Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on telegram

WangXian I Ato 1 – Um sentimento latente: solidão – Isa Miranda

WangXian

Ato I

Um sentimento latente: solidão.

As luzes dos holofotes incidem sobre a figura bela e gélida que se assemelhava-se a uma divindade. Estava no centro do palco se preparando para aquele que era seu último ato. WangJi estava em seu ápice, fama e uma honrada carreira de sucesso, tudo que conquistou ainda muito jovem agora não lhe era mais importante. Era o momento final daquele ciclo em sua vida e carreira.

Aqueles que o conheciam, sabiam o quanto WangJi era disciplinado e sério, mas nos palcos a figura de face fria era empática, se transformava soltando a voz, deixando o corpo livre cativando com os olhos claros multidões.

Alvoroço da plateia, um estádio lotado e a emoção de seu último show, era perfeito e com a satisfação de um trabalho bem feito levou a todos seus fãs a uma noite de sonho a qual eles não queriam acordar.

WangJi encerrou sua carreira para seguir uma nova fase, fundou com XiChen e QiRen, a Gusu Entertainment Studios que em poucos anos se tornou a maior produtora de todo país.

O que para muitas pessoas do meio não se surpreendiam, afinal WangJi era sinônimo de profissionalismo e honra, sempre impecável e perfeito no que se propunha a fazer. Era símbolo para todos que desejavam a mesma carreira, desejavam se tornarem Idol’s nacionalmente famosos.

— WangJi. – Uma voz suave ecoa, após uma suave batida na porta da sala de estar da luxuosa mansão da família Lan. — WangJi? – XiChen caminhou pelo local procurando por ele.

— Tio. – Aparecendo em outra extremidade da sala um jovem sorridente, porém de postura muito polida, cumprimenta-o. – WangJi não está.

— SiZhui, como vai? – Olhou-o sorrindo suavemente. – Deixa-me adivinha, está andando de moto?

— O tio já conhece, mas ele volta logo, estavamos o aguardando para acertarem a regras do concurso nacional da Gusu Idol’s.

XiChen ficou um pouco apreensivo, ultimamente achava WangJi muito agitado, apesar que para todos a face inexpressiva nunca denunciasse isso, ele sabia que algo estava acontecendo.

— Seu coração está inquieto… – Murmurou.

— Disse algo tio?

— Não, está tudo bem, vou para o escritório. – Seguiu por fim ao escritório que ficava no segundo andar da mansão Lan. – Quando WangJi chegar se junte a nós, precisamos acertar a questão do marketing promocional do concurso.

— Claro, minha área, deixa que cuido de tudo. – Quando se virou para sair, deu meia volta comentando com XiChen. – Tio sei que não comentou, mas posso ser indiscreto?

XiChen sorriu divertido com o jeito de seu sobrinho.

— Desde quando você tem restrições comigo? – Caminhou até perto do rapaz e colocou as mãos nos bolsos esperando que o rapaz voltasse a falar.

— Eu sei, mas ainda me sinto um peixe fora d’água desde que vim morar com o tio e o primo WangJi. – SiZhui coçou a nuca sem jeito.

SiZhui era filho de uma sobrinha distante de QiRen e após perder os pais em um incêndio foi levando para a família Lan e tratado como um filho por XiChen e se tornou discípulo de seu primo WangJi. Formado em publicidade passou a cuidar da área de marketing da empresa.

— Não deveria, mas o que está lhe preocupando?

— O primo WangJi, tem algo acontecendo, não sei, mas ele está, como eu vou dizer, inquieto talvez…

— WangJi tem agido estranho?

— Nada fora do habitual, mas quando ele sai de moto por horas e volta para casa, se tranca no seu quarto e toca a guqin por muito tempo.

— Aquela melodia presumo.

— Sim, sempre a mesma, já estou até habituado a ouvir todas as noites ele tocando. Eu gosto, mas ao mesmo tempo sinto que o primo fica triste quando encerra a canção. – SiZhui suspirou baixo. – Não gosto de ver WangJi triste, mesmo que ele não demonstre.

XiChen estava pensativo, já havia algum tempo que WangJi não tocava a melodia, virou para o rapaz e tocou seu ombro.

