo se encarregou de colocar o jovem Antunes em nosso caminho, para que hoje pudéssemos estar aqui frente a frente.

SARA: Mas, é o que estou pensando?

ANTUNES: Sim, é exatamente o que você está pensando… Esse rapaz, é o André filho de Sebastiana. Eu o encontrei em São Paulo.

Sara se emociona muito e abraça André. E com um gesto de gratidão abraça também Antunes.

 

Na hora do almoço, Serena comenta com o marido e o filho o que descobriu.

SERENA: Estou até com medo do que pode ter por traz daquele armário. Agora, estou entendendo porque aquele homem não saiu aquele dia do quarto. Ele está preso atrás daquela porta.

RAIMUNDO: Que isso mulher! Por que o coronel iria trancar alguém lá.

JULIO: É mamãe, por que?

SERENA: Não sei! Mas, que aquele homem está lá dentro está.

RAIMUNDO: Para com isso Serena. Tire essas ideias malucas de sua cabeça e trabalhe direito. O coronel é um homem bom. Ele não teria motivos para trancar aquele homem assim dessa forma.

SERENA: Será Raimundo?

 

Antunes, deixa André a sós na pensão e vai para a fazenda.

ANTUNES: Amanhã, virei Sara para gente continuar com a nossa busca.

SARA: Tudo bem. Aguardo. Sinto que em breve encontrarei minha mãe. Tudo está favorável. Tio João está começando a lembrar de alguns fatos.

ANDRÉ: Amanhã nos falaremos mais amigo. Obrigado.

Sara e André vão para outra dependência da pensão. Antunes, segue para sua casa.

 

Quirina fala para Helena o que está acontecendo na cozinha durante a noite.

HELENA: Não será um gato ou outro animal Quirina?

QUIRINA: Não dona Helena. As comidas ficam guardadas dentro do forno do fogão, os pratos sujos são todos lavados logo após o jantar. Que animal consegue abrir um forno dona Helena? Sujar pratos?

HELENA: Verdade.

QUIRINA: Mas vou descobrir, hoje vou vigiar dona Helena.

HELENA: Tá bom Quirina… E Antunes já deve está chegando para o almoço. Fagundes foi para a vila e deve retornar mais tarde.

QUIRINA: Colocarei a mesa agora.

 

Com sua carruagem, Fagundes para bem enfrente a pensão de Romero e Divina e vai ter com eles.

ROMERO: Divina venha aqui! Olha quem está parado ali.

DIVINA: É ele.

Fagundes, desce da carruagem e se dirige até aos proprietários do estabelecimento.

DIVINO: Que bom que você …

FAGUNDES: Não quero conversa mole… Vim aqui pra dizer que não quero que envolvam com minha vida, ou vou ter que mandar atiar fogo nessa espelunca aqui. Deixe-me viver a minha vida do meu jeito. Para que vocês não percam as suas. Esqueçam que eu existo. Pra quem já fez o que fiz, não me importarei de acrescentar mais ações em meu currículo.

ROMERO: Mas por que você está agindo assim? Não fizemos nada com você?

FAGUNDES: Não quero que digam a ninguém, a nenhum forasteiro, onde é a minha fazenda. Ninguém! Entenderam.

DIVINO: Nunca dissemos a alguém onde você mora!

FAGUNDES: O que eu tinha para dizer, já disse. (Caminha até a porta, olha para traz e…) Me esqueçam definitivamente.

Fagundes, sobe em sua carruagem e se vai. Romero e Divino, abalados, ficaram sem entender o porque daquela atitude do coronel.

CONTINUA…

 

No próximo capítulo

Antunes se declara para Sara, dizendo amá-la. Fagundes percebe que alguém mexeu no armário. Quirina vê Fagundes pegando comida na cozinha e levando para um quarto. E muito mais surpresas. Não percam.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr

POSTADO POR

Luiz Lisboa

Luiz Lisboa

>