— Ele está bem, não se preocupe. – XiChen se afastou para seguir a escada que levava ao segundo andar. – Vou conversar com ele e pode me fazer um favor? Peça a empregada que prepare um lanche para mim, foram tantas reuniões que não consegui seguer almoçar.

— Claro tio. – SiZhui sorriu e seguiu para a copa informar a empregada sobre a refeição.

XiChen entrou no escritório, calmamente colocou sua pasta sobre a mesa e afrouxou o nó de sua gravata. Reparou um monte de papéis antigos e livros de capas envelhecidas sobre a mesa de centro. Empilhados e organizados como tudo naquele escritório. Sentou no sofá largo e pegou um. Eram livros da biblioteca do Recantos da Nuvem, folheou notando marcações em alguns trechos de arranjos antigos. Suspirou ao notar que havia um bloco com anotações feitas por WangJi.

XiChen suavemente se encostando, recordava de todas as tentativas de WangJi fez para descobrir onde ou quando seu parceiro de cultivo reencarnaria.

— Mestre Wei, será que você está nesse mundo?

Lan WangJi e Wei WuXian haviam jurado no dia que partiram se reencontrarem em uma nova vida, preparam tudo com arranjos e magias para que quando estivessem nascidos o reencontro acontecesse naturalmente.

WangJi ao que parece reencarnou primeiro, nascido do casamento de XiChen com uma proeminente cultivadora do Clã Lan, Lan AnYi que acabou falecendo de uma doença rara quando WangJi tinha 10 anos. Concidentemente foi nesse dia que as memórias passadas de WangJi retornaram, desde então, ele vem tentando localizar o paradeiro de seu parceiro de cultivação a pessoa que amava, Wei WuXian.

XiChen passou a ajudar o filho e na busca, mas todas as tentativas de localizar foram em vão, Wei WuXian não havia reencarnado. E os anos passaram, WangJi entrou para o mundo do entretenimento acreditando que se fosse muito conhecido no país seria mais fácil de Wei WuXian descobri-lo.

O som da moto de WangJi chegando, despertou XiChen daquelas recordações, ele estava de pé olhando pela janela ampla do escritório, olhou de lá e sorriu acenando.

WangJi parou a moto na garagem, retirou o capacete, passou a mão nos cabelos negros que batiam na altura do ombro e por fim ajeitou a fita na testa.

A prática da cultivação ainda ocorria, apesar de muitas famílias de clãs cultivadores manterem encobertas para preservar suas tradições e como o mundo moderno não estava preparado para magias usavam arranjos para disfarçarem suas posições do mundo do cultivo.

A fita na testa da família Lan era encoberta por magia e somente os cultivadores conseguiam vê-la, precisava ter núcleo dourado desenvolvido através de cultivo para ver através dos arranjos de ilusão as artes e poderes dos cultivadores. Devido a isso, a tradição da família Lan não perderia seu propósito e poderiam continuar com suas fitas na testa sem preocupações.

WangJi entrou na sala e colocou o capacete sobre a mesinha de centro, logo foi recepcionado por SiZhui que havia chamado JingYi para a reunião que teriam sobre a divulgação do concurso nacional.

— Primo WangJi. – Curvou o cumprimentando.

— WangJi. – JingYi curvou em seguida.

As tradições antigas ainda permaneciam, eles se curvaram e com as mãos unidas a frente demonstravam respeito ao mestre deles.

— Meu pai chegou cedo. – WangJi caminhou para a escada subindo-a.

— Tio XiChen está adiantado.

— …Estamos com muito trabalho, mas será incrível, esse concurso foi só mencionado naquela notinha que você soltou nas redes sociais e foi um alvoroço enorme. – JingYi estava animado.

— Realmente, vai ser o acontecimento do ano.

— A equipe foi escolhida? – WangJi continuava andando pelo corredor do segundo andar até o escritório.

— Sim, presidente QiRen chamou os melhores. – JingYi respondeu satisfeito.

— Muito bem, vamos fazer a nossa parte sem alardes por enquanto. – WangJi abriu a porta do escritório e entrou seguido da dupla animada.

— Pai.

XiChen estava sentado no sofá bebendo um gole de chá, enquanto olhava para a tela do laptop aberto na mesinha de centro.

— WangJi. – Sorriu para ele. — Estamos prontos, falta acertamos agora a divulgação e todo anúncio para o concurso nacional.

— Hn. – WangJi sentou ao lado de XiChen que virou o aparelho para ele e ficou analisando na tela todos os dados por um tempo.

— Tio eu já montei todo o cronograma. – SiZhui mostrou a pasta a XiChen.

XiChen olhou e gostou de tudo, entregou em seguida a pasta para WangJi.

— Impecável como sempre meu sobrinho.

— Ei gente, olha só, estou vendo aqui nossas redes sociais. – JingYi olhava a tela do seu iphone e mostrou a eles. – Mais de dez mil de visualizações na nota que soltamos ontem, incrível!

— Ótimo, com isso vamos chegar a muita gente, o país inteiro saberá desse concurso. – SiZhui olhou animado para WangJi. – Do jeito que você quer primo.

WangJi olhava a tela do seu smartphone quando voltou a face inexpressiva para o trio. Curvou leve a cabeça, demonstrando-se satisfeito com toda preparação do concurso.

Algumas horas mais tarde encerraram a reunião satisfeitos com todos preparativos para no dia seguinte anunciarem aberta as inscrições do concurso. SiZhui e JingYi se despediram e saíram deixando WangJi e XiChen a sós.

WangJi olhava as suas redes sociais, vez ou outra respondia algum comentário, quando XiChen voltou a sentar ao seu lado no amplo sofá.

— Soube que tem tocado a guqin todas as noites, não quero que seja desanimado dessa forma, me preocupo.

— Pai. – WangJi colocou o aparelho de lado e virou os olhos claro para XiChen. – Não há nada para se preocupar, estou bem.

— WangJi, ele vai reencarnar e vamos encontra-lo.

WangJi baixou o olhar e voltou atenção a tela do smartphone.

— Não desistirei.

— Não desistiremos.

XiChen confortava-o, mas sabia que o coração de WangJi estava sentindo a falta de WuXian. Encostou seu ombro no dele, voltando a tomar um gole de chá gelado. WangJi inspirou tão sutil que somente o outro pode ouvir, nesse mesmo instante encostou a cabeça no ombro de XiChen e fechou os olhos. Seu coração estava dolorido e a solidão aumentava a cada ano sem Wei WuXian.

— A-Xian… Ei… A-Xian…?

— WuXian, vamos logo acorda!

Cheng e YanLi estava pegando as malas, enquanto tentavam chamar WuXian que dormia no outro lado do corredor.

— WuXian olha o cachorro.

O rapaz de cabelos castanhos na altura do ombro rolou no banco ainda dormindo, estava com fone de ouvidos e resmungou baixo. De repente abriu os olhos assustados.

— Cachorro?!! Onde?! – Pulou do banco com os olhos arregalados olhando em volta. – Irmã, onde está?

— A-Cheng, isso é maldade. – Sorrindo YanLi arrastou a mala pelo corredor e abriu o bagajeiro em cima da cabeça de WuXian. – Não tem cachorro, vamos, já chegamos na capital. – Pegue sua mala.

— Chegamos?! – WuXian olhou pela janela, já estavam na plataforma de desembarque. – Finalmente, civilização!

Cheng rolou os olhos, ajudou a irmã com a mala dela e ralhou com o irmão caçula.

— Sempre assim, você continua mimando-o irmã.

— Ahhh, para de reclamar Cheng, chegamos à capital, vida nova e um mundo enorme para nós. – Sorrindo e agitado, o rapaz nem parecia ter acabado de acordar.

Os irmãos estavam se mudando para a capital, sempre viveram na zona rural e com ajuda dos pais conseguiram se mudar para tentar uma vida melhor na capital. YanLi que havia vindo primeiro, estava cursando a universidade de Moda e trabalhava como secretária na mesma faculdade que os irmãos acabaram de entrar. Ela que morava com a tia conseguiu juntar dinheiro com apoio dos pais e os irmãos que trabalhavam na roça conseguiram comprar um pequeno apartamento em um condomínio residêncial próximo ao centro de Pequim. Era o início de uma nova vida onde os sonhos poderiam se tornarem reais.

— Precisamos ir ao metrô, já enviei uma mensagem a nossa tia,  passamos lá primeiro, todos querem ver os dois. – YanLi falava com ambos irmãos quando eles saíram da estação e seguiam pela calçada em direção a estação do metrô.

WuXian olhava para cima e depois em volta, eufórico tagarelava sem parar.

— São enormes os prédios, A-Li veja tudo muito lindo e agitado. – Sorridente apertou o passo para seguir ao lado da irmã mais velha.

— WuXian, pare de agir que nem caipira… – Emburrado Cheng andou ao lado oposto da irmã. – A-Li dá um jeito, vamos passar vergonha com esse aí.

— Ahhh, se divirta um pouco. – WuXian se curvou nas costas de YanLi e deu um tapa nas costas de Cheng. – Fique feliz, estamos na capital vamos conseguir tudo que sonhamos.

O brilho nos olhos de WuXian era tamanho que foi impossível para os dois irmãos não sorrirem.

— Ok, vamos logo para nossa nova casa. – YanLi segurou a mão de WuXian. – A-Xian, aqui é a capital não estamos mais na nossa vila, onde conhecíamos todos e todos nos conheciam.

— Eu sei irmã, mas estou tão agitado que não consigo parar. – Wuxian olhou em volta. – É uma sensação que não sei ao certo descrever, mas algo me diz que esse é o lugar que devo estar.

— Xiiiii, começou… – Cheng rolou os olhos e depois debochou. – Lá vai ele viajar de novo… Desce para a terra WuXian, chegamos na estação do metrô, estou doido por um banho e esticar meu corpo na cama. – Cheng pegou a mala de rodinhas dele e da irmã e arrastou. – Seis horas de trem normal e minhas costas tão com desvio de coluna. Por que não viemos de trem bala?

Wuxian sorriu e com olhar arteiro correu a frente de Cheng e pegou as malas dele.

— Normal, afinal você já é um velho mesmo, vive reclamando de tudo, hahahahahahahaha.

— Ah seu… – Cheng emburrou e puxou a mala indo para a catraca onde iriam passar para pegar o metrô.

YanLi sorriu seguindo a dupla e pouco mais de meia hora chegaram no bairro onde iriam morar. Primeiro passaram na casa da tia de seu pai, foram recebidos com festa e uma boa refeição.

Já era noite quando finalmente chegaram na casa nova, o trio estava cansado e largaram as malas na pequena sala. WuXian que era sempre agitado resmungou:

— Realmente família cansa, estou morto. – Jogando no sofá pequeno verificou o local. – Será que ligaram a internet?

— Sim, A-Xian, temos telefone e internet. – YanLi levantou, entregando um pedaço de papel com a senha do wi-fi e pegou a sua mala indo para o quarto.

WuXian pegou seu smartphone e abriu conseguiu conectar no wi-fi e começou a vasculhar as redes sociais.

— Olhaaaaa. – Puxou a manga da blusa de Cheng sacudindo.

— Arrrr WuXian para de me sacudir, o que é? – Sentou no sofá.

— … Mais de dez mil visualizações… Vai rolar Cheng, não é blefe.

— Ainda acho que é piada, concurso para escolher a nova cara da Gusu Entertainment Studios. – Cheng lia a nota curta na rede social do maior estúdio do país não crendo naquela notícia. – Como soltam algo assim do nada?

— É para valer, tenho certeza e vamos nos inscrever. – WuXian olhava a tela do aparelho passando com o dedo as mensagens. – As pessoas estão comentando, vou comentar, hahahahahaha…

Cheng revirou os olhos, levantou resmungando.

— Vamos é na faculdade amanhã para matrícula, é para isso que viemos para a capital. – Deu um tapinha no ombro de WuXian. – É com isso que tem que se preocupar.

— Ah? Claro que a faculdade é importante, mas Cheng cantar é nosso sonho e essa é uma oportunidade. – WuXian levantou e passou o braço no ombro do irmão mais velho. – Cantar nossas músicas e nos apresentarmos naquele palco enorme com uma multidão gritando nosso nome. – O eufórico rapaz fazia gesto com a mão vislumbrando a cena que descrevia. – Vai ser o máximo.

Cheng sorriu cruzando os braços, de certa forma seria incrível imaginar tal sonho se tornando real, mas ele tinha os pés no chão e por mais que amasse a música, queria trabalhar e se formar para ajudar os pais em casa.

— Tudo bem, fazemos assim tentamos esse concurso, se não der certo você para de me perturbar com essa coisa de ser Idol, ok?

WuXian olhou-o com enormes olhos castanhos brilhantes, o sorriso estampado na face e concordou exageradamente com a cabeça.

— Vamos conseguir. – Afastou de Cheng e voltou a sentar no sofá mexendo na tela de seu smartphone. – Somos bons e WangJi vai contratar a gente para ser os novos ídolos da Gusu Entertainment Studios.

— Tá… – Cheng negou com a cabeça e foi para o seu quarto.

WuXian olhava as redes sociais e as fotos de WangJi, estava feliz que poderia ter oportunidade de se aproximar e conhecer seu ídolo.

“WangJi será incrível te ver de perto, espero por isso a tanto tempo.”

WuXian esticou o corpo no sofá e ligou a tv, distraindo o pensamentos, desde que viu pela primeira vez WangJi se apresentar, há 12 anos atrás, que sonha em conhece-lo. A paixão pela música foi graças a voz e performance de WangJi.

“WangJi finalmente…”

O rapaz estava em devaneios, sentia seu coração bater forte a cada vez que o ouvia cantar. Na zona rural onde ele e os irmãos viviam com seus pais era difícil o sinal de internet, muitas das vezes que ia em lojas de redes wi-fi, ficava horas lendo notícias e assistindo vídeos de apresentação do ídolo.

WuXian escondia os sentimentos que tinha por WangJi, tinha receio de o interpretarem errado. Um sonho tolo de criança e adolescente, algo que seu irmão Cheng falaria que ele é um caipira tolo.

No momento em que viajava em seus pensamentos, uma notificação da rede social Gusu Entertainment Studios saltou na sua tela. Rapidamente ele abriu e arregalou os olhos. Correndo pela casa, chegou no quarto de Cheng aos gritos.

— Cheng é real… Falei para você, aconteceu… – WuXian mostrava a tela do aparelho para o irmão. – Não era fake, hahahahahaha…

Cheng pegou o aparelho e leu a notícia, levantou a sobrancelha e voltou a olhar para WuXian que tinha um enorme sorriso na face.

— Vamos nos inscrever ué… – Entregou o aparelho para WuXian. – Só um concurso, não terá só nós, fique sabendo disso. – Apontou para a tela do aparelho. – Veja as regras, terá seletivas e vai ter muita gente.

— Nós vamos passar em todas as seletivas. – WuXian pegou aparelho. Lendo as regras suspirou falando em seguida. – A última etapa será com WangJi, ele que vai escolher, mediante apresentação, o novo Idol que representará o seu Studio.

— Hum, legal… Agora vai tomar um banho e descansar, amanhã temos muito o que fazer. – Cheng puxava os lençóis da cama para deitar.

WuXian concordou e ao sair do quarto foi para o seu, onde sua irmã já havia deixado sua mala, sentou na cama e inspirou fundo. Não sabia bem o motivo, mas estava emocionado com a possibilidade de ver WangJi de perto.

— WangJi… WangJi… Mesmo que eu não vença esse concurso só de poder chegar perto de você já terá valido a pena.

WuXian sorriu, foi tomar um banho o dia seguinte prometia e ele não iria perder essa oportunidade nunca.

Fim do ato I

Edição imagens Isa Miranda e Revisão de texto Apodyopsis Ferreira

POSTADO POR

Isa Miranda

Isa Miranda

Escritora, design digital, editora de vídeos, assessora e divulga autores iniciantes. Publica em plataformas digitais, participa de antologias, escreve para o Cyber TV, mãe de Rafael e Yasmin e não gosta de café.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on tumblr
  • Lindos! Adoro esse destino deles, adoro a premissa de que eles já ficaram juntos e arrumaram tudo para se reencontrar.
    WangXian é a melhor história de amor ❤❤❤

    Bju Isa!!!!

  • >
    Rolar para o topo